Busca:

  Notícia
 
Família brasileira pode levar até 9 gerações para deixar a pobreza

Uma família brasileira pode levar até 9 gerações para deixar a faixa dos 10% mais pobres e chegar à de renda média do país. Nesse quesito, o Brasil só fica na frente da Colômbia e empata com a África do Sul numa lista de 30 países analisados pelo estudo sobre mobilidade social elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Na Colômbia, são necessárias 11 gerações para que uma família alcance a renda média nacional. A organização destaca que o estudo é ilustrativo e que não deve ser levado ao pé da letra.


A percepção do brasileiro, de acordo com pesquisa da Oxfam mencionada no estudo, endossa o cenário: 6 em 10 cidadãos pensam que esforço não é o bastante para um pessoa que nasceu pobre alcançar uma situação de vida confortável. De acordo com o levantamento da OCDE, 35% dos filhos de pais posicionados no 1/5 (20%) mais pobre do Brasil terminam a vida nesse mesmo estrato social. Além disso, apenas 7% deles chegarão a figurar entre os 20% mais ricos.


Por outro lado, 43% dos filhos com pais mais ricos seguirão com o mesmo nível de renda, enquanto apenas 7% deles têm chance de piorar de vida. Para se ter uma ideia da situação brasileira, a média da OCDE indica que apenas 31% dos 25% (1 em cada 4) mais pobres seguem da mesma forma, enquanto 17% se elevam ao um quarto mais rico. A mobilidade social é maior em países como Estados Unidos e muito maior nos países nórdicos.


E como se acelera o elevador social no Brasil? Não há receitas milagrosas, mas algumas pistas. A OCDE sugere ao Brasil melhorar o gasto público, principalmente nas áreas de educação, com mais investimento no ensino básico e na saúde, alocando recursos para os tratamento mais importantes e para as pessoas quem mais precisem. A formação de desempregados por meio do Pronatec também é destacada pelo organismo internacional, assim como a redistribuição de renda por meio de reformas que extingam isenções e o aumento do gasto social em programas para auxiliar os cidadãos mais vulneráveis.


Apesar dos números ruins, segundo a mesma pesquisa os brasileiros que já conseguiram subir na escala social têm menos risco de piorar de vida na comparação com habitantes de países emergentes como China, África do Sul e Indonésia. E por que todos esses dados importam? Porque saber se uma geração vive melhor ou pior do que seus pais não é só uma percepção ou uma curiosidade. Também é um fator econômico chave, segundo a OCDE.


O estudo investiga o impacto de "eventos gatilhos"  identificados como mudanças no mercado de trabalho, divórcio ou parto, na mobilidade da renda. O emprego é o principal determinante da trajetória de renda individual, mas, em vários países, "as mudanças relacionadas à família também podem desempenhar um papel muito importante". "Em particular, as mulheres são mais gravemente afetadas do que os homens por perdas de renda após o divórcio", diz o estudo. Uma rede de transferências sociais é um fator crucial para evitar a mobilidade descendente, segundo a OCDE, enquanto a mobilidade ascendente resulta principalmente da dinâmica do mercado de trabalho. El País

Mais Notícias

MP pede a dissolução da Odebrecht e de outras 4 empreiteiras
Segurança e economia são os temas mais debatidos no Facebook
Guardar moeda no cofrinho é pratica de 1 em cada 4 brasileiros
Ministério da Fazenda critica modelo de reajuste nos planos de saúde
Camaçari cria distritos sanitários para melhorar atendimento
Taxa de mortalidade infantil volta a aumentar na Bahia
Lula volta a criticar Justiça e diz que será candidato
Geddel perde regalias com transferência para segurança máxima
Camaçarico 19 de julho 2018
Estudante brasileiro tira nota baixa em avaliação internacional


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL