Busca:

  Notícia
 
Aposentadorias e benefícios representam 25% da renda do país

As transferências de renda, que incluem aposentadorias e benefícios assistenciais, representam hoje 25,5% da massa de renda no Brasil. Ainda segundo estudo inédito da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, números mostram que o sustento de parte das  famílias brasileiras   dependem  do dinheiro vindo dos cofres do governo. Já os salários do trabalho, que respondem por 74,5% da massa de renda, vem caindo nos últimos anos.


Em 2003, as transferências de renda eram 21,1% dos rendimentos dos brasileiros. Em 1997, a fatia era ainda menor de 12,7%. A criação e expansão de programas, como o Bolsa Família, e a política de valorização do salário mínimo contribuíram para esse ganho de participação na chamada “massa salarial ampliada”. No Orçamento Federal, por sua vez, essa maior transferência de renda se traduz em gastos crescentes.


A IFI identificou que quase metade das transferências de renda têm sua dinâmica afetada diretamente pela política de salário mínimo em vigor. Isso porque 7,8% da massa é composta por benefícios previdenciários de até um salário mínimo, e outro 1,7% corresponde ao chamado Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda. O abono salarial e o seguro-desemprego respondem por outros 1,6%. Por conta da vinculação, um aumento mais ou menos intenso no salário mínimo tem repercussão imediata no Orçamento.


O governo precisará definir, neste ano, a nova política de salário mínimo que vigorará a partir de 2020. O diretor da IFI Gabriel Leal de Barros, que é um dos autores do estudo junto com o analista Rafael Bacciotti, reconhece que uma eventual opção por reajuste do mínimo apenas pela inflação pode desacelerar o ritmo de crescimento da massa de renda num primeiro momento. No entanto, explica que, como essa medida ajuda a equilibrar as finanças do País, ela pode se traduzir em mais confiança de investidores no médio e longo prazo, fomentando o emprego e impulsionando a renda pelo outro canal: o de salários dos trabalhadores.


O estudo também mostra as distorções que existem nessa política de transferência de renda. As aposentadorias e pensões para servidores públicos, civis e militares, representa 4,2% da massa de renda, o mesmo porcentual que todos os benefícios de proteção social como BPC, Bolsa Família, seguro-desemprego, abono, entre outros. O INSS, com um número bem maior de segurados, é responsável por 17,1% da massa de renda. Estadão

Mais Notícias

Odebrecht mantinha 'bunker da propina' no centro de São Paulo
Camaçarico 22 de abril 2019
Tricolor vence o Bahia de Feira é fatura 48º campeonato baiano
Economia do Brasil encolhe e fica próxima da Colômbia e do Peru
Governo decreta sigilo sobre estudos que mudam a Previdência
Congresso gasta R$ 2,8 bi com despesas extras de parlamentares
Polícia baiana está entre as que mais matam no Brasil
Presidente do Supremo nega 'mordaça' ou 'censura' à imprensa
Brasil tem a pior participação no PIB mundial desde os anos 1980
STF permite entrevista de Lula e suspende censura a site


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL