Busca:






Jolivaldo Freitas


Esquerda e direita: um jogo de segunda divisão



A direita brasileira está jogando livre, sem marcação. Sem respeitar as leis do impedimento e
ainda fazendo gol de mão. A esquerda brasileira está na retranca. A direita parece estar em
jogo de torcida única. A esquerda parece que vendo de longe, pela TV.


O técnico da direita mandando entrar de sola, dividir e “jogar pra pirão”. A esquerda olhando o técnico preocupado em não ser vaiado pela massa. Perdão pela longa dissertação analógica, mas
estamos vivendo um Brasil em que a esquerda (que poderia ser ativa, além de ferrenho
contraponto ao governo, anda patinando), totalmente perdida e sem conjunto. Pode-se dizer
que a culpa recai sobre Lula. Ele está mais preocupado em recuperar sua biografia, do que dar
um destino melhor e mais honroso para o Partido dos Trabalhadores, e ajudar a dar um Norte
para a outra metade da população, que tem Bolsonaro como o leviatã.
Não podemos esquecer que a volta da democracia ao país, anulando a ditadura militar, é
devido à atuação dos grupos de esquerda. Ela era a vanguarda organizada do pensamento
político e da atitude civil. Era sinônimo de oposição e a perspectiva de algo novo depois de
dezenas de anos do governo de caserna. A esquerda chegou ao poder com Lula, mas se perdeu
no caminho.
O articulista Vladimir Safatle, do El País, publicou uma peça cujo título é “Como a esquerda
brasileira morreu”. Lembrando que ele tem uma carreira pautada com a democracia e causas
sociais. Ele está desanimado, por notar que a esquerda vem mostrando cada vez sua
incapacidade. Não sabe ou não quer reagir. Ele observa preocupação com o que considera
uma escalada fascista. Tanto que a palavra mais forte do seu artigo é “terminal”, buscando
nominar o estado indigente dos setores ditos progressistas. O articulista mostra espanto
diante da passividade da oposição nos momentos de aprovação da Reforma da Previdência,
por exemplo, o que demonstra, em sua opinião, que a esquerda perdeu a capacidade de
estabelecer outros modelos políticos e também econômicos.


Veja um trecho do artigo: “A esquerda governa estados, municípios grandes e pequenos, mas
de nenhum deles saiu um conjunto de políticas que fosse capaz de indicar a viabilidade de
rupturas estruturais com o modelo neoliberal que nos é imposto agora. Houve época que a
esquerda, mesmo governando apenas municípios, conseguia obrigar o país a discutir pautas
sobre políticas sociais inovadoras, partilha de poder e modificação de processos produtivos.
Não há sequer sobra disto agora”.


Vladimir Safatle observa que o povo brasileiro devia se preocupar, pois essas atitudes estão
facilitando a que o governo atual jogue sem marcação, o que é ruim para a democracia. Ele
tem razão quando diz que a esquerda está fraca, perdida e fragmentada. Hoje o PT, que seria o
grande muro contra as investidas dos novos hunos; um alambrado contra a direita, está
envergonhada pelo cometido e voltada, não mais para uma campanha de longa duração de
“Lula Livre”, mas denodando esforços para um “Lula Inocente”.


E, enquanto isso não se vislumbra uma composição esquerdista para bater de frente com os atos e anseios direitistas.  A esquerda está em coma. Se não respirar não viverá. E não é culpa do Coronavírus. Sim, do seu próprio vírus.


Jolivaldo Freitas jolivaldo.freitas@yahoo.com.br é escritor e jornalista


Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade do autor


 
Últimas Publicações

Terrivelmente cristã
Políticos baianos sem noção e sem vergonha
Avião de carreira e outras
Os militares no equilíbrio político
Memorial do Dia Universal do Desabafo
Sobre os mágicos livros de Nardele e Franciel
A convergência entre Lula e Bolsonaro
Uma frágil vitória da democracia em Hong Kong
Barra 69. Não vi, não dancei aquela música alegre
O velho golpe da lavagem verde
A rebelião sempre caberá aos jovens
Quem liga para o sofrimento dos animais
Um Brasil doente e retrocessivo
Um deputado. E a população em pânico
Somos os novos vilões do planeta Terra
Padre da Vitória deixa torturar
Esquerda e direita: um jogo de segunda divisão
Papa deu um “vale night”


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL