Busca:

  Notícia
 
Cerca de 70% dos MEIs perderam renda com a pandemia

A situação dos microempreendedores brasileiros  mudou  com a  pandemia da Covid-19. Estudo  mostra que 7 em cada 10 desses integrantes dessses empreendedores estão ganhando abaixo de R$ 1.088 e próximo do Salário Mínino (R$ 1.045), o equivalente a U$ 200.  Antes do coronavírus, a situação era inversa, com 8 em cada 10 profissionais com renda acima desse valor e apenas um tinha renda inferior ao salário mínimo.


O levantamento feito pela fintech Neon e pelo fundo de venture capital Flourish, com apoio da empresa de pesquisa de impacto 60 Decibels, ouviu durante o mês de maio, 1.600 microempreendedores individuais (MEIs) sobre os reflexos da pandemia no trabalho e nas finanças. O resultado mostrou que quase 90% dos profissionais tiveram queda na renda, em maior ou menor grau. Se antes da pandemia mais da metade dos empreendedores ganhavam acima de US$ 400 (R$ 2,176) por mês, agora apenas 10% estão nessa faixa.


Os MEIs, que representam 30% e 40% do Produto Interno Bruto brasileiro (PIB), são um dos mais importantes instrumentos de formalização da economia. Desde 2008, quando foi criado, o programa têm sido responsável por tirar milhões de trabalhadores da informalidade, diz o Sebrae. No total, são mais de 10 milhões de microempreendedores individuais.


Os profissionais que mais tiveram redução na renda, segundo a pesquisa, foram os motoristas de aplicativos, esteticistas e comércio de rua, como mercadinhos e lanchonetes. Segundo a pesquisa, metade dos entrevistados teve de usar a poupança ou reduzir despesas para se adequar à nova realidade. Além disso, 39% pegaram dinheiro emprestado para honrar compromissos (em muitos casos, o cheque especial) e 18% penhoraram ou venderam algum ativo durante a pandemia.


Até agora, o auxílio e os programas de ajuda dos órgãos públicos não têm se mostrado eficientes para atender quem mais precisa. De acordo com a pesquisa da Neon e da Flourish, a maioria não se sente amparada pelo governo e entende que as propostas estão distantes da realidade. Marcelo Moraes afirma que um dos dados mais impressionantes do levantamento é o índice de desesperança dos profissionais. “O sentimento de desamparo é grande: 42% deles não têm esperança de sair da crise”, diz o executivo. Estadão

Mais Notícias

Internet móvel de 5ª geração começa cara e restrita
Medo do futuro faz 71% dos brasileiros reduzirem gastos
Camaçari registra 308 novos casos de Covid-19 em 48 horas
Camaçarico 15 de julho 2020
TSE quer suspender identificação digital nas eleições
Governo estuda imposto sobre compras no comércio eletrônico
Metade das vítimas de violência contra LGBT são negros
Supremo concede prisão domiciliar para Geddel
Camaçari registra aumento recorde com 179 casos em 24 horas
Quadro biográfico dos colonizadores de Camaçari


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL