Busca:






Torniquete

Torniquete O alcaide Antonio Elinaldo (DEM) não precisa da oposição para gerar fatos e movimentos que desgastem a sua imagem de gestor e o consequente aumento das escoriações na sua candidatura a reeleição em 2020. A mais nova barbeiragem praticada pela sua equipe de estrategistas foi a criação de duas tarifas de ônibus, numa clara manobra para beneficiar empresários dos transportes coletivos de Camaçari.

Torniquete 2  Mesmo reconhecidos pelo péssimo serviço que prestam à população, segmento foi brindado com um decreto que pode cair mais adiante, por decisão da Justiça, provocando assim mais um arranhão na gestão do demista. Ao criar duas passagens, uma para quem tem o Camaçari Card e outra para o passageiro que paga em dinheiro, a prefeitura obriga o cidadão a financiar o sistema de transporte coletivo ruim com o pagamento antecipado da passagem.


Torniquete  3  Tendência irreversível nas grandes cidades e em qualquer banda do planeta, o uso do dinheiro de plástico (cartão pré-pago) em ônibus, metrô e outros modais de transporte, precisa ser precedido de qualidade, coisa que a frota de buzus de Camaçari não oferece. E, nem parece próxima de apresentar esse resultado exigido pela legislação e pela necessidade  crescente de  facilitar a mobilidade da população. Basta recordar o Termo de Ajustamento de Conduta entre prefeitura e o Ministério Público Estadual (MPE). TAC se arrasta desde 2013, ainda na gestão do alcaide Ademar Delgado, ex-petista e hoje sem pouso partidário, mas integrante da base do governador Rui Costa (PT).


Torniquete 4  Se o prefeito quer estimular o uso do Camaçari Card, atualmente usado por cerca de 30% dos passageiros, segundo apurou a Coluna, que inicie uma campanha com prazos e todos os requisitos que a transparência com a coisa pública exigem. Da forma como foi feita não se trata de 'desconto' para quem paga com cartão pré-pago. É punição sem aviso para que desenbolsa dinheiro no torniquete. 


Torniquete 5 O castigo não fica claro apenas quando se constata que todos os atuais postos de adesão ao sistema de cartão estão instalados na Sede. É no bolso que a dor é maior. Mudança implicou num aumento da passagem entre R$ 25 centavos a R$ 65 centavos de acordo com o roteiro da linha, para quem paga em dinheiro. 


Torniquete 6 Nessa conta quem paga mais é justamente o passageiro que usa as cerca de 20 linhas que circulam na Sede. Responsável por mais de 60% dos cerca de 70 mil  passageiros (algo em torno de 2 milhões/mês) que usam diariamente o  serviço de ônibus e micro-ônibus, usuários das linhas da Sede foram brindados com o  maior aumento. Tarifas passaram  de R$ 2,60 para R$ 3,00 (12%), para quem possui o Camaçari Card. Já os usuários das mesmas linhas que circulam na Sede e pagam a passagem em dinheiro estão pagando desde sábado (6) R$ 3,25, um reajuste de 25%. 


Torniquete 7 Como informou o Camaçari Agora ainda na noite de quinta-feira (Confira), a novidade com a aplicação de duas tarifas atinge usuários de todo o município, com preços que vão dos R$ 3,25 para os  trajetos dentro da Sede, a R$ 5,50 para usuários sem o Camaçari Card que utilizam as 15 linhas oficiais listadas para a orla e zona rural, mas que na prática  terminam  sendo reduzidas com a adequação de trajetos para localidades como de Barra do Pojuca, Jordão e Tiririca. 


Torniquete 8  Reforça essa conta aparentemente difícil de fazer, mas fácil de entender, como a medida é generosa com os donos de buzú, é o percentual de usuários do Camaçari Card, que a Coluna apurou não passar da faixa de 30%. Portanto, cerca de 70%, ou 7 em cada 10 usuários do sistema pagam em dinheiro.


Torniquete 9 A precariedade do sistema não atinge apenas o motor, a chaparia e o chassis dessa frota de cerca de 150 veículos. Ainda segundo apurou o Camaçarico, o sistema de transporte coletivo de Camaçari é quase uma caixa-preta. Além de não existir auditoria sobre custos necessários para a definição de tarifa e de outras variantes indispensáveis para a determinação de um preço justo, município pouco sabe sobre os números do Camaçari Card. Administrado pelas próprias empresas de ônibus sistema que opera sem a devida fiscalização da prefeitura
termina punindo o passageiro com a cobrança de duas tarifas por mero descumprimento da mudança  automática no roteiro  de integração bairro/centro.


Torniquete 10  Também entra nesse mesmo cofre cheio de segredos
a nunca cumprida promessa de implantar a meia passagem aos domingos, projeto do Democratas, implantado em Salvador, mas esquecido desde 2017 pelos autores da proposição apresentada ainda na gestão passada. 


Resgate  O professor, pesquisador e historiador Diego Copque comanda aula no próximo sábado (13), a partir das 14h, na associação de moradores de Cordoaria, zona rural de Camaçari. Durante o encontro com a comunidade do antigo sítio quilombola, e aberto ao público em geral, Diego Copque, situa Cordoaria e sua importância histórica e de resistência a partir do século 19.  


Resgate 2 O historiador, que espera a boa vontade e a sensibilidade das autoridades municipais para editar o seu livro Do Joanes ao Jacuípe, uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais  também traça um panorama da Camaçari e sua importância econômica e política na Independência da Bahia, detalhado em recente artigo publicado na seção Colunistas do Camaçari Agora (Confira). 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor) 


8/4/2019

 





Puxadinho

Puxadinho Abril será mês de grita e muita repercussão na redes sociais, e até na imprensa, sobre o aumento do IPTU 2019 em Camaçari. Ajuste no Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana vai pegar cerca de 4,5 mil contribuintes que receberão o carnê mais gordinho. 


Puxadinho 2  Além da correção nos valores de todos os cerca de 125 mil imóveis, definida na revisão aprovada no governo do alcaide Ademar Delgado e com validade até 2028, e os cerca de 4,53% de atalização com base no IPCA,  a prefeitura refez os cálculos dos imóveis corrigindo informações defasadas.


Puxadinho 3 A correção aconteceu após a realização do trabalho de georreferenciamento de todos os imóveis, com imagens aéreas e inspeção in loco. Revisão identificou imóveis cadastrados como terreno, mas que já possuíam construção, ou teve sua área construída ampliada sem a devida informação ao município. 


Puxadinho 4 A Coluna apurou que a quase totalidade desses imóveis é brindada pela privilegiada brisa salitrosa dos 42 quilômetros de praias do município, sendo  boa parte localizada no metro quadrado mais caro de Camaçari e um dos mais valorizados da Bahia, a privilegiada região de Busca Vida.


Puxadinho 5 Reajuste de valores com a inclusão de piscinas, áreas de lazer e até mesmo residências de alto padrão construídas sem a atualização dos dados cadastrais na prefeitura devem representar um acréscimo de R$ 7 milhões nos cerca de R$ 120 milhões previstos de arrecadação do imposto nesse 2019. 


Genuflexão Mais de 2 meses depois de inaugurada, a praça que deveria homenagear Mãe Eulina, importante ialorixá de Camaçari, segue atestando o descompromisso com a história da cidade e com a verdade da informação por parte da equipe de comunicadores que trabalha com o alcaide Antonio Elinaldo (DEM). 


Genuflexão 2 Distantes das coisas e da gente da terra, a equipe capitaneada pelo doutor José Gama, secretário de governo, ignorou o alerta sobre o gritante descuido na homenagem à mãe de santo que teve seu nome grafando de forma errada, além da omissão da sua condição de sacerdotisa do candomblé. O aviso foi dado pela Coluna imediatamente após a festa de inauguração da importante área de lazer localizada no bairro da Bomba, no final de janeiro (Confira).


Genuflexão 3 Insatisfeitos com o tratamento dado à memória de importante figura pública de Camaçari, representantes do camdomblé questionam se esse erro permaneceria tanto tempo sem a devida correção, caso fosse praticado numa homenagem a uma figura da religião evangélica.


Abaixa ! Camaçari registrou em março 11 homicídios. Média de uma morte violenta a cada  3 dias se registrou também no mês de  fevereiro, com 11 assassinatos, segundo a secretaria de segurança pública (SSP-BA). Das 11 mortes  de março, duas foram de crianças e apenas 1 registro foi de pessoa com mais de 25 anos. Na comparação com março de 2018 o número é menor em apenas uma morte. Já em fevereiro do ano passado os registros oficiais mostram 14 assassinatos.


Off road Camaçari disputa com Feira de Santana a unidade da montadora americana Jeep que pretende construir no Brasil a sua fábrica do veículo militar modelo J-8.  A informação foi publicada terça-feira (2) pelo jornal Valor Econômico que  indica um investimento de R$ 50 milhões na  montagem da nova unidade e prazo de início da produção em menos de 1 ano. 


Off road 2 O Brasil é o novo nicho desse mercado sinalizado com a exigência crescente nos editais públicos de que as fábricas que fornecem o chamado "material de emprego militar" (MEM) estejam instaladas no país. Entre os potenciais compradores do veículo montado na plataforma do modelo Renegade, estão as polícias civis e militares estaduais, as guardas municipais e até o Ibama.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor) 


3/4/201

 





Quartinha quebrada

Quartinha quebrada  A tradicional lavagem da igreja de São Francisco, abertura da festa de Arembepe, começa a ganhar sinais de descaracterização, como já acontece com a Lavagem do Bonfim, considerada a ‘mãe’, a maior e a mais importante de todas. No cortejo de sexta-feira (29) um grupo de baianas se desgarrou do grupo original e veio numa segunda linha acompanhando uma ala de políticos.


Quartinha quebrada 2  Independente de quem está no poder, as baianas precisam entender que o ritual, uma das marcas da Bahia negra e importante manifestação incorporada às religiões de matriz africana, é maior que a tentativa de ‘purificar’ seus candidatos preferidos. Os políticos, por sua vez, distantes dessa necessidade de preservação, apesar dos discursos, precisam coibir e não patrocinar esse equívoco que faz ajudar a destruir uma das nossas mais importantes tradições da festa. A lavagem do Bonfim é um exemplo dessa descaracterização e destruição da tradição com  as 'baianas do governador Rui Costa (PT) e as 'baianas' do prefeito ACM Neto (DEM).


Quartinha quebrada 3  Incluídos nesse mesmo cortejo de responsabilidade, mães e pais de santo, a associação de baianas e até a coordenação de eventos da prefeitura precisam fazer valer sua força como líderes religiosos, entidade representativa e estrutura oficial  de organização da festa. Sem esse entendimento, o cortejo da festa de Arembepe no ano eleitoral de 2020, assim como outras celebrações nas demais localidades, vão virar uma manifestação fake.


Movimento  O PSB pode  virar abrigo para o  ex-deputado e ex-alcaide do município, Luiz Caetano. Nota intitulada 'De saída', publicada na coluna Raio Laser (Tribuna da Bahia) de sábado (30),  diz que o petista anda 'revoltado' com o governador Rui Costa por ter  sido 'vetado para uma secretaria'. Ainda segundo a nota, a negociação entre Caetano e a deputada federal Lídice estaria 'em estado adiantado'. Desembarque do PT seria sacramentado com a  rejeição de mais um recurso  que  Caetano tenta na Justiça para  reaver o mandato  tirado pelo Tribunal Superior Eleitoral. 


Movimento 2 Com ou sem caetano, a chapa de oposição à sucessão municipal em Camaçari deve ganhar o reforço dos socialistas. Comandada no estado por Lídice, legenda que tem o vereador Pastor Neilton como único representante com mandato, se une ao PT, PSD, PCdoB e Podemos para fazer frente a candidatura a reeleição do prefeito Antonio Elinaldo (DEM). 


Movimento 3 A Coluna não conseguiu ouvir o vereador Pastor Neilton, integrante da base do prefeito Elinaldo, sobre essa arrumação. Confirmou apenas que é orientação da estadual  é nesse caminho de confluência com o grupo de Caetano. Um desses sinais de mudança na municipal é a filiação ao partido do ex-secretário e fiel escudeiro de Caetano, Ademar Lopes. Quem conhece Lopes e o estilo Caetano sabe que o movimento implica em mudança.


Liturgia  O ex-prefeito Luiz Caetano abandonou a formalidade e trocou a calça comprida, composição usada por todos os políticos, mesmo em atos festivos como a lavagem de Arembepe, e apostou em novo visual. Instalado num short estampado, o agora político sem mandato,  buscou mostrar descontração e proximidade com os eleitores na maior e mais importante festa da orla de Camaçari.


Liturgia 2 Mesmo com novo figurino, que não foi seguido pelos seus aliados, Caetano não descuidou do velho estilo de fazer política com os tradicionais abraços, beijos, juras e muitos selfies, sempre com o providencial corte da imagem a partir da cintura, claro.


Liturgia 3 Do outro lado da festa, o não menos ativo e atento ao eleitorado, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) seguiu dentro do figurino exigido para a autoridade maior do município.


Liturgia 4 Mesmo em solenidades onde a descontração impera, a mudança na regra é comportamento perigoso e pode ser interpretado como reverência menor ao ritual inerente à autoridade e geralmente esperado pela população.


Na pista  O PT agora tem 4 pré-candidatos a prefeito na sucessão de 2020. O vereador José Marcelino garante à Coluna que está na disputa para ganhar. O ex-presidente do Legislativo  esperou apenas a festa de Arembepe passar e o ano político começar de verdade para ‘tirar o fusca da garagem’.


Na pista  2 Tranquilo e considerando legítima a vontade dos companheiros de partido, Ivoneide Caetano, esposa do ex-prefeito, e dos colegas de bancada no Legislativo, Jackson Josué e Téo Ribeiro, Marcelino acredita que o PT terá um nome de consenso. Caso essa unidade não aconteça, o partido tem as prévias, mecanismo previsto no estatuto, completa.


Na pista  3 Até lá, Marcelino promete pilotar seu ‘fusca’ de forma equilibrada para cometer o menor número possível de eros e barbeiragens para que  não termine capotando ou leve bandeira preta e seja obrigado a deixar a disputa. 


Na pista  4 Já adotando esse projeto de ‘direção segura’, Marcelino acelera e evita comentar sobre a possibilidade de Ivoneide Caetano ser escolhida como candidata a vice-prefeita, ou  a uma vaga na disputa pela vereança.


Na pista 5 O empresário e candidato a vice-prefeito do radialista Marco Antonio, em 2008, Fábio Lima (PP), anuncia trajetória independente do ex-prefeito Caetano. Sinalização começou na  festa de Arembepe. Lima, que é nativo do povoado, exibiu faixas ao lado do deputado Niltinho. Segundo apurou a Coluna, Fábio Lima segue na  órbita do vice-governador João Leão, comandante da legenda no estado. 


Alfazema O empresário André Pegova quer ser prefeito e promete abalar a sucessão municipal em 2020. Puxando um grupo de aliados paramentados com camisetas com seu rosto, na lavagem de Arembepe, Pegova diz que só se interessa pela disputa de prefeito. Garante que vereador ‘não consegue nada’. À procura de um partido, Pegova, que já foi candidato a vereador e deputado estadual, não quer ficar no PSL de Bolsonaro.


Astigmatismo  A prefeitura de Camaçari e os veículos de imprensa precisam aprender a usar a nomenclatura certa ao se referir a pessoas que não estão abrigadas em moradias formais. ‘Morador de rua’  sinaliza preconceito e visão equivocada sobre essa parcela da população que em Camaçari pode chegar a 200 pessoas entre sede e orla.


Astigmatismo  2 Erra o município quando trata de  forma simplória e não procura  soluções que, ao menos minorem um problema grave, fruto não apenas da crise econômica, mas de outras questões de adoecimento da sociedade. Com obrigação constitucional de saber que o correto é pessoa ou população em situação de rua, município termina induzindo veículos a manter e até ampliar o preconceito com esses cidadãos, que mesmo em situação de altíssima vulnerabilidade, têm os mesmos direitos que os formalmente alojados em moradias.   


Astigmatismo  3 Uma olhadinha no Decreto Nº 7.053 de 23 de dezembro  de 2009,  que institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, pode ajudar a reconstruir essa visão equivocada (Confira)


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor) 


1/4/2019

 





Mesa reservada

Mesa reservada  Segue forte o lobby para recuperar imediatamente o trecho da praia do Porto, em Guarajuba, orla de Camaçari, que o mar vem tomando. Coincidentemente, local abriga badalados restaurantes e moradias de luxo com vista eterna para o mar. Sob a toalha da garantia de um plano de preservação de área de domínio público, a prefeitura espera o piscar de dedos dos orgãos federais e estaduais para a definir a construção de contenção de um trecho de aproximadamente 1 quilômetro (mil metros), segundo nota distribuída para a imprensa pela assessoria de comunicação do município (Confira).


Mesa reservada 2  Tão rápida, quanto o movimento da maré de março, a gestão municipal já discute ‘uma solução técnica’ com a Superintendência do Patrimônio da União na Bahia, Ministério Público e os órgãos ambientais estaduais.


Mesa reservada 3 Quem conhece Guarajuba dos anos 1990 sabe que a paisagem mudou muito. Hoje, graças a empreendimentos bafejados pela generosidade do poder municipal nas últimas décadas, a vista do mar ficou mais estreita e a tão festejada necessidade de preservação da área de domínio público usada para lazer da comunidade vem sofrendo ajustes para provavelmente não representar prejuízos futuros.


Mesa reservada 4 O que chama atenção nessa mesa de preocupação com  o avanço da maré em Guarajuba é a ausência do vice-prefeito e  secretário  de  desenvolvimento da orla, José Tude (DEM). O responsável pela pasta não parece ter lugar marcado nesse debate, que de acordo com  nota da própria prefeitura  contou com as presenças de representantes das secretarias de desenvolvimento urbano (Sedur), desenvolvimento economico e turismo (Sedec) e Defesa Civil. 


Ofereceu  O ex-prefeito Ademar Delgado (sem partido) lembra que, diferente do postado na matéria intitulada‘Prefeitura diz que não tem como pagar reajuste em parcela única’ (Confira),  o seu governo apresentou proposta de reajuste para os servidores no seu último ano de gestão. 


Ofereceu 2  Em contato com o Camaçari Agora,  o ex-alcaide (2013/2016)  lembra que propôs dividir os 10,67% em duas parcelas, sendo 5% retroativo a janeiro e o pagamento dos 5,67% restantes em dezembro do mesmo 2016.


Ofereceu 3  Delgado garante que a recusa dos servidores, que terminou gerando ainda mais prejuízo para a categoria, foi fruto do jogo político do seu opositor e hoje prefeito Antonio Elinaldo (DEM), e do seu antecessor, padrinho político e hoje seu adversário, Luiz Caetano (PT). Preocupados com o palanque, Caetano e Elinaldo terminaram induzindo o movimento dos servidores ao erro, completa.


Réquiem  Se já estava sepultada politicamente depois do fiasco que foi sua campanha à prefeita de Camaçari, em 2016, a doutora Jailce Andrade (PCdoB) fica ainda mais distante de qualquer nova tentativa de disputa eleitoral. Decisão do juiz Eleitoral Ricardo José Vieira de Santana considerou “Desaprovadas’ as contas eleitorais da candidata. Segundo a sentença datada de 18 de março último, que a Coluna teve acesso, a doutora Jailce não apresentou no prazo legal a documentação cobrada pela Justiça Eleitoral.


Réquiem 2  A decisão, que erra apenas no cargo ao nomear a candidata como vereadora,  lista ‘descumprimento do prazo de entrega dos relatórios financeiros’, ‘ausência de documentoscomprobatórios de que os recursos de terceiros estimáveis em dinheiro constituem produto do serviço ou da atividade econômica do doador’. Lista inclui ainda ‘diversos problemas na análise da receita e despesa’, e ‘irregularidades no extrato bancário’, onde foi identificada a doação por empresa recebedora de recursos públicos, o que é proibido pela legislação. Agora é aguardar decisão do Ministério Público Eleitoral que pode até propor uma ação por crime eleitoral com pedido de devolução de recursos de campanha. 


Réquiem 3  Deixada de lado por parte dos dirigentes e da militância do seu partido, a candidata Jailce Andrade somou exatos 2.725 votos e ficou mais de 41 mil apoios atrás do petista e ex-companheiro de legenda, Luiz Caetano. Já a diferença do vencedor Antonio Elinaldo (DEM) foi de 71 mil sufrágios. A Coluna apurou que candidata do alcaide Ademar Delgado continua filiada ao PCdoB, mas sem vida partidária ativa. Ocupa desde 2017 o cargo de controladora na gestão do prefeito Diógenes Dinha Tolentino (DEM).


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor) 


26/3/2019

 





Mercadores

Mercadores  O fecha e abre da feira de Camaçari, com prejuízos gravíssimos para a economia da cidade, parece que não está sendo lição suficiente para o atual gestor, muito menos para seu antecessor e comandante da oposição no município.


Mercadores 2 Entrincheirado na sua 'banca', o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) segue descuidando da sua função maior, de gestor de toda a cidade, ao fragilizar na negociação com os feirantes inadimplentes. Sem adotar um necessário e ugente programa de renegociação das dívidas dos 45% de inadimplentes, gestor deixa sua imagem e principal mercadoria exposta. 


Mercadores 3  Do outro lado, o também ‘comerciante’ Luiz Caetano aproveita para ajudar a desconstruir  o que deveria defender e precisa ser mudado. Ao estimular feirantes a não pagarem as tarifas, o 3 vezes gestor de Camaçari esquece a regra do interesse público e mira no lucro político barato com a desordem que, em última instância, acredita atingir apenas seu adversário.


Mercadores 4  Com Elinaldo vendendo abaixo do preço e Caetano defendendo a mesma prática equivocada, só que com anúncio aparentemente diferente, quem paga a conta é o contribuinte em volume 10, 20 40, 50 vezes maior que os cerca de 1.500 feirantes. Antagônicos nas urnas, Elinaldo e Caetano seguem ensacados na mesma embalagem das velhas práticas políticas de uso da máquina municipal para atender seus fins eleitorais. 


Mercadores 5 Atual e ex-alcaide sabem que todos os feirantes precisam pagar as taxas, como fazem eles próprios nas suas vidas de contribuintes, e os demais comerciantes da cidade. Mesmo assim apostam na desinformação com discursos que não passam da velha troca de 6 por meia dúzia. 


No ar  O ex-prefeito e ex-deputado federal Luiz Caetano agora é comentarista de política. Todas às quartas-feiras, entre 12h e 14h, o petista solta o verbo no programa comandado pelo radialista José Maia, na Sauipe FM (102,9), com antena instalada na vizinha Mata de São João.


No ar 2  Presença intensa do ex-alcaide na programação da FM pertencente a familiares do ex-prefeito Humberto Ellery começa a gerar ruídos. Opositor ferrenho da gestão do demista Elinaldo, Caetano ganha espaço privilegiado na emissora do pai da atual ouvidora de Camaçari, Ilay Ellery, e esposo da ex-secretária de desenvolvimento social do município, Simara Ellery.


No ar 3  Fontes da  Coluna asseguram que o microfone dado ao ex-alcaide Caetano não é coincidência. Os Ellery andam insatisfeitos com o espaço do seu grupo na administração do demista.


No ar 4 Eleito prefeito pela primeira vez em 1986, ao vencer José Tude, o candidato do então prefeito biônico Humberto Ellery, Caetano foi mudando, trocando de partido, e chegou a integrar o governo do velho adversário durante sua última passagem pelo comando do município (1993/1996), quando foi eleito pelo voto direto. 


Fumaça  A festa de Arembepe deste ano vai homenagear os 50 anos do movimento hippie. Com 4 dias de festa, entre os dias 29 de março e 1º de abril, festa deve custar cerca de R$ 1,5 milhão aos cofres do município, dizem fontes da prefeitura.


Fumaça  2  A expectativa é de que o sábado (30) marque a festa de encerramento do verão da Bahia com o reencontro do grupo Novos Baianos. Atração mais cara da festa, com cachê de R$ 250 mil, show com Baby, Moraes, Pepeu, Galvão e Paulinho Boca precede o não menos carismático Saulo (R$ 80 mil), que deve ajudar na overdose musical da noite.


Cores  A  inauguração das melhorias no centro de referência em saúde do trabalhador (Cerest) de Camaçari,  na última sexta-feira (15), parecia até  festa dos elinaldistas. Do governador Rui Costa ao secretário de saúde, Fábio Vilas Boas, passando pelo ex-deputado Luiz Caetano e o seu outrora aliado, o ex-prefeito Ademar Delgado, todos estavam de azul. O dono da grife, o alcaide do município,  não apareceu. Mandou o doutor Elias Natan, titular da saúde municipal, que preferiu uma camisa branca para representar o time azul.


Tabuleiro  Camaçari realiza neste domingo (24) o 1º campeonato de xadrez clássico.  Competições acontecem a partir das 8h30 na rua da Glória, 26, bairro Gleba C, sede do município. Válida pela Liga Brasileira de Xadrez (LBX), disputa acontece num domingo mensal até setembro. Campeonato é aberto para crianças a partir de 8 anos. Taxa de inscrição para Jogadores acima de 18 anos é de R$ 10,00. Jovens até 21 anos que se encontrarem desempregados estão isentos da taxa. Mais informações com Michel Santos, Joelson Santos, Dércio Oliveira e Luiz Roberto, pelo telefone/whatsapp  982832395.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor)


20/3/2019

 





Maquinista

Maquinista  Continuam descarriladas as obras de recuperação da antiga estação de trens de Camaçari. Projeto de requalificação e transformação do 'marco zero' da cidade em centro de cultura e memória completa 2 anos sem sinal sequer de quando será realizada a licitação para início das obras.


Maquinista   2 A Coluna apurou que o problema não é dinheiro. Cerca de R$ 3,5 milhões do ministério do turismo estão assegurados desde o ano passado, mas o projeto executivo, responsável pelo detalhamento dos custos, estranhamente só ficou concluído recentemente. 


Maquinista   3 Quem não lembra a ação midiática, em fevereiro de 2017, com a retirada de toneladas de entulho do velho cinema e a instalação de tapumes como etapa inicial do projeto. De lá para cá, o projeto de resgate da memória da cidade, capitaneado pela doutora Márcia Tude, secretária da cultura do município, segue o roteiro de descaso com o patrimônio da cidade, herdado pelos antecessores do alcaide Antonio Elinaldo (DEM). 


Maquinista  4 Nesses 2 anos o quadro só fez piorar. A estação está ainda mais degradada e o cinema ganhou novas infiltrações e rachaduras. O 3º imóvel do projeto de recuperação do centro antigo de Camaçari, o casarão e antiga sede dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário segue o mesmo figurino de descompromisso de preservação e resgate da história da cidade. Imóvel que chegou a alojar a própria secretária da secult e sua equipe de assessores e etc, teve de ser interditada e segue em acelerado processo de destruição com parte do seu telhado destruído. 


Grid  O PCdoB não esconde mais que o presidente do sindicato dos metalúrgicos de Camaçari é o seu pré-candidato a prefeito em 2020. O nome de Júlio Bonfim ficou ainda mais fortalecido nas últimas horas com a decisão de Ford de suspender as 700 demissões na sua planta de Camaçari, previstas para esse final de março.  


Grid 2  Como mostrou o último Camaçarico, (Confira nas notas Grife 4 e 5) Bonfim, que não se preocupa com custos, está testando seu carro desde o ano passado. Sob o pretexto de ocupar o posto máximo do metalúrgicos, o comunista tenta montar uma candidatura viável agregando na mesma carroceria as conquistas e lutas da categoria e sua imagem de trabalhador, político novo e sem os vícios dos tradicionais companheiros. 


Grid 3 Para o PCdoB a disputa interna no PT, seu principal aliado, fortalece Júlio como principal oferta e com direito a bônus depois das boas notícias sobre o recuo da Ford. 


Grid 4 Com o ex-deputado Caetano fora da corrida, PT tenta ajustar carro competitivo treinando com as candidaturas dos vereadores Jackson e Téo Ribeiro. O vereador José Marcelino parece que já enconstou o carro no box, enquanto o 4º petista, o piloto de 1ª corrida, Dentinho do Sindicato, nem colocou seu carro na pista.


Na vitrine Anunciada como opção, a esposa do ex-prefeito, Ivoneide Caetano, desagradou mais que somou. Petistas ouvidos pela Coluna garantem para ser a candidata do partido, a doutora Ivoneida vai precisar construir história de luta e agregar força política para se viabilizar. Vai ser complicado promover essa engenharia em pouco mais de 15 meses, completam.  


Best-seller E a avenida Jorge Amado, hein, doutora Joselene Cardim. Sob a responsabilidade da titular da secretaria de infaestrutura, obras na principal via de entrada da cidade seguem desde o ano passado, quando iniciaram os serviços, num estranho cronograma que só reflete nos cofres da municipalidade, com prejuízos diretos e indiretos para a população. É um tal de faz e desfaz, asfalta e arranca, instala e desinstala. Com tantos capítulos, vai terminar virando romance perigoso editado pelo selo da Justiça.


Feminista O vereador Jackson Josué se diz arrependido por ter votado em Angelo Coronel (PSD) para o Senado. O petista e pré-candidato a sucessão do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) considera um equívoco o projeto do pessedista de acabar com a cota de 30% para mulheres nas eleições legislativas.


Currículo O ex-prefeito de Camaçari, Ademar Delgado (sem partido), foi mais uma vez acionado civil e criminalmente pelo Ministério Público estadual por atos no seu governo (2013/2016).  Nas ações penal e civil, o MP solicita a condenação do ex-prefeito pelos crimes de improbidade administrativa e falta de licitação para obras de recuperação de 127 unidades habitacionais invadidas e depredadas do 'Minha Casa' no bairro de Buris Satuba.


Currículo 2  Ainda segundo a ação do MP, Ademar assinou contrato no seu último ano de governo no valor de quase R$1 milhão e 600 mil, mas só deixou em caixa  pouco mais de R$ 580 mil para o sucessor quitar a despesa.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor)


14/3/2019

 





Aquecimento

Aquecimento   Mesmo fora da disputa, o 3 vezes prefeito de Camaçari e ex-deputado federal Luiz Caetano não vai abrir mão do comando da campanha sucessória do próximo ano. O petista, agora sem ocupação formal, vai dedicar seu tempo quase que integral na condução, montagem e definição de estratégia que garanta a seu grupo a volta ao poder a partir de 2021. 


Aquecimento 2  Profissional da política e acostumado com cada pedaço de chão de Camaçari, Caetano prepara projeto ousado. Segundo apurou a Coluna, o petista quer montar uma célula em cada bairro, se possível em cada rua ou comunidade. Meta é se apresentar como o treinador e cartola responsável pela definição do nome que o povo irá confirmar na urna para desbancar o projeto que boa parte dos elinaldistas acredita ser imbatível, quase uma vitória por ‘W.O.’, depois da inegibilidade de Caetano.


Aquecimento 3 Com essas espécies de casas-comitês, Caetano vai fazer o que mais sabe.  Além da presença próxima do eleitor, onde poderá contar sem pressa e do seu jeito encantador, sua história no município e sua versão de vítima da Justiça injusta que retirou seu mandato dado pelo povo, o petista aposta na arregimentação de novos e no resgate dos outrora simpatizantes do seu projeto de poder. 


Grife  A advogada e esposa do ex-prefeito e ex-deputado Luiz Caetano (PT), Ivoneide Souza Caetano, prepara voo mais longo. Seu nome começa a aparecer nas listas de pré-candidatas à Câmara de Vereadores de Camaçari. Com o marido e cabo eleitoral mor da oposição fora da cédula por condenação pela Lei da Ficha Limpa, a doutora e principal herdeira dos votos do petista já não esconde o gosto mais sofisticado.  Cada dia mais empoderada, segundo fontes do Camaçarico, mira a cadeira que já foi do marido e hoje é ocupada pelo adversário do grupo político que integra, o demista Antonio Elinaldo. 


Grife 2 Tanto na disputa por uma das 21 cadeiras no Legislativo, como na cobiçada poltrona do Paço Municipal, a doutora Ivoneide não vai encontrar caminho livre e cheio de flores dentro do PT dos vereadores Dentinho do Sindicato, Jackson Josué, José Marcelino e Téo Ribeiro. Jackson, o 2º na ordem alfabética da bancada, tem registrado empoderamento crescente com sua votação para deputado estadual. Diferente dos companheiros de bancada, o petista tem buscado assumir o lugar de líder da oposição, caminho trilhado  pelo hoje  alcaide Elinaldo nos 2 mandatos de vereador. 


Grife 3 Outro que não abre mão do sonho de comandar sua cidade natal e avançar na história familiar ao ir além do mandato de vereador do seu pai é Téo Ribeiro. Dono de 5 mandatos consecutivos, Téo se mostra mais discreto, mas não menos focado. Nesse feudo, os vereadores Marcelino e Dentinho são os que aparecem com menos chances.  


Grife 4 O PCdoB, aliado histórico e dono de uma das 5 cadeiras da bancada oposicionista também quer mais espaço. Além do projeto de reeleição de Binho do 2 de Julho, partido investe alto num quadro histórico, o presidente do sindicato dos metalúrgicos, Júlio Bonfim.  


Grife 5 Com presença diária na mídia paga pelos cofres da entidade que dirige, o comunista pode ser o nome do ‘B’ para a cabeça de uma outra chapa no campo oposicionista. Ou o candidato ‘preferencial’ para a Câmara de Vereadores. Mas, definição não passa apenas pelo PT de Caetano e aliados. Sucesso do dirigente sindical nessa nova empreitada depende muito de qual linha de montagem a Ford vai adotar e seus reflexos na base de trabalhadores da montadora, seu principal reduto. 


Subtração Na contramão do movimento sindical brasileiro, desidratado e em processo acelerado de inanição, com o fim da contribuição sindical compulsória, grupo de servidores de Camaçari prepara montagem de uma nova estrutura para defender apenas os trabalhadores da saúde. 


Subtração 2  Confirmada a obtenção da dificílima carta sindical fornecida pelo governo federal, o já desmobilizado e pouco representativo sindicato dos servidores do município (Sindsec) vai enfrentar dias ainda mais difíceis. Dos cerca de 5 mil servidores do município, cerca de 2 mil estão alojados na estrutura da saúde. Além do Sindsec, que não soma 500 associados, num universo de  pouco mais de  mil, município conta com o sindicato dos professores da rede municipal (Sispec) que representa, com ou sem filiação sindical, cerca de 1.600 profissionais das 105 escolas mantidas pela prefeitura. 


Poderosas As cantoras Nadja Meireles e Jaguarana Eulália soltam a voz nessa sexta-feira (8), na praça Montenegro. Festa de abertura do março mulher Camaçari também conta com a presença de outra guerreira, Dona Nildes, comandante do grupo cultural Espermacete. Poesia, dança e apresentação do monólogo com Teka O’ Neill completam a festa marcada para começar às 16h. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor)


8/3/2019

 





Podium

Podium  A secretária de cultura de Camaçari (Secult) acaba de colar no peito do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) mais um prêmio de desprezo às regras mínimas de convivência entre pessoas e cumprimento da legislação que rege a gestão da coisa pública. 


Podium 2 Depois de usar as redes sociais para pressionar servidores comissionados a comparecerem a um evento patrocinado pela sua pasta, como denunciou o Camaçarico (Confira), numa gritante prática de crime de improbidade administrativa, a titular da Secult, Márcia Tude, promove outro condenável e não menos desrespeitoso movimento contrário aos princípios da 'Legalidade', da 'Impessoalidade', da 'Moralidade', da 'Publicidade' e da 'Eficiência' no serviço público. 


Podium 3 Coluna apurou que na quarta-feira a secretária retirou sumariamente da sua equipe e mandou à disposição da secretaria de administração (Secad) uma servidora de carreira que 'teria sido' a responsável pelo vazamento da sua postagem convocatória, em vários grupos de WhatsApp. 


Podium 4 A doutora Márcia, que é filha do 3 vezes prefeito do município e atual vice-prefeito, José Tude (DEM), parece se considerar imexível e erra pela 2ª vez em menos de uma semana. Usar seu poder para pressionar servidor é crime de improbidade administrativa. Muito mais que correr riscos de uma ação e consequente condenação, Márcia Tude mostra que segue regras antigas, dos tempos em que o gestor municipal podia tudo e não era contestado. 


Podium 5 Eram os bons tempos da Justiça aliada, do Ministério Público que não via nada, e do Tribunal de Contas do faz de conta, da imprensa quase  que totalmente controlada. Agora, os tempos são outros com a internet e suas redes sociais, fundamentais para botar as estruturas públicas de controle e fiscalização para trabalhar. Felizmente, essa velocidade e transparência crescentes têm se tornado assustadoras e vorazes para os amigos das sombras. 


Podium 6 Mas, a doutora Márcia não está sozinha. Parece que o alcaide Elinaldo não dá muita sorte com parte da sua equipe de secretários e auxiliares diretos. Nessa lista de coladores de medalhas, buracos e notas baixas na sua gestão, a Coluna não pode deixar de destacar, pela importância estratégica das pastas, as doutoras Neurilene Martins, titular da educação (Seduc), e Joselene Cardim, da infraestrutura (Seinfra). 


Podium 7  Só agora, 2 anos depois de assumir o posto, a doutora Neurilene consegue entregar o fardamento completo para os cerca de 33 mil alunos das 105 escolas da rede muncipal espalhadas na sede, orla e zona rural. Ainda na caderneta de notas baixas da titular da Seduc, a Coluna lembra a denúncia de superlotação de professores e servidores na creche do Nova Vitória, nunca esclarecida de forma convincente. 


Podium 8 Outra medalha  distante do 'Honra ao mérito' é a Escola Denise Tavares. Fechada em meados do ano passado por problemas estruturais e risco eminente para seus cerca de 1 mil alunos com idades entre 11 e 15 anos, servidores e professores, unidade localizada na Gleba B continua com indefinição do início e todo o cronograma de obras e retomada normal das atividades pedagógicas. Parte segue espalhada por unidades da rede municipal, enquanto  um grupo foi alojado num prédio improvisado e problemártico na avenida Radial A.     


Podium 9 Apesar da 'fama' de tocadora de obras, a doutora Joselene, outra medalhista, segue engasgada com as obras da avenida Jorge Amado. Serviços iniciados no ano passado não apenas deixaram a principal entrada da cidade feia e engarrafada. A falta de planejamento e de um cronograma realista resultaram em gastos desnecessários do dinheiro público com serviços inacabados e que custarão novos recursos para as obras de remendo.


Podium 10 A pouca transparência parece ser outra 'medalha' da doutora. O editor do Camaçari Agora também espera a marcação da entrevista, solicitada em julho do ano passado, para que a titular da Seinfra explique de forma detalhada as obras de retomada do programa de reurbanização da bacia do Rio Camaçari e toda a herança maldita deixada pelos ex-prefeitos Luiz Caetano (PT) e Ademar Delgado (sem partido). 


Podium 11 Agir rápido, cobrar respostas e colocar a medalha da responsabilidade em quem tem a obrigação de fazer as coisas andarem é tarefa inadiável para o alcaide Elinaldo. Do contrário, só vai perder pontos e fôlego na corrida pela construção de uma Camaçari melhor para todos, com o consequente reflexo na sucessão de outubro de 2020. 


 Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho  joaoleite01@gmail.com (Editor)
22/2/2019

 





Modus operandi

Modus operandi Não é só o prefeito da cidade pernambucana de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB), que faz pressão sobre servidores que ocupam cargos comissionados para  participarem de eventos. A secretária de cultura de Camaçari, Márcia Tude,  também usa o mesmo condenável e ilegal expediente. 


Modus operandi 2 Em recente postagem a filha e herdeira política do 3 vezes alcaide e atual vice-prefeito do município de Camaçari, José Tude (DEM), usou o mesmo  condenável expediente para  fazer volume na sua festa de entrega do prêmio de R$ 10 mil  para 30 mestres e mestras do camdomblé e da capoeira, terça-feira (19), no Teatro Cidade do Saber (TCS). 


Modus operandi 3 Seguindo o velho estilo da política de intimidação, comum na Camaçari desde os anos 1980, a doutura Márcia nem esconde as digitais numa ação que  pode ser considerada prática de crime de improbidade administrativa. Na sua postagem numa rede sociail ela diz: 'Haverá lista de presença. Quem não puder comparecer, favor apresentar atestado para Sheila. Favor dar ciência.' 


Modus operandi 4 Postagem, não apenas coloca a d.Sheila na fogueira. Comprova um modelo comum e consensuado de pressão sobre funcionários ao ser reproduzida por fiéis escudeiros pouco preocupados com o que seria respeito à coisa publica. 


Modelo  Por falar em Prêmio Mestres e Mestras da Cultura, a Coluna lamenta a forma como a distribuição dos R$ 300 mil foi distribuída. Sob o manto de 'prêmio', e não 'projeto cultural', o dinheiro será de uso livre do premiado. Ainda na fase pré-projeto, o Camaçarico questionou numa reunião setorial do conselho, a falta de contrapartida desse valor que deveria ser empregado em ações, oficinas ou qualquer outra atividade ministradas por esses mestres, como forma de preservação e transferência dos seus saberes para as novas gerações. Parece que a opção pelo prêmio já estava definida.


Modelo 2  Comum nos conselhos setoriais existentes no município, o conselho de cultura seguiu a regra do 'amem' e nada debateu. Formado por representantes da comunidade, produtores culturais e prefeitura, colegiado apenas referendou a proposta apresentada pela direção do conselho em comum acordo com a secretaria da cultura. 


Em observação  Parece que surtiu efeito a 'vacina' espalhada na imprensa pelo DEM, sobre a inviabilidade legal de nomeação do ex-prefeito de Camaçari e deputado com a eleição anulada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Caetano. A ducha de água fria nos planos  do petista  se confirmou no começo da semana quando o governador Rui Costa anunciou os últimos nomes para o  novo secretariado. 


Em observação  2  A pasta das relações institucionais, prometida  a Caetano, segundo petistas disseram à Coluna, permaneceu com Cibele Carvalho. Para evitar desgaste político com questionamentos na justiça e reflexos negativos na mídia, o governador, que não morre de amores pelo companheiro, preferiu aguardar a última cartada do petista com o julgamento de sua ação no Supremo Tribunal Federal, que terá como relator o ministro Gilmar Mendes.


Missão A titular da pasta de desenvolvimento social e cidadania (Sedes) Andréia Montenegro, não vai deixar o cargo em março do próximo ano para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores. Apesar da intensa movimentação nas redes sociais, vendendo sua atuação e a nova Sedes, a partir da sua chegada em janeiro, a jovem advogada fica até o final do mandato do alcaide Elinaldo, em dezembro de 2020. Fonte da Coluna garante que não vai ter essa de 'cavalo passar selado' e ela deixar o posto para seguir a tradição política da família. 


Descompromisso  Quase 1 mês após a reinauguração das obras de requalificação da praça em homenagem a ialorixá Mãe Eulina, a estrutura de comunicação da prefeitura ainda não conseguiu promover a retificação do nome da importante camaçariense que batiza o espaço localizado no bairro da Bomba, sede do município. 


Descompromisso 2  Parece que o alerta do Camaçarico (Confira) não sensibilizou quem é pago para fazer o que tem que ser feito, corrigir o mal feito, e não ficar feito estrangeiro fazendo de contas que a preservação da história da cidade e sua gente é coisa sem efeito. 


Alô, Alô  Depois da justíssima homenagem ao repórter fotográfico Otoniel Novaes, 'Seu Alan' como era conhecido, que agora batiza a sala de imprensa instalada na Câmara de Vereadores de Camaçari, o presidente do Legislativo, Jorge Curvelo (DEM) precisa promover uma correção histórica. 

Alô, Alô 2  Instalar a placa que indica o vereador Osvaldo Nogueira como nome do plenário da Casa é mostrar boa vontade e reconhecimento da atuação de importante figura da cena política da Camaçari  dos anos 1980. Vereador pelo PMDB entre 1982 e 1986, Osvaldo Nogueira morreu em agosto de 2009, aos 73 anos. 


Confira todas as Colunas acessando o link  http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)
20/2/2019

 





Negócio bom

Negócio bom O alcaide Antonio Elinaldo precisa agir rápido para garantir de forma equilibrada e justa uma solução para a manutenção do funcionamento da Feira de Camaçari, sem abrir mão dos interesses da cidade, dos trabalhadores da feira e dos contribuintes, independente de serem clientes ou não do maior centro de compras da região. 


Negócio bom 2  A decisão do juiz César Borges determinando 30 dias para que a prefeitura encontre uma solução para acabar com os gastos do município com a manutenção do equipamento é mais um teste para a gestão do demista. Como mostrou reportagem do Camaçari Agora (Confira), o titular da Primeira Vara da Fazenda Pública de Camaçari deu prazo até 12 de março para que a gestão municipal apresente uma solução para sanar a inadimplência dos permissionários do espaço com as taxas de condomínio. 


Negócio bom 3  Mesmo reconhecendo  o grave prejuízo que centenas de famílias terão com o fechamento da feira, como admite na sua decisão, o titular da Primeira Vara da Fazenda Pública de Camaçari não descarta a dura medida. Sugere ainda qua a prefeitura acione os inadimplentes e promova um  processo de licitação para troca dos permissionários que estão sem pagar a taxa condominial.


Negócio bom 4  A Feira de Camaçari sempre foi um equipamento usado para atender interesses políticos dos governantes de plantão. Sem nunca terem pago um centavo de despesas com segurança, limpeza, água e luz, permissionários em boa parte escolhidos por interesses pessoais dos alcaides anteriores, como destaca a decisão do próprio magistrado, se acostumaram com o lucro livre de qualquer contrapartida para o dono do espaço, no caso o município de Camaçari. 


Negócio bom 5  Com o aumento da cobrança da responsabilidade fiscal das prefeituras e a crise econômica os custos, antes diluídos na conta da política, aumentaram e exigiram novos posicionamentos e transpar~encia com o dinheiro do contribuinte. Mesmo assim a manutenção da feira com despesa 'zero' para permissionários prossegiu, apesar do prejuízo para a cidade. Os ex-alcaides Luiz Caetano (PT) e Ademar Delgado (sem partido), responsáveis por  parte dessa herança maldita, e devidamente acionados na Justiça por crime de improbidade, prosseguiram com a prática de agradar os feirantes, mesmo gerando um prejuízo mensal de alguns milhões para os cofres do município.


Negócio bom 6  Ex-feirante e agora prefeito sabe que a sua condição de responsável por algo muito maior, que é a cidade de todos os feirantes e compradores, precisa exercer os lados 'vendedor' e 'cliente'. O equilíbrio do gestor precisa agregar a capacidade do vendedor que, por princípio, tem que passar sua mercadoria para frente e garantir sua sobrevivência. Mas, o alcaide também não pode deixar de olhar pelo olho do cliente. Assim como quem compra a mercadoria, o município também não pode perder dinheiro.


Negócio bom 7  O gasto equilibrado do dinheiro público é a chave na negociação que precisa unir vendedor, cliente e poder público. Oferecer alternativas para que vendedor pague suas dívidas de forma justa, e clientes fiquem satisfeitos, sem prejuízo para a cidade, é o lucro cobrado pela Justiça e que todos querem e esperam. 'Negócio bom' é negócio quando todos lucram, costumam dizer os próprios comerciantes. 


Release  A pós-tragédia alheia é sempre um bom momento para autoridades locais se arvorarem defensoras da lei e da segurança da população. Foi assim após o incêndio da boate Kiss, em janeiro de 2013, quando 242 pessoas morreram na casa de espetáculo da cidade gaúcha de Santa Maria. Comovida e empurrada pela indignação, a prefeitura de Camaçari, como centenas de outras gestões municipais, iniciou um intenso trabalho de fiscalização e cobrança de ajustes na segurança das casas de espetáculos. Exatos 6 anos depois a situação de insegurança nesses espaços continua como dantes no quartel de Abrantes. Nessa conta também entra a farmácia Pague Menos de Camaçari, com 9 mortos, em 2016.


Release 2  Agora é a tragédia da barragem de Brumadinho, que já conta 165 mortos oficiais e mais de 150 desaparecidos, que acorda e empurra as autoridades para seu trabalho de prevenção. Rápidas e eficientes como as ações preventivas adotadas pela Vale, dona da barragem mineira, a Defesa Civil e a secretaria de desenvolvimento urbano e meio ambiente (Sedur) iniciam a cobrança da Embasa e da Cetrel. Querem os estudos de segurança e a situação das barragens situadas no município e sob a responsabilidade desses empresas. 
 
Dendê  O desastre midiático em que se transformou o aniversário da socialite cinquentona Donata Meireles, em terras baianas (Confira), vai muito além da cadeira de sinhazinha ou ialorixá, transfromada em assento símbolo da polêmica. Graças às redes sociais, a festa vip no Palácio da Aclamação, antiga morada dos governadores da Bahia nas primeiras 6 décadas de 1900, ganhou pimenta e esquentou uma discussão sobre a Bahia, sua gente, sua história, e o que queremos para o futuro. 
 
Dendê 2  Imediatamente interpretada por milhares de internautas como símbolo de desigualdade e desrespeito às nossas heranças e sofrimentos, a cadeira usada pela agora ex-diretora da revista Vogue Brasil, ejetada justamente por conta da polêmica, parece ter lugar numa outra discussão mais ampla e introduzida pelo esposo da socialite paulistana. Em recente artigo, o publicitário baiano Nizan Guanaes fala sobre seu sonho de ver uma Salvador no roteiro internacional do turismo para ricos e endinheirados.


Dendê 3 Imaginando 2029, portanto daqui 10 anos, o criativo, premiado e  bem sucedido Nizan defende até a transformação de outro palácio, não o Aclamação, mas o Rio Branco, na praça Tomé de Souza, em hotel para atender o turismo vip. Proposta avança sobre a Rua Chile, onde ainda segundo Nizan, seria ocupada por lojas de grifes internacionais para consumidores de altíssimo poder aquisitivo. O texto completo, publicado no jornal Correio 24h pode oferecer novas pistas sobre o destino, a origem e a presença da famosa cadeira num mobiliário mais amplo (Confira).


Fake A morte do jornalista Ricardo Boechat fez emergir uma lista interminável de amigos da liberdade de imprensa de todos os tamanhos e matizes. Até quem não gosta de jornalista, não pratica jornalismo, critica o jornalismo, conspira contra o jornalismo e odeia a liberdade de expressão quando a informação fere seus interesses particulares ou do seu grupo lamentou o trágico acidente que vitimou o âncora do Jornal da Band e da FM Band News. A perda de um dos mais importantes representantes do que deveria ser a regra no jornalismo, infelizmente continua sendo a exceção.   


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)
14/2/2019

 





Legado

Legado  Se não cair em tentações, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) pode deixar um importante marco simbólico e de melhoria da qualidade de vida de Camaçari com a construção de uma grande área de lazer no Morro da Manteiga. Concurso para escolha de  projeto de requalificação da área de mais de 700 mil metros quadrados tem tudo para fugir da mesmice dos interesses religiosos e miúdos que orientam a política paroquial camaçariense.  


Legado 2  Nota distribuída pela prefeitura fala em ‘60 dias para o lançamento do concurso e mais 4 meses para elaboração das propostas’, portanto até agosto para que o ‘concurso público nacional’ esteja com sua fase 1 concluída. Nessa etapa, sob a responsabilidade do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), serão escolhidos os melhores projetos. A Coluna apurou que os custos iniciais dessa fase giram em torno de R$ 450 mil com edital, divulgação e outras medidas. 


Legado 3  Na fase 2, sob a responsabilidade da prefeitura, é definido o chamado projeto executivo que determina os custos da obra e como ela será financiada. Arquitetos ouvidos pela Coluna estimam que os custos para um projeto de tamanha importância e visibilidade não serão inferiores a  R$ 4 milhões. Se quiser avançar e garantir a viabilização do projeto no esquadro e longe dos 'arquitetos da política', o alcaide não pode prescindir da parceria com o IAB em todas as etapas do projeto.


Legado 4 Por falar em cronograma, a quantas anda o projeto de  requalificação do centro antigo  de Camaçari. Prometido para o ano passado, obra sequer avançou para uma mão de cal no antigo cinema, na sede dos 3 poderes municipais e na antiga estação de trens. Se está faltando pessoal para viabilizar o prometido, a solução pode ser chamar os universitários do IAB. 


Campeã  Camaçari continua bem posicionada no ranking de homicídios da Grande Salvador. Na conta da secretaria de segurança pública (SSP-BA) que exclui apenas a capital, Camaçari continua imbatível.  Entre janeiro e setembro de 2018,  período listado no site da SSP,  município somou 138 assassinatos. Os destaques foram os meses de maio (20) e junho (23). Em janeiro desse ano a soma oficial aponta 14 homicídios, 3 registros a menos que no mesmo mês de 2018.


Perna curta  O governo segue sem apresentar uma resposta convincente para a discrepância de educadores e servidores lotados na creche do bairro Nova Vitória. Em entrevista quarta-feira passada (30), ao radialista Roque Santos, na Sucesso FM 93,1, a secretária de educação de Camaçari, a professora doutora Neurilene Martins botou mais fermento. 


Perna curta 2  Em mais uma tentativa vã de incriminar a Coluna e seu editor como responsáveis pelo que a doutora chama de ‘exposição de profissionais que trabalham’, a titular da Seduc acrescentou nova informação à caderneta já recheada de imprecisões. Disse que a lista do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)  com 10 vezes mais profissionais que a  capacidade da escola  de 40 alunos e apenas duas salas de aula foi um erro ‘na transmissão de dados’  entre ‘a Secad (secretaria de a administração) e Controladoria em relação ao código dos servidores’.  


Perna curta 3  Diferente da fala da secretária, a nota oficial da prefeitura, postada na íntegra na Coluna do dia 23 de janeiro (Confira), cita apenas a Seduc e a Secad. Nem a nota, muito menos a  secretária na sua econômica e atropelada explicação desfizeram as dúvidas. Sequer explicam o porquê do erro cometido durante todos os 10 primeiros meses de 2018. 


Anti-histamínico  O doutor Cleovaldo Gonçalves Batista, ex-procurador-chefe da Câmara Municipal de Vereadores de Camaçari, precisa prestar esclarecimentos ao Ministério Público sobre a acusação feita por procuradores concursados e empossados em 2018, de dificultar o acesso a procedimentos licitatórios e papelada da burocracia que os servidores precisariam acompanhar. 


Anti-histamínico 2  Indicado pelo ex-presidente da Casa, o tucano Oziel Araújo, e fora do poder desde janeiro, quando assumiu a presidência do Legislativo o demista Jorge Curvello, o doutor Cleovaldo pode ser enquadrado por ‘improbidade administrativa’. Esse distúrbio alérgico, comum no receituário da máquina administrativa de Camaçari, desde os tempos pré-polo petroquímico, não passa de um ato ilegal ou contrário aos princípios básicos da administração pública cometido por agente público, durante o exercício de função pública ou decorrente desta.


Anti-histamínico  3  Independente da disputa de poder que envolve servidores e seu interesses partidários dentro e fora da base do governo municipal, com interferência no dia a dia da máquina administrativa, a nova titular da procuradoria do Legislativo, doutora Daniele Furtunato, que assume o posto nos próximos dias, precisa mostrar que é, quer, e vai praticar a transparência com a coisa pública como manda a Lei.


Guarda Pelé A superintendência de trânsito e transportes da Camaçari (STT) precisa reprogramar o conjunto de semáforos na área da Estação Rodoviária. Conexão principal para quem chega a Camaçari e segue em direção ao centro e bairros localizados do outro lado da via férrea, sinaleira provoca uma desnecessária retenção de veículos superior a 60 segundos. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)
6/2/2019

 





Lexotan

Lexotan Deputado federal e ex-prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT), corre contra o relógio e tenta garantir sua permanência no Congresso Nacional a partir de sexta-feira 1º de fevereiro, quando começa um novo mandato para os 513 deputados e parte dos 81 senadores da República.  A semana começou com  a apresentação de recursos  no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no Supremo Tribunal Federal (STF).


Lexotan 2 Na segunda-feira (28) o parlamentar entrou com um recurso extraordinário no TSE, onde pede que o processo seja remetido para julgamento do STF. Caso o TSE negue o pedido, a defesa de Caetano entra  outro instrumento para que o  processo siga para o Supremo analisar  os aspectos que o candidato considera necessários para  assegurar seus direitos que ele acredita não terem sido observados no julgamento.


Lexotan 3 Na outra ação, impetrada no começo da tarde de terça-feira (29), Caetano pede uma liminar  solicitando justamente a suspensão dos efeitos da sentença do TSE, que na sessão de 27 de novembro do ano passado decidiu por 7X0 torná-lo inelegível com base em condenação da Lei da Ficha Limpa (Confira).


Lexotan 4 Tanto na ação impetrada no TSE, como no pedido de tutela provisória de urgência apresentado ao STF,  a defesa de Caetano alega que  não houve enriquecimento ilícito do ex-prefeito, muito menos de terceiros, no caso a fundação Fhunami, responsável pela produção de material escolar que deu origem a ação por ato de improbidade.


Lexotan 5  Nesse limite entre fim e começo de novo mandato, o estresse toma conta de todos os lados. Mesmo confortáveis com o histórico de decisões até agora tomadas que deixa Caetano ferido e com restrições de combate na batalha municipal de 2020, os demistas aguardam. Com dose de estresse maior, apesar do discurso otimista para consumo  externo, os caetanistas seguem fazendo figa e apostando numa virada.


Lexotan 6 Outro que acompanha com olho gordo é o pessedista Charles Fernandes, declarado eleito pelo TSE com a inelegibilidade do petista. Autor da ação que tornou nulo o diploma de Caetano, o ex-prefeito de Guanambi, liderado do senador Otto Alencar e, como Caetano, da base do governador Rui Costa, segue oficialmente no time do não me comprometa.


Ausente  Apesar do discurso de defesa da categoria e promessa de muita luta, o sindicato dos professores da rede pública municipal de Camaçari (Sispec), desde novembro do ano passado encabeçado pela professora Márcia Novaes, segue mudo sobre a denúncia do Camaçarico. Coluna contou no site Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) mais de 140 professores e servidores numa creche municipal com apenas duas salas de aula e cerca de 30 alunos (Confira). 


Ausente 2  Outra estrutura que faz de conta que os estranhos números exibidos no site do FNDE não passam de um mero erro e não precisam de explicação detalhada é o conselho municipal de educação (CME). Presidido pela professora Lenieverson Nascimento, até pouco tempo assessora especial da secretária Neurilene Martins, estrutura criada para fiscalizar os atos da Seduc tem a participação de representantes de todos os segmentos da sociedade. 


Ausente 3  Completa a caderneta de omissão o conselho municipal  de acompanhamento e controle social do fundo de manutenção e desenvolvimento da educação básica e de valorização dos profissionais da educação (CACS-Fundeb). Assim como o CME, o CACS-Fundeb, que prefere ignorar sua função de averiguação das denúncias de superlotação da Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória,  tem na sua composição, além da presidente do CME,  conselheiros representantes dos estudantes, professores, diretores de escolas, pais, servidores e conselho tutelar.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


30/1/2019

 





Quadro

Quadro A manifestação oficial da prefeitura de Camaçari, buscando colocar um ponto final e esfriar a denúncia do Camaçarico sobre a discrepância de funcionários listados numa creche com número 13 vezes maior que o necessário, não parece ser consenso no governo do alcaide Antonio Elinaldo. Figura de destaque na atual gestão, a professora e ex-candidata a vereadora Maria Luiza D'Errico, insiste em continuar polemizando e tentando atingir o editor da Coluna como se a imprensa fosse a culpada pelos erros da gestão. 


Quadro 2 Mesmo sem ser citada na denúncia postada dia 22 (Confira), a profª usou no dia seguinte sua conta pessoal no Whatsapp para acusar o editor de praticar 'fake news' e se aliar  'aqueles que choram incessantemente a perda do poder', numa referência direta ao grupo liderado pelo ex-prefeito Luiz Caetano (PT). Diante da agressiva acusação feita pela educadora o editor não poderia deixar de citar e comentar a sua postagem, reproduzida na íntegra na edição do dia 24 (Confira). 

Quadro 3 Agora, sob alegação de que foi citada, depois de agredir o editor com um texto anterior distribuído numa rede social  no dia 23, exigiu 'Direito de resposta'. Alegando que não foi atendida no seu e-mail enviado na manhã de sexta-feira (25), a profª,  seguindo seu cronograma e desconhecendo a mecânica de funcionamento de um veículo de comunicação, posta a sua 'resposta' no dia seguinte, sábado (26), na sua conta pessoal no facebook, que a Coluna reproduz na íntegra abaixo. 

Quadro 4 Além de tentar atingir o jornalista, a profª D'Errico mostra seu estilo caça às bruxas, quando diz que vai descobrir quem passou as informações para a Coluna, segundo ela gente familiarizada com as 'minúcias' e 'atalhos' no site do FNDE.  Com linguajar comum nas estruturas autoritárias de poder conclui com a pérola: 'Mas, isso, logo se esclarecerá, porque não se tapa o sol com a peneira.'



Quadro 5 Já que a profª gosta tanto de transparência e se apresenta como uma espécie de 'porta-voz' dos educadores e, por tabela, do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) e da doutora Neurilene Martins, titular da Seduc, que nada fala, como se o erro passasse longe do seu computador, poderia ajudar a esclarecer alguns pontos nebulosos. 

Quadro 6 A Coluna apurou que o acesso ao sistema de informação sobre orçamentos públicos em educação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) é privilégio de não mais que 3 ou 4 servidores graduados e de confiança da gestão. Teria a profª alguma responsabilidade sobre o controle desses números postados de forma equivocada, segundo a nota assinada pelas secretarias de educação (Seduc) e de administração (Secad). 

Quadro 7  Ao invés de tentar construir um debate raso e 'fake' sobre jornalismo e ética no tratamento da informação, a profª prestaria uma grande contribuição explicando a professores e população o porquê da reprodução do erro em todos os meses (janeiro/outubro) publicados em 2018 no site do FNDE, como mostrou a Coluna do dia 23 (Confira).

Quadro 8 Mas, essa não parece ser a estratégia da profª D'Errico. Em tese, experiência política e apoio familiar com presença e cargos na atual gestão deveriam lhe ajudam a fazer uma leitura mais profunda. Membro de tradicional família de políticos foi candidata derrotada à Câmara de Vereadores nas eleições de 2016, quando somou 452 votos e ficou na 9ª suplência, distante mais de 1.100 votos do último dos 6 eleitos pelo seu partido.


Quadro 9 Além de  cargos para familiares na atual gestão, distribuídos pelo alcaide Elinaldo, fruto de acordos políticos, a profª D'Errico também  coleciona  importantes graduações na gestão pública, onde é professora aposentada. Foi assessora  especial da Seduc nos governos José Tude/Helder Almeida (1997/2004).

Quadro 10  Diferente do que imagina a profª, essa 'cruzada' contra a imprensa não rende louros ao governo do seu aliado, o alcaide Elinaldo. Tudo que deseja um grupo político hábil e capaz de enxergar além do muro é se cercar de gente discreta e capaz de gerar fatos positivos, e afastar os desgastes para longe da sua gestão, de preferência colocar no colo do adversário.

Quadro 11 Mas, a profª D'Errico não pensa assim e carrega na tinta vermelha a caderneta  do prefeito Elinaldo ao render  um assunto que a gestão, sem resposta convincente, prefere esquecer e colocar na conta do erro na transferência de informações para o site do governo federal.

Íntegra da carta da educadora 


Senhor jornalista,
tendo em vista que o meu nome foi citado na publicação do noticioso que é sua responsabilidade, em coluna que leva a sua assinatura, e sabendo da responsabilidade legal que lhe toca, peço que publique, com o mesmo destaque, a resposta às acusações que o senhor me faz, conforme segue abaixo. Sem mais, e desde já agradecida, 
Maria Luiza D'Errico Nieto


Caro João Leite, 
Sigo afirmando, categoricamente, que a chamada "denúncia",   é um trabalho "jornalístico" de desserviço aos educadores  e servidores administrativos sérios, comprometidos com as crianças e jovens do nosso Município - já que, em decorrência,   expuseram  nossos colegas, em total desrespeito à privacidade de todos e os constrangendo publicamente. 
Resultou desse episódio, uma busca pelos nomes dos servidores públicos, listados no site ao qual o Senhor se referiu. Não sente nisso uma consequência da sua precipitada ação? Ou as pessoas são insignificantes? Na minha avaliação, o comedimento cabe em qualquer situação, mesmo a do jornalismo. Antes de "catar", informações de fontes às quais o Senhor tem o direito de guardar o sigilo, e divulgá-las sem a menor parcimônia, teria sido mais mais decente,  buscar nos órgãos municipais responsáveis pela alimentação dos dados no site do FNDE, apurar tal discrepância entre estrutura física, na capacidade de atendimento de aluno e de lotação de servidores, versus  número estapafúrdios assentados na  fonte.
Daí veio a minha estranheza. O Senhor, precisaria ser, no mínimo, familiarizado com o acesso aos pormenores do site, para obter, tão rápido essas minúcias. São atalhos que lhe foram passados por alguém de muito "perto". Mas, isso, logo se esclarecerá, porque não se tapa o sol com a peneira.
O que, na verdade, se tentou criar, foi sim, um factoide, muito em moda na atualidade. Esclareço, Senhor João Leite, que o açodamento está caracterizado é na sua atitude. Como munícipe e, sobretudo, como educadora conhecedora dos dados verdadeiros, irrefutáveis,  fidedignos portanto, é meu dever, não somente de ofício, mas de cidadã que zela, cuida, defende, trabalha e luta pela sua comunidade, sua cidade e respeita seus colegas educadores, ESCLARECER a todos quantos se sentiram aviltados por essa distorcida informação e divulgação, que a tentativa de provocar um fato jurídico ou político, morreu no nascedouro. É Fake news!
Sempre que o Senhor desejar publicar dados referentes à Educação, a Secretaria é aberta para todos, indistintamente. Lá obterá informações e dados lastreados na verdade, sem nenhuma distorção. Sinta-se à vontade!

Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)
28/1/2019


 

 





Dá um Google

Dá um Google A equipe do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) precisa ter mais cuidado com a cidade para a qual trabalha. A inauguração da nova praça em homenagem à ialorixá Mãe Eulina, na noite de terça-feira (22), no bairro da Bomba, sede de Camaçari, terminou virando uma festa de erros. Começou pelo nome da importante camaçariese, nascida num 21 de outubro da primeira década de 1900, e identificada na placa como Maria Eulina, quando sua certidão de batismo indica Eulina Maria da Silva.


Dá um Google 2 A estrutura responsável pelo projeto visual da praça não só errou no nome como retirou o seu mais importante título. Espaço sempre foi conhecido como praça Mãe Eulina, numa referência a sua identidade religiosa e importância para a preservação e fortalecimento do candomblé e as tradições da religião de matriz africana. Agora é substituir o adesivo com a identidade certa e restabelecer a história. 


Cautela  O ex-prefeito de Camaçari e ex-deputado federal a partir de 1º de fevereiro, Luiz Caetano (PT), segue esperançoso na luta pela recuperação do mandato tirado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A Coluna apurou que o parlamentrar recorre em fevereiro com agravo no TSE, e liminar pedindo o direito de assumir o mandato no Supremo Tribunal Federal (STF). Como os prazos não se esgotam nesse janeiro, Caetano espera fevereiro quando o ministro Luiz Fux, pedreira na certa para suas pretenções, já deixou o plantão. 


Premonição Foi do vereador Rui Magno (DEM) a pérola dos discursos na noite de inauguração da praça Mãe Eulina. Embalado, o edil não perdeu a oportunidade para fazer sua média diferenciada com o alcaide Antonio Elinaldo. Inspirado, lembrou que o gestor é tão eficiente, mas tão eficiente, que inicia uma obra ‘num piscar de olhos’, antes mesmo do vereador fazer o requerimento pedindo o benefício.


Premonição 2 Na verdade, o que o vereador governista não poderia dizer é que a obra  termina ganhando padrinho com o requerimento ‘solicitando’ a melhoria,  já estava prevista no cronograma da prefeitura. Nesse jogo de compadre para beneficiar aliados, comum em todas as gestões, até vereadores oposicionistas estão tentando  tirar uma casquinha com pedidos de serviços. 


Travada Continua engasgado no torniquete o projeto de implantação da meia passagem aos domingos e feriados no sistema de transporte coletivo de Camaçari. Apresentada em 2017 pelo vereador demista Junior Borges, ainda na gestão do ex-petista e depois sem partido, Ademar Delgado, proposta segue longe de ser viabilizada no governo do companheiro de partido Antonio Elinaldo.


Travada 2 Assim como Ademar, Elinaldo segue com o sistema engarrafado por falta de decisões que ofereçam a Camaçari um serviço de transporte decente e seguro. Expectativa é de que a nova gestão da superintendência de trânsito e trnsportes (STT) bote para andar a licitação do sistema de transporte, único roteiro para tornar o serviço seguro e justo. 


Equívoco  Quem resolveu se manifestar sobre as denúncias do Camaçarico sobre o excessivo número de professores e servidores lotados na Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória foi a educadora Maria Luiza D'Errico. Mesmo sem ser citada pela reportagem, a professora e assessora especial da professora doutora Neurilene Martins, titular da secretaria de educação (Seduc), preferiu atacar o Camaçari Agora, chamando a denúncia postada pelo Camaçarico (Confira) de ‘fake news’. 


Equívoco 2 Através de postagem enviada pelo WhatsApp para professores do município, a educadora, membro de tradicional família de políticos da cidade,  tenta desqualificar o trabalho da imprensa e ataca o "jornalista" que ela sempre festejou. No seu texto, que a Coluna teve acesso e reproduz na íntegra abaixo, a professora acusa o editor da Coluna de não buscar a 'fidelidade da informação', e de se aliar a grupos políticos de oposição derrotados pelo atual governo municipal. 


Equívoco 3 No seu afã de defender o governo, ao invés de usar sua reconhecida experiência como educadora do município e ex-subsecetária da pasta, para ajudar a explicar a estranha lista de 146 profissionais, entre professores e educadores, alojados numa creche com duas salas e 30 alunos, a professora terminou engordando a lista de dúvidas sobre o caso, com um discurso agressivo e nada construtivo.


Equívoco 4 Prova de respeito ao direito de resposta, comum na sua linha editorial, foi dada pelo Camaçarico  ao publicar a nota da prefeitura na íntegra, no mesmo espaço e com o mesmo destaque da denúncia. O editor lamenta a dificuldade de algumas figuras públicas em reconhecer o papel da imprensa e reafirma seu compromisso com a informação e com o leitor. 


Confira a íntegra da postagem 


Canalhas vivem de oferecer munição para fake news. 


Assim são todos os que fazem política rasteira. Aí inclusos "jornalistas" que não buscam a fidedignidade da informação, agentes públicos venais e até certos "educadores" de caráter duvidoso. De repercutir dados alarmantes e falsos se "alimentam" os derrotados, aqueles que choram incessantemente a perda do poder, as viúvas carpideiras (escrevi sobre isso).


Quem é verdadeiro educador, quem foi ou é gestor sério de unidade escolar, quem foi ou é secretário de Educação decente sabe que jamais aconteceria esdrúxula informação se não fosse por equívoco no fornecimento e publicação de dados. 


São tão estapafúrdios que apenas nos cabe lamentar o cinismo com o qual riem nas redes sociais por algo que não se sustenta a vida toda: a mentira!


Uma Escola de duas salas de aula, nunca teria um número exorbitante de servidores no Censo Escolar, porque o próprio sistema rejeitaria; os órgãos de controle e fiscalização teriam denunciado. Parem, que está feio!


Querem o poder? Lutem por ele, decentemente. 


Só não rirei da cara de vocês, porque o assunto é sério, além do que nem meu sorriso ou gargalhada vocês merecem.Tenho dito!


Maria Luiza D'Errico Nieto.


(Sobre a fake news referente à Creche da Nova Vitória, publicada pelo Camaçari Agora) 


 
Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


24/1/2019

 

Eulina Maria da Silva, conhecida como sacerdotisa do candomblé 'Mãe Eulina'






A prefeitura de Camaçari garante que não existe funcionário fantasma na secretaria de educação do município (Seduc). Em nota distribuída para a imprensa, na tarde desta quarta-feira (23),  a Seduc e a Secretaria de Administração (Secad) admitem o erro e prometem promover a ‘correção dos dados no Portal do FNDE/MEC’. Ainda segundo o documento (leia íntegra abaixo), a correção vai mostrar que os funcionários listados na unidade, que a prefeitura chama de Creche Municipal Boa Esperança, apareçam no sistema em ‘seus devidos locais de trabalho’. 


A nota da prefeitura não esclarece como um erro tão gritante possa ser cometido durante todo o ano de 2018, período apurado pela Coluna. No documento a prefeitura apresenta como comprovação da veracidade da sua informação a ‘Folha de Pagamento da Seduc' e o 'registro de frequência’. Atribui a erro na informação do ‘código da escola’  a geração do que chama de ‘inconformidade nos dados municipais concernentes à locação de servidores’. 


A Seduc também não explica o que aconteceu para ocorrer tão grande discrepância entre as informações que constam na  ‘Folha de Pagamento da Seduc' e no 'registro de frequência’, diferentes da lista do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Tanto a lista local como a federal são abastecidas diretamente pela Seduc. Através de senha exclusiva para acessar e postar diretamente as informações, a lista do FNDE exibe erros entre janeiro e outubro de 2018, período divulgado no portal federal. 


Em janeiro a unidade com duas salas de aula e cerca de 40 alunos tinha, de acordo com o site do FNDE,  264 profissionais lotados, entre professores e pessoal de apoio. Nos demais meses não houve correção do erro por parte da prefeitura e a lotação continuou muito acima dos 11 profissionais que a Seduc assegura que atuam de forma efetiva na unidade. Em fevereiro foram identificados 256 servidores, em março foi repetido o mesmo número. Em abril subiu para 259, em maio constavam 167, em junho apareciam 137, 1 servidor a mais que  julho (136). No mês de agosto foram listados 148 servidores. Em  setembro esse número subiu para 151. Outubro, com 146 servidores lotados, é o último mês que consta na lista do governo federal. 


Mesmo parecendo sem importância, a nota da  prefeitura também não explica a diferença de nomenclatura da escola, citada na nota oficial como Creche Municipal Boa Esperança, mas listada no portal do governo federal e identificada na fachada da unidade como Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória.


Apesar da certeza de que estava tudo certo e não existia nenhuma irregularidade, a Seduc precisou de mais de 24 horas para negar a existência de fantasmas na creche localizada no bairro Nova Vitória. Denúncia do Camaçarico (Confira) foi postada ontem (22) no começo da tarde.   


Confira a íntegra da nota da prefeitura 


*NOTA DE ESCLARECIMENTO* 


A Prefeitura Municipal de Camaçari vem a público esclarecer as informações veiculadas na imprensa, referente ao quadro funcional da Creche Municipal Boa Esperança, no bairro Nova Vitória, na relação com a pretensa existência de funcionários fantasmas na Secretaria de Educação (Seduc). 


A Creche Municipal Boa Esperança conta com 11 profissionais de carreira lotados e em exercício (sendo 5 professores, 3 assistentes de creche, 1 assistente administrativo, 1 merendeira e 1 porteiro), para atender em tempo integral 33 crianças. Os demais profissionais citados na imprensa como fantasmas, todos de carreira e em pleno exercício de suas funções, estão distribuídos em outras unidades de ensino, bem como em outras unidades administrativas.  


Essa informação pode ser comprovada por meio de dados consolidados na *Folha de Pagamento da Seduc*, bem como através de *registro de frequência* desses servidores, documentos que estão à disposição de qualquer cidadão. Informações equivocadas lançadas no Sistema de Informações sobre  Orçamentos Públicos em Educação (SIOPE),  relativas ao código da escola, entretanto, geraram essa inconformidade nos dados municipais concernentes à locação de servidores. A Seduc e a Secretaria de Administração promoverão a correção dos dados no Portal do FNDE/MEC imediatamente, para que os funcionários apareçam no sistema em seus devidos locais de trabalho.  


Portanto, a Prefeitura comunica que não há qualquer indício de existência de funcionários fantasmas na Seduc, reafirma o compromisso do governo com a transparência e ética como pilares da gestão pública, e reitera o respeito aos servidores da educação.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


23/1/2019



 

Clique na imagem para ampliar




Reprovada

Reprovada  A Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória, em Camaçari, é o que se poderia chamar de modelo mundial de atendimento a crianças. Com 2 salas de aula, binquedoteca e cerca de 40 alunos, a creche que cuida de meninos e meninas de 2 e 3 anos, possui uma média de nada menos que quase 4 profissionais por cada aluno. 


Reprovada 2  Localizada num dos bairros mais violentos do município e dona de uma altíssima média de profissionais por aluno, números sobre a unidade, que em tese provocaria inveja a qualquer modelo de educação em todo o mundo, na verdade não passa de um abrigo seguro para apadrinhados e protegidos do governo municipal que sequer trabalham ou comparecem a unidade.

 

Clique na imagem para ampliar






Reprovada 3  A creche da Nova Vitória exibe números que não apenas assustam e envergonham qualquer educador comprometido com a verdade. Empurram a professora doutora e especialista em gestão educacional, Neurilene Martins, titular da secretária de educação (Seduc), para a coluna dos reprovados por improbidade administrativa.


Reprovada 4  Levantamento feito pelo Camaçarico, com base nos dados públicos postados no site do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), mostra que em outubro de 2018, último mês informado pela Seduc ao FNDE, a creche da Nova Vitória possuía 145 pessoas na sua lista de servidores. Generosa, abriga 74 com magistério e outros 71 classificados como profissionais de apoio, como secretárias, merendeiras, auxiliares de assistência educacional, manutenção, multimeios didáticos e de infraestrutura.


Reprovada 5  Na planilha enviada ao governo federal pela pasta da doutora Neurilene, a creche Nova Vitória também chama a atenção pelo tamanho da dedicação dessa equipe. Ainda de acordo com o site do FNDE, cerca de 70% dos listados na creche possuem carga horária máxima de 40 horas. Ou seja, trabalham 8 horas por dia de segunda a sexta.


Reprovada 6  A Creche da Nova Vitória não se destaca apenas pelo seu grande número de servidores. Também desafia as leis da física. Parece ser um problema  acomodar todos os 145 servidores, junto com os 40 alunos, nas salas, cada uma  com 30 metros quadrados. 


Reprovada 7 Esse número de servidores 'trabalhando' na creche já foi maior. Em janeiro do ano passado o sistema de informação sobre orçamentos públicos em educação do FNDE, o Siope, mostrava que a Nova Vitória possuía 265 profissionais lotados. Os números de todas as 105 unidades escolares do município, até outubro de 2018, última informação postada no site, pode ser acessado pelo link do FNDE (Confira). 


Reprovada 8  A folha da Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória também exibe números grandiosos. Em outubro foram gastos mais de R$ 300 mil com salários que variam, ainda segundo a lista do FNDE, de R$ 728 a quase R$ 12 mil. Continha rápida mostra que a unidade se supera nos recordes. Dividindo esse total gasto com salários pelas 40 crianças atendidas, creche representa uma despesa de cerca de quase R$ 8 mil por aluno. Se fosse cobrar mensalidade, taxa da creche não ficaria menor que R$ 10 mil, valor igual ao pago por 1 estudante de medicina.


Reprovada 9 Para se ter uma ideia da superlatividade dos números da Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória, o Colégio Municipal São Thomaz, com cerca de  900 alunos, portando com quase 30 vezes mais matriculados que a unidade localizada no bairro Nova Vitória, possui cerca de 60 profissionais, entre professores e equipe de apoio nos seus 3 turnos. Isso representa uma média de 15 alunos para cada profissional no São Thomaz, portanto dentro dos parâmetros definidos Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). 


Reprovada 10 Já na planilha enviada ao governo federal pela equipe chefiada pela doutora Neurilene, a proporção da creche Nova Vitória supera qualquer proposta de educação com acompanhamento que se tem notícia no sistema público. Lá, a divisão dos 40 alunos pelos 145 profissionais lotados indica uma média de quase 4 profissionais por cada aluno.


Reprovada 11 Mas, a Escola Municipal de Educação Infantil da Nova Vitória real, que tem professores dedicados, direção comprometida e servidores cuidadosos com seus alunos, segue distante da escola de mentirinha da Seduc. A Coluna apurou que os 40 alunos são atendido em tempo integral por 3 professores, duas assistentes e uma equipe de apoio com merendeira, administrativo e vigilância que não somam 15 pessoas, portanto menos de 10% do batalhão lotado na creche como mostram os números oficiais do governo federal.


Reprovada 12 Como a lista enviada ao governo federal é uma mera fantasia, cabe a doutora Neurilene explicar quem são, onde estão lotados, o que fazem, se trabalham, ou são fantasmas. É sempre bom lembar o artigo 37 da Constituição Federal que exige do servidor público o respeito aos princípios da 'Legalidade', da 'Impessoalidade', da 'Moralidade', da 'Publicidade' e da 'Eficiência'.  


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


22/1/2019

 

Clique na imagem para ampliar




Trator

Trator  Do jeito que Elinaldo vai 'embalado', só o ex-prefeito Caetano é capaz de fazer frente ao demista na disputa pela sucessão municipal em Camaçari de 2020. A declaração é de um caetanista puro sangue que não esconde a preocupação com o impedimento do chefe e o ajuste na gestão do atual alcaide, com um leque de obras e o azeitamento da máquina de cooptação de lideranças. 

Aperto  Mais cauteloso e evitando alarme sobre o potencial em crescimento do atual alcaide, outro importante colaborador caetanista dá praticamente  como  o mandato perdido e sinaliza que a briga agora é  tentar restabelecer os direitos políticos do chefe para que possa ser acomodado num cargo na gestão Rui Costa e dispute as eleições de 2020. Com a inelegibilidade, fruto da condenação com base na Lei Ficha Limpa, Caetano não fica apenas impedido de dispuitar eleição. Não pode ser nomeado para cargo público, muito menos pode participar de empresa que preste serviço a união, estado ou município. 

Versão  Diferente de  alguns aliados, o ex-prefeito Luiz Caetano (PT) segue otimista e garante que não apenas retoma o mandato, como vai disputar, ganhar as eleições, e se vingar do seu hoje algoz Antonio Elinaldo, de quem perdeu em 2016 por quase 30 mil votos de frente. O ainda deputado federal, já que fica sem mandato a partir de 1º de fevereiro, por decisão do TSE (veja nota Jab, abaixo), garante que seus questionamentos na justiça serão atendidos.


Versão 2  Caetano, que conversou com a Coluna durante o cortejo da lavagem de Monte Gordo, orla de Camaçari, também se esquiva sobre seu nome como a liderança condutora do processo sucessório de 2020. Econômico, fala da importância de Rui Costa nessa engenhgaria municipal, e diz que o governador prometer 'surpresa' para os proximos dias. Sobre acomodação de parte de seu grupo de assessores com a perda do mandato, o sempre hábil e gentil Caetano, desconversa. 

Jab  O deputado federal Luiz Caetano (PT) já aparece na relação dos parlamentares não eleitos para mais um mandato de 4 anos (2019/2022). Documento sobre a atualização do processo do parlamentar no TSE, datado de segunda-feira (14),  atualiza  a informação e  passa a constar o registro "candidato não eleito". 


Jab 2  Mesmo com a decisão do Tribunbal Superior Eleitoral de  considerar  sua candidatura impugnada, o nome do deputado ainda aparecia na relação da Justiça Eleitoral como um dos 39 representantes eleitos pela bancada da Bahia para a Câmara Federal. A vaga, como já havia decidido o TSE, será ocupada pelo ex-prefeito de Guanambi, Charles Fernandes (PSD).


Jab 3 O parlamentar e ex-prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT) teve sua candidatura a reeleição impugnada por unanimidade  pelo TSE na sessão do dia 27 de novembro do ano passado, por crime de improbidade com o consequente enquadramento na Lei da Ficha Limpa. Caetano que chegou a receber  o diploma  de  deputado federal pelo Tribunal regional Eleitoral da Bahia (TRE), teve o documento  anulado por nova decisão do TSE.


Três em um  A  BA-528,  uma das  principais vias de ligação entre  a orla e a  sede de Camaçari, e por onde passam milhares de veículos por dia, continua inacabada e perigosa. A promessa do governador Rui Costa (PT) de dotar a pista de condições de segurança continua parcialmente no papel. Nos seus pouco mais de 20 quilôetros a via cetrel, como é mais conhecida, apresenta várias configurações como se fosse a contionuidade de muitas pistas distintas.


Três em um 2 No seu trecho  inicial, a partir da estrada do Coco (BA- ), apesar do bom asfalto, apresenta o trecho com maior risco. Sem acostamento, via que nesse trecho tem seu único conjunto residencial com centenas de moradias,  fica ainda mais perigoso  sem acostamento e com a siniosidade da pista que segue por mais cerca de 6 quilômetros quando  ganha acostamento e sinalização. Na etapa seguinte a Via Cetrel vira pista dupla, mas só por alguns quilômetros, até voltar a condição de estrada com estrutura mínima de segurança.


DNA  A lavagem da igreja de São Francisco de Assis, padroeiro de Monte Gordo ganhou imagem especial. Entre as mais de 30 baianas, uma se destacou durante  quase todo o cortejo. Na última sexta-feira (18), a garota Anna, 2 anos, nem sabia, mas já cumpria um ritual. A baianinha levada pela orgulhosa mamãe moradora de Monte Gordo, traz o sangue africano na veia. É filha de cidadão angolano.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


19/1/2019

 





Dead line

Dead line O ano de 2019 será de vida ou morte para o projeto de implantação das ações da gestão do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) na área de desenvolvimento social e cidadania. Depois de cerca de 10 anos e 3 governos municipais de retrocessos, incluindo nessa conta as 3 titulares da Sedes nos 2 anos da atual gestão, a prefeitura de Camaçari precisa se mexer rápido.


Dead line 2  Um dos símbolos dessa política pública que vem sendo ignorada, com sérios prejuízos para a geração do futuro com a formação de cidadãos de 2ª categoria, é a Casa da Criança e do Adolescente de Camaçari. Sem mais tempo a perder, nova gestão precisa olhar além do muro, agir rápido e reconhecer que pintura de paredes e portas não reduz desigualdade. 


Dead line 3  A burocracia não pode ser mais desculpa para equipar o velho espaço de acolhimento, inclusão e cidadania com salas multimeios, material didático e melhores condições de trabalho para a equipe de educadores, reconhecida dentro e fora de Camaçari como uma das mais qualificadas em atuação nesse tipo de equipamento. 


Movediço  Continua sem resposta as graves acusações feitas pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) de que o condomínio Luar de Arembepe foi licenciado pela prefeitura de Camaçari em conflito com a legislação ambiental. Localizado num terreno de 94 mil metros quadrados a cerca de 300 metros da praia empreendimento terá cerca de 200 lotes residenciais com 160 metros quadrados.


Doril Quem nunca mais botou os pés em Camaçari, pelo menos em eventos oficiais do governo municipal, foi o deputado federal reeleito Paulo Azi. Além da agenda cheia com articulações nesse começo de governo do aliado Bolsonaro, o demista não tem muitos motivos para circular pela região. Acostumado com o agrado das urnas, Azi, que ficou do mesmo tamanho do pleito de 2014, achou pouco os cerca de 7 mil motivos computados ano passado em Camaçari.


Formato  Sem explicação, a manutenção das sextas-feiras no calendário das lavagens no verão de Camaçari. Sempre com comparecimento mínimo, cortejos  formados na sua maioria pelos 'chapas-brancas' do governo e da oposição, perdem força com ausência de turistas de final de semana, visitantes e moradores que trabalham e só chegam depois do expediente. 


Agenda  Por falar em chapas brancas, a semana promete ampla programação político-etílica. Amanhã, quinta-feira (17), tem Lavagem do Bonfim. Na sexta-feira é dia de cumprir outra promessa e seguir os cerca de 2 quilômetros entre a praia de Guarajuba e o povoado de Monte Gordo para reverenciar São Francisco de Assis. 


Fumaça  Por falar em festa, Arembepe, única com calendário que se mantém viável iniciado na sexta-feita, vai comemorar esse ano os 50 anos do movimento hippie. A prefeitura, que não consegue reduzir sua presença financeira na festa de encerramento do verão da Bahia, prepara decoração temática e atrações de peso para garantir a leveza da batida. 


Se a moda pega Tão ciosa na defesa da legislação e da organização do sistema de trânsito do município, a prefeitura precisa começar a cobrar contrapartida da Assaí atacadista. A empresa de alimentos com loja recém-inaugurada no município está usando o espaço 2000 como estacionamento de apoio para suas carretas que chegam com mercadorias.  


Esperança  A nova imagem de São Thomaz de Cantuária deu sorte. Diferente da significativa redução de fiéis dos anos anteriores, a procissão desse ano resgatou os bons tempos da Igreja Católica. Oremos para que a nova imagem, com um padroeiro mais jovem, seja prenúncio de novas mudanças.


Presença A engenheira  de  segurança   do  trabalho Rute Carvalhal assume a vaga de representante  da  engenharia  civil no Conselho  Federal  de  Engenharia  e  Agronomia. Ex-presidente  da  Associação dos  Engenheiros  Civis  do  Brasil (Abenc), Ruth é funcionária da prefeitura de Camaçari.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.ph


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


16/1/2019

 





Figura singular

Figura singular Assim foi Douglas Rocha, 69 anos, falecido no dia 21 de dezembro último. Em mais de 40 anos de Camaçari, esse baiano nascido em Uauá construiu uma história incomum na cidade que viveu intensamente e adotou como sua. Bacharel do curso de direito que custou a concluir, diante das muitas ‘paradas obrigatórias’, como gostava de definir as dificuldades financeiras para conquistar sua sonhada OAB, Douglas não foi um personagem comum, encontrado às centenas no folclore político desse Brasil adentro. 


Figura 2  Observador privilegiado, desde a Camaçari nascida com o Pólo Petroquímico, nos anos 1970, Douglas Rocha conheceu como poucos os personagens da política camaçariense e seus movimentos, independente do entendimento e as suas práticas ortodoxas ou heterodoxas. 


Figura 3  Estudioso da legislação eleitoral, soube como poucos esgrimar nesse terreno cheio de interesses. Foi um dos idealizadores e executores do projeto que resultou na maior revisão eleitoral de Camaçari, com o cancelamento de milhares de títulos eleitorais irregulares. 


Figura 4 Essa condição lhe ajudou na construção da fama de adversário implacável e aliado importante. Conspirador nato, da sua cepa nasceu parte significativa das ações contra atos de improbidade administrativa de todos os gestores de Camaçari nas últimas décadas. 


Figura 5 Foi justamente essa capacidade de cutucar, independente de partido ou ideologia, que lhe rendeu uma legião de amigos, aliados e adversários. Sempre agindo de forma intensa, transformava aliados em desafetos, depois novamente convertidos em coligados, e, em seguida, comum no ciclo da política que tanto soube transitar, em alvo da sua capacidade de tiro. 


Figura 6 Com esse histórico, a depender do adversário, não lhe faltava credencial para trocar de florete e posição no tablado. Com uma ampla capacidade de participar da cena política camaçariense, não se intimidou com os novos tempos das redes sociais. Logo, logo converteu o Facebook e o WhatsApp em seus eficazes artefatos pontiagudos. 


Figura 7  Polêmico e dono de um humor ferino, Douglas Rocha não poupava amigos, adversários, muito menos autoridades com ou sem mandato,  aspones, integrantes do Legislativo, Executivo ou Judiciário. Por motivos óbvios, a Coluna publica, por ordem alfabética, algumas alcunhas sem as respectivas identificações.  ‘Besta-sabido’, ‘burro inchado’, ‘contra’, ‘dona lulu’, ‘eliminado’, ‘fala fina’, ‘galo’, ‘gazela’, ‘general’, ‘jegue manso’, ‘judeu’, ‘menino veneno’, ‘nego égua’, ‘rotinha’, ‘secretário da madrugada’ e ‘tabaréu’ eram alguns apelidos carinhosos que gostava de citar durante suas conversas, muitas vezes cifradas e cheias de reticências. 


Figura 8 Fora da lista dos personagens, o ‘pirulito’ talvez seja o verbete mais simbólico do seu irreverente dicionário. Na sua visão política, o famoso doce no palito era a definição ideal para a ajuda geralmente mensal ao colaborador do mandato que ficou fora da lista dos nomeados, seja parlamentar ou ocupante de cargo executivo, como prefeito. Sem recibo ou comprovação do pagamento, esse valor que adoçaria a amargura do período, é fruto do caixa obtido com o repasse compulsório de parte dos salários dos assessores nomeados. 


Figura 9 Leitor assíduo da Coluna, comparava o Camaçarico ao bico do pato,  segundo ele sempre certeiro na ferida. Douglas Rocha, o ‘velhinho’, como esse editor costumava chamá-lo, não escondia seu sonho. Dizia que seria prefeito de Camaçari. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


11/1/2019

 



Anterior | 1 |2| 3 | Próxima

Encontrado(s): 53 registros

Listando página: 2

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL