Busca:








Fora de linha O presidente do sindicato dos metalúrgicos de Camaçari, Júlio Bonfim, segue na contramão e promovendo barbeiragens inadmissíveis para um experiente dirigente sindical. Sempre guiado pela vaidade pessoal, Bonfim agora extrapola ao festejar as demissões dos empregados da Ford, como se nessa tragédia, que atingiu milhares de famílias, tivesse algum componente positivo.


Fora de linha 2 Sob o pretexto de anunciar a conquista do melhor PDI (plano de demissão incentivada e rescisões) da Ford no Brasil, dirigente protagoniza campanha publicitária na internet, onde festeja o que chama de  “+ de R$ 1 bilhão injetado” na economia do estado com o pacote de desemprego.


Fora de linha 3 Destacada figura do PCdoB, o vaidoso Bonfim, que sempre se incluiu nas peças publicitárias patrocinadas pelo sindicato, precisa de um recall urgente. Diferente do marketing de oportunidade, quando se aproveita determinado momento para reforçar uma imagem, no caso o sindicato que, por princípio, briga pelo trabalhador e pelo emprego, o presidente do sindicato dos metalúrgicos de Camaçari prefere apostar num outro marketing. De forma equivocada se projeta  como o grande salvador, ao usar um prejuízo para a classe trabalhadora, como peça de vantagem pessoal.


Calculadora As secretarias de saúde de Camaçari (Sesau) e do estado (Sesab) seguem com calculadoras diferentes nessa pandemia. De acordo com a prefeitura, município registrou 543 óbitos e 21.373 casos desde o início da pandemia, enquanto o governo do estado conta 555 óbitos e 21.789 casos. Conta rápida mostra que existe uma diferença a mais de 12 mortos e 416 novos casos na calculadora da secretaria de saúde do estado.


Calculadora 2 A conta, que a secretaria comandada pelo vereador licenciado, Elias Natan (PSDB), não se preocupa em esclarecer, não é diferente no mês a mês. Agora em maio, a prefeitura contou 53 óbitos e 1.942 novos casos. Já a secretaria de saúde do estado registrou 1.469 casos e 40 óbitos, uma diferença de 13 mortos e 473 novos casos a mais na comparação com a soma da Sesau.


Calculadora 3 A distância não é diferente nas agulhadas. De acordo com o último boletim com dados de segunda-feira (31), fornecido pela secretaria de saúde do município, 48.037 foram vacinadas em Camaçari com a primeira dose, enquanto que 18.361 finalizaram a imunização com a segunda dose.


Calculadora 4 Já no boletim distribuído na noite de segunda-feira (31), pela secretaria de saúde do estado (Sesab), Camaçari aplicou a primeira dose em 46.118 pessoas, e a segunda dose em 18.044 pessoas. Na conta do fura braço, prefeitura de Camaçari aparece com uma diferença a mais de 1.919 vacinados com a primeira dose, e 317 imunizados com a segunda dose.


Foco A secretaria comandada pelo doutor Natan não enfrenta problemas apenas com os números da pandemia. Também exibe dificuldades de se conectar com o momento e as necessidades impostas pela Covid-19 para determinadas profissões.


Foco 2 A Sesau segue muda, diferente de cidades como Lauro de Freitas, que iniciou nesta terça feira (1/6) a vacinação contra a Covid-19 dos profissionais de imprensa, e outros cerca de 30 municípios do estado que também entenderam a importância e o risco de conter a contaminação de repórteres, cinegrafistas e demais profissionais que trabalham na linha de frente da notícia sobre o coronavírus.


Foco 3 Como outros secretários municipais, o titular da pasta de Camaçari ignora que o trabalho da imprensa é serviço essencial definido por decreto federal de março do ano passado, agora reforçado por Indicação, de autoria do vereador Junior Borges (Democratas), aprovada pelo Legislativo de Camaçari.


Calibre Camaçari fechou maio com uma discretíssima queda no número de assassinatos em relação ao mesmo mês do ano passado. Neste ano foram 20 mortes violentas, enquanto que em maio de 2020, a secretaria de segurança pública (SSP-BA) contou 21 assassinatos.


Calibre 2 No balanço janeiro/maio, feito pela Coluna, Camaçari registrou 90 assassinatos, 22 a menos que o mesmo período do ano passado. Município contou 198 assassinatos em 2020, mesmo número de 2019, ano pré-pandemia.


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


1/6/2021 Fechamento às 12H27


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







Compromisso O Conselho Municipal de Meio Ambiente de Camaçari (COMAN) emitiu Nota em que cobra a suspensão das obras de requalificação da praça do Divino Espírito Santo, em Vila de Abrantes. No documento, que a Coluna publica na íntegra abaixo, o COMAM lembra que a praça integra uma paisagem e faz parte de um sítio arqueológico cadastrado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).


Compromisso 2 Na nota, o conselho lembra que durante escavações realizadas nos anos 1970 no local, que a entidade chama de “campo santo indígena em que tupinambás e guaianases eram sepultados”, foram descobertos “vestígios arqueológicos, como faiança portuguesa, inglesa e louça de Macau, moedas, estruturas funerárias, além de pratos de Veneza, da Índia e de Macau, que constaram estes últimos, do inventário dos jesuítas, datado de 1758”.


Compromisso 3 O documento, assinado pela presidente do COMAM, Ana Mandim, sugere ainda que o município instale no local um monumento que exalte a importância do sítio arqueológico para Camaçari, para a Bahia e para o Brasil.


Compromisso 4 Já o Conselho Municipal de Cultura de Camaçari (CMCC), presidido pelo advogado e subsecretário da pasta da cultura (Secult), Luciel Neto, preferiu o estranho e inexplicável silêncio obsequioso sobre tão importante questão. Durante reunião extraordinária, na última segunda-feira (21), o CMCC votou, por unanimidade, favorável ao processo de tombamento da Igreja do Divino Espírito Santo, mas preferiu atravessar a rua e passar longe da discussão do projeto de requalificação  da praça (Confira).


Compromisso 5 Colegiado, que apesar de ter quase metade dos seus 21 assentos ocupados por representantes eleitos pela sociedade civil, enquanto a outra parte é assumidamente ´chapa branca`, sequer apresentou moção ou qualquer manifestação sobre tão importante questão que diz respeito a sua atuação e compromisso com a história da cidade que deveria zelar. O destaque ficou com os 4 conselheiros eleitos pelos movimentos socais que entraram mudos e saíram calados.


Compromisso 6 Coordenado pela museóloga Kátia Cunha, processo de tombamento precisa agora sair do papel e virar realidade com ações efetivas de preservação e restauro do templo, como o próprio e fundamentado estudo destaca. Cabe agora à Secult, junto à Arquidiocese de Camaçari, comandada pelo bispo Dom Petrini, outro que também não se manifestou sobre a importância de revisão do projeto da praça, construírem caminhos para viabilizarem recursos junto ao município, estado e governo federal, outras estruturas, e o setor privado, como Cofic e a Acec.


Compromisso 7  Destaque da reunião foi o ex-pároco da Igreja do Divino Espírito Santo. Diferente dos estudos técnicos que embasaram o reconhecimento, com ressalva para a importância do entorno, no caso o retângulo localizado em frente ao templo, o padre Luiz Orlando de Oliveira preferiu ignorar essa constatação ao negar que a área, que tem a igreja como elemento principal, possua em seu subsolo objetos valor histórico.


Compromisso 8 A manifestação do religioso contraria documentos da própria Igreja Católica que registra essa ocupação iniciada pelos jesuítas no século XVI. Segundo fontes ligadas à Igreja, ouvidas pela Coluna, o padre Luiz Orlando, pároco da Igreja de Vila de Abrantes por mais de 20 anos, e que tem ainda em seu currículo os cargos de secretário de agricultura do governo Ademar Delgado (2013/2016), e de assessor no primeiro governo Antonio Elinaldo (2017/2020), sempre se mostrou contrário ao tombamento.


Íntegra do documento do COMAM


COMAM apoia interrupção das obras na praça de Abrantes e sugere construção de monumento


O Conselho Municipal de Meio Ambiente de Camaçari se associa às manifestações em favor da imediata interrupção das obras de requalificação da Praça de Abrantes, de acordo com o proposto pela Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Camaçari, por líderes comunitários e cidadãos preocupados com o respeito e a preservação da história deste Município.


O local hoje ocupado pela Igreja do Divino Espírito Santo, o adro que a cerca e a praça fronteiriça é sítio arqueológico cadastrado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e marco da fundação da Vila de Abrantes no século XVI.


Na Igreja estão os restos mortais de ilustres homens públicos do Brasil Colônia, entre eles o jesuíta português Fernão Cardim (1540-1625), historiador autor do livro “Tratado da Terra e Gente do Brasil”.


Ao ser reformada a igreja entre 1968 e 1976, nas escavações para a construção de um novo piso foram localizados vestígios arqueológicos, como faiança portuguesa, inglesa e louça de Macau, moedas, estruturas funerárias, além de pratos de Veneza, da Índia e de Macau, que constaram estes últimos, do inventário dos jesuítas, datado de 1758.


No terreno defronte à Igreja, hoje transformado em um canteiro de obras, existiu durante quase três séculos, um “campo santo” indígena em que tupinambás e guaianases eram sepultados. Com a mudança de status de aldeamento para vila, o cemitério se tornou multiétnico e passou a receber os corpos dos moradores da vila e de localidades adjacentes, até 1883.


Sob a terra hoje revolvida sem qualquer cuidado, existem vestígios históricos que, resguardados e investigados com cuidado e rigor profissional, serão legado cultural e valiosa contribuição ao estudo da história da Bahia e do Brasil.


Tudo isso desaparecerá se as obras não forem interrompidas imediatamente. Depois de atendidos os requisitos arqueológicos e históricos para o retorno às obras, o COMAM sugere que, como ocorre em outros países, o México, por exemplo, no local se edifique um monumento que exalte a importância do sítio arqueológico e o explique didaticamente a turistas e moradores do litoral norte da Bahia.


Maio 2021 Ana Mandim -Presidente


Tesourada Se depender do vereador Jamesson Silva (PSL), o alcaide Antonio Elinaldo (Democratas), o seu companheiro de partido e vice-prefeito José Tude, seus secretários e subsecretários, não terão direito a reajuste nos salários.


Tesourada 2 Projeto de Lei, que o vereador apresenta nos próximos dias, simplesmente revoga Lei atual que reajusta, a partir de janeiro de 2022, o salário do prefeito dos atuais R$ 16.811 para 26.859. Votada em dezembro do ano passado, projeto também engorda em mais de 50% o salário do vice-prefeito e dos secretários, que saltam dos atuais R$ 15,4 mil para 24,6 mil. Já um subsecretário, hoje com pouco mais de R$ 12 mil, chegaria perto de R$ 20 mil mensais.


Tesourada 3 Pela sua proposta, nem seus pares no Legislativo escapam dos cortes. Projeto votado pela antiga composição da Câmara define um aumento de cerca de R$ 2,5 mil para os 21 vereadores que passarão a receber pouco mais de R$ 15 mil.


Tesourada 4 Mesmo integrando a base elinaldista, Jamesson entende que esses aumentos vão gerar o que chama de ´efeito cascata` com reajustes para outras categorias. Segundo disse à Coluna, os reflexos desse aumento vão além da ampliação das despesas da máquina municipal. Expõe o governo de forma negativa ao ampliar privilégios numa cidade que sofre com o desemprego, agora agravado pela pandemia.


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


27/5/2021 Fechamento às 20h20


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







Modelagem O ex-prefeito de Camaçari, o petista Luiz Caetano, tem nova tarefa no esquema do governador e companheiro de legenda, Rui Costa. Além de ajudar na articulação política do governo, com o comando da pasta de Relações Institucionais (Serin), Caetano tem como missão principal ampliar o alcance da candidatura a governador do senador e seu padrinho Jaques Wagner.


Modelagem 2 Pacote também inclui ajuda na articulação das ações do estado no combate à Covid-19, junto a prefeitos. Desse arsenal, que seguramente ajuda a viabilizar os voos políticos futuros, seu e de seu grupo, a missão sanitária é a mais complicada, pois mexe com interesses econômicos nas cidades, que insistem em relaxar as medidas restritivas para não desagradar segmentos do empresariado municipal. Caetano vai precisar de muito jogo de cintura para não se queimar. Se as articulações derem certo, beleza. Mas, se as coisas não andarem, os casos continuarem crescendo, mesmo com vacinação, e uma terceira onda de contaminação chegar, como já falam alguns especialistas, o petista não vai deixar de levar parte dessa culpa.


Modelagem 3 De qualquer modo, faturando, ou com desgaste, Caetano, que não é bobo, não vai ficar sozinho no prejuízo. Secretário de estado, portanto atuando no ´atacado`, o petista vai poder aliviar essa sua culpa e do governo do estado, transferindo e alegando descuido do ´varejista`, no caso os prefeitos, que de fato executam as políticas de saúde e tomam decisões que atingem de forma direta a população.


Modelagem 4 No caso de Camaçari, sua principal base e cidade que quer voltar a governar pela 4ª vez, a partir de 2025, o quadro é outro. Em caso de recrudescimento, ou retardo na implementação de ações mais efetivas de combate ao coronavírus, Caetano não vai deixar de usar a máquina do estado para repassar o ônus para a gestão do alcaide e adversário político, Antonio Elinaldo (Democratas), e seu secretário da saúde, o vereador licenciado Elias Natan (PSDB), hoje seu ex-aliado.


Modelagem 5 Nada satisfeito com a decisão de ter que se articular e conviver de forma mais direta com o inimigo, por conta das ações conjuntas contra a Covid-19, entre Estado e Município, Elinaldo, vai precisar construir sua vacina. O alcaide, que já enfrenta problemas de relacionamento com sua base de apoio vestindo modelos diferentes e até antagônicos, vai precisar sair do isolamento e se aglomerar com quem pode somar, para poder enfrentar esse novo momento.


Figurino O vereador e presidente do Legislativo de Camaçari, Junior Borges (Democratas), saiu na frente e não esconde seu desejo de ser o candidato da base governista na disputa pela prefeitura em 2024. Com rota definida, o demista já exibe o inequívoco sinal desse desejo, ao inaugurar nas redes sociais, o modelito “Fala aí, Junior Borges”.


Figurino 2 Usando o Instagram para responder perguntas de eleitores, `JB´, que mesmo sem fazer referência a qualquer outro nome da sua base, não deixa de dar recado sobre um passado recente e mal-amanhado, quando reafirma que: “a gente trabalha”. Mas, como todo político, Junior Borges não esquece a tradicional e respeitosa ressalva sobre sua presença no desfile, ao lembrar que, “quem vai decidir se isso vai acontecer ou não, é nosso Deus e a população “.


Cabide Depois de Téo Ribeiro, agora assessor do Legislativo de Camaçari, e salário de R$ 8,5 mil, outro ex-vereador amparado foi o também petista José Marcelino. Assim como Téo, presidente do Legislativo no biênio 2013/2014, Marcelino, seu sucessor nos 2 anos seguintes (2015/2016), já está devidamente vestido de assessor, com salário de R$ 8,5 mil, no gabinete do deputado Bira Coroa (PT).


Cabide 2 Dos reprovados nas urnas de 2020 pelo PT, apenas Jackson Josué segue sem cargo. Nomeação na máquina do estado só depende do ex-vereador acenar para o ex-prefeito e secretário da Serin, Luiz Caetano, ou aceitar paletó de outra grife partidária, ainda que dentro do guarda-roupa do governo Rui.


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


25/5/2021 Fechamento às 17h50


Todas as Colunas  http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







Olhar A prefeitura de Camaçari, infelizmente ampliando a sua visão de que patrimônio recuperado é património que precisa ser demolido e reconstruído, recebe mais um atestado desse descuido com a sua história. O alerta consta no estudo da pesquisadora e museóloga Kátia Cunha Melo Moreira dos Santos, sobre o “Tombamento em Instância Municipal da Igreja do Espírito Santo”.


Olhar 2 Encomendado pela secretaria de cultura de Camaçari (Secult), trabalho ajuda a clarear e precisa  ser levado em consideração pelo alcaide de Camaçari, Antonio Elinaldo (Democratas), no prosseguimento das obras de requalificação da praça de Vila de Abrantes.


Olhar 3 Com 251 páginas, recheadas de fotos, gravuras e documentos, estudo que  sustenta a necessidade de tombamento da Igraja, comprova de forma clara a necessidade de um olhar mais profundo sobre o templo e o seu entorno, em especial a área  localizada na frente da igreja, onde está sendo  realizada a polêmica obra de requalificação  comandada pela secretaria de infraestrutura (Seinfra). O documento será apresentado em reunião extraordinária, para apreciação e votação dos 21 conselheiros do Conselho de Cultura de Camaçari, na próxima segunda-feira (24), a partir das 14h, no plenário Osvaldo Nogueira, da Câmara de Vereadores de Camaçari.


Olhar 4 A Coluna teve acesso ao documento e destaca  trechos que reforçam essa necessidade de revisão do projeto da praça. Na pagina 194 do referido trabalho,  a museóloga diz sem rodeios: “É importante ressaltar que, o bem a ser tombado está situado em área urbana, de maneira que a proteção de seu entorno envolve procedimento complexo quanto aqueles voltados para o tombamento dos centros históricos, tais como a 191 BOURSCHEID, ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE S.A. Projeto de Diagnóstico Arqueológico Interventivo..., op. cit. 192 Diego Copque historiador IGREJA DO ESPIRITO SANTO 195 participação de múltiplos agentes sociais, diferentes legislações, projetos urbanísticos e ainda a necessidade da limitação ao direito de propriedade em nome do interesse cultural coletivo.”


Olhar 5 Mais adiante, o documento, apesar de específico sobre a necessidade de tombamento da Igreja do Espírito Santo, destaca o compromisso do agente público e a necessidade de preservação desse tipo de patrimônio: “A responsabilidade de conscientização sobre o significado do entorno em suas diferentes dimensões cabe aos profissionais de diversas áreas, às instituições, às comunidades locais e a outros agentes relacionados com os bens patrimoniais, para que se tomem decisões deveriam sempre considerando as dimensões tangíveis e intangíveis do entorno.” O estudo prossegue  exibindo toros de urnas funerárias antigas, e outras peças de grande importância arqueológica, encontradas em escavações na área que hoje está reconstruída a praça.


Olhar 6 Já na página 211 do parecer técnico, a museóloga  Kátia Cunha Melo registra de forma clara a  sua preocupação com essa preservação quando cobra do município um cuidado especial com a área localizada na parte frontal da igreja: “Considero de suma importância um olhar mais amplo sobre o processo de tombamento que englobe a grande Praça da Matriz onde está localizada a Igreja do Espirito Santo. Por ser um sítio detentor de um subsolo de valiosos resquícios arqueológicos. Deve ser delimitada como entorno imediato da Igreja a área proposta para proteção, evitando-se mais futuras descaracterizações sendo inserida no livro do tombo arqueológico, etnográfico e paisagístico”


Olhar 7 Apesar da grita da população, de historiadores, e até de políticos compromissados com a história do primeiro núcleo urbano da região, como mostrou o Camaçarico (Confira), a secretária da Seinfra, a doutora Joslelene Cardim, segue tratorando esse passado. Mesmo reconhecendo a importância da praça, que ela classifica de “área de inestimável valor histórico, o Sítio Arqueológico da Praça de Vila de Abrantes”, conforme documento ssinado por ela, que a Coluna teve acesso, a secretária avança no seu projeto sem a preocupação que deveria pôr em prática.


Olhar 8 Mas, o descuido parece ser endêmico e avança sobre outras estruturas da prefeitura de Camaçari. A secretaria de desenvolvimento urbano (Sedur), pasta que deveria ter observado esses aspectos, antes de emitir o licenciamento da obra da praça, reforça essa cultura do descompromisso. Alvará nº 051/2020, emitido em maio do ano passado, que a Coluna teve acesso, sequer faz ressalva à questão do patrimônio e de todo o seu entorno. Simplório, apenas libera a obra e ponto.


Olhar 9 Com histórico inegável, a doutora Joselene, que tem carta branca do prefeito, também esteve à frente no processo de demolição de parte do centro antigo da cidade (Confira). Nesse caso, contou com o beneplácito da pasta da cultura (Secult), comandada pela secretária Márcia Tude.


Olhar 10 Por ironia, o projeto de tombamento é aberto com uma citação do poeta e jornalista gaúcho, Mario Quintana (1906/1994), que diz:  “O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar vazio de quem por ele passa indiferente”.   


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


20/5/2021 Fechamento às 15h46


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber

 







Tabuleiro A anulação da decisão que tornava o ex-prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT), inelegível e sem direitos políticos, por conta da Lei da Ficha Limpa (Confira), mudou completamente o cenário político e o consequente jogo de forças em Camaçari. Com a decisão unânime pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), na sessão da última quinta-feira (13), o também ex-deputado federal, não só pode brigar pela retomada do segundo mandato conquistado em 2018, que sequer pode assumir, como realizar outros voos.


Tabuleiro  2 Com o vento soprando a seu favor, reforçado pelo efeito´Lula livre`, e suas consequências na disputa estadual, com aumento do poder eleitoral do companheiro e padrinho Jaques Wagner, para o governo do estado, o experiente Caetano faz mistério e aguarda o momento certo para anunciar seu futuro. Certo, segundo fontes caetanistas ouvidas pela Coluna, só seu desejo de voltar ao comando da prefeitura, em janeiro de 2025. Com 3 mandatos (1986/1988, 2005/2008 e 2009/2012), o petista pode  bater o recorde com 4 períodos, caso vença em 2024. Hoje, está empatado com José Tude (Democratas) com 3 mandatos (1989/1992, 1997/2000 e 2001/2002).


Tabuleiro 3 Nesse jogo de paciência, o 3 vezes alcaide alimenta as especulações sobre seu nome para ocupar uma secretaria no governo do companheiro de legenda Rui Costa. Nessa conjuntura, a retomada do mandato legislativo, buscando nova vaga no Congresso Nacional, nas eleições de 2022, fazendo uma possível dobradinha com a esposa, Ivoneide Caetano, como candidata a deputada estadual, é um desses cenários. Se ele vai para uma secretaria de estado, como defende  Wagner, terá mais tempo e proximidade para seu projeto de retomada do poder  de Camaçari. Prepara o salto para o 4º mandato, enquanto Ivoneide segue para a disputa, nesse caso para a Câmara dos Deputados, em Brasília.


Tabuleiro  4 Independente dessa composição, o momento é favorável para Caetano, que alimenta e reforça a congregação da militância, amplia seu campo gravitacional trazendo de volta, e até jogando  para cooptar novos reforços para sua base.


Tabuleiro  5 Diferente de cenário pós-decisão do TJ-BA, o alcaide Antonio Elinaldo (Democratas) tinha  jogada e caminhos definidos. Agora, com Caetano na disputa, a  partida zera e o petista vai fazer tudo para não vai perder o direito da vantagem do primeiro movimento.  


Tabuleiro  6 O demista vai ter que redesenhar sua estratégia, inclusive sua relação com os aliados e o funcionamento da sua máquina. Corrigir os erros, se cercar e aceitar o compartilhamento das experiências dos ex-prefeitos José Tude e Helder Almeida, e demais quadros, hoje escanteados, serão fundamentais para avançar e saltar para além da burocracia sem currículo e leitura rasa da cidade e seus meandros.


Espuma  Renovado nesta semana, o decreto da prefeitura de Camaçari, estabelecendo normas para comercialização de bebidas alcoólicas durante o final de semana, é mais uma medida difícil de cumprir pela própria gestão do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas). Foi assim na semana passada, e pode se repetir neste final de semana, caso o índice de ocupação da UTI com pacientes de Covid-19 fique igual ou superior a 75%.


Espuma 2  De acordo com o decreto, que no seu parágrafo 7º diz: “Fica autorizada a comercialização de bebida alcoólica aos finais de semana no Município de Camaçari, enquanto a taxa de ocupação dos leitos de UTI se mantiver em percentual igual ou inferior a 75% (setenta e cinco por cento), por 5 (cinco) dias consecutivos “, a prefeitura não poderia ter permitido a comercialização de bebidas alcoólicas no último final de semana.  


Espuma 3  Ao esquecer de averiguar as condições de cumprimento do decreto, como mostra o próprio Boletim Covid-19 da secretaria municipal de saúde (Sesau), a prefeitura prega o relaxamento. Essa contradição fica clara com os números dos boletins dos dias 13 e 14 (quinta-feira e sexta-feira), portanto 2 dias antes do final de semana. Nesses dias, o sistema de UTIs estava com 8 dos 10 leitos (80%) ocupados com pacientes com o coronavírus, enquanto outros 2 leitos da mesma UTI (20%) eram usados por casos suspeitos e em investigação.


Placebo  Exibir postagem nas redes sociais pedindo a CPI da Covid em Camaçari é muito pouco. Patrocinada pela oposição na Câmara de Vereadores, ação precisa ir além da sessão legislativa e se fundamentar em documentos, como fez o Senado, para pedir esse tipo de investigação das contas e medidas adotadas pela secretaria de saúde do município (Sesau) para conter a pandemia.


Placebo  2 Apesar do consenso, entre oposição e parte da bancada governista, sobre a falta de transparência da pasta comandada pelo vereador licenciado, doutor Elias Natan (PSDB), vereadores precisam cobrar esses números, durante a próxima Audiência Pública de prestação de contas dos primeiros 4 meses deste ano, como determina a lei. Com prazo regimental para ser realizada até o final deste mês de maio, audiência pública, na atual conjuntura política, com ampla maioria governista (17 X 4), será a oportunidade da oposição cobrar tudo do doutor Natan.


Placebo  3 Cabe aos vereadores oposicionistas, e aos governistas que exibem comprometimento efetivo com a cidade, se prepararem para questionamentos precisos e fundamentados. Afinal, abrir esse prontuário é fundamental para que a população fique sabendo como está sendo gesto esse dinheiro.


Placebo 4 Se o doutor Natan não esclarecer essas dúvidas durante a sessão, prevista para o próximo dia 26, segundo apurou a Coluna, aí só a CPI e seus desdobramentos imprevisíveis. Não vai ser fácil viabilizar essa Comissão Parlamentar de Inquérito. Com 5 eleitos pela oposição, mas apenas 4 atuando de fato, formação da CPI vai precisar de 3 votos de vereadores da base governista para formar os 7 (1/3) necessários para aprovar a sua criação.  


No ar Todas às quartas, entre às 19 e 20h, esse editor conversa sobre política na Sauípe FM 102,9. O Programa do Oswaldinho, apresentado pelo radialista Oswaldo Marcolino, também pode ser acessado pelo link da emissora http://www.radios.com.br/play/14555 , ou pelo Facebook  https://m.facebook.com/Programa-de-Oswaldinho-242236606676892/


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com – Editor


18/5/2021 Postagem às 17h15


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







Delay  Precisou do alerta feito da imprensa, e da consequente intensa repercussão nas redes sociais, para que a secretaria de saúde de Camaçari (Sesau), comandada pelo vereador licenciado pelo PSDB, o médico Elias Natan, se posicionasse sobre a presença de casos, inclusive com óbitos, da variante do vírus “PI de Manaus”, considerada pelos especialistas mais agressivo e letal.


Delay 2 Em nota pouco esclarecedora, divulgada 2 dias depois de receber o “Comunicado de Alerta” nº 8, de 4 de maio de 2021, da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), a prefeitura através da Sesau informou apenas que vem intensificando os cuidados, e aguarda o envio de mais “detalhes sobre o assunto”. De lá para cá, nenhuma informação.


Delay 3 Omitir informação da população não ajuda a combater o avanço da pandemia do coronavírus. Nesse momento, onde se discute a volta às aulas e a redução das medidas restritivas, que por falta de uma fiscalização real pela prefeitura, seguem além do tamanho definido pelo decreto municipal, todo cuidado é pouco.


Delay 4 O doutor Natan, que não atende telefone e não conversa com a imprensa, está devendo esclarecimentos. Tem sorte por contar com o beneplácito de seus pares, na Câmara de Vereadores. Até a oposição, que deveria ser mais ágil e direta, segue a mesma receita e não convoca o agora vereador licenciado para detalhar números sobre a Covid e as ações da Sesau no município.


Delay 5 Sob o argumento de que necessita de 7 votos, mas só possui 5 vereadores para convocar o secretário de saúde, como manda o Regimento Interno da Casa, movimento tem todos os sintomas da síndrome do espirito de corpo.


Delay 6 O doutor Elias Natan, vereador de 3 mandatos, deve deixar de lado esse artifício legal e  tomar a iniciativa, indo até o plenário do Legislativo. Afinal, ele está secretário, mas foi eleito vereador para defender a cidade e cumprir a Lei que exige transparência com o dinheiro do contribuinte.


Tempo certo Enquanto o Legislativo de Camaçari cochila, e se conforma com os números parciais, a CPI da Covid no Senado segue em ritmo acelerado. A Coluna teve acesso a pedido de informações da CPI sobre gastos do município com a pandemia. Requerimento assinado pelo senador Ciro Nogueira (PP-Piauí), datado de 29 de abril, pede à prefeitura de Camaçari cópias de empenhos/contratos das ações orçamentárias, notas fiscais e ordens bancárias com detalhamento das fontes dos recursos.


Currículo  Graças à sua briosa equipe de assessores, planejadores, formuladores, e etc, a gestão do alcaide Antonio Elinaldo tem se notabilizado como  descompromissada com o patrimônio histórico e todo o legado deixado pelos antepassados de Camaçari.


Currículo 2 A última ´marretada` foi a obra de requalificação da praça principal de Vila de Abrantes. Sem nenhum cuidado, compromisso e escuta da população, em especial historiadores, a prefeitura resolveu modernizar a praça situada sobre um sítio arqueológico, datado do século XVI.


Currículo 3 Dessa vez, diferente do crime praticado com a demolição do casarão sede dos 3 poderes e do antigo cinema, a Ordem dos Advogados do Brasil OAB-Camaçari entrou no circuito. A expectativa é de que, com o olhar do Ministério Público, como mostrou o Camaçari Agora (Confira), o projeto seja  refeito e respeite a história da área onde se implantou o primeiro núcleo urbano com o aldeamento, e todo o seu entorno da histórica igreja.


Currículo 4 Segundo apurou a Coluna, a notificação pedindo informações, mas sem recomendar a suspensão das obras, feitas pelo MP, não foi suficiente para sensibilizar a doutora Joselene Cardim, titular da secretaria de infraestrutura (Seinfra). Até a tarde desta quinta-feira (13) os trabalhos seguiam normalmente.


Compromisso Cresce o coro de vozes em defesa da democratização do acesso ao livro “Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais", do professor, historiador e pesquisador Diego Copque. O vereador Tagner Cerqueira (PT) apresentou indicação ao alcaide Antonio Elinaldo (Democratas) para que autorize a aquisição de exemplares da publicação para distribuir com bibliotecas das escolas da rede municipal.


Compromisso 2 Outra importante medida do Legislativo é o Projeto de Lei retroage em 200 anos a data de fundação da cidade. Proposta de autoria do vereador Jamesson Silva (PSL) muda esse marco no calendário que passaria para 29 de maio de 1558, portanto 463 anos neste 2021. Com a alteração, o 28 de Setembro continuaria sendo celebrado, mas como data de elevação do aldeamento do Espírito Santo à categoria de Vila da Nova Abrantes do Espírito Santo, em 1758.


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


13/5/2021 Fechamento às 16h54


Confira todas as Colunas http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







Nem-nem O livro “Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais", do professor, historiador e pesquisador Diego Copque, segue contaminando de forma positiva a cidade e significativa parte dos seus representantes. Como mostrou Coluna, a publicação vem semeando no município a necessidade de conhecer sua história, independente de nascido ou adotado, fortalecendo assim o sentimento de pertencimento.


Nem-nem 2 Valiosa pesquisa virou série na internet, respalda mostra fotográfica, inspira o mestre Bule Bule. Até a Câmara de Vereadores já se movimenta para homenagear o autor e aproveitar parte da história da cidade, desvendada por Copque, para ampliar sua lista de honrarias.


Nem-nem 3 Nessa lista de homenagens e reconhecimentos do importante trabalho, independente de qualquer valoração sobre a política e suas estratégias de uso e beneficiamento de determinadas situações, pelos agentes políticos, chama a atenção o distanciamento do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas).


Nem-nem 4 Enquanto seus adversários, aliados no Legislativo, e governistas dentro da sua própria estrutura de gestão entram nessa justíssima fila de homenagens e aplausos, o prefeito, principal personagem da cidade, se omite no festejo e reforço dessa ´vacina` de orgulho num momento de dor e carência causados pela pandemia.


Nem-nem 5 Ao manter fora de sua agenda o autor de um trabalho que resgata a história e a importância social e política de Camaçari na historiografia da Bahia e do Brasil, o alcaide, que exibe tempo para ouvir lobistas e gente preocupada apenas com o lucro, descuida do seu papel constitucional. “Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais" não é uma publicação ficcional ou de caráter político partidário. O livro de Diego Copque vai além da história oral e da pesquisa simplória. Mergulha em arquivos e documentos, aqui e além mar, e exibe com provas históricas a necessidade de reposicionamento da data de fundação de Camaçari, uma das mais antigas do Brasil, e sua importante presença nos festejos da Independência da Bahia.


Nem-nem 6  Trabalho diz para toda Camaçari que seus antepassados não foram meros espectadores. Foram atores que contribuíram para esse feito coroado com o 2 de Julho de 1823. Redesenhar o trajeto do ´Fogo Simbólico`, incluindo Camaçari e a vizinha Dias DÀvila, além de  ampliar a presença dessas cidades nos festejos de forma efetiva, é  trabalho para ontem. Ainda na gestão do alcaide Elinaldo, em 2023, a Bahia festeja os 200 anos de Independência.


Nem-nem 7 Ao sinalizar apartheid de um importante momento da história do município, o demista Antonio Elinaldo comprova ausência de assessoria com capacidade para entender e convencer o chefe do importante momento.  


Nem-nem 8 Essa caminhada na contramão, alertada pelo Camaçarico, e legitimada pelo sempre omisso Conselho de Cultura do município, não é de agora. Começou ainda na gestão do antecessor, o ex-petista e depois sem partido, Ademar Delgado.


Nem-nem 9 Nada é tão ruim que não possa piorar. Foi assim no processo de demolição do casarão centenário que sediou os 3 poderes no município, em junho de 2019, como mostrou o Camaçarico (Confira). Na mesma marretada, durante a primeira gestão do alcaide reeleito em novembro, também virou escombros o antigo cinema, outra referência localizada no coração da cidade. Dessa sanha equivocada, e só explicada pela total desconexão com a história de Camaçari, só escapou a antiga estação de trens. Propriedade da Ferrovia Centro Atlântico (FCA), histórico marco da cidade, cedido em comodato ao município, para ser transformado em centro de memória, segue em interminável reforma sem prazo para conclusão.


Nem-nem 10 Mas, essa história de descaso com o livro, que agora delicia e até movimenta quem sempre lhe ignorou, tem cronologia. Pesquisa, pronta há mais de 3 anos, como mostrou em várias postagens o Camaçarico, peregrinou por mesas do poder, que mesmo com apresentação, prefácio e introdução reconhecendo sua importância e necessidade, não fugiu do epílogo, onde o educado ´não` adiava o desejo de uma cidade e de um povo conhecerem sua história.


Nem-nem 11 Foi assim nas secretarias da educação (Seduc), comandada pela professora doutora Neurilene Martins; e da cultura (Secult), com Márcia Tude. Só neste ano, com a pandemia e a verba federal da Lei Aldir Blanc, o livro conseguiu virar papel através de edital de seleção de projetos coordenado pela Secult.


Nem-nem 12 O mesmo padrão de leitura superficial prosseguiu nas duas últimas gestões da Câmara de Vereadores. Projeto foi inicialmente apresentado ao presidente Oziel Araújo (2017/2018), na época do PSDB e base aliada do governo municipal. No biênio seguinte (2019/2020), com o demista Jorge Curvelo comandando a Casa do Povo, o entendimento não foi diferente.


Nem-nem  13 Essa falta de compreensão atinge outro importante segmento. Descaso do empresariado com projetos culturais da cidade é outra marca do polo industrial de Camaçari e das grandes redes de alimentos e outros produtos. Fecham essa triste lista o Cofic, com sua teia de inter-relação com as empresas instaladas no maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul.


Nem-nem  14 Ampliar esse projeto, com a produção de uma nova edição, inclusive em versão digital, que contemple estudantes, escolas públicas, bibliotecas e outras instituições, é obrigação e realinhamento com a história de Camaçari.


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


 10/5/2021


Todas as Colunas   http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







Caminhada O educador Sócrates Magno é candidato a deputado federal nas eleições de 2022. Em conversa com o editor da Coluna, Sócrates que disputou a prefeitura de Camaçari pelo PSOL, disse que sua postulação não é escada para uma nova disputa em 2024. Garante que é um projeto definido pela direção nacional do partido, hoje com 10 assentos no Congresso Nacional, e nenhum representante do Nordeste.


Caminhada 2 É preciso fortalecer a presença do partido no Nordeste, onde a Bahia tem um simbolismo especial e exibe um quadro de desigualdade e de condução política que precisa ser mudada em favor da população. Sócrates, que somou pouco mais de mil votos e ficou em 4º lugar na disputa, vencida pelo alcaide reeleito, Antonio Elinaldo (Democratas), garante que chegou a vez do PSOL.


Caminhada 3 Aposta que sua candidatura vai ganhar as ruas de Camaçari, em contraposição aos projetos clientelistas e desconectados com a realidade da população do atual grupo político, e do antigo detentor do poder, o PT, que tenta voltar ao comando da cidade, mesmo mantendo uma construção política equivocada e distante dos princípios de um partido de esquerda.


Caminhada 4 Nessa caminhada para mudar esse quadro, Sócrates assegura que conta com o apoio de figuras como a deputada Luiza Erundina, ex-prefeita da capital paulista, o deputado Marcelo Freixo (RJ), e de Guilherme Boulos, candidato a presidente nas eleições de 2018.


Resgate O livro “Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais", do professor, historiador e pesquisador Diego Copque, começa a influenciar de forma direta e positiva no reconhecimento de seus importantes filhos e sua contribuição histórica, totalmente ignorada e desconhecida até antes da publicação.


Resgate 2 A Câmara de Vereadores de Camaçari prepara projeto de resolução instituindo duas honrarias. Por sugestão do historiador, feita ao presidente da Casa, Junior Borges (Democratas), serão criadas a Comenda Pedro Reis e a Medalha Ambrósio Pires.


Resgate 3 O caboclo Pedro Reis foi o primeiro vereador descendente de índio eleito, em 1758, para a primeira Câmara criada com a elevação do antigo aldeamento a condição de Vila de Abrantes. Já a medalha Ambrósio Pires, para homenagear figuras que se destacaram na cultura e na educação no município, resgata a importante contribuição do primeiro ator índio do Brasil.


Tabuada  A velha fórmula dos ´100 dias de governo` segue em uso, até por quem nem deveria fazer essa conta. Com a reeleição do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas), e a manutenção de boa parte dos titulares das secretarias, não existem motivos para exibir avanços nesse período, como se a gestão estivesse começando em janeiro. O número real é 1.560 dias. A conta é simples. Basta multiplicar os dias do ano, pelos 4 anos (2017/2020) do primeiro mandato, 365 X 4 = 1.460 + os 100 dias desse segundo governo.


B. O. O mês de abril registrou queda no número de assassinatos em Camaçari. De acordo com a   secretaria de segurança pública do estado (SSP-BA) foram contados 22 homicídios. É o menor registro na comparação com 2020, com 31 mortes violentas, e empatado com 2019, também com 22.


B. O. 2 No balanço dos primeiros 4 meses do ano, 2020 conta 91 assassinatos, 29 a mais que nesse ano (62 assassinatos), e 27 a mais na comparação com 2019 (64 mortes). Já na conta total, foram 198 assassinatos em 2020, e o mesmo número em 2019.    


Harmonia Camaçari perde para a Covid-19 mais um filho ilustre. Dessa vez foi Evandro Amaro, fundador e comandante da Fanesc, a Fanfarra Estudantil de Camaçari. Foi com Evandro, 51 anos, que a Fanesc deu um salto e avançou para o time das melhores fanfarras do Brasil, com um título nacional e 5 estaduais.


Harmonia 2 Inovador, Evandro foi o grande responsável pela consolidação do segmento bandas e fanfarras em Camaçari, com a movimentação que resultou na criação de outros dois conjuntos musicais: a Fanesva (Banda Marcial de Vila de Abrantes), e a Fanesp (Associação Cultural Banda Marcial Estudantil de Parafuso). Esse ex-bamuqueiro e fanesqueiro de coração vai fazer falta.


Desarmonia Mesmo festejado pelo poder, com direito a registro ´post mortem` no site da prefeitura, festejando sua importâcia para a cultura da música de Camaçari, Evandro enfrentava dificuldades de saúde e financeiras. Exonegado do cargo que possuia na gestão municipal, agaurdava a nova nomeação que nunca veio.  


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com - Editor


 4/5/2021 Atualização às 13h48


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


Instagram https://www.instagram.com/joaoleitefilho01/?hl=pt-br


You Tube https://www.youtube.com/channel/UCVFnWrjZpNsVJCbD6_D5ekg?view_as=subscriber


 

 







No banco  Quem anda indócil com o alcaide Antonio Elinaldo (Democratas) é a militância do time azul. Sem cargos na máquina municipal, e vendo suas vagas serem ocupadas por apadrinhados, que além da baixa qualificação, nada ou pouco contribuíram para a suada reeleição do chefe, elinaldistas choram pelos cantos.


No banco 2 Promessa de reaproveitar esse time na máquina municipal segue sem prazo e tamanho. As especulações, que o governo não reconhece, é de que esse grosso de renomeações aconteceria nesse abril, que já se despede.


Recall Depois do fechamento da Ford, o projeto do PCdoB de Camaçari, de fazer do dirigente sindical e presidente do sindicato dos metalúrgicos, Júlio Bonfim, seu piloto número 1, apresentou pane e precisou voltar para o boxe.


Recall 2 Com a base esfacelada pelas demissões, sem a poderosa máquina do sindicato, desidratada com os cortes de receitas gerados com o fim das contribuições dos trabalhadores da montadora americana, Bonfim segue na pista com carro reserva e sem o combustível que lhe assegurava espaço generoso na mídia. Mas, como a corrida da política não para, o próximo calendário é a prova da Assembleia Legislativa, em 2022.


Recall 3 Mesmo que não chegue entre os 63 eleitos, ganha experiência para o projeto 2024. Com o ex-vereador Binho do 2 de Julho fora do circuito, e sem qualquer outro piloto com punho para enfrentar a disputa pela escuderia do ´B`, Bonfim deve brigar, com mais chances, por uma das 21 vagas do Legislativo de Camaçari.


Validade Com o candidato do prefeito, o secretário de esportes e vereador licenciado Jorge Curvelo (Democratas) sem comandar sequer uma jogada, já tem quem fale em chapa alternativa para a disputa sucessória do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas), em 2024. Composição teria na cabeça o demista Flávio Matos, vereador mais votado nas eleições de novembro, e o empresário do ramo de supermercados, Fabrício Vieira, conhecido como Fabrício do Mix, como candidato a vice.


Validade 2 É aguardar o comportamento do carrinho do eleitor nas eleições para presidente, senador e deputados federais e estaduais, no próximo ano. O resto é especular com a validade de uma mercadoria que tem sua duração atrelada a outro selo, o da conjuntura como a sua principal característica.


know-how Não demora e a prefeitura de Camaçari começa a exportar sua experiência na gestão de programas de distribuição de benefícios para um grande número de pessoas. Graças a seu intenso calendário de distribuição de cestas básicas, o município começa a ser procurado por outras prefeituras para troca de experiências.


know-how 2 Segundo  apurou a Coluna, técnicos de outras prefeituras querem saber como funciona essa logística assistencialista, que envolve cerca de 250 servidores em todas as etapas, desde o planejamento até a distribuição desses benefícios em pontos fixos, móveis, e de casa em casa.  


know-how 3 Com um orçamento acima da média e posicionada entre as mais ricas do país, Camaçari distribuiu tradicionalmente cerca de 25 mil cestas por ano. No calendário fixo estão a cesta de Páscoa e de Natal que atingem cerca de 75 mil pessoas, algo próximo de 25% da sua população de 300 mil habitantes. Com a pandemia, esse número de beneficiários aumentou desde o ano passado, com a entrega de cestas para outros milhares de munícipes.


Habemos História “Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais", livro do professor, historiador, pesquisador Diego Copque, terá lançamento virtual na próxima terça-feira (4), a partir das 16h, em live do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB). O acesso é livre pelo canal do IGHB no You Tube https://www.youtube.com/user/ighbba.


Habemos História 2 Trabalho resgata parte da história do município, com reposicionamento de sua data de fundação para o século 16. Pesquisa de mais de 20 anos também comprova a importância de Camaçari nas lutas pela Independência da Bahia. Livro pode ser adquirido pelo sistema delivery através do WhatsApp (71) 993-965422.


Aplausos  Sábado (1/5) tem drive-thru solidário, das 10h às 16h, na praça Hildete Reis, bairro da Bomba, centrpo de Camaçari. Os alimentos não perecíveis e os produtos de higiene e limpeza recolhidos pela ação do grupo musical Samba na Praça serão distribuídos com artistas e fazedores de cultura da cidade.


27/4/20


João Leite Filho – joaoleite01@gmail.com - Editor


Link todas as Colunas


Instagram: @ joao leite filho


canal You Tube joao leite filho 

 







Presente & Futuro O 3 vezes alcaide de Camaçari, Luiz Caetano (PT), diz que anda voando em ´céu de brigadeiro`, e que só vem comemorando avanços desde novembro passado. Mesmo com a derrota da sua esposa, Ivoneide Caetano (PT), para o prefeito reeleito, Antonio Elinaldo (Democratas), assegura que a conjuntura é de inegável vantagem para o seu projeto político de retomada do poder.


Presente & Futuro 2 Segundo ele, derrota por 16 mil votos (68 mil X 52 mil votos), representada pelo percentual de 53% a 40% dos votos, mostrou que seu grupo segue com significativo tamanho territorial e força política em Camaçari. Somado a esse número de partida, Caetano assiste de camarote o que chama de desgaste do 2º governo do demista. Avaliação nada positiva não é exclusiva do petismo adversário. Desconforto com ações e movimentos nos primeiros 100 dias de gestão, que na verdade somam 1.560 dias, com os 4 anos do primeiro mandato, é compartilhada até por aliados.


Presente & Futuro 3 Nessa conta de somar para um, e subtrair para o outro, novos fatores se agregam como o efeito ´Lula Livre` e o consequente fortalecimento da candidatura a governador do senador e companheiro de legenda, o ex-governador Jaques Wagner, em 2022. A pandemia da Covid-19, que ajudou a reeleger Elinaldo, agora se transforma em vírus perigoso para os  seu segundo mandato, caso não apresente um desempenho satisfatório, é outro complicador, avalia.


Presente & Futuro 4 Em entrevista ao editor da Coluna, no último sábado (17), em sua casa,  Caetano, acompanhado por Ivoneide, se diz na “dianteira”, e não esconde a satisfação ao  declarar que sua candidata é a “bola da vez”. Lista como certezas nesse jogo o desgaste da gestão Elinaldo, os erros na escolha do secretariado, com destaque para o vereador licenciado, Doutor Elias Natan (PSDB), na pasta da saúde. Segundo ele, o seu ex-aliado tem demonstrado pouca experiência ao montar uma equipe capaz de planejar ações eficientes para enfrentar a pandemia.


Presente & Futuro 5 Ainda de acordo com Caetano, sucessão de erros avança com a escolha do vereador licenciado Jorge Curvelo (Democratas), preferido pelo alcaide Elinaldo para a sua sucessão. Para o ex-alcaide, o opositor vai precisar construir um nome, já que o seu amigo e atual secretário de esportes, conhecido pela baixa eficiência durante os mandatos de vereador, e como presidente do Legislativo (2019/2020), “derrapou na saída”, o que reduz as chances de Curvelo retomar a estabilidade.


Presente & Futuro 6 Com parte de sua antiga base de apoio, hoje sob as ordens do opositor, o jeitoso, sempre negociador e com veneno suficiente para atrapalhar, confundir e imobilizar o adversário, diz que tem conversado com vereadores e lideranças da base elinaldista. Garante que a insatisfação é grande e aposta no novo cenário a partir de 2022 para consolidar a vantagem que diz ter.  


Presente & Futuro 7 Acostumado com o embate, o petista ´jura` que ainda não definiu o futuro político do seu principal e único trunfo para a disputa de 2024. Com o nome posto como candidata a deputada federal, já no dia 16 de novembro, a advogada Ivoneide Caetano pode mudar os planos e disputar uma das 63 vagas da Assembleia Legislativo. Caetano acredita que tudo vai depender da conjuntura da sua base e das composições no estado.


Presente & Futuro 8 Ele acredita que sua esposa some em Camaçari, algo acima dos 30 mil votos, uma arrancada significativa para os estimados 90 mil necessários para assegurar uma vaga no Congresso Nacional. Esses cerca de 60 mil votos restantes ele garante que está trabalhando para recuperar. Otimista, lembra que somou 125 mil no pleito de 2014, e que cerca de 80% dessa base está sendo trabalhada e será retomada.


Presente & Futuro 9 Mas, o jogo pode ser outro e a conjuntura decidir que a disputa será entre as esposas. Com Ivoneide Caetano como candidata a deputada estadual, a disputa pelos mesmos votos será com a primeira-dama do município, Ivana Paula.


Presente & Futuro 10 Mesmo sem lançamento oficial, o nome da Ivana Paula segue a regra do poder, que não seria diferente se o alcaide fosse Caetano, com a ocupação ostensiva de todos os espaços da administração. Modelo de impulsionamento da imagem da primeira-dama, com o tradicional uso da máquina, influência nas ações de secretarias, presença ostensiva em inaugurações e eventos do município, além da necessária e fundamental exposição nas redes sociais e na mídia, oficial ou não, sinaliza que presença vai além da vaidade.


Confirmado esse cenário, polarização ´Ivana X Ivoneide` antecipa 2024 e exige reforço nas tropas e estratégias ainda mais eficientes. Vence quem errar menos.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


20/4/2021


 

 







Futuro A prefeitura de Camaçari oficializou no sábado (10) o cancelamento do Camaforró. Apesar de acertada, diante do avanço da pandemia, em especial num município que já registra quase 20 mil contaminados e 371 mortes, medida, que já vinha sendo discutida dentro e fora do poder, não poderia ser anunciada sem as devidas compensações, como um simples traque que encerra sua trajetória com o estouro.


Futuro 2 Setor importantíssimo para a economia da cultura, e com grande parcela de trabalhadores envolvidos, festa precisa ter seu formato repensado. Mesmo com atraso, cabe ao município discutir de forma acelerada, com artistas e grupos culturais e produtores, qual será esse caminho, inclusive com definição de orçamento e custos como cachês.


Futuro 3 O auxílio emergencial para os artistas, com campanhas nas redes sociais tentando sensibilizar a prefeitura, é bem-vindo e precisa ser viabilizado. Mas, é pouco. Qualquer gestor minimamente bem assessorado sabe que os artistas não querem só comida. Viabilizar a sobrevivência desse importante setor, que precisa produzir alegria e esperança, nesse momento de dificuldade, é ´vacina` indispensável para o agora e para o futuro.


Futuro 4 Com a mudança de paradigma, pensar o novo é função do poder público e dos segmentos da cultura, da educação e do entretenimento. Jogar fora a marreta da demolição e do descompromisso é o roteiro que o alcaide Antonio Elinaldo (Democratas) precisa ter coragem de seguir, se quiser corrigir erros e mostrar que está disposto a avançar.


Futuro 5 Dentro desse novo modelo, a prefeitura de Camaçari também precisa abrir o debate e rever seu calendário, como o 28 de Setembro, quando comemora sua emancipação. Reposicionar a data de sua fundação no século 16, mais precisamente dia 29 de maio de 1558, é outra tarefa, para ontem. É indispensável reafirmar sua história e fazer esse orgulho avançar, crescer e se fortalecer nas novas gerações. É muito pouco imaginar que festa só pode ser feita com desfile no asfalto quente, e com palco e gente aglomerada. A internet, com sua fronteira sem limites, é o caminho. Só precisa vontade política.


Além do muro O historiador, professor, pesquisador Diego Copque, autor do livro "Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais", com lançamento previsto para os próximos dias, não brinca em serviço e já começa a conversar com representantes do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB) e Fundação Gregório de Matos, sobre a inclusão de Camaçari no roteiro de comemorações da Independência da Bahia.


Além do muro 2 Com base em documentos, Copque quer mostrar a necessidade de inclusão de Camaçari nas comemorações do 2 de Julho, inclusive com presença no roteiro do "fogo simbólico". Além de importância na luta pela Independência da Bahia, como mostrou o historiador em artigo publicado no Camaçari Agora (Confira), município também foi passagem obrigatória das tropas libertadoras pela antiga Estrada das Boiadas, hoje Otávio Mangabeira, ligação dos bairros Lama Preta,  Buri Satuba e Santa Maria.


Referência O fotógrafo Marilton Trabuco acaba de receber uma das mais importantes premiações da 31ª Bienal de Arte Fotográfica em Preto e Branco.  O camaçariense de coração, com 50 anos de dedicação ao município, foi um dos premiados com Menção Honrosa com a foto “Reciclagem ou Sobrevivência”, feita durante a festa de Iemanjá, Rio Vermelho, Salvador. Marilton é diretor do Clube de Arte Fotográfica Camaçari (CAFC) e conselheiro da Confederação Brasileira de Fotografia (CONFOTO). Os trabalhos premiados  da mostra, que reuniu 2018 fotografias de 512 profissionais de todo o país, podem ser  conferidos no facebook www.facebook.com/cinefotoamparo.


Quarentena O deputado federal Paulo Azi, presidente estadual do Democratas, preferiu não comparecer à inauguração da Estação da Cidadania-Esporte, sexta-feira (9), em Arembepe. Mesmo sendo convidado pela prefeitura, e com status de padrinho da intermediação que assegurou os cerca de R$ 6 milhões para a construção do equipamento, Azi, carlista histórico, preferiu evitar o que se chamaria de ´aglomeração perigosa`. Afinal, a festa foi comandada pelo ministro João Roma, deputado federal licenciado pelo Republicanos, ex-homem de confiança de ACM Neto, e agora se movendo sob a órbita do bolsonarismo.


Concreto Depois do cemitério Jardim da Eternidade, o próximo a fechar as portas por falta de túmulos é o de Parafuso. Novo espaço definido pela prefeitura para atender provisoriamente os sepultamentos, com o fechamento do maior da cidade, localizado na sede, a necrópole do distrito banhado pelo rio Joanes só conta com cerca de 150 túmulos.


Concreto 2 Números apurados pela Coluna mostram as dificuldades do município em atender os crescentes sepultamentos registrados desde o ano passado, com o avanço da pandemia da Covid-19 no município. Provavelmente ainda nesta semana, novos túmulos começam a ser construídos no Jardim da Eternidade. A previsão é de abrir mais mil novas gavetas.


Concreto3  Sobre a operação clandestina de exumação de restos mortais para dar lugar a novos sepultamentos, como mostrou a Coluna (Confira), o governo recuou e decidiu fazer a coisa certa, chamando os familiares  dos mortos. Agora, respeitando a lei dos vivos e mortos, a operação limpeza, comandada pela secretaria de serviços públicos (Sesp) pode asegurar mais 2 mil novos túmulos, não tem data para começar. Município não fala em construção de um crematório.


Concreto 4 Ainda segundo essas mesmas fontes, os cemitérios de Arembepe, Monte Gordo e Vila de Abrantes também apresentam poucos espaços para novos sepultamentos. A capacidade de ampliação dos cemitérios do município é outro problema. O centenário cemitério de Vila de Abrantes não tem espaço para ampliação. Limitação também é registrada nas necrópoles de Arembepe e Monte Gordo. Lista dos 7 tem ainda o de Barra do Pojuca e o cemitério da Gleba C, na sede, fechado e sem condições de ampliação devido o crescimento das moradias dos vivos no seu entorno.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


13/4/2021


 

 







Ritual Depois de ensaiar heresia, ao planejar uma operação clandestina de retirada de corpos no cemitério Jardim da Eternidade, para dar lugar a novos mortos, na sua maioria vítimas da Covid-19, a prefeitura de Camaçari finalmente ressuscitou o bom senso. Segundo apurou o Camaçarico, processo de exumação, como manda a Lei, e os preceitos de respeito aos mortos, deve começar na próxima semana.


Ritual 2 Como mostrou a Coluna (Confira), situação no maior cemitério da cidade vai além da falta de túmulos, hoje com cerca de 40 disponíveis. A relação de trabalho também não é boa. Com carência de pessoal e baixos salários que não ultrapassam os 2 salários mínimos, os cerca de 20 agentes de sepultamento lotados nos 7 cemitérios do município exibem a outra ponta desse processo de descuido.


Ritual 3 Crescendo de forma diferenciada, graças a um aumento incomum da população, gerado pelas oportunidades de emprego no seu polo industrial integrado, Camaçari não para de colecionar números. Não foi diferente com a pandemia que superlotou os cemitérios e agora exige novos espaços, como propõe o vereador Tagner Cerqueira (PT), que defende a criação de um novo cemitério. 


Ritual 4 A necessidade existe, mas como vai ser esse processo é mais uma incógnita da Camaçari com seu parque industrial de ponta, mas gerindo e planejando seu crescimento sem o rigor técnico. Tocada pelos últimos governos sem um planejamento global, com o último Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) atualizado há mais de 12 anos, município de 300 mil habitantes não possui estudo atualizado sobre a construção desse tipo de equipamento. Um novo cemitério, com ou sem crematório, vai precisar atender critérios técnicos específicos, como questões ambientais e, a depender desse modelo, sua presença de forma equilibrada e sem impactos na cena urbana da cidade.


Ritual 5 Segundo o Orçamento-2021 do município, despesas anuais com os cemitérios mantidos pela prefeitura é de pouco mais de R$ 1,2 milhão. Nesse mausoléu não entram as despesas de pessoal e outros gastos, como fornecimento de caixões e estrutura de apoio para sepultamentos de carentes.


Invisíveis A assessoria do secretário de saúde de Camaçari garante que o município não tem nenhuma responsabilidade ao deixar os moradores em situação de rua de fora da lista de prioridades na vacinação contra a Covid-19. Sobre a cobrança do Camaçarico (Confira), diz que o município segue roteiro definido pelo chamado comitê intergestor bipartite (CIB), formado pela secretaria de saúde do estado (Sesab) e secretarias de saúde dos municípios.


Invisíveis 2 Taí, uma questão que o doutor Elias Natan, titular da Sesau, deveria abordar na reunião do CIB. Inclusão desse público começa a ganhar agenda e visibilidade em outras cidades do país, como São Paulo, que já imuniza, e Salvador que prepara estratégia para vacinar essa população altamente vulnerável. 


Invisíveis 3 Afinal, quem exibe números na economia, com PIB tamanho ´G`, presença política na Grande Salvador, e posicionado como a 4ª maior população do estado, não pode ser mera espectadora. Precisa sugerir, puxar o debate, apresentar soluções e medidas criativas.


Invisíveis 4 Essa necessidade de uma estrutura maior e mais eficiente se reforça com o triste balanço da pandemia, onde Camaçari também aparece em posição de destaque. É o 4º em número de óbitos (438), atrás apenas de Salvador, Feira de Santana e Itabuna. Ainda de acordo com números divulgados na noite de terça-feira (6), pelo governo do estado, município é o 5º em registros de contaminados, com 18.823 casos desde o início da pandemia.


Invisíveis 5 Por falar em números, a Coluna volta a questionar a briga entre as calculadoras do estado (Sesab) e do município (Sesau) na contagem dos números de contaminados, mortos e vacinados. Último balanço da Sesab mostra 89 óbitos e 258 novos casos de contaminados a mais que números apresentados pelo município. Já as listas dos imunizados coincidem no milhar e na centena, mas diferem na dezena.


Imagem O padrão e a unidade na produção da comunicação do governo do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas) seguem exibindo sintomas de que algo não está bem. Além do prejuízo maior para a população, com a distribuição de informações sem precisão, descuido acarreta prejuízo para a imagem da própria gestão. A mais recente topada teve como pauta a instalação de rede de internet grátis em praças públicas do município.


Imagem 2 Em um dos textos distribuídos para os veículos de comunicação, o chefe da secretaria de administração (Secad), o ex-prefeito Helder Almeida, aparece como o responsável pela negociação com a companhia de telefonia que assegurou como contrapartida a rede wi-fi grátis. Numa outra nota, com as mesmas informações, postada no site do município e também repassada para os veículos de comunicação, as declarações de Almeida e do próprio alcaide Antonio Elinaldo são deletadas, atribuindo os louros exclusivamente à coordenadoria de tecnologia e informação (CTI), ligada ao secretário de governo (Segov), José Gama.


Imagem 3 Informação checada pelo Camaçari Agora mostra que a presença do doutor Gama, no caso da internet nas praças, não passa de mais um foguetório da estrutura de comunicação do município. Com a comunicação sob seu comando, o titular da Segov não economiza na vaidade e segue dando mal exemplo de falta de medidas e de cuidados com a gestão que deveria zelar.


Fato Hoje, 7 de abril, é Dia do Jornalista. Diante das dificuldades e das pressões contra a liberdade de expressão temos pouco para comemorar. Isso não diminui nosso trabalho. Até fortalece a vontade de festejar, saudar e compartilhar com os colegas que fazem jornalismo, mantêm o compromisso com o leitor, e reconhecem a democracia como vital. Aqui, a luta pela construção de um mundo melhor, não para.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


7/4/2021

 







Despectum  Finalmente, a prefeitura de Camaçari entendeu o caminho certo e decidiu respeitar a Lei e, o que parecia coisa do outro mundo, honrar os mortos. Depois de um festival de equívocos denunciado pelo Camaçarico (Confira), e ampliada por um áudio, que circulou nas redes sociais, onde dirigentes da Sesp aparecem planejando a remoção ilegal de restos mortais no cemitério do bairro Gleba H, a doutora Arlene Rocha, titular da secretaria de serviços públicos (Sesp), resolveu se mexer e fazer a coisa certa.


Despectum 2  Ainda que atrasada, depois de tentar desqualificar as denúncias com a acusação vazia de fake News, a Sesp lançou convocação para que parentes de pouco mais de 200 sepultados no cemitério apareçam no prazo de 10 dias. Apesar de informada no site da prefeitura na segunda-feira (29), prazo começou a contar no dia 26, quando foi publicado no Diário Oficial (Confira), o que reduz essa data limite para segunda-feira (5/4).  


Despectum 3 Como não planejou ampliar o cemitério, mesmo sabendo que a Covid-19 vinha contribuindo de forma significativa para o aumento dos registros de óbitos, a solução foi acelerar o processo de desocupação de túmulos para suprir a carência. Descontrole da situação, como se o governo do alcaide Elinaldo estivesse lá no início do primeiro governo, em março de 2017, fica clara na própria nota distribuída semana passada pela prefeitura. “A Sesp informa, ainda, que a exumação dos corpos só irá ocorrer após a realização de um estudo técnico e a comunicação prévia com seus familiares.” , diz trecho do comunicado distribuído dia 17 e com o sugestivo título “Sesp desmente fake news sobre exumações no Cemitério Jardim da Eternidade” (Confira).


Despectum 4 Por falar na Sesp, as compras para a ceia da Semana Santa devem provocar movimento extra na Feira de Camaçari. Cabe à pasta da doutora Arlene Rocha adotar as devidas medidas, para que o descuido não se amplie, como já vem ocorrendo aos sábados com grande concentração de pessoas e poucos cuidados.


Movimento O presidente do Legislativo de Camaçari (biênio 2021/2022), Junior Borges (Democratas), segue nadando de braçada. Além de encontrar tudo por fazer num Legislativo com voz rouca, imagem desgastada e histórico de descuido com sua missão, o jovem político não perde o relógio e sempre tem uma agenda positiva para alimentar seu currículo de pretendente ao posto de alcaide em 2024. Isso sem falar no provável teste de 2022 para uma das 63 vagas na Assembleia Legislativa.


Movimento 2 A última, que parece coisa da carochinha, mas é real, foi a decisão de implantar elevadores no Legislativo, como forma de assegurar acessibilidade a todos que desejarem procurar a Casa do Povo. Lei Federal de 2015, que obriga a adoção de medidas que assegurem mobilidade, passou pelos presidentes José Marcelino (PT), Oziel Araújo (PDT) e Jorge Curvelo (Democratas). Esse último, agora no posto de secretário de esportes, precisou de quase 2 anos para realizar uma reforma no Plenário. Mesmo assim esqueceu do elevador que atenderia mais da metade dos 21 gabinetes dos vereadores e de outros setores instalados no primeiro andar do prédio.


Movimento 3 Apesar do orçamento de pouco mais de R$ 40 milhões, Câmara nunca se interessou em investir num equipamento de cidadania que custa menos da metade dos cerca de R$ 70 mil de verba de gabinete que cada um dos 21 vereadores de Camaçari recebe mensalmente.


Invisíveis  O secretário de saúde de Camaçari, doutor Elias Natan, não pode mais ignorar a população em situação de rua no seu calendário de prioridades de vacinados contra a Covid-19. Sem números precisos, município deve somar cerca de 200 cadastrados no Centro Pop, como é conhecida a unidade especializada em atendimento à população em situação de rua, ligada à pasta do desenvolvimento social e cidadania (Sedes).


Invisíveis 2 Vereador eleito e licenciado do PSDB, o doutor precisa se mirar no exemplo da capital paulista, que já imuniza essa população desde o começo do mês. Diferente de São Paulo, que tem no padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua, como seu principal referencial e defensor dos direitos desses iguais, Camaçari não tem quem defenda e reconheça essas pessoas como qualquer outro cidadão com os mesmos direitos que os demais.


Invisíveis 2 Fila dos descuidados começa pela Sedes da doutora Reni Oliveira, que parece não entender essa necessidade, além de insistir na manutenção na coordenação do Centro Pop uma gestora distante e descompromissada com as políticas públicas de apoio e reconhecimento dessa população. Lista dos esquecidos é mais longa e tem nomes conhecidos, como a Igreja Católica do bispo Dom Petrini, e os pastores evangélicos e seus templos sempre cheios de bondade e exemplos de igualdade.


Visíveis A prefeitura deve definir até esta quarta-feira (31), o plano de retomada das atividades não essenciais, com representantes do setor produtivo do município. Reabertura geral, a partir de segunda-feira (5), segundo propostra da prefeitura, que a Coluna teve acesso, define horários para salões de beleza, academias e comércio em geral, bares e restaurantes. Maioria vai funcionar de segunda à sexta entre 8h e 16h. Feiras e venedores ambulantes começam mais cedo, às 6h e  encerram as atividades às 15h. Ainda de acordo com a proposta, os banhos de mar e de rio estão liberados, mas as atividades esportivas seguem proibidas. A venda de bebidas alcoólicas continua proibida nos finais de semana. O toque de recolher segue valendo.


Espaço  A TV Câmara de Camaçari (canal 25.1) estreia na próxima segunda-feira (5/4), às 15h, o programa “Coletivizando”. Ouvir todos os segmentos da sociedade é a proposta do programa semanal com 60 minutos de duração. Nesse primeiro bate papo o convidado é o jornalista Jeferson Beltrão. O experimentado profissional de TV, Rádio e Internet vai falar sobre defesa da profissão de jornalista e a atuação da imprensa na pandemia. Mediado pela jornalista da TV Câmara, Fernanda Santana, programa terá como convidados os jornalistas Romero Mateus e esse editor.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


30/3/2021


 

 







Amargo  Camaçari pode aplicar mais uma semana de fechamento do comércio e atividades não essenciais. Depois de 3 semanas de suspensão, prevista para terminar na próxima segunda-feira (29), município deve seguir estratégia estadual, reforçada por Salvador, antecipando os feriados municipais para a próxima semana. Reunião com o governador e prefeitos para tratar do assunto está prevista para essa quarta-feira (23).


Amargo 2 Medida, que já vem sendo discutida em outros estado, é juntar os feriados nacionais: Sexta-feira Santa e 7 de setembro, os estaduais São João e 2 de Julho, com datas municipais como o aniversário de Camaçari, no 28 de setembro. Medida asseguraria menos atividades comerciais e consequente aglomeração nas ruas até o próximo 4 de abril.


Fato Continua sem explicação a denúncia sobre a desocupação de túmulos para abrir vagas no cemitério Jardim da Eternidade, o maior de Camaçari. No dia seguinte à nota do Camaçarico, que relatava o risco de saturação da necrópole localizada na sede do município (Confira), a situação de precariedade do cemitério ficou ainda mais exposta com gravações postadas nas redes sociais que mostravam a decisão da secretaria de serviços públicos (Sesp) de realizar de forma improvisada “exumações” de túmulos para dar lugar a novos sepultamentos.


Fato 2 O que a pasta da doutora Arlene Rocha não explica são as vozes do diretor de serviços da Sesp, Namucies Souza, e do coordenador de cemitérios, pastor Josenaldo. Identificados, inclusive nas gravações, os dirigentes falam em usar os  coveiros  numa “força tarefa” para selecionar “2 mil gavetas para serem abertas”.


Fato 3 No trecho de pouco mais de 4 minutos de gravação feita  em fevereiro, fica claro que a Sesp estava montando um arranjo, bem ao estilo ´Odorico Paraguaçu`. Além de envolver uma série de questões legais e sanitárias, a medida mostra desrespeito com os mortos. Contratar uma empresa especializada nesse serviço de remoção de restos mortais, além de ser, o caminho correto, é a etapa seguinte à comunicação com definição de prazo às famílias sobre a remoção desses restos mortais.


Fato 4 Sem resposta para a grave denúncia dos  coveiros, e mais uma vez tentando ignorar os fatos, a prefeitura usa o velho recurso para desmentir e camuflar seus equívocos, ao acusar a postagem, feita por supostos agentes de sepultamento,  de fake news. Em nota postada no site do município, com o título “Sesp desmente fake news sobre exumações no Cemitério Jardim da Eternidade” a prefeitura nega que vá realizar cerca de “2.500 exumações”, e fala que o serviço “só irá ocorrer após a realização de um estudo técnico e a comunicação prévia com seus familiares”.


Fato 5 Mas, na mesma nota (Confira), a Sesp admite que a situação está complicada, como relatam o diretor e o coordenador, na gravação postada nas redes sociais, ao falar em Lei Federal que permite a “ exumação, necropsia, cremação e o manejo de cadáver, como medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus”.


Endêmica O Camaçari Agora publica nesta terça-feira (22), matéria sobre a criação de uma ferramenta online de georreferenciamento que facilita a vigilância de epidemias (Confira). Plataforma possibilita aos gestores da saúde rastrear surtos, distribuição de vacinas em diferentes níveis, como em um bairro e até mesmo em um edifício residencial. O sistema desenvolvido pelas universidades de São Paulo e do Chile está disponível gratuitamente. 


Endêmica 2 O problema é a lista de pessoal comprometido para executar mais essa tarefa. Com uma equipe do enfrentamento pequena, tá na hora do doutor Natan esquecer a política e fazer valer a chamada gratificação SUS, que assegura 10% de gratificação no salário de todos os servidores da secretaria de saúde de Camaçari (Sesau).


Endêmica 3 Por falar em números e pessoal, a pasta segue enrolada com as contas da pandemia. Além de não conseguir cumprir uma rotina de horário para liberação do boletim diário sobre a Covid-19, a pasta ainda manda informação pela metade. Mesmo com o serviço de imunização encerrando às 16h, a Sesau não consegue incluir o número de vacinados no Boletim Covid-19 e precisa de uma comunicação extra.


Quarentena Quem anda quieta, com medo de errar, e terminar crucificada, é a oposição. Sem exemplos fora de Camaçari para usar como parâmetro, os antigovernistas, liderados pelo 3 vezes alcaide Luiz Caetano (PT), não apenas redobram os cuidados pessoais. Também não arriscam no jogo imprevisível da Covid-19. Só observam e torcem.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


23/3/2021

 







Descanso Com cerca de 80 espaços disponíveis para sepultamentos, até a semana passada, o cemitério Jardim da Eternidade, o maior da cidade, pode fechar o mês de março com lotação esgotada. Sem previsão anunciada de ampliação, necrópole localizada no bairro Gleba H, sede de Camaçari, tem recebido um alto número de sepultamentos. Com o agravamento da Covid-19 nos últimos meses, a média diária de 4 enterros até antes da pandemia praticamente dobrou, segundo fontes ouvidas pela Coluna.    


Descanso 2 A ampliação, usando o estacionamento de veículos, localizado na área interna do cemitério, é uma das alternativas. Outro caminho, mais complicado pela falta de controle das datas dos sepultamentos, é a liberação de túmulos com períodos de ocupação vencidos. Relocação exigiria a construção de um novo espaço (ossuário). 


Descanso 3 Com um sistema de manutenção aquém do exigido, cemitério ainda gera problemas de ordem sanitária. Com parte de sua construção fazendo limite com as ruas do Morrinho e 9 de Agosto, em Buri Satuba, o Jardim da Eternidade termina sendo um vizinho incômodo pelo cheiro que exala.


Descanso 4  Além do Jardim da Eternidade, Camaçari dispõe de outros 6 cemitérios localizados no bairro Gleba C, e nas localidades de Monte Gordo, Parafuso, Barra do Pojuca, Arembepe e Vila de Abrantes.


Analógica A secretaria de saúde de Camaçari (Sesau) precisa de um programinha de computador capaz de atualizar e projetar seus números sobre a Covid-19. Não tem outra explicação a inauguração do sistema drive thru de vacinação contra Covid-19, na manhã de sábado (13), e a sua desativação no final da tarde do mesmo dia, por falta de vacinas.


Digital Por falar em Covid-19 e Sesau, números de Camaçari não param de crescer. Nos 28 dias de fevereiro foram registrados 3.896 novos casos com o registro de 30 óbitos. Em março as perspectivas seguem nada animadoras. De acordo com os informes da secretaria de saúde de Camaçari, município soma nesses 16 dias de março 3.081 casos e 74 registros de novos óbitos. Somados aos 1.380 novos contaminados em janeiro, com 14 registros de mortes, ano de 2021 chega a 8.357 novos casos, pouco mais da metade dos 16.467  contados desde o início da pandemia, no começo do ano passado. Já o número de óbitos contados neste ano foi de 118 de um total de 260 desde 2020.


Referência Mesmo ainda em fase de impressão e previsão de lançamento no final desse semestre, o livro ”Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais”, do professor, historiador e pesquisador Diego Copque, já municia e movimenta a produção cultural local.


Referência 2 Sua vasta pesquisa, em parte publicada em artigos exclusivos na seção Colunistas do Camaçari Agora, vai subsidiar nada menos que 3 projetos aprovados e financiados pela Lei Aldir Blanc. Um cordel do mestre Bule-Bule; um banco de fotografias e imagens, do fotografo Itamar Pinheiro; e uma produção sobre histórias da cidade, do criador de conteúdo digital e comunicador Junior Clemente.


Referência 3 Apesar do seu ineditismo e importância histórica, pesquisa finalizada, que peregrina por apoio desde o início da primeira gestão do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas), finalmente vai virar papel graças à Lei Aldir Blanc. Financiamento de uma pequena edição inicial foi assegurado com a aprovação do livro no edital da secretaria de cultura do município (Secult).


Referência 4 Agora, prestes a virar o principal e mais completo documento sobre a história de Camaçari, livro que seguramente será festejado como seu, pela Secult, ficou engavetado desde 2017 na mesa da doutora Marcia Tude. Com muitos vilões, história desse ´jogo de empurra` da publicação também relata passagens pelas gavetas dos presidentes do Legislativo, o ex-tucano e hoje pedetista Oziel Araújo (2017/2018), e o demista Jorge Curvelo (2019/2020). Fecha esse ciclo de insensíveis e descompromissados engavetadores empresas locais e potenciais financiadores.


Mais background  O editor da Coluna se penitencia pela ausência das secretarias de agricultura e pesca (Sedap), e da cultura (Secult) na lista dos equívocos e importantes peças no processo de desgaste da imagem da primeira gestão do alcaide Antonio Elinaldo (Democratas). Mesmo citadas de forma indireta na última Coluna (Confira), seguramente mereciam igual destaque, pelo conjunto da obra, dado à saúde (Sesau), infraestrutura (Seinfra) e desenvolvimento social (Sedes).


Mais background 2 A falta de ações afetivas na Sedap não impediram apenas os pequenos produtores rurais de alavancarem seus negócios, gerarem mais renda e melhoria na qualidade de vida de suas famílias. Essa total incapacidade de ´pescar e plantar`, foi decisiva na não reeleição do seu titular, o vereador Antonio Falcão, ex-Democratas e hoje filiado ao Cidadania.


Mais background 3 Assim como a volta de Falcão para a Sedap, o alcaide preferiu seguir a mesma regra do acordo político que traz mais prejuízo que benefícios ao manter na pasta da cultura (Secult), a doutora Marcia Tude, filha do 3 vezes gestor do município e novamente vice-prefeito nesse segundo mandato, José Tude (Democratas). Sem conseguir concluir sequer uma obra, a confusa e ineficiente gestão tem como contribuição principal a demolição de parte importante da história da cidade.


Presença O jovem empresário Bruno Lima, 34 anos, foi mais uma vítima da Covid-19 em Camaçari. Irmão de Fábio Lima (PP), ex-candidato a vice-prefeito nas eleições de 2020 e 2008, Bruno, apesar do distanciamento da disputa nas urnas, sempre foi um importante articulador e uma das figuras mais bem informadas da política local. Além do trânsito em todas as correntes políticas da cidade, foi um incentivador de artistas e produções, principalmente na defesa e fortalecimento da sua querida Arembepe.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


16/3/2021

 







 







Background O alcaide de Camaçari, Antonio Elinaldo (Democratas), vai precisar redesenhar seu governo com a montagem de uma eficiente estrutura para cumprir esses quase 4 anos de mandato. Sem essa mudança, que deve começar imediatamente, com imunização e isolamento de peças desnecessárias, a gestão não terá o empuxo suficiente para dar o salto. Vivendo situações e tempos diferentes, a vantagem gerada com a pandemia, em 2020, que ajudou, e muito, se é que não foi decisivo na sua reeleição, agora vira vírus nesse 2021, e ameaça seu projeto futuro de poder.


Background 2 Diferente de 2020, quando todos os candidatos à reeleição ou os apoiados pela máquina do poder receberam ajuda extra durante a pandemia, distribuindo cestas de alimentação e outros auxílios, etc, etc, decisivos na mexida no voto do eleitor, quadro muda nesse primeiro ano do seu 2º mandato.  Com um primeiro governo mediano, o alcaide vai precisar ir além do básico no combate à Covid-19, com instalação de novas unidades, vacinas e outras estruturas e medidas para conter o avanço da pandemia e seus prejuízos para a população do município.


Background 3 Elinaldo vai precisar definir, e rápido, o seu futuro. Como participar com poder de voto e influência nas disputas para presidente, governador e Senado (uma vaga) é parte desse jogo que se completa com a renovação na Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados. Esperar a vacina e o início de um novo e diferente quadro de estabilização das atividades, provavelmente a partir do final deste ano, para se mexer, já vai ser tarde. Somada à pandemia, o fechamento da Ford é outro baque significativo e com duração maior e ainda sem medição no orçamento do município e na economia geral da cidade. Seus reflexos no bolso de milhares de famílias e negócios que sobreviviam direta e indiretamente desses holerites, é equação para ontem.


Background 4 Viabilizar essa estrutura capaz de dar esse salto, numa conjuntura complexa, e agora ainda mais nebulosa com o PT fortalecido pelo ´Lula livre`, e todos os seus reflexos numa cidade operária como Camaçari, não é missão fácil.  


Background 5 Com uma estrutura de poder velha, sem criatividade, planejamento a desejar, e trabalhando como se estivesse garantindo a sobrevivência para o dia seguinte, gestão caminha para sérios desgastes e dificuldades. O caminho é redesenhar o mapa econômico do município, ampliando investimentos com foco em seus potenciais naturais como turismo, agricultura, pesca e serviços, além da atração de novas indústrias para um parque industrial pronto.


Background 6 Isso não é missão para ser tocada por uma gama de burocratas ineficientes, preguiçosos e por apadrinhados políticos. Independente de morar, não morar em Camaçari, ser ou não ´forasteiro`, essas figuras, desconectadas do interesse público, e compromissadas e partidárias apenas do ´Projeto dia 30`, data do pagamento do salário, não cabem  na máquina .


Background 7 Sucessão de erros se reforça com a escolha do seu preferido para a sua sucessão em 2024, o vereador Curvelo, para uma pasta que tinha tudo para seguir imobilizada pela pandemia. Sem ações, sequer um jogo de camisa para distribuir, Elinaldo vê seu candidato, com histórico de movimentação ineficiente no campo da política, patinar.


Background 8 Também não é mais novidade o projeto de eleição da sua esposa, Ivana Paula, para uma das 63 vagas da assembleia estadual, em 2022.


Background 9 Escolhido já com diagnóstico nada otimista de avanço da pandemia, secretariado para o 2º período de governo sinaliza um horizonte difícil do ponto de vista da eficiência da gestão. Apesar da reprovação de parte deles na 1ª gestão, Elinaldo seguiu e dobrou a aposta.


Background 10 Um desses exemplos é a secretaria de saúde. A manutenção do vereador licenciado, Elias Natan (PSDB), no comando da Sesau, apenas dá prosseguimento a um equívoco iniciado pelos seus antecessores que esqueceram de fazer política pública e usaram a pasta como trampolim político. Sem retaguarda, e fazendo política de receituário, o Doutor Natan nem avançou na saúde, muito menos inovou e se cacifou com sua presença protagonizando e puxando debates e exibindo soluções na Grande Salvador, e até no Estado.   


Background 11 O resultado dessa falta de um gestor que identificasse Camaçari como um paciente complexo atrasou a adoção de uma política de criação de mais quadros qualificados e modernização da estrutura da Sesau. Não foi por falta de dinheiro que esses investimentos não foram feitos. Essa estrutura pequena, que já vinha se mostrando insuficiente para enfrentar o dia a dia, entrou de vez em dificuldade com a pandemia. A decisão de desativar a UPA da Nova Aliança e transformá-la em unidade infantil é apenas um exemplo dessa falta de planejamento. Equívoco puniu milhares de pessoas. O efeito colateral foi a perda de preciosos votos nas eleições de 15 de novembro.


Background 12 Acostumada a não fiscalizar nada, município é exemplo de relaxamento com o sistema de transporte e com a saúde pública. Restaurantes, bares e outros equipamentos, inclusive a Feira de Camaçari, responsabilidade do município, seguem operando sem os padrões mínimos de higiene exigidos pela legislação sanitária. Esse caldo de descuido agora ajuda a propagar o vírus.  


Background 13 Lista de equívocos também inclui a pasta do desenvolvimento social e cidadania (Sedes) que experimenta sua 5ª mudança. Não precisa ser bom em matemática para saber que 4 titulares entre 2017/2020, uma por ano, é conta impossível de garantir a execução dos programas de apoio à população carente de forma eficaz, como deve ser, e para fazer jus ao dinheiro que é repassado para essas ações. Segundo técnicos da própria Sedes ouvidos pela Coluna, são poucas as chances de salto qualitativo com a nova secretária Renoildes Oliveira, que tem como seu subsecretário o ex-vereador Pastor Neilton (PSDB), pronto para ser o 6º da lista.


Background 14  A pasta da infraestrutura (Seinfra), comandada pela doutora Joselene Cardim, é outro exemplo de equívoco renovado. Com obras inacabadas e cronogramas refeitos e novamente revistos, o resultado é mais gastos do dinheiro público. A duplicação do viaduto do Trabalhador, prometido para o começo de 2020, depois com prazo recalibrado para até o final do ano, segue nesse 2021 com 80% das obras prontas, mas sem data de inauguração, segundo a prefeitura. Outra marca da Seinfra nesse faz, desfaz e refaz é a requalificação da avenida Jorge Amado.


Background 15 Com esse conjunto de movimentos fica claro o descuido na construção desse salto para fazer do seu 2º mandato o modelo e consolidação da sua passagem pela prefeitura como grande liderança e eleitor privilegiado.


Background 16 Sem um redesenho preciso, definindo o que quer, como fazer, e quando fazer, gestão Elinaldo caminha para repetir o fracasso do antecessor. Assim como o ex-petista e depois sem partido, Ademar Delgado, Elinaldo pode aparecer na disputa de 2024 como mero figurante.


Corretor  A comunicação da prefeitura de Camaçari segue brigando com a língua pátria. Chega a ser surreal o descuido exibido no Card postado no Instagram da página oficial do município, sobre o funcionamento dos estabelecimentos que prestam serviços essenciais.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


10/3/2021

 







Ascendente Camaçari segue batendo recordes. Os 28 dias de fevereiro somaram 4.028 novos casos de novos contaminados pela Covid-19. Como mostrou o Camaçari Agora (Confira) salto dos 8.905 registros no dia 1º para 12.933 infectados no domingo (28), representou um aumento de 45,23%.  


Ascendente 2 Como fazem falta as 15 UTIs e os 20 leitos dos centros intensivo (CICC) e intermediário (CIEC), fechados em novembro. Última conta do final da manhã desta terça-dfeira (2), da secretaria de saúde do município (Sesu) que chegada à Coluna mostra que Camaçari tem uma fila de espera de 33  pacientes para UTI e outros 11 aguardando leitos clínicos.


Ascendente 3 Município conta hoje com 15 UTIs, sendo 10 na sua rede e 5 assegurados por convênio com a rede privada. Nessa conta de subtrair para depois acrescentar novamente o que não deveria ter reduzido, outras 5 UTIs devem entrar em funcionamento até meados de março. Aguardam apenas a conclusão do processo burocrático de contratação. Outros 18 leitos comuns e 7 poltronas, no Caps-3, na sede, devem ser liberados nos próximos dias. A demora é a chegada dos cilindros de oxigênio.


Efeito A situação do comércio de Camaçari não é diferente das demais cidades, em especial da Grande Salvador, onde os números da Covid-19 assustam e colocam em colapso o sistema de saúde. Com a decisão de fechar por mais 6 dias, até a manhã de segunda-feira (8), setor faz as contas. Segundo apurou a Coluna, só nesta primeira semana de março o comércio deve perder algo em torno de R$ 5 milhões em vendas. Freio no caixa não atrapalha apenas o pagamento dos empregados. Os impostos também entram na linha de impedimento.


Imbróglio  Mesmo com o Projeto de Resolução que cria e permite a realização de sessões virtuais no Legislativo de Camaçari, inclusive com votação e aprovação de leis, ainda em tramitação nas comissões da Casa, o chamado “Sistema Remoto de Discussão e Deliberação-SRDD” já está valendo. A inversão capitaneada pelo presidente da Casa, Junior Borges (Democratas), também autor do SRDD, se baseia num decreto do próprio Borges. Com função regulatória, não poderia assegurar a realização das sessões, já que não existe nenhuma lei  que regulamente essas reuniões virtuais.


Purgatório  Os ex-vereadores petistas José Marcelino e Jackson Josué, e Binho do 2 de Julho (PCdoB) continuam esperando o aceno do governador Rui Costa.Derrotados nas urnas de 15 de novembro, aguardam uma nomeação na máquina estadual. Previsão é de que a ajuda direta, ou indireta, através da nomeação de algum indicado, saia no Diário Oficial de março, quando o ´gov` deve promover mudanças na máquina para azeitar a candidatura a governador companheiro de partido e senador Jaques Wagner.


Purgatório 2 Mais sorte teve o petista Téo Ribeiro. Graças a um acordo entre o vereador Dentinho do Sindicato (PT) e o sempre jeitoso Junior Borges (Democratas), presidente do Legislativo, o ex-decano com 5 mandatos se ajeitou na Câmara de Vereadores com um cargo de assessor e salário mensal de quase R$ 9 mil.


Apagador  O sindicato dos professores da rede municipal de Camaçari (Sispec) não anda fugindo apenas de aglomerações, inclusive as virtuais. Se, já não tinha notícias de qualquer ação ou posicionamento da entidade sobre volta às aulas e as dificuldades do ensino remoto, agora com o agravamento da pandemia, emudeceu de vez.


Apagador 2 A situação não é nada confortável quando se mede os frutos positivos das aulas virtuais. Segundo apurou a Coluna, junto a professores da rede municipal, apenas 2 em cada 10 alunos conseguem acompanhar os professores via internet. Mesmo nesse faz de conta com aproveitamento de cerca de 20%, todos os alunos devem passar de ano.


Oxigênio O Democratas acaba de perder um importante quadro. Novo filiado ao PSL, Cleiton Pereira não vai sozinho para a nova legenda. Ao lado do vereador Jamesson Silva, também ex-presidente da Juventude do Democratas (J-DEM) no biênio 2014/15, promete por em prática a experiência da organização da ala jovem que ajudou a criar e garantir presença importante nas últimas campanhas do partido em Camaçari. Integrante do time de Colunistas do Camaçari Agora, Cleiton Pereira é Servidor de carreira da superintendência municipal de trânsito e transportes (STT) e presidiu a Juventude do partido, a J-DEM, entre 2016/18.


Referência Camaçari perdeu um dos seus grandes incentivadores do esporte. Israel Batista da Silva, 73 anos, deixou a pista por conta da Covid-19.  Batista, como era conhecido, foi o grande iniciador do bicicross, um dos esportes mais queridos e com mais praticantes em Camaçari. Era ele, lá nos anos 1980, o interlocutor para a realização no município de provas e competições junto ao então prefeito Humberto Ellery. Esse legado, que continuou e fortaleceu modalidades como o motocross, foi decisivo para tornar Camaçari um importante polo do esporte de duas rodas e sede das mais importantes competições dessas modalidades. Esquecer esse pioneiro é derrapagem com a memória do esporte.


Odorico  A prefeitura de Camaçari informa que “realizou ao longo do mês de fevereiro serviços de manutenção no cemitério municipal Jardim da Eternidade”. Ainda segundo a nota da prefeitura (Confira), além do caráter preventivo, as melhorias nesse período de pandemia possibilitam “ um espaço mais seguro para as famílias durante os sepultamentos e visitas ao local”. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


2/3/2021

 







Prontuário O sistema de saúde de Camaçari vem colecionando mais erros que vitórias. Esse quadro, agora exposto sem ‘band-aid’, é ampliado de forma imensurável pela pandemia da Covid-19.


Prontuário 2 Mesmo pegando todos de surpresa, em todo o mundo, o coronavírus poderia apresentar uma situação menos dramática para Camaçari. Faltou um planejamento específico que, ao menos, amenizasse os estragos causados de forma única e nunca antes experimentados como nessa pandemia.


Prontuário 3 Longe de ser inocente ou vítima, o doutor Elias Natan, vereador licenciado (PSDB), e atual titular da secretaria de saúde de Camaçari (Sesau), é apenas mais um gestor a ampliar essa pontuação negativa que atinge por extensão o alcaide Antonio Elinaldo (Democratas).


Prontuário 4 Sem um estudo mais profundo e seguindo o ´efeito manada` do governo do estado e de outras unidades da Federação, Camaçari preferiu ignorar os especialistas e afrouxar as regras para atender os interesses da política e seu atrelamento ao poder econômico. O resultado foi o crescimento de casos a partir de dezembro, com mais vítimas e sofrimento.


Prontuário 5 Acreditando que a situação se estabilizaria com a queda dos registros, que a vacina surgiria como num passe de mágica, e alegando questões jurídicas, mesmo com ´estado de emergência`, onde o município pode quase tudo com o dinheiro público, Camaçari resolveu fechar os 20 leitos do Centros Intermediário (CIEC) e as 15 UTIs do Centro Intensivo de Combate ao Coronavírus (CICC), como fez o governo do estado com a unidade na Fonte Nova (Salvador).


Prontuário 6 Os alertas estavam nos próprios boletins distribuídos diariamente pela Sesau. Decisão de reativar as unidades e ampliar convênios com estruturas particulares de saúde só aconteceu agora em fevereiro, mesmo com os números assustadores de janeiro. Mês passado foram registrados mais de 1.300 novos casos, um salto em relação a dezembro que registrou 241 novos contaminados.


Prontuário 7 Mesmo não sendo o único responsável, município não deixou de dar sua contribuição com o afrouxamento das regras para atender interesses eleitoreiros da disputa municipal de novembro, com aglomerações e outras manifestações estimuladas pelos próprios políticos. Apesar dos discursos de `cuidado`, o resultado não poderia ser outro.


Prontuário 8 O aumento dos casos e o surgimento, alertado pelos mesmos especialistas sobre novas variantes de um coronavírus ainda mais poderoso, empurra Camaçari para uma situação não registrada nem em meados de 2020, quando foram contados o maior número de casos. Até a noite de terça-feira (23) município somava 11.744 casos e 175 óbitos desde o início da pandemia. A 5 dias para o término do mês, Camaçari conta em fevereiro 23 óbitos e 2.839 novos casos, um salto de mais de 30% de novos contaminados.


Prontuário 9 Sem leitos e UTI suficientes para atender esse crescimento, ´colapso` no sistema, como reconhece o próprio secretário de saúde, só restou fortalecer o discurso oficial que carimba o povo como o único culpado, já que as autoridades estão ´fazendo tudo que podem`, enquanto a população vai para a rua, não usa máscara, se confraterniza, faz compras, usa o sistema de transporte para trabalhar e se divertir.


Prontuário 10 O aproveitamento dos agentes comunitários e até os de endemias, que somam cerca de 900 colaboradores, foi outra opção descartada no começo da pandemia. Seguiu a regra do governo federal e não inovou usando esse pessoal na linha de frente, com todos os equipamentos de proteção, quando os casos apenas começavam e teriam mais chances de controle.


Prontuário 11 Nesse discurso, as autoridades esquecem que o sistema de mobilidade do município tem características ainda mais particulares e favoráveis para a proliferação do vírus. Com um serviço precário por ônibus, já que o município nunca se interessou em cumprir o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Assinado em 2013, ainda na gestão do alcaide Ademar Delgado (2013/2016), com o Ministério Público, o TAC exigia a instalação no município um sistema de transporte por ônibus para atender as necessidades da cidade-sede do maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul.


Prontuário 12 Sem pressa, projeto de mobilidade e atendendo à miudeza da política, Camaçari caiu na informalidade permitida pelas autoridades municipais. Dos cerca de 70 mil passageiros que usam diariamente algum serviço de transporte, cerca de 30%, algo em torno de 20 mil, têm suas necessidades atendidas por um sistema realizado por carros pequenos e sem nenhum controle, o chamado ´ligeirinho`. 


Prontuário 13 Junto com o ligeirinho, espaço ideal para ajuntamento de pessoas num veículo, sem o espaço de um ônibus ou micro-ônibus, portanto distante das regras sanitárias, prefeitura reforça com o descontrole na Feira de Camaçari, maior espaço de compras do município, com fluxo diário de mais de 10 mil pessoas. Isso sem falar na desorganização no atendimento das lotadas unidades de saúde. As praias, agora fechadas, e os bares que seguem funcionando sem nenhum ordenamento, compõem esse conjunto de descuidos por parte do município.


Prontuário 14 Sem tradição de fiscalizar, passar a mão na cabeça, ajeitar o inaceitável, Camaçari segue avançando na informalidade. Não é de agora que as gestões municipais ajustam as políticas de ordem pública aos interesses do grupo político de plantão.


Prontuário 15 Agora, com o agravo da pandemia, os números desse descuido exibem outra e dolorosa faceta que precisa de coragem e vontade política para ir além do curativo.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


24/2/2021


 


 

 







Receituário  Em menos de 1 ano, o Hospital Santa Helena (HSH) muda seu status de contribuinte devedor e passa a condição de potencial credor dos cofres públicos de Camaçari. Com a pandemia da Covid-19 o maior complexo médico de Camaçari e região, com mais de 400 profissionais, unidades espalhadas pela Grande Salvador, e uma marca superior a 25 mil atendimentos/mês, agora faz conta de somar no seu encontro de contas  com a prefeitura de Camaçari.


Receituário 2 Com uma dívida de cerca de R$ 11 milhões, até meados do ano passado, por não pagamento de impostos atrasados, o HSH homologou um contrato com o município em que recebia quase R$ 9 milhões (R$ 8.885.997,00). Como mostrou o Camaçarico, em abril do ano passado (Confira), o contrato, publicado no Diário Oficial do município nº 1.391 (Confira), garantia os serviços do HSH para pacientes com Covid-19 e regulados pelo município, a prestação de atendimentos médicos na pandemia, com diárias de UTI, semi-UTI e leitos de recuperação. 


Receituário 3 Com o fechamento no final de 2020 do Centro Intensivo de Combate ao Coronavírus (CICC), instalado na antiga clínica Clirca, e do Centro Intermediário de Enfrentamento ao Coronavirus (CIEC), prefeitura volta a recorrer de forma emergencial aos serviços do HSH com a contratação de mais 5 leitos de UTI. Conta rápida mostra que só essas unidades vão custar cerca de R$ 300 mil mensais aos cofres do município. No acordo anterior foram 10 UTIs, que somadas às 5 novas vão representar uma despesa mensal de cerca de R$ 900 mil.


Receituário 4  Ao desativar o CICC e o CIEC, município parece ter acreditado na queda dos casos e consequente recuo dos números da pandemia, apesar dos sinais adversos e alertas dos especialistas distantes das contas dos políticos e do poder público, mas íntimos com a realidade da pandemia e suas nuances. Agora, com o novo pico Camaçari precisa de mais leitos. No pacote anunciado quarta-feira (17), a Sesau também vai credenciar unidades médicas no município para contratação de outros 15 leitos, sendo 5 UTIs e 10 clínicos. Ainda de acordo com nota da Sesau, a previsão é ampliar, até meados de março, a capacidade de atendimento do município para 20 UTIs e 30 leitos clínicos para tratamentos de pacientes com coronavírus.


Receituário 5 Camaçari registrou nesta quinta-feira (18) outro salto nos número de casos de contaminados pela Covid-19. De acordo com a secertaria de saúde do município (Sesau) são 10.812 contaminados desde o início da pandemia, 258 a mais que na quarta-feira (17) que apresentou um pico de 369 casos. Segundo a Sesau, o crescimento exibido no boletim de quarta-feira foi resultado do acúmulo das testagem e exames comprobatórios de sexta-feira (12), segunda e terça-feira (15 e 16). Já os números apresentados no boletim nesta quinta-feira pela secretaria de saúde do estado (Sesab), Camaçari aparece com 10.891 caso e  173 óbitos, uma diferença de 79 novos casos e 5 mortes.


Ábaco  Conhecido pela boa memória com números, o alcaide Antonio Elinaldo (Democratas) segue tomando drible da sua própria assessoria e de aliados descuidados e sem compromisso com a verdade. Durante visita ao Alphaville Guarajuba, semana passada, o gestor disse que o empreendimento vai gerar até 10 mil empregos.


Ábaco 2 Condomínio de casas de veraneio, com previsão de reunir menos de 170 unidades de altíssimo padrão, não deve gerar mais que 150 empregos diretos nessa fase inicial de marcação, terraplanagem e outros serviços preparatórios.


Ábaco 3 Longe de ser uma Ford, que gerou cerca de 10 mil empregos e depois reduziu pela metade, empreendimento que está licenciado desde 2019, pode chegar a um número de postos de trabalho maior, mas nada perto dos 10 mil anunciados pelo alcaide.


Sambarilove Alô, alô, doutora Andrea Montenegro, secretária da pasta de desenvolvimento urbano (Sedur). A invasão de área de APA, no caso a Rio Capivara, com a ocupação de barracas em área de manguezal na foz do Rio Jacuípe, é caso para remoção imediata.


Sambarilove 2 Mesmo informada no ano passado, por denúncia de moradores da região, a Sedur, agora mais uma vez alertada pela imprensa, promete agir. Em nota diz que ”já realizou um levantamento fotográfico e está no planejamento a remoção das ocupações irregulares”.


Sambarilove 3 Região com histórico de invasões e ocupações irregulares, vai além das queixas do ambientalistas. A falta de uma fiscalização firme por parte do município só vem ampliando o estrago. Desde o ano passado que região tem presença nas páginas policiais com o assassinato de um PM acusado de participação no esquema criminoso envolvendo terras públicas.


Microfone o radialista Deogival Nascimento do Carmo, o querido Deó de Parafuso, 72 anos, foi mais uma vítima da Covid-19 em Camaçari. Profissional competente e querido, Deó deu grande contribuição para o esporte no município com sua presença firme e respeitada no dial e ultimamente na internet. Atuou na antiga Rádio Metropolitana, na Rádio Rural 87,9 FM, na TV Litorânea, isso sem falar no serviço de som A Voz de Parafuso, que ajudou a criar, e foi uma das suas paixões.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


18/2/2021


 

 



Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 |10| 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 | Próxima

Encontrado(s): 397 registros

Listando página: 10

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2024 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL