Busca:

  Notícia
 
Liberação do saque do FGTS pode elevar PIB de 2019 para 1%


Medida com a liberação de cerca de R$ 30 bilhões visa aumentar o consumo com crescimento da produção

A liberação de parcela das contas ativas dos contratos atuais do FGTS para os trabalhadores deve dar impulso à economia e pode garantir um crescimento do Produto Interno Bruto acima de 1% no primeiro ano do governo. A expectativa da equipe econômica é que os saques reforcem o PIB em 0,3 ponto porcentual, o que elevaria a projeção para 1,1% – mesmo nível registrado nos dois anos anteriores do governo Michel Temer. 


Segundo modelos preparados para a liberação dos saques, o impulso ao crescimento pode ficar entre 0,2 e 0,4 ponto porcentual. Hoje, o governo trabalha com estimativa de crescimento de 0,81%. 


A medida valerá para contas ativas e inativas (de contratos de trabalho anteriores). Segundo fontes, Guedes, que passou a quarta-feira na Argentina, exigiu da equipe da Secretaria de Política Econômica (SPE), que elabora o programa, manter intocados os recursos do FGTS para a habitação. Com isso, o valor da liberação vai cair de R$ 42 bilhões para R$ 30 bilhões.


Para o economista da LCA Consultores Vitor Vidal, o impacto da liberação das contas ativas do FGTS sobre o consumo e, consequentemente, sobre o PIB pode ser maior agora do que na liberação das contas inativas promovida pelo governo de Michel Temer em 2017. Isso porque a inadimplência das famílias hoje é menor.


Em 2017, fizeram o saque de cerca de R$ 44 bilhões de contas inativas 25,9 milhões de trabalhadores. Vidal cita que uma pesquisa do Ibre/FGV na época mostrou que 40% desses recursos foram destinados ao pagamento de dívidas.


A economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) Marianne Hanson também estima que o impacto sobre a economia pode ser maior dada a melhoria nas expectativas para a atividade no segundo semestre, com o andamento da reforma da Previdência.


A CNC, em 2017, calculou que um quarto dos recursos foi destinado ao consumo, o que levou a um aumento de 1,4% no varejo entre março e julho, meses em que os valores foram sacados. Marianne acredita que setores mais ligados à renda podem ser mais beneficiados, como o de supermercados. Estadão

Mais Notícias

Justiça investiga 26 ex-governadores envolvidos em corrupção
Viúvas de Brumadinho enfrentam dor, dificuldades e preconceito
Bolsonaro faz piada sobre sua relação agressiva com a imprensa
Morre aos 63 anos a professora Eunice Pereira
Caetano assume cargo na executiva nacional do PT
Erro na correção do Enem não altera inscrição para o Sisu
Novas regras não garantem fim dos candidatos laranjas nas eleições
Maioria defende demissão de servidor que não trabalha
Final de semana com festas em Abrantes e Monte Gordo
Aplicativo chinês avança e já ocupa o 2º lugar em downloads


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL