Busca:

  Notícia
 
Ação por corrupção contra Alckmin teve depoimento sigiloso


Presidenciável tucano sai da mira da lava jato e será julgado pela Justiça Eleitoral

O ex-governador paulista e presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) prestou depoimento sigiloso e por escrito  ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). O pedido de investigação foi aceito pela ministra Nancy Andrighi, do STJ, em novembro e permanece sob sigilo. Alckmin é acusado de receber da Odebrecht R$ 10,7 milhões em caixa-2 nas suas campanhas a governador em 2010 e 2014.


Delatores da Odebrecht que relataram o suposto esquema, Carlos Armando Paschoal e Benedicto Junior entre eles, prestaram depoimentos poucos dias atrás. Também foram chamados a se explicar Adhemar Cesar Ribeiro, cunhado de Alckmin, e o secretário estadual Marcos Monteiro.


Ao tirar do STJ e levar o inquérito para a esfera eleitoral, Alckmin saiu do escopo da Lava Jato, o que foi comemorado por aliados, mesmo que houvesse expectativa de arquivamento.  "Ficou constatado que não há envolvimento do Alckmin na Lava Jato", disse o deputado Silvio Torres (PSDB-SP). "A questão da Justiça Eleitoral será decidida com tranquilidade. Ele deu ao STJ as declarações necessárias."


A velocidade com que, de repente, o caso andou chamou a atenção de pessoas envolvidas na investigação. Apesar da relativa lentidão com que tramitou nos tribunais superiores, bastou Alckmin deixar o governo para que três decisões importantes fossem tomadas.


Ao renunciar, na sexta-feira (6), o tucano perdeu o foro especial. Dois dias depois, o braço paulista da Lava Jato pediu acesso às investigações. O vice-procurador-geral, Luciano Mariz Maia, disse que a decisão caberia à Justiça. E o STJ, na quarta (11), decidiu encaminhar o inquérito à Justiça Eleitoral. Com informações do Jornal Folha de São Paulo

Mais Notícias

Candidata do PSTU defende desapropriação de empresas
Julgamento de Almiro Sena vai para a Justiça de 1ª instância
Supremo aceita queixa de Caetano Veloso contra Feliciano
Prazo para acerto de contas com o leão do IR termina segunda
Justiça de Minas confirma pena, mas não manda prender Azeredo
STF tira de Moro parte das delações da Odebrecht que citam Lula
Ivete faz carnaval exclusivo domingo entre Ondina e Barra
Bahia tem servidor com salário abaixo do mínimo, diz Fetrab
Camaçari quer vacinar 54 mil pessoas contra gripe
Mais de 58 mil brasileiros possuem foro especial


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL