Busca:






Vacina

Vacina  Agilizar as decisões da gestão sobre medidas de combate ao Covid-19, sem reduzir os riscos de contaminação, exigem cada vez mais tecnologia e velocidade. Para assegurar essa eficiência, a prefeitura começa a usar já a partir desta terça-feira (24) um aplicativo especial capaz de reunir remotamente e de forma simultânea cerca de 40 pessoas.


Vacina 2 Sistema de conversa e transmissão de dados vai reunir numa grande mesa redonda virtual de reunião, secretários e principais autoridades da saúde, assistência social e segurança.


Vacina 3 Outro importante serviço de combate ao coronavírus é o telefone 156. Sistema de call center, que já está em fase de testes, e que deve começar a funcionar nas próximas 48 horas,  assegura ligação gratuita em toda a Camaçari para que a população tire dúvidas sobre o coronavírus.


Vacina 4 Serviço também ajuda a detectar e mapear regiões e novos casos suspeitos. Nesta primeira fase o serviço deve contar com cerca de 20 pessoas, entre atendentes e profissionais de saúde, inclusive médicos.


Vacina 5 Ideia era colocar o serviço em funcionamento desde a semana passada, mas as operadoras Oi, Vivo, Tim e Claro vinham obstacularizando a ativação do serviço. Alegando problemas técnicos, falavam em prazo de até 45 dias.


Vacina 6 A decisão obrigando as telefônicas a ativarem o serviço foi dada domingo (22) pela juíza Ana Lúcia Ferreira Matos, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Ainda de acordo com a decisão, povocada por ação judicial da prefeitura, as companhias têm até amanhã, terça-feira (24) para iniciar o serviço, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. Segundo apurou a Coluna, operadoras já iniciaram os testes do serviço.


Vacina 7 Nesse pacote de medidas de combate ao Covid-19, outra importante ação é a reabertura do Hospital da Mulher. Fechando desde 2018, unidade localizada no bairro Parque Verde e com abrangência e influência nas populações da Gleba E e Phocs, espaço precisa apenas de vontade política por parte do alcaide Antonio Elinaldo para se tornar mais uma trincheira na luta contra o Covid-19.


Vacina 8 Agregar o equipamento, que pode até se transformar numa unidade com cerca de 20 leitos, ao plano emergencial do município nesse momento de pandemia, superando as disputas políticas paroquiais dentro da base governista é a melhor receita de prevenção.


Vacina 9 Trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) da prefeitura de Camaçari começam a se mobilizar e pedem mais segurança nas suas ações durante esse período de pandemia.


Vacina 10  Estão preocupados com a manutenção de forma segura de equipamentos como os centros de referência de atendimento social à população, como Cras, Creas e unidade de apoio à população em situação de rua. Lembram que além da falta estrutura de atendimento e segurança para esses servidores que lidam diretamente com a população, essas unidades não possuem os padrões de controle e higiene comuns nas unidades de saúde.


Vacina 11 Montadoras como a Ford e outras grandes corporações transnacionais instaladas no complexo industrial de Camaçari precisam ampliar  seu pacote de ajuda. Suspender suas atividades e manter seus trabalhadores em casa é medida correta, mas podem fazer mais.


Vacina 12  Com 11 respiradores, equipamento fundamental em casos de agravamento do paciente do coronavírus, Camaçari e precisa ampliar essa estrutura. Sem a tradicional burocracia, suspensa com as medidas de emergência do governo federal, essas companhia precisam ampliar suas gestões junto às suas sedes para que esses e outros equipamentos necessários possam ser importados e doados ao município nesse momento de pandemia.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


23/ 3/2020

 





Sem traumas

Sem traumas O médico e atual subsecretário de saúde de Camaçari, Luiz Duplat, será o substituto do também médico Elias Natan, no comando da Sesau. Vereador linecenciado, o Doutor Natan (PSDB) deve deixar o cargo até o final do mês, conforme determina a Legislação Eleitoral. A antecipação do nome na saúde visa facilitar a transição nesse momento de intenso trabalho de combate ao coronavírus. O martelo foi batido durante reunião na tarde desta terça-feira (17) pelo alcaide Antonio Elinaldo (DEM).


Sem traumas 2 O nome do conhecido e respeitado médico obstetra camaçariense foi listado como provável nome no Camaçarico de 20 de janeiro (Confira). Duplat chegou a ser cotado para comandar a Sesau durante a montagem do governo, em 2016, mas terminou sendo descartado para ampliar a composição na base governista. A ida de Natan para o primeiro escalão possibilitou a subida do suplente de vereador, o influente e articulado empresário Niltinho Maturino para a titularidade no Legislativo.


Sem traumas 3 O doutor Duplat não era o nome preferido pelo doutor Natan. Segundo apurou a Coluna, a odontóloga e servidora de carreira, Tamy Fonseca, diretora de planejamento da Sesau, era a opção, mas a conjuntura política terminou por confirmar o subsecretário. Opção pelo caminho mais curto e sem traumas na base  elinaldista sinaliza que os outros subsecretários devem assumir as titularidades.


Sem traumas 4 Estão na mesma situação, com prazo de desincompatibilização dos cargos de secretário, os vereadores licenciados Gilvan Souza (PSDB) e Junior Borges (DEM) deixam os postos para tentar a reeleição em 4 de outubro. Gilvam deixa a pasta do turismo (Setur) e deve ser substituído pela subsecretária, Lúcia Bichara.


Sem traumas 5 Outra mulher que deve subir para o primeiro escalão do governo do alcaide  Elinaldo é a advogada Vivian Angelin, atual subsecretária de Borges na pasta da habitação (Sehab). As doutoras Vivian Angelin e Lúcia Bichara também não eram as substitutas dos sonhos de Junior Borges e Gilvan Souza.


Sem traumas 6 Também devem deixar as pastas até o final do mês os secretários e vereadores licenciados  Antonio Falcão, ex-DEM e agora no Cidadania, e Sesseu (PSDB). Falcão atual gestor da  agricultura e pesca (Sedap),  não tem subsecretário. Mesma situação vive o titular do esporte, lazer e juventude (Sejuv), Sesse Abreu (PSDB). O ex-verador petista e agora tucano de alta plumagem, Otaviano Maia, pode assumir o apito e a bola. Já na Sedap, a pescaria está com águas mais turvas, mas não deve fugir da regra da acomodação de lideranças aliadas.


Sem traumas 7 Diferente de Falcão, que tenta a reeleição, Sesse volta para a Câmara de Vereadores para terminar o mandato. Hoje quadro do esquema político do doutor Natan, o servidor de carreira Sesse Abreu aposta na reeleição de Elinaldo e na manutenção do mandato legislativo de  Natan para assegurar uma boa sombra no governo, quem sabe uma secretaria, até completar o tempo de aposentadoria.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


17/ 3/2020

 





Time

Time Depois das incertezas sobre o que fazer para conter a propagação do coronavírus e os seus riscos para a população de Camaçari, a administração do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) começa a seguir a regra. Um pacote de medidas que vai regular a realização de eventos públicos e medidas na estrutura do município que ajudem a impedir a propagação do Covid-19. Medida discutida com com secretários será divulgada  ainda na manhã desta segunda-feira (16). 


Time 2  O conjunto de procedimentos inclui suspensão das aulas na rede municipal, já a partir de amanhã terça-feira (17), limitações de aglomerações e concentrações de 200 pessoas em espaços públicos, como festas e eventos, além de medidas administrativas.


Time 3  Com a suspensão das atividades para os cerca de 35 mil alunos das 101 escolas mantidas pelo município, a secretaria de educação (Seduc) começa agora a discutir como ajudar no combate à propagação do coronavírus com os alunos em casa.  Pequenas reuniões com diretores e uso intenso das redes sociais, inclusive com transmissões via internet devem ser adotadas pela pasta. Como manter o apoio alimentar a esses estudantes e outras questões de caráter pedagógico são desafios que precisam ser construídos com essa nova realidade. 


Time 4 Outra estrutura que precisa  se mexer, tal o tamanho da sua abrangência no atendimento a uma parcela significativa dos cerca de 300 mil habitantes de Camaçari, é a secretaria de desenvolvimento social e cidadania (Sedes). Responsável por mais de uma dezena de programas como Conviver, Casa da Criança, Bolsa Família, Bolsa Social, atendimento à população em situação de rua, entre outros, pasta precisa construir, com os pés no chão, uma estratégia de prevenção. 


Time 5 Avançar nas ações é regra e obrigação do poder público. Cabe à prefeitura, nesse conjunto de esforços, reunir entidades como associações de moradores, sindicatos, e entidades empresariais como a câmara de dirigentes lojistas (CDL) e associação comercial e empresarial de Camaçari (Acec).   


Time 6 A suspensão do festival de Arembepe, coincidentemente anunciada cerca de uma hora depois do Camaçarico cobrar do alcaide o cancelamento da festa (Confira), na noite de quinta-feira (12), foi a certeza de que os procedimentos padrões começaram a ser adotados. 


Time 7 Nessa cronologia a Coluna lembra que ainda na tarde de quinta-feira a prefeitura discutia atrações para a festa que estava prevista para acontecer entre a próxima sexta-feira (20) e a segunda-feira (23). Reforçam essa clara dificuldade de implementar um plano mais amplo de prevenção, a incerteza da cúpula da secretaria de saúde do município (Sesau), apesar da posição firme dos técnicos da pasta que defendiam o cancelamento da festa desde meados da semana passada, segundo apurou a Coluna. 


Time 8 Fontes do Camaçarico asseguram que nenhuma decisão definitiva havia sido tomada até o encontro de candidatos da base governista, realizado na noite da mesma quinta-feira no espaço Carrapicho. Um desses indicativos foi a presença do alcaide, último a falar no evento, mas que em nenhum momento aproveitou o público, formado por cerca de 150 lideranças, para anunciar o cancelamento do festival de Arembepe. 


Time 9 O alerta do comando da PM em Camaçari foi outro fator que empurrou o governo municipal a decidir pelo cancelamento. Segundo apurou a Coluna, as autoridades municipais envolvidas na festa já haviam sido alertadas sobre o risco de colocar a tropa num evento com possíveis riscos de contaminação. 


Time 10 Nesse ambiente de lentidão, até as oposições, representadas pelo ex-prefeito Luiz Caetano (PT), e demais grupos políticos envolvidos na disputa pelo poder municipal deram sua contribuição se omitindo, quando deveriam usar seus militantes para somarem nessa luta. A única voz a cobrar o cancelamento do festival foi do vereador Téo Ribeiro (PT).


Time  11 Por falar em coronavírus e suas implicações, o cancelamento do festival de Arembepe terminou dando fôlego para legendas rearrumarem seus times de candidatos a vereador. Apesar do prazo legal da janela do pula-pula partidário definido pela Legislação Eleitoral ser 4 de abril, em Camaçari esse desenho seria apresentado durante o cortejo das baianas, na próxima sexta-feira (20). 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


16/ 3/2020


 

 





C`est fini

C`est fini  O empresário Fábio Lima, atualmente no PP, do vice-governador João Leão, deve deixar a legenda e se filiar a um dos 5 partidos (DEM, PSDB, PRB, Cidadania e PSL) da base do alcaide e candidato a reeleição Antonio Elinaldo (DEM). Com a decisão, que deve ser anunciada nas próximas horas, Lima abre mão da postulação para a prefeitura e engrossa o time governista na disputa contra candidata do PT, atualmente  melhor posicionada no bloco  oposicionista, de acordo com as últimas pesquisas, a advogada e esposa do 3 vezes prefeito do município, Luiz Caetano.


 C`est fini 2 Segundo apurou a Coluna, Fábio Lima será candidato a vereador. A legenda pela qual o empresário e jovem liderança com forte presença em Arembepe e em toda a costa do município, vai disputar uma das 21 cadeiras do Legislativo ainda não foi definida. Essa tem sido uma das últimas dificuldades na finalização das chapas na base governista. 


C`est fini  3  Fontes disseram ao Camaçarico que o leque de opções se resume a 3 partidos. Dessa lista estariam fora de cogitação o abrigo no Democratas e no PSL. O DEM, com os vereadores Flávio Matos, Jorge Curvelo, Junior Borges e Vaninho da Rádio, e os suplentes no exercício do mandato Fafá de Senhorinho e Rui Magno, resiste em dar legenda ao novo aliado. O PSL, que  fechou a porteira para vereadores com mandato e suplentes que já experimentaram o gostinho do Legislativo, é outro imporvável abrigo. 


C`est fini 4  No atual quadro, restariam, numa escala com maiores possibilidades o PRB, seguido pelo PSDB e o Cidadania como 3ª opção. No Republicanos, Fábio Lima terá de disputar a eleição com os vereadores e candidatos à reeleição Bispo Jair e Val Estilos, e o suplente de vereador Dedel. 


C`est fini 5  Engenharia para o alcaide Antonio Elinaldo resolver até 4 de abril, quando fecha a janela eleitoral para o pula-pula de partidos, também passa pelo PSDB dos vereadores e atualmente exercendo cargos de secretário até o final do mês, Elias Natan, na pasta da saúde; e Gilvan Souza, titular do turismo. No ninho tucano, Lima teria ainda como concorrentes os vereadores eleitos em 2016 e no exercício do mandato, Dilson Magalhães e Pastor Neilton.


C`est fini  6 Fecham a conta de alternativas para acomodar o novo aliado, o Cidadania. Presidida pelo ex-vereador Cleber Alves, legenda conta com outro time puxado pelos vereadores por Zé do Pão, Antonio  Falcão, Jamelão e Adauto Santos, além da suplente no exercício do mantado, Doutora Cristiane Bacelar. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


15/ 3/2020

 







Proteção O alcaide de Camaçari, Antonio Elinaldo (DEM) precisa decidir rápido sobre a suspensão do festival de Arembepe. Prevista para começar na próxima sexta-feira (20), festa com duração de 4 dias e público estimado pela própria prefeitura em cerca de 100 mil pessoas, já ganhou sinal vermelho da área de saúde do município. Segundo apurou a Coluna, técnicos da secretaria de saúde de Camaçari (Sesau), e outras autoridades do primeiro escalão do governo defendem a suspensão do evento em função do avanço do Covid-19 no estado.


Proteção 2 As ameaças são grandes e já movimentam o Comitê Operacional das Emergências (COE-Saúde) que deve se reunir no começo da próxima semana. Estrutura coordenada pela Sesau e formada pelas demais secretaria municipais, Hospital Geral de Camaçari (HGC), Defesa Civil, Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (COFIC) e Polícia Rodoviária Estadual vai discutir justamente os riscos de manutenção da festa e os procedimentos com o registro de casos no município. 


Proteção 3 Mesmo sem nenhum caso confirmado, já que os 4 suspeitos de contaminação pelo coronavírus foram identificados como gripe Influenza, município se prepara para entrar no mapa da doença, dizem especialistas ouvidos pelo Camaçarico. Rede de saúde, pública e particular no município, já vem sendo monitorada sobre  possíveis registros.


Proteção 4 Nesse mapa de cuidados, Salvador sai na frente e já anunciou o cancelamento das festas pelos 470 anos de aniversário de fundação da primeira capital do Brasil, no próximo dia 29. Outro grande evento que deve ser cancelado é a Micareta de Feira, marcada para 23 a 26 de abril. Município distante cerca de 100 quilômetros de Camaçari, registra os 3 casos de coronavírus confirmados no estado.


Proteção 5 A secretaria de Saúde do Estado (SESAB) ainda não se manifestou oficialmente. O secretário Fábio Vilas Boas disse nesta quinta-feira (12), durante entrevista a jornalistas, que a recomendação geral é evitar aglomerações e eventos de massa como medida para conter o avanço do Covid-19.


Proteção 6 Mais político que doutor, Vila Boas, que deveria ser incisivo, preferiu lavar as mãos e colocar máscara ao lembrar que a decisão de suspender grandes eventos é dos gestores e organizadores das festas. 


Proteção 7 Suspensão do festival de Arembepe parece ser a medida mais sensata e deve contar com o apoio de todos. Essa decisão precisa ser unânime e não pode permitir que adversários da política aproveitem, sob qualquer pretexto, para inocular o vírus do descompromisso com a saúde pública.


Proteção 8 O editor tentou manter contato com o secretário de saúde do município, Elias Natan, e com o prefeito Antonio Elinaldo, mas até o fechamento da Coluna não obteve nenhuma resposta.


Proteção 9 Manter a festa com suas consequências reais para a saúde da população vai muito além do mero risco político. Nada justifica manter o Festival de Arembepe. Preservar vidas é decisão maior que qualquer prejuízo econômico para o comércio e toda a cadeia produtiva da festa.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


12/ 3/2020

 







Combustível  A candidatura do empresário Fábio Lima (PP/MDB), a prefeito de Camaçari, segue literalmente em modo stand-by. Sem alcançar voo necessário para se manter no páreo, de acordo com todas as pesquisas, Lima vira alvo dos dois maiores nomes na disputa.  A Coluna apurou que o pepista já conversa com o grupo governista e com a ala oposicionista. 


Combustível 2 Na banda governista, Fábio Lima esteve com o alcaide e candidato a reeleição, Antonio Elinaldo (DEM), de quem teria recebido a proposta de uma legenda, que pode ser o Cidadania, para disputar a vereança, além de outros benefícios na máquina municipal.


Combustível 3 Na banda oposicionista, o até o ano passado aliado do petista Caetano, coordenador da campanha da advogada e sua esposa, Ivoneide Caetano, teria recebido como aceno para voltar ao velho lar, a vaga de vice-prefeito na chapa liderada pelo PT. Integrante do grupo do vice-governador João Leão, chefão do PP no estado, Fábio Lima deve receber mais pressão até o final da semana, quando conversa com o staff do governador Rui Costa (PT).


Combustível 4 A outra alternativa é se manter candidato a prefeito e apostar no futuro. Mas, esse caminho é o menos provável. Falta de apoio financeiro para prosseguir bancando os compromissos, e a capacidade de construir até o final de março um time de candidatos a vereador capaz de segurar sua candidatura, são fatores que deixam empurram o pepista para a cabeceira da pista de pouso.


Passarela  Com seus 5 trajes (DEM, PSDB, PRB, Cidadania e PSL) já definidos, o  alcaide e candidato a reeleição, Antonio Elinaldo (DEM), espera agora a apresentação do guarda-roupa da sua principal e decisiva adversária, a petista Ivoneide Caetano. Com dificuldades visíveis para ampliar o leque de partidos e consequentemente um número maior de candidatos a vereador e pulverização nas bases, o 3 vezes prefeito de Camaçari, Luiz Caetano, responsável pela montagem desse figurino, esconde a tesoura e os aviamentos. 


Passarela 2 Com 6 partidos (PT, PCdoB, PSB, PSD, Podemos, e Pros) para transformar no maior número de vestidos para sua candidata e esposa, Caetano espera apresentar esse figurino definitivo na lavagem de Arembepe, sexta-feira (20).  Certo, até agora, só o PT e o PSB com grande parte da costura  concluída. O PCdoB, tido como modelo pronto para uso, precisa de ajustes, assim como o PSD que se insinua no espelho das negociações. Sem chances de escalação para o desfile estão o Pros e o Podemos. 


Configuração  Será segunda-feira (16), a partir das 17h, no Clube Arsenal, a festa de filiação das novas lideranças e candidatos a vereador pelo PSL de Camaçari. O ato, como antecipou o Camaçarico (Confira) terá como anfitriã a deputada federal Professora Dayane Pimentel, presidente estadual da legenda.


Configuração 2 Manifestação que oficializa a entrada do 5º partido na base de apoio ao projeto de reeleição do demista Elinaldo deve baixar a temperatura na base governista. Decisão irreversível do PSL acaba de vez com a grita da base de vereadores governistas que não aceitava uma legenda na sua coligação sem candidatos à reeleição.  


Configuração 3 Mesmo sendo a única legenda que não estava no cronograma desenhado pelo alcaide, festa do PSL vai ajudar a trazer sangue novo para a campanha. E, o alcaide sabe disso. Diferente dos atos do Cidadania, PRB e PSDB, esse último realizado na noite de segunda-feira (9), manifestação do PSL e seu grupo de candidatos ´virgens` vai agregar de forma mais ampla e até diferenciada a juventude e a disposição que marcaram a campanha do demista em 2016.


Calculadora  Com nomes para atender todos os gostos e tamanhos, a disputa para vereador de Camaçari pode somar até cerca de 380 candidatos. Com cerca de 174 mil eleitores e uma expectativa de  somar pouco mais de 130 mil votos, retirando os brancos, nulos e abstenções, Camaçari teria uma média de menos de 400 eleitores para cada 1 candidato a vereador.


Calculadora 2 A conta é simples, cada partido pode apresentar até 32 nomes, resultado da soma das 21 cadeiras do Legislativo mais 50% (11), limite máximo permitido pela legislação eleitoral. Até agora estão confirmados os 5 partidos da coligação do alcaide Antonio Elinaldo. De acordo com o staff governista, todas as legendas sairão completas, portanto com 160 pré-candidatos a vereador.


Calculadora 3 Nessa conta entram mais 96 nomes com o PDT de Oziel, o Avante de Pedrinho de Pedrão e o PSol de Socrates Magno que prometem guarda-roupa completo. Dúvida é o tamanho da composição encabeçada pela petista Ivoneide. Na possibilidade mais provável de 3 partidos, coligação teria com chapa completa a mesma multiplicação 3X 32, portanto 96 pré-candidatos. Com a inclusão da coligação do candidato a prefeito, Fábio Lima (PP/MDB), conta chega a 384 candidatos. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


10/ 3/2020

 





Pressão

Pressão  O PSL vai mesmo disputar as eleições municipais em Camaçari com uma chapa formada apenas por novas lideranças, todas sem mandato de vereador ou que nunca exerceram a função, ainda que na condição de suplente. A certeza foi dada nesta sexta-feira (6) pela presidente da legenda na Bahia, a deputada federal Professora Dayane Pimentel.


Pressão 2 Durante encontro com os pré-candidatos, no escritório político da deputada, em Salvador, a parlamentar reafirmou seu apoio e obteve  a certeza de que todo o grupo vai apoiar a postulação do atual alcaide e candidato a reeleição, Antonio Elinaldo (DEM). Com a confirmação, antecipada pelo Camaçarico (Confira), a base de apoio ao prefeito será formada pelo DEM, PSDB, PRB, Cidadania e PSL.


Pressão 3 Nas quase duas horas de conversa, a deputada Dayane assegurou que esse apoio não passaria por acordo que interferisse no projeto de construção da legenda no município a partir de novas e jovens lideranças. A Coluna apurou que o alcaide Elinaldo e seus representantes, em especial vereadores,  tentaram dificultar essa composição, inclusive  atraindo com generosas ofertas parte dessas jovens lideranças para as 4 legendas da base governista.


Pressão 4 A decisão de excluir velhas as raposas da política e suplentes que já exerceram o mandato de vereador tornou o projeto do PSL ainda mais apetitoso. Não é por acaso que a legenda deve disputar as eleições municipais com chapa completa. Graças a essa certeza de assegurar a disputa de “forma justa”, como disse a deputada Dayane, que o PSL terá 32 nomes, sendo 10 mulheres.   


Pressão 5 Um grande ato de filiação está marcado para o próximo dia 16 em Camaçari. Festa presidida pela deputada Dayane terá as presenças do alcaide Elinaldo e de outras lideranças do partido no estado. Participaram da reunião os pré-candidatos: Binho da Pizza, Daniela, Diih Passarinho, Dudu do Povo, Edmilson do Esporte, Gil Eventos, Herbinho, Ivandel, Jamesson, Mauricio Qualidade, Ninho do Ligeirinho, Pastor Rocha, Doutor Roberto Moacir, Sargento Ramos, Tiago Peixoto, Vagner, Verbenia, Vini da Gleba E e Zinho Desafio. Número deve crescer  nos próximos dias com a adesão de novas lideranças, agora tranquilizadas pelas regras do partido que excluem políticos com mandato.


No palco  Não passa de fake News a informação de que o cantor Ninha, ex-Timbalada, fere a legislação eleitoral e pode perder o direito a disputar um mandato de vereador por Camaçari, ao se apresentar no Festival de Arembepe.  A informação sobre a candidatura do artista foi antecipada pelo Camaçarico (Confira). Ninha, morador de Vila de Abrantes desde o começo dos anos 2000, é uma das atrações da grade de shows da festa, domingo (22) à noite na praça das Amendoeiras.


No palco 2  Ninha só vai ficar impedido de ser contratado pela prefeitura de Camaçari a partir de junho, quando sua candidatura pelo Cidadania,  comando no município pelo vizinho  e ex-vereador Cleber Alves, estiver oficializada. Até lá, o ex-timbaleiro pode soltar seu vozeirão. Ninha, que tem como padrinho o advogado Ademir Ismerim, um dos maiores especialistas em Direito Eleitoral do país, pode inclusive continuar cantando e faturando seus cachês em outras cidades do estado, mesmo depois de ter seu nome confirmado como candidato.     


Guerra Não é só em Camaçari que a disputa está peando fogo. A temperatura anda altíssima na vizinha Itanagra, cidade com cerca de 5 mil eleitores. O pré-candidato a prefeito, o empresário Marcus Sarmento (sem partido) pediu à polícia que investigue a falsificação de seu perfil no Facebook. 


Guerra 2  Segundo a queixa que registrou na polícia, criminosos usaram o nome do empresário para anunciar a venda de armas. Marcus, que teve dados pessoais e fotografias copiados e usados no perfil fake, não descarta nenhuma possibilidade sobre os possíveis culpados pelo crime. Apoiado por uma frente de oposição, formada pelo DEM, PRB e MDB, o empresário Marcus Sarmento vai enfrentar nas urnas a atual prefeita, Dânia Silva, que era do PT, se elegeu pelo PSL e agora ensaia voltar ao ninho petista.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


6/ 3/2020

 





Só alegria

Só alegria O festival de Arembepe, que acontece de 20 a 23 deste mês, na hoje não tão paradisíaca localidade da orla de Camaçari, vai custar cerca de R$ 3 milhões. Desse total de gastos, cerca de R$ 1 milhão serão consumidos com o pagamento das 54 atrações, sendo que 80% dos contratados são artistas do município.


Só alegria 2 Na lista dos 3 Tops, que ficam com cerca de R$ 250 mil dos 30%  destinados aos cachês, o elétrico Márcio Victor, comanda o arrastão na sexta-feira (20), após o cortejo das baianas. Fecham o trio os cantores Jau e Tayrone, atrações principais do sábado (21), no palco principal. Os cerca de R$ 2 milhões restantes serão consumidos com montagem das estruturas da festa que terá outros 3 espaços para shows e apresentações culturais nas praças das Amendoeiras, dos Coqueiros e do campo de futebol.


Só alegria 3 Completam a programação da festa, que neste ano terá como tema “Deixe fluir a positividade”, o desfile de 22 blocos de camisa. Os Brochas abrem o desfile na sexta-feira. No sábado, o Abrace, puxado pelo cantor Lincoln e a banda Duas Medidas, troca camisas por lata de leite que serão distribuídas pelo programa de voluntariado comandado pela primeira-dama Ivana Paula. As Abelhinhas fecham a festa na segunda-feira. Segundo cálculos da prefeitura, cerca de 120 mil pessoas devem circular no povoado durante os 4 dias da festa.


Mais cadeiras A rede municipal de Camaçari deve registrar em 2020 um crescimento de 30% no número de novos alunos, o equivalente a cerca de 1.100 matriculados a mais que os 3.500 mil novos educandos que ingressaram em 2019.De acordo com números que a Coluna teve acesso, o sistema mantido pela prefeitura terá um total de cerca de 37 mil alunos em 2020, 4 mil a mais que em 2019.


Mais cadeiras 2 Levantamentos preliminares mostram que cerca de 2.500 novos alunos já estão matriculados, mas esse número tradicionalmente aumenta até o final de março, com a matrícula de estudantes vindos da rede particular e oriundos de famílias que se mudaram recentemente para o município.  


Mais cadeiras 3 Esse aumento na rede também é gerado pela regularização do calendário letivo que este ano começa na proxima terça-feira (10), o que não ocorria desde 2016 devido às greves dos professores que terminavam empurrando o início das aulas para abril. Conta ainda nesse pacote de atrativos de novos alunos o kit escolar com fardamento e material didático.


Mais cadeiras 4 Rede mantida pela prefeitura tem 1.800 professores, 800 auxiliares, entre porteiros, merendeiras e assistentes de ensino. Fecham essa estrutura os cerca de 1 mil prestadores terceirizados no serviço de limpeza das unidades.


Pecado A praça Montenegro está para Camaçari como estão a Sé de Salvador, e sua congênere de São Paulo. Guardando as proporções, todos os 3 espaços públicos se tornaram marcos justamente por abrigarem representações da Igreja Católica.


Pecado 2 Em Camaçari, praça onde está localizada a catedral de São Thomaz de Cantuária, padroeiro da cidade, as marcas do descaso são antigas e parecem não sensibilizar a atual gestão municipal.


Pecado 3 Não foram poucos os alertas feitos pelo Camaçarico. Recuperação do espaço, melhoria da iluminação e limpeza são agrados que o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) insiste em ignorar. Em ano de eleições, contrariar esses preceitos com o santo, com o padre e com os fiéis só ajuda a jogar água no turíbulo.


Pole position Camaçari segue sem ameaças sua trajetória de recordes de assassinatos. Durante o mês de fevereiro deste ano foram 15 pessoas. Número é quase 40% maior que o registrado no mesmo mês de 2019, com 11 assassinatos. Em janeiro foram 19 homicídios. Ainda de acordo com dados oficiais da secretaria de segurança pública da Bahia (SSP-BA), aumento foi de 50% em relação aos 13 assassinatos registrados no mesmo mês de 2019.


Empoderamento  Sem descuidar da agenda com o eleitorado feminino, o PT capitaneado pelo ex-alcaide Luiz Caetano realiza sábado (7), a partir das 14h, um encontro de mulheres no Clube Social. Reunião do chamado coletivo “Mulheres em Defesa de Camaçari” é mais um movimento das oposições para reforçar a candidatura da advogada Ivoneide Caetano, esposa do 3 vezes gestor do município, como a melhor opção para governar Camaçari a partir de 2021. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


5/3/2020

 





Sagrado e Profano

Sagrado e Profano O prazo de 4 de abril pode até ser o último dia no calendário do pula-pula partidário. Mas, outra data, duas semanas antes do fechamento da janela eleitoral definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deve exibir o novo desenho da disputa em Camaçari.


Sagrado e Profano 2 Aberta com o tradicional cortejo das baianas, seguida da lavagem da igreja do padroeiro São Francisco, festa de Arembepe, próximo dia 20, seguramente vai exibir velhas e novas caras e seus novos rótulos partidários envolvidos na disputa de outubro.


Hipertensão A inclusão de um 5º partido na base do alcaide Antonio Elinaldo, agora formada pelo DEM, PSDB, Cidadania, PRB e PSL, antecipada pelo Camaçarico (Confira), é só mais um sinal dos picos de pressão que os 21 atuais detentores de mandato legislativo vão enfrentar nos próximos 7 meses.


Hipertensão 2 O fechamento das portas do PSL para vereadores com mandato animou as novas lideranças na disputa e pode assegurar até duas das 21 cadeiras do Legislativo de Camaçari. Time se reúne na próxima sexta-feira (6) com a presidente estadual da legenda e deputada federal Professora Dayane Pimentel. Pelo último desenho, o PSL vai para as urnas com os candidatos, por ordem alfabética, Binho da Pizza, Dr. Roberto Moacir, Dudu do Povo, Gil Eventos, Herbinho Herbert, Ivandel Pires, Jamesson Silva, Maurício Qualidade, Tiago Peixoto (presidente municipal da legenda), Val Cabeleireiro, Vini da Gleba E, entre outros.


Hipertensão 3 Confirmados os números, hoje uma tendência, tal o tamanho da nova geração que deve se abrigar na legenda, só o PSL será responsável pela renovação de 10% da Câmara. Número sinaliza e reforça que disputa para os atuais detentores de mandato não será fácil e pode chegar a até 50%, o equivalente a 10 das 21 cadeiras, como mostrou o Camaçarico (Confira). 


Com Ph O atual diretor da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Adab), Maurício Bacelar, não parece preocupado com o outro rebanho, o de apoiadores e filiados ao seu partido, o Podemos em Camaçari. A legenda se movimenta com dificuldade na conjuntura municipal e deve ficar de fora das eleições de 4 de outubro. 


Com Ph 2 Mesmo integrando a base do governador Rui Costa (PT), o Podemos dificilmente terá espaço para apresentar candidatos a vereador. Segundo apurou a Coluna, o PT, o PSB e o PCdoB são os partidos mais prováveis para formar o arco oposicionista encabeçado pela candidata Ivoneide Caetano (PT).  


Com Ph 3 Fragilização da legenda no município, em parte fruto da sua desorganização, o Podemos também enfrenta intenso bombardeio da máquina municipal que tenta atrair importantes lideranças para partidos da base de apoio ao projeto de reeleição do alcaide Antonio Elinaldo (DEM). Reunião marcada para a próxima terça-feira (3), com o presidente Maurício Bacelar, deve clarear a situação no 19.


Com Ph 4 Outra legenda que é tida como morta no município é o PSD. Comandado pelo empresário Roquinei Cabeceira, partido do senador Otto Alencar deve ter seus candidatos redistribuídos pela base oposicionista, coordenada pelo ex-alcaide Luiz Caetano (PT), e formada pelo PT, PSB e PCdoB. 


Perdão No PDT, no comando do vereador e ex-tucano Oziel Araújo, e que jura não estar em nenhum dos lados, segue pregando a união do rebanho. Como bom pastor e cristão, Oziel continua de braços aberto à espera de Antonio Carlos Soares. Segundo apurou a Coluna, o acolhimento tem limites, portanto sem possibilidades de ACS ser vice na chapa que Oziel, hoje e agora, assegura que vai encabeçar.


Perdão 2 A alternativa para Antonio Carlos Soares é a vaga para vereador, onde ele tem grandes chances de se eleger, avaliam fontes ligadas ao ex-tucano. Engordam essa lista de nomes com potencial a professora Cleide Araújo, que herdaria os votos do mano Oziel.    


Teoria e prática O PSOL foi o primeiro partido a anunciar seu vice na disputa da prefeitura de Camaçari. Negra Magna, microempresária e militante dos direitos dos negros e mulheres será a companheira na chapa encabeçada pelo educador Sócrates Magno. 


Teoria e prática 2 Apesar de avançado na montagem da chapa, o PSOL segue com dificuldades na prática política de atuação no dia a dia. Com discurso frio e parecido com o restante da oposição, que já foi governo, a candidatura Sócrates/Negra Magna precisa sair do casulo da organização, perder o medo e botar o bloco na rua. Festa de Arembepe será o palanque para o PSOL mostrar que possui um projeto de poder diferente, que age diferente, e que possui condições de fazer a diferença que tanto prega nos discursos. 


Vistas grossas Dois acidentes envolvendo veículos de transporte de passageiros exibem de forma clara e inequívoca o descuido da atual gestão com o sistema de transporte público em Camaçari.


Vistas grossas 2 No sábado (29), um ônibus amarelinho escolar, portanto que conduz estudantes, sofreu uma pane mecânica com um princípio de incêndio. O veículo transportava cerca de 20 passageiros, entre cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção que participariam do projeto "Para Praia", de banho de mar assistido na praia de Guarajuba. Acidente, felizmente sem vítimas, mostra que a frota escolar não possui fiscalização.


Vistas grossas 3 Mais grave foi o assassinato de um motorista do sistema de transporte alternativo conhecido como ´ligeirinho`, na sexta-feira (28). Um homem de 47 anos foi morto com 2 tiros quando transportava passageiros nas proximidades do Viaduto da Cascalheira. E, se um passageiro ficasse ferido? De quem seria a responsabilidade.


Vistas grossas 4 Mesmo ilegal e sem nenhuma fiscalização sobre suas condições de funcionamento e habilitação de seus motoristas, por parte da superintendência de trânsito e transportes (STT), serviço que já conta com cerca de 300 veículos, virou uma unanimidade. Sob o pretexto de combater o desemprego e atender uma demanda de passageiros esquecidos pelo sistema de transporte por ônibus, serviço ganhou blindagem política. Lista inclui figurões da prefeitura e gente graúda das oposições, todos interessados apenas nos dividendos políticos.


Vistas grossas 5 Enquanto isso, milhares de passageiros, na sua maioria trabalhadores e seus familiares residentes na Camaçari, sede do maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul, seguem sofrendo com a falta de um sistema de mobilidade urbana. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


2/3/2020

 





Pagamento em dobro

Prática considerada anti-republicana, condenada e negada por todos na política brasileira, o atendimento de pequenos favores com dinheiro, era ainda mais comum e aceita, diferente dos nos novos tempos de legislação rígida, onde as imagens e áudios feitos por equipamentos e celulares podem derrubar um candidato.


A fórmula é simples e universal, independente da matiz ideológica do político. O candidato está sempre “sem dinheiro no bolso”.  Na campanha de 1992, quando Ellery disputa e vence sua 1º eleição direta, depois de 11 anos de mandato biônico, não foi diferente. Agenda apertada, o chefe descuida da presença inseparável e sempre decisiva de Ernani Pio.


Ernani Pio da Costa Nunes era o que se poderia chamar de super-assessor do prefeito Humberto Ellery. Fiel escudeiro, pau para toda obra, Ernani Pio, como era conhecido, resolvia tudo, até pagar as contas dos eleitores. Pio, que faleceu em 2010, já como assessor do vereador Dilson Magalhães (1949/2015), começou colaborando com o governo Ellery na área de finanças e orçamento. Tal a sua desenvoltura no trato com eleitor e com os políticos que gravitavam na órbita do poder municipal, logo foi guinado à condição de assessor político.


E, foi a ausência de Ernani Pio que fez o diferencial numa visita de “Doutor Humberto”, como era chamado, a eleitores de Areias, pequena comunidade próxima a Jauá (Estrada do Coco), na contra costa de Camaçari.


Sozinho, sem o seu super-assessor, passa pela porta de um bar. Logo é reconhecido, saudado e convidado. Entra, conversa sobre seus planos de governo, distribui santinho e agradece a atenção. Antes de deixar o estabelecimento, recebe a convocação de praxe: ´Doutor Humberto, pague aí, umas cervejas`. Sem a sombra sempre providencial do experiente Ernani Pio, Ellery quebra a regra e saca do bolso uma quantia generosa para a despesa.


No dia seguinte o dono do bar aparece para cobrar a conta. “Que conta?”, responde Ellery, emendando um ríspido, mas sempre educado, como de seu feitio: “Deixei na mesa o dinheiro das cervejas”. “É, doutor Humberto, a conta foi paga, só que eles começaram uma confusão por causa do troco e me deixaram um prejuízo, com a destruição de algumas cadeiras”, emendou o dono da biboca. Sem alternativa, só restou ao Doutor Humberto pagar a conta da conta.


25/2/2020


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


 

 





A profecia do B

 A profecia do B


Até final da década de 1980, o discurso contra o então prefeito biônico, Humberto Ellery, era sempre o mesmo. "Corrupto", "ditador", "capacho dos militares", até de “ladrão”, o alcaide que ficou 11 anos comandando o município, era chamado pelos adversários, independente  da patente de poder na estrutura oposicionista.


Em 1985, o então vereador de primeiro mandato, Luiz Caetano, PCdoB de coração, mas PMDB de carteirinha oficial, vence José Eudoro Reis Tude (PDS), capitão do Exército e candidato a prefeito apoiado por Ellery, também militar da mesma patente e da força armada do seu pupilo.  
 
Novo governo, projetos, propostas e muitos sonhos para a Camaçari onde o povo estaria no poder. Fino observador da cena política camaçariense, o então companheiro Antonio Cotrim, até recentemente comunista convicto, fez uma previsão: "Não dou 10 anos para Caetano e Ellery subirem no mesmo palanque”.  A companheirada, e muita gente, inclusive adversários dos dois lados, riram da profecia. Ninguém quis apostar por entender que tal cenário seria impossível.
 
A premonição de Cotrim se concretizou em 1992, com a montagem do palanque que  garantiu a 1ª e única eleição pelo voto popular do ex-prefeito Humberto Ellery (PMDB), que apesar do cargo biônico, sempre foi muito querido pela população.


A aliança não apenas assegurou a participação de Caetano no 1º escalão, inicialmente como presidente da Decom, empresa encarregada da construção de habitações populares, e depois como secretário de governo do outrora adversário mortal.


A aproximação também queimou a língua e desconstruiu de vez o discurso político de pureza e impossibilidade de aliança com a chamada direita, defendida na época por Caetano. Longe da ortodoxia, o Caetano que passou pelo PSB e PSDB, voltou sob a estrela do PT ao poder municipal em mais duas eleições de prefeito (2004 e 2008).


24/2/2020


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


 

 





O Ofício e o atestado

O ano era 1986.  O farmacêutico ligado ao PCdoB, mas filiado ao MDB, Luiz Caetano é eleito prefeito de Camaçari. O slogan “O povo no poder”, usado na campanha, e que virou marca da gestão, era a senha para mudar e impor a moralidade. Rangel Filho, correligionário e um dos importantes cabos eleitoras da campanha que derrotou o capitão do Exército, José Tude, candidato do prefeito Humberto Ellery,  era representante desses novos tempos. 


Com sangue no olho, grupo chegou com os chamados novos ventos que varreram o “capitão Ellery”, como a oposição gostava de chamar o ex-prefeito biônico que ficou 11 anos no poder. Nomeado chefe do setor dos transportes,  o jovem e inexperiente Rangel chegou querendo botar “ordem na casa”. Uma das primeiras medidas foi fazer o levantamento do “patrimônio do povo”.


Chefe novo, novos aliados e muita gente para entregar o serviço do governo falecido. A conta apontava a falta de 2 máquinas datilográficas, deslocadas para o Cartório. Fogoso, Rangel manda ofício cobrando a devolução dos equipamentos.


O juiz Clésio Rosa, velho conhecido da turma que agora dava as cartas, não perdeu a oportunidade para reavivar que magistrado é magistrado. Mandou ofício de volta, só que para o prefeito Caetano. Quis saber o que estava acontecendo, quem era o prefeito de fato. O documento fechava lembrando que a cobrança do diligente servidor nomeado não passava de um atestado da bagunça administrativa daqueles novos tempos. Sobre as máquinas ningem sabe uma tecla sequer do final dessa história.

 





O Cardápio banido

O Cardápio banido


Último ano do 1º governo Tude (1992).  A política fervilhava em Camaçari.  Ellery costurava sua volta ao poder, desta vez pelo voto direto nas eleições de 3 de outubro.  Queria e precisava incluir na sua biografia os braços do povo. Nos 11 anos de poder biônico, o máximo que conseguiu foi temperar o gosto do eleitorado com a tinta da caneta.  


Incapaz de desagradar um aliado sequer, quando governou os destinos da cidade (1974/1984), “Dr. Humberto”, como até hoje é chamado, já sob o guarda-chuva do PMDB, formou junto com o PSB e o PV, o “Movimento Mãos Dadas”. O arco, logo ganhou o “apoio crítico’ do PT e do PCdoB. A mistura parecia indigesta, mas o ex-carlista era o único ingrediente capaz de completar um cardápio possível para derrotar a cozinha de ACM no município.   


Reuniões não faltavam. Conversas, discussões e todo tipo de estratégia. Num desses encontros bafejados pela brisa salitrosa do restaurante/pousada de Missival, em Arembepe, surgiu a idéia de um almoço para arrecadação de fundos para a campanha. O cardápio tinha que ser barato, prático e capaz de render um dinheirinho. Feijoada, dobradinha, caruru, mariscada...


Em meio a salada de propostas, Zitomir Souza, representante do PSB de Salvador, mas com atuação em Camaçari, sugeriu estrogonofe de frango. O espanto foi geral. Arlindo Santana, o mestre Lindú, na época presidente regional do PSB, pede a palavra e pergunta: “Perdoem a minha ignorância. Que porra é estrogonofe?”.


Raimundo Pinheiro, diretor da Limpec no governo Caetano, sempre falando o que achava, reprovou a sugestão de Zitomir. Gesticulando as mãos, bem ao seu estilo ´bateu, levou`, disparou. “É um ensopadinho de galinha metido a besta”. A sugestão não só foi rejeitada, como o estrogonofe nunca mais participou de nenhuma campanha em Camaçari.


22/2/2020


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)

 





O Biribiri e o radialista

O Biribiri e o radialista


Vereador neófito, Téo Ribeiro, eleito pelo PDT, retoma a veia política da família e chega fazendo barulho na Câmara de Camaçari. Microfone para criticar o governo, só o do plenário. Fortalecido com a volta ao poder, depois do 1º e único mandato pelo voto direto do ex-prefeito biônico e ex-aliado, Humberto Ellery, e do desgaste da 1ª gestão Luiz Caetano (1986/1988) com o seu “povo no poder”, o prefeito José Tude assume o seu 2º mandato com a corda toda. O ano era 1997, e  não  faltavam apoios na Câmara, na rua e na imprensa. Um dos microfones aliados era o do radialista João Pinho. 


Polêmico e tido como destemido, Pinho não perdia a oportunidade para dar uma sapecada no único oposicionista dos 17 edis da Casa. O novato Téo, herdeiro do pai, vereador na década de 1970, Diosdete Ribeiro, apanhava todos os dias, na rádio Metropolitana AM e na TV Camaçari, controlada e patrocinada pelo poder municipal de plantão. João Pinho não economizava ‘elogios’ ao vereador. Sempre que podia ou o gancho da notícia permitia, ´festejava` o vereador como grande consumidor de “biribiri com 51”, dizia. A frutinha, azeda e boa para baixar a pressão arterial, fazia a dobradinha com uma cachacinha, coquetel nunca escondido e preferido pelo oposicionista.


Encontrar amigo e adversário em bar na tão grande Camaçari de hoje, era mais fácil que comprar mangaba na feira. E, não deu outra. Numa destes começos de tarde, Téo cruza com João Pinho. Mesmo famoso e querido, Pinho é alertado por colegas que o desafeto estava no restaurante. O clima muda quando o éradialista é informado que o vereador foi pegar algo no carro.


Sem alternativa, só restava ao famoso comunicador esperar. Para espanto de João Pinho, Téo, com seu estilo bonachão, volta com um saco e coloca sobre a mesa do radialista. O susto logo vira alívio e a pressão do comunicador volta a se estabilizar. Eram apenas verdinhos e suculentos biribiris.


Quem conhece e compartilhou o momento com o vereador,  hoje no quinto mandato, e filiado ao PT, sabe que ele não entregou toda cota. Reservou uma parte para ‘temperar’ a comemoração do susto no inimigo.


21/2/2020


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)

 





Losartana

Losartana  Não é por acaso que parte significativa da bancada governista de vereadores anda fazendo coro para que o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) radicalize e desmonte o projeto de uma legenda para abrigar exclusivamente jovens lideranças sem mandato. Mesmo com toda pressão dos medrosos, as negociações seguem e podem terminar com a inclusão do 5º partido. Como antecipou o Camaçarico, essa legenda poderá ser o PSL ou o PSC que se juntaria ao DEM, PSDB, PRB e Cidadania.


Losartana 2 Com 19 potenciais pretendentes para as 21 cadeiras da Câmara de Camaçari, vereadores candidatos à reeleição e suplentes que já experimentaram o gostinho bom do mandato, não param a sessão chororô. Entre um soluço e outro, a olhada na calculadora e na lista de quem entra, e em qual legenda se abrigar seu potencial concorrente para a disputa, é regra obrigatória até o final de março, quando a janela eleitoral permite a troca de partidos.


Losartana 3 A pouco mais de 7 meses do pleito de 4 de outubro, as contas ainda são imprecisas, mas sinalizam que parte da bancada dos atuais vereadores vai voltar para casa. Projeções pessimistas para a classe política mostram que a renovação geral pode chegar a até 50%. Nas eleições de 2016 a renovação foi de 25%, com a não reeleição de 5 dos 19 vereadores consagrados em 2012.


Losartana 4 Na bancada governista, agora com 15 nomes, depois da saída do vereador Oziel Araújo, esse percentual de metade pode representar entre 7 e 8 vereadores. Já no time oposicionista liderado pelo ex-alcaide Luiz Caetano (PT), e atualmente com 6 nomes, somado Oziel, já sem a plumagem tucana, e de malas prontas para o PDT, a conta fica em 3 rifados. Numa conta mais otimista, de renovação de 30%, bancada do alcaide Elinaldo perde 5, enquanto no time oposicionista, 2 vereadores ´mordem a boca`, como se diz na gíria. Conta não inclui os suplentes.


Losartana 5 Discurso de renovação, muito mais intenso, que em 2016, agora reforçado pelas redes sociais, desgaste do Legislativo, sacudido pelos escândalos dos combustíveis e pelas denúncias de repasse, ou ´rachadinha`, termo agora muito em moda, de parte da verba de gabinete dos vereadores através do salário de assessores, ajudaram a jogar para baixo, perto do chão, a imagem da atual Câmara de Camaçari.


Losartana 6 É nesse contexto desfavorável que a ala jovem no campo governista, e puxada por Jamesson Silva, Herbinho Herbert, Ivandel Pires, Val Cabeleireiro, entre outros nomes com potencial de somar votos e assegurar a eleição, que os atuais vereadores se debatem e buscam caminhos para frear essa ameaça. Desassossego não é menor, mas tratado de outra forma, na base  oposicionista com as candidaturas petistas de Tagner Cerqueira, Márcio Neves e kaique Ara em contrapondo aos 4 atuais detentores de mandato na legenda.


Losartana 7 Mas, o jogo está apenas começando. Mesmo beneficiados pelas dificuldades de montar esse 5º partido para acomodar exclusivamente essa ala jovem e classificada como rebelde, os atuais vereadores governistas terão outros novos concorrentes dentro das legendas para deixar o jogo ainda mais embolado.


Losartana 8 O cantor Ninha, ex-Timbalada, morador antigo e muito querido em Vila de Abrantes, deve engrossar esse caldo de medo dos atuais representantes do povo de Camaçari. Outro nome que aparece com chances é o do sindicalista da categoria dos rodoviários, Daniel Mota.


Losartana 9 A expectativa é de que Ninha e Daniel dos rodoviários se filiem ao Cidadania, legenda presidida pelo articulado ex-vereador Cleber Alves. Por falar no sempre sagaz Alves, o político camaçariense não descarta a possibilidade de entrar na disputa da vereança. Mesmo presidindo o Cidadania, o ex-petista de 2 mandatos de vereador, e responsável pelo susto na estrutura tradicional do PT, quando organizou a leganda e elegeu 3 vereadores pelo PRTB em 2012, não esquece a regra da montaria. Quando o cavalo passa selado, independente de quem colocou a sela, é para montar.


Guarda-chuva O apoio do MDB ao projeto de eleição de Fábio Lima (PP), para prefeito de Camaçari, vai muito além de uma mera soma de legenda. Fábio, que sabe só ter um caminho no futuro, se mantiver a candidatura, ou sair como cabeça de chapa na oposição, com a petista Ivoneide Caetano de vice, precisa se assegurar na disputa. Perdendo o PP do vice-governador João Leão, numa provável composição com o ex-prefeito Luiz Caetano, Fábio Lima tem a alternativa do MDB, outrora poderoso, mas ainda uma grife no shopping da política.


Guarda-chuva 2 Mesmo perdendo a eleição, muito provável na atual conjuntura, segundo as pesquisas, a jovem liderança marca posição e se cacifa para uma disputa para a Assembleia Legislativa em 2022. Independente de ser um teste ou não, movimento faz sua liderança avançar enquanto 2024 não chega.


Sinal amarelo  Como mostrou pesquisa divulgada pelo Camaçari Agora (Confira), o alcaide Antonio Elinaldo segue com rejeição alta. Não serve de consolo empatar tecnicamente com a petista Ivoneide Caetano, na resposta do eleitorado que declara não votar em nenhum dos 2 principais candidatos. Rejeição de 37,2%, contra 38% da petista, só mostra que o marquetingue do demista exibe uma desaprovação ainda maior.


Aviso O Camaçarico entra em clima de Carnaval. Para não perder o passinho da política, durante o reinado dos trios, blocos e de outros fantasiados, o leitor será brindado com histórias da política camaçariense. “O Biribiri e o radialista” abre a série, nesta sexta-feira carnavalesca.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


20/ 2/2020

 





Sintonia

Sintonia  Depois de muita conversa e acordos de arrumação, o alcaide de Camaçari e candidato a reeleição, Antonio Elinaldo (DEM), entra na fase final do desenho da sua base de partidos para a disputa das eleições de 4 de outubro. Com a inclusão do Cidadania, como antecipou no domingo (16) o Camaçari Agora (Confira), time ganha o 4º partido, ao lado do DEM, PSDB e PRB. Mas, esse número tende a aumentar com a entrada de mais uma legenda, que pode ser o PSL, ou o PSC.


Sintonia 2  Assim como o PR, depois rebatizado de PL, o PV é outra legenda que não exibe o grau de confiança necessário para se manter na base e assegurar a filiação de importantes lideranças municipais sob a orientação do alcaide Elinaldo. De acordo com fontes da Coluna, essas novas lideranças, ainda sem mandato, tendem a trocar o PV pelo PSL ou PSC. Nesse time está Jamesson da Silva, um dos defensores da formação de um partido com apenas candidatos sem mandato. A leitura de Jamesson é simples: com a nova legislação que impede coligação de partidos, como ocorreu até as eleieções passadas, cada legenda precisará ter um time forte para eleger vereador. Hoje o coeficiente eleitoral para puxar o 1º nome é estimado em 6,5 mil votos.


Sintonia 3  Um dos ex-cabeças da Juventude do DEM em Camaçari (JDEM),  estrutura de grande  importância na eleição de Elinaldo em 2016, e com intenso trabalho no segmento mais jovem, Jamesson vai precisar compor o partido com outras lideranças. Os também novos Herbinho Herbert e Ivandel Pires, além de outros nomes que exibiram boa votação no pleito passado, estão nessa lista.


Sintonia  4  Mas, existe a possibilidade de parte dessas lideranças jovens serem alojadas numa das legendas do chamado time principal, formado pelo quarteto DEM, PSDB, PRB e Cidadania. Gente acostumada com a matemática eleitoral  acredita que fora de uma legenda alternativa, sem caciques e formada apenas por novas lideranças sem mandato, as chances dessa ala jovem seriam mínimas e serviriam apenas como engorda no coeficiente eleitoral. Segundo apurou o Camaçarico, configuração deve ser fechada nos próximos dias.


Sintonia 5  Já definido está o Cidadania (23), com os  atuais vereadores Adauto Santos, sem partido e ex-PSD; Antonio Falcão e Jamelão, que deixam o DEM; e Zé do Pão, inviável no PTB pelo qual se elegeu em 2016.  A suplente e no exercício do mandato, Doutora Cristiane Bacelar,  troca o Republicanos, partido que está filiada desde o ano passado, pelo Cidadania.


Sintonia 6 Como antecipou o Camaçarico (Confira), o PSDB marcha com os eleitos pelo PR/PL e atualmente exercendo cargos de secretário, Elias Natan, na pasta da saúde; e Gilvan Souza, titular do turismo. O vereador Pastor Neilton, hoje no PSB, também engorda o ninho tucano. 


Sintonia 7 A novidade é a entrada de Dilson Magalhães, que deixa o Patriotas e ganha plumagem tucana. O suplente do mesmo PR/PL e também no exercício do mandato, Niltinho Maturino, também vai para o PSDB. 


Sintonia 8  No Democratas seguem o presidente do Legislativo, Jorge Curvelo, o atual secretário de habitação e vereador licenciado até o final de março, Júnior Borges. Os vereadores Flávio Matos e Vaninho da Rádio também ficam na legenda. Fecha o time de lideranças com grande potencial os suplentes e atualmente no exercício do mandato, Fafá de Senhorinho e Rui Magno.


Sintonia 9  O Republicanos (PRB) segue sem novidades. Puxada pelo Bispo Jair, legenda terá o vereador Val Estilos, atual PPS. Dedel, suplente de vereador pelo PSDB e atualmente no exercício do mandato até o final de março, desistiu do Cidadania e vai se abrigar no Republicanos.


Sintonia 10 Confirmada essa arrumação, as 5 legendas da base governista terão 160 candidatos, 32 por partido, como manda a lei que define esse total pela soma das cadeiras no Legislativo (21) mais 50% (11).


Sintonia 11  Fontes da Coluna estimam que a base governista aposta na manutenção do número de vereadores de 2016, quando assegurou 16 das 21 cadeiras. Conta dos 4 partidos mostra que a disputa não será fácil. São 19 postulantes entre candidatos à reeleição e suplentes. Somados às lideranças sem mandato que sempre tomam parte das cadeiras, eleição de 4 de outubro promete.   


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


17/ 2/2020

 





Sinal amarelo

Sinal amarelo O ex-alcaide de Camaçari, o petista Luiz Caetano, parece que está desaprendendo as regras básicas de trafegabilidade na política. A última barbeiragem do também ex-deputado federal, estadual e vereador foi a exoneração de Ana Gomes, do Podemos, de uma das coordenações da 28ª Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) no município. 


Sinal amarelo 2 Importante liderança feminina e com forte influência no voto de significativa parcela dos católicos do município, Ana foi afastada do cargo 45 dias antes do prazo legal para a sua desincompatibilização, já que é candidata a vereadora.  


Sinal amarelo 3 A exoneração, publicada no Diário Oficial do Estado de terça-feira (11) e anulada, conforme publicação no mesmo DO do dia seguinte, gerou trauma e abalroamento em um dos partidos da base oposicionista no município que hoje apoiam a candidata do PT e esposa de Caetano, a advogada Ivoneide Caetano. 


Sinal amarelo 4 Segundo apurou o Camaçarico,  a decisão avalizada pelo núcleo caetanista, dentro do acordo  de espaço na estrutura do governo estadual, põe em dúvidas a certeza de fidelidade e até de manutenção da aliança Podemos/PT. A exoneração de Ana Gomes teve repercussão negativa na base do partido comandado no município pelo ex-candidato a prefeito Maurício Bacelar. Ainda de acordo com essas mesmas fontes, a militância entendeu como um sinal de desprestígio do partido e já discute, ainda que sem autonomia, a possibilidade do Podemos seguir na base do governador Rui Costa (PT), mas sair com um candidato a prefeito próprio como forma de garantir sua unidade e  poder de briga por  representação no Legislativo a partir de 2021. 


Sinal amarelo 5 Nesse fatiamento de poder, outro cargo do Podemos é o comando geral da Ciretran, hoje com Chico Tur, outro que deve deixar o cargo no final de março para disputar uma das 21 vagas na Câmara de Vereadores. Manutenção do sucessor com a legenda é outra incógnita.


Canudo  Os estudantes da Faculdade Metropolitana de Camaçari (FAMEC) estão preocupados com os rumos que a unidade de ensino está tomando. Reclamam da falta de professores, da escassez de aulas e das mudanças sem a devida discussão com os alunos sobre o processo de aplicação das disciplinas com a modalidade semipresencial. 


Canudo 2 Mesmo autorizada pelo Ministério da Educação, dizem que parte dessas mudanças prejudicam a qualidade com resultados na precarização do ensino. Citam, como exemplo as aulas de Direito Civil 4. Com carga de 40 horas, e fundamental para o exame da OAB (Ordem dos Advogados), disciplina passa a ter metade da sua aplicação sem a presença do professor em sala de aula.


Canudo 3 Coluna apurou que as mudanças na Famec, que também oferece cursos nas áreas de administração, enfermagem, engenharia, fisioterapia e pedagogia não acontecem apenas no curso de direito. Cerca de 20 professores deixaram a faculdade só nos dois primeiros meses deste ano. Parte foi afastada pela implantação dessa nova metodologia de aplicação das aulas, que incluem videoconferências, atividades interativas, apesar de coordenadas e acompanhadas por um professor tutor.  


Proteína O shopping Boulevard Camaçari pode não ser um campeão em vendas, mas segue na liderança quando se trata de dificultar a vida de boa parte dos empregados das dezenas de lojas instaladas no seu espaço de comércio. Em circular datada de 4 a de fevereiro, a direção do shopping reafirma a proibição de comercialização de quentinhas fornecidas por microempresários. Medida atinge diretamente  dezenas de empregados das lojas que precisam  driblar a crise e os baixos salários.


Proteína 2 Sem preço diferenciado para os trabalhadores  das lojas, empregados garantem que  não podem pagar pelo cardápio cobrado na praça de alimentação e em outros espaços onde são comercializados lanches e refeições no shopping.


Proteína 3 Em contato com o Camaçarico, trabalhadores reclamam da medida e dizem que estão sendo humilhados, pois estão sendo obrigados a buscarem e consumirem essas refeições na área externa do shopping.


Proteína 4 Numa conta simples fica claro que o trabalhador que ganha entre 1 e 2 salários mínimos não pode pagar por uma refeição onde o preço do quilo que pode chegar a R$ 70. Sem condições de trazer o alimento de casa, a alternativa é a quentinha fornecidas por microempresários externos, com preços que variam de R$ 5 a R$ 15.


Proteína 5 Segundo apurou a Coluna, essa política de impedimento de consumo de alimentos que não sejam produzidos ou comercializados por lojas do shopping começa a virar padrão em outros shoppings do estado. No shopping Salvador as restrições já começaram, mas o maior centro de compras da capital oferece um restaurante alternativo com preços populares. A pressão também começa a aumentar nos shoppings da Bahia e Barra. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


14/2/2020

 





Delay

Delay  A retomada dos trabalhos legislativos na Câmara de Vereadores de Camaçari só deve acontecer em março, depois do carnaval. A sessão de abertura do 1º período legislativo, com a leitura da mensagem do alcaide Antonio Elinaldo (DEM), estava prevista para o dia 18, de acordo com o Regimento Interno da Casa, como chegou a informar o Camaçarico, na nota Atmosfera (Confira).


Delay 2 Com o atraso nas obras de reforma do plenário vereador Osvaldo Nogueira, os 21 vereadores, capitaneados pelo presidente Jorge Curvelo (DEM), resolveram adiar mais um pouco a volta ao trabalho. Plenário está interditado desde o começo do ano passado, quando parte do teto desabou com as chuvas de abril. Sessões foram transferidas para o Teatro Alberto Martins (TAM).  


Delay 3 Movimento coloca o Legislativo de Camaçari na lista dos campeões, já que praticamente todas as casas legislativas do país iniciam regimentalmente seus trabalhos no começo de fevereiro.


Delay 4 Em Camaçari o recesso de final de ano vai de 15 de dezembro a 15 de fevereiro. Somados aos 30 dias do recesso de meio de ano, entre os dias 30 de junho a 1º de agosto, sem contar com a fogueira junina, são pouco mais de 3 meses, quase 100 dias.


Delay 5 Quem também anda sofrendo do mal do atraso e da falta de sintonia é a bancada oposicionista. Formada pelos vereadores petistas: Dentinho do Sindicato, Jackson Josué, José Marcelino e Téo Ribeiro, e pelo único representante do PCdoB, Binho do 2 de Julho, time que deveria ser ofensivo, anda sem coordenação e vive levando bola entre as pernas.


Delay 6 O último vacilo foi justamente o projeto que assegura incentivos fiscais para a montadora Ford. Votado a toque de caixa no dia 18 de dezembro, já no período extraordinário, projeto passou suave pelos 5 oposicionistas, que poderiam ter obstruído a votação, protestado, e etc, etc.


Delay 7 Projeto do Executivo, que permitiu que o município mantivesse a redução de impostos caso a montadora não demitisse mais de 25% dos seus postos de trabalho, ou decidisse encerrar suas atividades no município, só recebeu críticas semana passada, depois que o decreto foi publicado no Diário Oficial.


Perfume  Sobre a nota Rosa choque, postada no Camaçarico de 5 de fevereiro (Confira) a empresária Manuelina Ferreira nega que esteja prestes a fechar um acordo de apoio ao projeto de reeleição do alcaide de Camaçari, Antonio Elinaldo (DEM).  Segundo a candidata a vice-prefeita na chapa do petista Luiz Caetano, nas eleições de 2016, não existe nada fechado, mas esse apoio pode até acontecer.


Perfume 2 Garante que conversa com todas as correntes sobre sua bandeira do empreendedorismo, mas reconhece que o atual gestor municipal valoriza o setor. Manuelina também destaca o trabalho social da primeira dama, Ivana Paula.


Perfume 3 Ainda segundo a empresária, a saúde municipal comandada pelo médico e vereador licenciado, Elias Natan (PR), “ peca um pouco”. Manuelina também critica o governador Rui Costa (PT) pelo atraso na construção da maternidade de Camaçari. Na sua opinião “não é coisa de Deus, uma mulher ter que parir em outra cidade”.


Perfume 4 Em conversa com o editor da Coluna, na sexta-feira (7), Manuelina assegura que não vai se candidatar a vereadora nas próximas eleições, mas se mostra disposta a colaborar com o futuro governo do demista, caso seja reeleito. Quem sabe no comando de uma secretaria municipal que apoie e incentive o empreendedorismo, admite. 


Lay-Off O presidente do sindicato dos metalúrgicos de Camaçari, Julio Bonfim não é mais o locutor oficial da publicidade da entidade que dirige. O mais recente spot publicitário veiculado em emissora de rádio local agora tem narração de outro locutor.


Lay-Off  2 Provavelmente temendo ser acusado de abuso da estrutura do sindicato em benefício próprio, já que pode vir a ser candidato a vereador  pelo PCdoB, nas eleições de outubro, Bonfim preferiu recuar. Até o ano passado, o dirigente do sindicato e ´capa preta` do partido em Camaçari, tinha presença constante na mídia, com comentários sobre a realidade local e nacional da política, e nas peças patrocinadas pelo sindicato.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


10/2/2020

 





Rifado

Rifado O ex-vereador Otaviano Maia será o novo presidente da comissão provisória do PSDB de Camaçari. Com a decisão do diretório estadual de extinguir o atual diretório municipal, o vereador e presidente da representação, Oziel Araújo, é praticamente expurgado da legenda. Seu caminho é o PDT, partido que hoje está sob seu controle no município, através do empresário Josenildo Gomes. 


Rifado 2 O troca-troca já estava acertado desde que Oziel lançou seu nome como pré-candidato a prefeito. Atitude contrária a orientação da base governista de seguir com o projeto de reeleição do alcaide Antonio Elinaldo (DEM), foi interpretada como um ato de distanciamento, quase um rompimento. Segundo apurou a Coluna, movimento de desidratação de Oziel deve prosseguir com a retirada dos seus cargos na máquina municiapl, ocupados por aliados que decidirem caminhar com seu projeto. 


Rifado 3 O tucano vinha contrariando e destoando na base governista. Mesmo sabendo que o vereador Jorge Curvelo (DEM) seria o sucessor no projeto, ensaiou candidatura a reeleição para a presidência do Legislativo, depois de ser guinado ao cargo para o biênio 2017/2018 com o apoio do alcaide Elinaldo. O último movimento midiático de Oziel foi contestar o Camaçarico que  informou seu caminho de saída da legenda (Confira). 


Rifado 4 Oziel, que foi eleito para o seu 1º mandato pelo PT, em 2012, antes de deixar o partido, se afatou da orientação do ex-prefeito Caetano, mas não do então gestor Ademar Delgado, petista e depois sem partido. Na sequência passou a apoiar o então candidato Elinaldo. Durante esse processo, o ex-petista Oziel recebeu a missão de comandar o PSDB, partido pelo qual foi eleito em 2016.  


Rifado 5 Rotulado de traidor pelo PT, quando deixou a legenda, Oziel agora começa a ser festejado justamente pelo mesmo grupo controlado pelo ex-alcaide e ex-deputado federal Luiz Caetano. No jogo do poder, Oziel  aparece como um bom ´noivo`para compor como vice na chapa encabeçada pela esposa de Caetano, a advogada Ivoneide, nome sacramentado, mas que falta apenas a oficialização como a candidata da frente das oposições. 


Rifado 6 Quem também vem do PT é o ex-vereador Otaviano Maia. Na base do prefeito demista desde meados do ano passado, o sobrinho da ex-deputada Luiza Maia (PT), e tido como um filho pelo ex-prefeito, vai comandar uma das legendas que farão parte da estrutura de partidos com vereadores com mandato que disputarão as eleições proporcionais em 4 de outubro.  


Rifado 7 Esse grupo, que ainda não tem tamanho definido, deve assinar ficha de filiação até março. Segundo apurou o Camaçarico, entre os nomes cotados como prováveis novos tucanos estão os vereadores filiados ao PR e atualmente exercendo cargos de secretário, Elias Natan, na pasta da saúde; e Gilvan Souza, titular do turismo. O suplente do mesmo partido e hoje no mandato, Niltinho Maturino, é outro nome cotado. O vereador Pastor Neilton, hoje no PSB, pode engordar o ninho tucano.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


6/2/2020 Atualização às 12h24

 





No páreo

No páreo  O pré-candidato a prefeito de Camaçari, Fábio Lima (PP), garante que segue na disputa. Em nota enviada ao Camaçarico na tarde de segunda-feira (4), o pepista nega a possibilidade de ser vice na chapa da petista Ivoneide Caetano, ou que vá abrir mão da disputa majoritária para tentar uma vaga na Câmara de Vereadores. Diz ainda que sua caminhada tem o “aval” do presidente da legenda, o vice-governador João Leão, e dos deputados Cacá Leão (federal) e Niltinho Bastos (estadual). Leia a íntegra da nota. 


NOTA DE ESCLARECIMENTO

Diante da matéria publicada na data de hoje 04/02 neste veículo de comunicação Camaçari agora, a assessoria de comunicação do pré candidato a PREFEITO de Camaçari pelo Partido Progressista, Fabio Lima, vem por meio desta afirmar que não existe nenhuma possibilidade do pré candidato recuar a candidatura. Na oportunidade queremos esclarecer que nosso candidato respeita as conjunturas externas, mas, a candidatura de Fabio Lima pelo (PP) é uma candidatura legítima, com o aval do Presidente Estadual do Partido, o Vice Governador João Leão, e apoio do Deputado Estadual Niltinho Bastos e do Deputado Federal Cacá Leão.
“Irei até o final, rumo a vitória, essa é vontade do povo Camaçariense. Afirmo que não existe a mínima possibilidade de sermos vice em nenhuma chapa está totalmente descartado, e tão pouco candidato a Vereador. Estamos nas ruas ouvindo a vontade da população e nosso povo anseia por algo novo, E o povo chamou pelo nome de Fabio Lima. Ouvindo os clamores do povo nosso nome estará sim a disposição nessa disputa. E com a permissão de Deus iremos vencer essas eleições”.


Fábio Lima 


No páreo 2  Esse não parece ser o entendimento de fontes ouvidas pela Coluna, como mostrou o Camaçarico de terça-feira (Confira), que apostam na adesão de Lima ao projeto liderado pelo ex-prefeito Luiz Caetano. Garantem que esse alinhamento começa a ser costurado e que um desses sinais foi o encontro da candidata Ivoneide caetano com o governador Rui Costa, na tarde de terça-feira (4).


No páreo 3 Sem maiores detalhes e relatado apenas por material distribuído para a imprensa pela assessoria da pré-candidata, esse 1º encontro, depois de várias tentativas de aproximação, sinaliza o início da construção dessa inevitável e previsível unidade.


No páreo 4 Sem fala do governador, nota  diz que Rui “se colocou à disposição e afirmou que estará presente na campanha e na construção do plano de governo em Camaçari”. Segundo apurou a Coluna, Rui foi convidado para o lançamento, em março, do programa de governo participativo (PGP). Reunião também teria tratado de obras estaduais em Camaçari, e da união de todos os partidos da base em torno da petista.


No páreo 5  Reunião intermediada pelo ´dindo` da candidata, o senador Jaques Wagner, mostra que Rui Costa começa a rever seu grau de simpatia pela postulação, até agora praticamente sem sinalização desse desejo. Não deixa de ser um bom começo para a petista e um meio de caminho nada confortável para Fábio Lima.  


Rosa choque E o esquema do alcaide Antonio Elinaldo segue avançando sobre antigos grupos de apoio do petista Luiz Caetano. A empresária Manoelina Ferreira, que foi candidata a vice-prefeita na chapa do petista nas eleições de 2016, é a nova apoiadora do projeto de reeleição do demista. O acordo está nos finalmente e faz parte da estratégia de atrair novas lideranças femininas de todos os setores, em especial o empresarial, num contraponto à candidatura da esposa do ex-alcaide.


Campeã Camaçari segue se superando quando o quesito é violência. O mês de janeiro fechou com 19 homicídios. Número é 50% maior que o registrado no mesmo mês de 2019, com 13 assassinatos.


Campeã 2  Já o ano de 2019 fechou com um aumento de 13,5% nos registros oficiais, se comparado com 2018. Foram 188 assassinatos no ano passado, contra 173 mortes violentas em 2018. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


5/ 2 /2020

 



Anterior | 1 2 3 4 |5| 6 7 8 9 10 11 | Próxima

Encontrado(s): 211 registros

Listando página: 5

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2021 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL