Busca:

  Notícia
 
Escolas da elite carioca usam blindagem para proteger alunos


Escola Americana tem mensalidade de R$ 6 mil

Escolas localizadas perto de áreas de conflito  e frequentadas por alunos das classes  mais ricas do Rio de Janeiro  estão adotamndo esquemas de segurança e até  blindagem de parte de suas instalações para evitar  acidentes de seus alunos durante os constantes  tiroteios. Já a rede pública, formada por escolas do  estado e da prefeitura não consegue promover ações de proteção dos estudantes.


A Escola Parque, colégio construtivista na Gávea, bairro da zona sul e próximo à favela, é um dos que mudaram  regras. Com mensalidades que superam R$ 2 mil, a Escola Parque enviou aos pais um comunicado informando que, para este ano, foi contratado um especialista em segurança que elaborará um plano a ser acionado em situações especiais espécie de plano de guerra. Só neste ano a escola teve 3 dias de aulas suspensas por conta dos tiroteios.  


A Escola Americana, colégio bilíngue próximo à favela da Rocinha,  que cobra mensalidades de até R$ 6 mil por aluno, os estudantes chegaram a ficar sem aula por 4 dias. Em outubro, encerradas as operações policiais que levaram à paralisação, a instituição comunicou aos pais que havia iniciado obras para ampliar a área do prédio que recebe blindagem parte dele já possuía proteção contra tiros. A escola também proibiu a circulação de estudantes em áreas externas quando há qualquer barulho ou incidente que possa significar risco de bala perdida.


No bairro de Botafogo, a também bilíngue Alemã Corcovado é outra escola da elite que possui plano para reduzir danos caso haja tiroteio. Vizinha do morro Dona Marta, onde os conflitos têm se tornado frequentes, Alemã Corcovado conta com uma garagem subterrânea. Em caso de situações adversas, o lugar é usado para realizar a saída de alunos e funcionários. 


Na última semana, ao menos 5 menores de idade, entre crianças e adolescentes, foram vítimas de tiros na região metropolitana do Rio. Entre os atingidos, uma menina de 3 anos que morreu depois de tentativa de assalto à família na zona norte e um garoto de 4 anos que está hospitalizado após bala perdida em São Gonçalo.


O prefeito Marcelo Crivella (PRB) anunciou em abril de 2017 um projeto que blindaria muros e paredes de colégios da gestão municipal. Inicialmente ele seria aplicado na região da Maré. Nove meses depois a promessa não foi executado. A prefeitura afirma que esse processo está em trâmite.

Mais Notícias

Guardar moeda no cofrinho é pratica de 1 em cada 4 brasileiros
Ministério da Fazenda critica modelo de reajuste nos planos de saúde
Camaçari cria distritos sanitários para melhorar atendimento
Taxa de mortalidade infantil volta a aumentar na Bahia
Lula volta a criticar Justiça e diz que será candidato
Geddel perde regalias com transferência para segurança máxima
Camaçarico 19 de julho 2018
Estudante brasileiro tira nota baixa em avaliação internacional
Bolsonaro perde apoios e pode ser o 'Eneas' da campanha na TV
Google é multada em R$ 17 bilhões por prática de truste


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL