Busca:

  Notícia
 
Salvador é uma das campeãs em violência contra a mulher

As cidades de Salvador, Natal (RN)  e Fortaleza (CE) são as cidades nordestinas com mais mulheres vítimas de violência doméstica. Segundo a Pesquisa Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, a região Nordeste  é a campeã com  27% das mulheres com idade entre 15 e 49 anos  vítimas da violência praticada por maridos, companheiros ou namorados.


Elaborada em parceria com o Instituto Maria da Penha e coordenada pelo professor José Raimundo Carvalho, da Universidade Federal do Ceará, a pesquisa revela os impactos sociais, econômicos, emocionais e psicológicos nas vítimas e também na família, especialmente em crianças e adolescentes. Foram ouvidas 10 mil mulheres por 250 entrevistadores.


 “É importante que a sociedade entenda que a violência doméstica está impactando a economia em torno de R$ 1 bilhão por ano. Precisamos envolver todo mundo nessa luta. As empresas precisam entender isso. Daí a ideia de formação da Rede Brasil Mulher, para mobilizar todos e todas no combate a essa violência, que passa de geração em geração”, disse a secretária nacional de Direitos da Mulher, da Presidência da República, Fátima Pelaes.


Outra constatação da pesquisa foi a transmissão da violência doméstica entre as gerações. Os números mostram que, nos nove estados nordestinos, 88% das mulheres souberam que suas mães foram agredidas. E quatro em cada 10 também se tornaram vítimas dessa mesma violência. “É a da perpetuação da violência” – disse o professor Carvalho. "Homens e mulheres criados em lares violentos reproduzem esse modelo quando adultos. E as mulheres também são vítimas [quatro em cada 10] de homens que também viram as mães agredidas”.


Outro dado alarmante, segundo o coordenador da pesquisa, é o da exposição das crianças à violência doméstica: 55% das mulheres agredidas disseram que as agressões se deram na frente dos filhos. Para o professor, na idade adulta, esses filhos vão reproduzir o que viram: os meninos vão acreditar que a violência é uma solução e as meninas vão aceitar a violência como uma realidade que não podem evitar.


Segundo o coordenador da pesquisa, um dos dados mais chocantes foi o das agressões sofridas pelas mulheres gestantes. Segundo os números da pesquisa, 7% das mulheres agredidas durante a gestação têm entre 15 e 24 anos e o agressor não leva em conta o estágio da gravidez.

Mais Notícias

Camaçarico 14 de dezembro 2017
Fanesc conquista título inédito no Campeonato Nacional de Bandas
PT reavalia candidatura Lula depois de decisão do TRF-4
Brasil tem a maior concentração de renda entre os mais ricos
Inscrição para concurso termina nesta sexta-feira
Ex-gerente da Transpetro é denunciado pela Procuradoria
Governo autoriza farmácias a oferecerem serviço de vacina
Comercio varejista brasileiro registra queda de 0,9% em outubro
Ex-executivo do Facebook diz que ferramenta rompe o tecido social


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2017 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL