Busca:

  Notícia
 
Brasil cai para 6º lugar no ranking de população do mundo


O Brasil agora é o 6º país mais populoso do mundo. Relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) lançado nesta segunda-feira (17), com dados de 2017, mostra que o Paquistão agora é o 5º mais populoso. Ao fim de 2017, a nação asiática alcançou a marca de 207.906.000 habitantes, enquanto o Brasil somava 207.834.000. Segundo as estimativas, os paquistaneses devem fechar o ano de 2019 com 216.565.000 habitantes, em média, frente aos pouco mais de 211 milhões de brasileiros.


Até 2100, o Brasil deve ser ultrapassado por Nigéria, Etiópia, República Democrática do Congo, Tanzânia, Egito e Angola, ficando em 12º lugar.​ A china é o mais populoso, com 1,388 bilhões de pessoas, seguida da ìndia (1,342 bilhões), Estados Unidos (326 milhões) e Indonésia (263 milhões).


O relatório, chamado World Population Prospects (prospecções da população mundial), é lançado a cada dois anos pela divisão de população da ONU e traz análises para 235 países e áreas, baseadas em informações de censos nacionais, pesquisas por amostragem e tendências históricas. São projeções, ou seja, tendências demográficas que estão sujeitas a alterações, pois dependem de mudanças tecnológicas, avanços médicos, condições políticas e costumes, que podem se alterar de forma imprevisível.


De acordo com o documento, o Brasil está crescendo a um ritmo mais lento do que a média global, e a população do país deve chegar ao seu máximo em 2045, com 229,6 milhões de pessoas. A partir de 2046, prevê-se uma redução no número de pessoas no Brasil, chegando a 180,7 milhões em 2100. Já a previsão para a população mundial é que ela pare de crescer apenas no fim do século. 


O número de idosos, porém, deve continuar crescendo, tendo seu pico alcançado apenas em 2075, de acordo com as previsões. Segundo a projeção, o país deve perder cerca de 50 milhões de habitantes nesse período. Em 2050, por exemplo, prevê-se que 29,4% da população no país tenha 60 anos ou mais —oito pontos percentuais acima da média prevista para o planeta. No fim do século, podem alcançar 40,1% do total. 


A faixa que cresce mais rapidamente é a dos que têm 80 anos ou mais. Se em 1950 eles eram apenas 0,3% dos brasileiros, atualmente são 2% e, em 2050, devem chegar a 6,7% do total. No mundo, eles eram 0,6% em 1950, são 1,9% atualmente e chegarão a 4,4% em 30 ano s. Ou seja, a distância da proporção desse grupo etário no Brasil em relação à média global vem aumentando e deve continuar nessa tendência. Com informações da Folha de São Paulo

Mais Notícias

Deputado critica Rui por mais mudanças na Previdência estadual
Novas mensagens mostram que Moro interferiu nas negociações
Liberação do saque do FGTS pode elevar PIB de 2019 para 1%
Faculdade particular vai poder revalidar diploma de médico
Amazon é investigada por usar informação de clientes
Brasil relembra tetracampeonato e retorno no voo da muamba
Nadadora baiana é a maior medalhista de maratona do mundo
Governo tenta reanimar economia com saque de até 35% do FGTS
Ministério Público começa a investigar Dallagnol e Pozzobon
Começa segunda-feira o cadastro para o transporte universitário


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL