Busca:

  Notícia
 
Paciente sem plano de saúde migra para o cartão pré-pago


Cerca de 8 milhões de brasileiros já são usuários desse serviço

Os cartões pré-pagos ou de descontos em saúde é a mais nova alternativa para clientes que perderam o convênio médico ou desistiram de ficar nas longas filas de espera do Sistema Único de Saúde (SUS). Pelo menos 8 milhões de brasileiros já são usuários desse serviço. O novo formato que surge depois das clínicas populares já ultrapassa a quantidade de clientes das duas maiores operadoras de planos de saúde do País juntas.


De forma geral, tanto os cartões pré-pagos quanto os de descontos cobram mensalidade baixa que  começam em R$ 14,99 e garantem descontos em uma rede conveniada. A particularidade do serviço pré-pago é que, além da mensalidade, ele exige que os procedimentos sejam pagos com créditos depositados no cartão.


Embora em expansão, o serviço é visto por especialistas em saúde e entidades de defesa do consumidor como uma espécie de convênio com cobertura básica, mas sem regulamentação adequada por não ser classificado como um plano de saúde. A própria Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula as operadoras de planos, criou uma cartilha explicando as diferenças entre os dois serviços e os cuidados que o consumidor deve ter ao optar pelos cartões. Entre as críticas estão o fato de os cartões não garantirem atendimentos ilimitados nem uma lista mínima de procedimentos cobertos.


Já os usuários do serviço e as empresas que operam nesse ramo afirmam que o modelo é uma alternativa para quem quer ter acesso rápido a consultas e exames, mas não tem condições financeiras de pagar a mensalidade de um plano.


Maior empresa do setor, a Cartão de Todos, que também dá descontos também em estabelecimentos de educação e lazer, viu o número de adesões mensais triplicar este ano. “No ano passado, tínhamos 30 mil por mês. Neste ano, o número passou para 100 mil”, conta Altair Vilar, presidente da companhia, que possui 7,8 milhões de usuários. Na rede conveniada que dá descontos aos portadores do cartão, a consulta médica com um clínico-geral sai por R$ 20.


O baixo custo da mensalidade dos cartões fez as companhias atuantes no setor oferecerem o produto não apenas para pessoas físicas, mas também para pessoas jurídicas interessadas em dar o cartão aos seus funcionários. São, geralmente, pequenas ou médias empresas que não oferecem plano de saúde aos trabalhadores.


Com foco nesse mercado, a empresa 'Doutor Já' atende 50 empresas, que, juntas, têm 6 mil trabalhadores. “Algumas oferecem só o cartão de desconto e outras depositam um valor mensal para que os funcionários possam pagar procedimentos”, diz Gustavo Valente, CEO da Doutor Já.


A Ticket, conhecida pelos benefícios refeição e alimentação, lançou em agosto o Ticket Saúde, que também permite as duas modalidades: só desconto ou créditos para o funcionário. “O custo médio para a empresa é de R$ 28 por colaborador”, afirma Adriana Serra, diretora de produtos da Ticket.


Outra gigante que entrou no mercado de cartões pré-pagos de saúde foi a Ultrafarma. Em outubro, a companhia lançou o cartão Sidney Oliveira, que também dá direito a descontos em procedimentos médicos e odontológicos na rede conveniada.


Apesar dos descontos dados pelos cartões, a Proteste alerta que nem sempre o serviço pode ser vantajoso. “A pessoa tem de pagar a mensalidade e mais os procedimentos que for fazer. Se fizer muitas consultas e exames, não vai compensar”, diz Luiz Costa, analista de negócios da entidade.


Para Marília Louvison, professora da Faculdade de Saúde Pública da USP, os cartões podem deixar pacientes desprotegidos. “Esse formato não garante continuidade do cuidado nem a resolutividade porque o atendimento vai até onde o paciente pode pagar.” Questionadas, as empresas do setor afirmam que o serviço tem como foco a atenção primária, com quadros de baixa complexidade e ações de prevenção e promoção da saúde.


Os cartões de desconto também são usados por quem quer economizar em tratamentos odontológicos. “Precisava fazer um canal, uma coroa e limpeza e, com o cartão, ficou pela metade do preço e consigo parcelar em oito vezes”, relata a atendente comercial Andréa Maria de Santana, de 47 anos.


Embora aprovem os preços baixos das consultas e a rapidez na marcação do atendimento, alguns clientes dos cartões reclamam do custo dos procedimentos mais complexos. Estadão

Mais Notícias

Mais de 30% dos municípios vão fechar 2018 no vermelho
Jorge Curvelo é eleito presidente do Legislativo de Camaçari
ONG ligada a futura ministra é acusada de incitar ódio a indígenas
Cerca de 30% dos inscritos no Mais Médicos não se apresentaram
Funcionária de filho de Bolsonaro repassou 99% do salário
Temer decreta a extradição do italiano Cesare Batisti
Cerca de 3 mil ainda não se apresentaram no Mais Médicos
Justiça brasileira manda prender Battisti e prepara extradição
General diz que vereadora Marielle foi assassinada por milicianos
Bahia está entre os estados com situação financeira difícil


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL