Busca:

  Notícia
 
Cinema brasileiro perde 90% de sua renda e público em 2021


A reabertura gradual dos cinemas em 2021 salvou o saldo do setor no Brasil. Em relação a 2020, a renda com bilheterias aumentou 34,8%. Os cinemas brasileiros arrecadaram quase R$ 840 milhões, segundo dados da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Mas a recuperação só aconteceu para os filmes internacionais. Títulos brasileiros viram público e receita diminuírem mais de 90% no ano passado, mesmo com mais lançamentos em cartaz.


Em 2020, 189 filmes tiveram 9 milhões de espectadores e R$ 142 milhões de renda, enquanto que no ano passado, 209 filmes tiveram 700 mil espectadores e R$ 11 milhões de renda


Com os títulos internacionais, a conta foi inversa: menos filmes, mas muito mais dinheiro e público.  Em 2020 foram 466 filmes, 29,6 milhões de espectadores e R$ 480 milhões de renda. Em 2021 foram  343 filmes, 47,7 milhões de espectadores e R$ 828 milhões de renda.


Assim, os filmes brasileiros foram responsáveis só por 1,3% de toda a bilheteria nacional no ano. Para o cineasta Paulo Sérgio Almeida, o número segue a estratégia de lançamento dos filmes brasileiros.


"O único filme lançado para o cinema foi Marighella, com bilheteria excepcional, muito melhor do que se esperava. Os outros filmes apenas cumpriram uma passagem pelo cinema para ir para o streaming. O mercado de cinema está numa fase intermediária entre os lançamentos dos cinemas e a produção e os lançamentos no streaming", explica Almeida.


Segundo o cineasta, a campanha de marketing para que um lançamento vá bem nos cinemas precisa de, no mínimo, R$ 1,5 milhão. Por isso, torna-se caro. Segundo ele, essa não é uma estratégia apenas de filmes brasileiros. Por isso, segundo Almeida, vamos ver cada vez menos filmes com grandes campanhas. As principais apostas desse começo de ano são "Turma da Mônica - Lições" e "Eduardo e Mônica".


Segundo o analista de cinema Fabiano Ristow, outros dois fatores ajudam a explicar a queda: os números altos de 2020 incorporavam o sucesso de "Minha mãe é uma peça 3" e o público de filmes nacionais ainda apresenta resistência para voltar aos cinemas.


"Os quase 130 filmes brasileiros que efetivamente chegaram aos complexos em 2021 enfrentaram o mesmo problema de obras independentes ou de arte. Quem é mais velho tem mais medo de sair de casa e se contaminar. São os jovens que estão indo em peso às salas, onde a experiência de se ver blockbusters é mais bem aproveitada", explica Ristow.


"Homem-Aranha: Sem volta para casa" foi o maior líder de bilheterias do ano. Sozinho, ele levou quase 10 milhões de espectadores aos cinemas e arrecadou R$ 181 milhões. Depois, estão "Velozes e furiosos 9", "Eternos", "Venon: tempo de carnificina", "Shang-Chi e a lenda dos dez anéis", "Viúva negra", "Invocação do mal 3: A ordem do demônio", "Esquadrão Suicida", "Encanto" e "007: Sem tempo para morrer".


Já o filme com a melhor bilheteria brasileira foi "Marighella", de Wagner Moura, com 296 mil de público e R$ 5,7 milhões de renda. Os números são 32 vezes menor que os registrados por "Homem-Aranha". O segundo filme brasileiro mais bem-sucedido foi "Um tio quase perfeito 2", com público de 73 mil pessoas e renda de R$ 1,1 milhão. g1

Mais Notícias

Saúde estadual registra 69 novos casos de Covid em Camaçari
Camaçarico 19 de janeiro 2022
Servidores da Receita, PF e Banco Central puxam a lista dos maiores salários
Aumento do volume do São Francisco pode atingir cidades baianas
Camaçari registra 25 novos casos de Covid-19 em 24 horas
Bahia registra 100 óbitos pela gripe Influenza em 79 dias
Camaçari não registra nenhum novo caso de Covid-19 em 24 horas
Pandemia aumenta pobreza e deixa bilionários ainda mais ricos
Maioria defende a vacinação de crianças contra a Covid-19
Camaçari registra 18 novos casos de Covid-19 em 24 horas


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2022 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL