Busca:

  Notícia
 
Medo do futuro faz 71% dos brasileiros reduzirem gastos

O receio em relação ao futuro leva 71% dos brasileiros a reduzirem seus gastos mensais desde o início da pandemia. De acordo com pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), encomendada ao Instituto FSB Pesquisa, a maioria continua com as despesas retraídas, o que pode prolongar ainda mais a recuperação da atividade. A pesquisa revela que 67% dos entrevistados acreditam que essa recuperação ainda não começou e 61% afirmam que ela pode demorar até dois anos ou mais de dois anos. 


Essa retração nas despesas ocorre à despeito de o levantamento mostrar alguma recuperação na renda em relação à pesquisa anterior realizada em maio. Naquela ocasião, 40% disseram ter perdido em parte ou totalmente sua renda. Agora em julho esse porcentual caiu para 31%.


A cautela com os gastos, de acordo com a pesquisa, é motivada pela insegurança quanto à renda no futuro para 41% dos entrevistados. Outros 29% disseram ter reduzido os gastos por causa de perda de parte ou renda total e apenas 27% disseram gastar menos porque o comércio está fechado. Os dados do levantamento mostram que dentre os trabalhadores formais e informais, 71% têm algum medo de perder o emprego. Em maio, esse porcentual era de 77%.


Esse nível reduzido de consumo deve ser mantido mesmo após o fim do isolamento social. Entre todos os produtos pesquisados, que vão desde itens como roupas, produtos de higiene pessoal até bebidas, a maioria dos entrevistados disse que pretende apenas manter os gastos com eles. Os itens apontados como os que devem ter mais crescimento no consumo pós-isolamento são as roupas, mesmo assim, só 21% dos entrevistados pretendem ampliar o consumo desses produtos.


Apesar do aumento dos casos e mortes, o medo grande do novo coronavírus caiu de 53% em maio para 47% em julho. Mas o grupo de pessoas que saem de casa apenas para ações essenciais, como fazer compras ou trabalhar, aumentou de 58% para 67% no mesmo período de comparação.


Com relação ao retorno das atividades de comércio de rua, os entrevistados mostraram-se divididos, 49% aprovam e 47% desaprovam. Já com relação a outras atividades, como salões de beleza, bares e restaurantes, shoppings, escolas e universidades, academias e cinemas, a maioria é contra a reabertura.


 


Apesar de ainda estar em um nível elevado, a pesquisa revela que o endividamento teve um recuo, atingindo em julho 45% da população. Em maio, 53% dos entrevistados se declararam endividados. Entre os que têm dívida, 62% disseram ter condições de quitá-la em 30 dias.


O levantamento foi feito pelo Instituto FSB Pesquisa com 2.009 pessoas de todas as unidades da Federação entre os dias 10 e 13 de julho. Estadão

Mais Notícias

Camaçari retoma o sistema de transporte intermunicipal
Brasil tem 9 mil voluntários para testar a vacina da Covid-19
Camaçari registra apenas 4 casos de Covid-19 em 24 horas
O orçamento na pandemia –Parte2
Brasil deve gastar cerca de R$ 700 bilhões com a Covid-19
Estudo mostra que carga viral pode indicar maior risco de morte
Camaçari conta 4.445 casos com os 43 novos contaminados
Fortuna do dono do Facebook cresce com a pandemia
Segmento dos supermercados segue em crescimento
Justiça tira Fernando Gomes do comanda de Itabuna


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL