Busca:

  Notícia
 
Produção industrial brasileira registra queda história em abril

A produção industrial brasileira registrou uma queda de 18,8% em abril, na comparação com março, atingindo o nível mais baixo já registrado no país, conforme divulgou nesta quarta-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O tombo recorde evidencia a dimensão do impacto da pandemia de coronavírus e das medidas de isolamento social na atividade econômica.


Em março, a produção já havia recuado 9% frente ao mês de fevereiro. Com o tombo de abril, o patamar da produção industrial no país ficou 38,3% abaixo de pico histórico, registrado em maio de 2011. "É o patamar mais baixo da série histórica na pesquisa. Estamos no piso da produção industrial", afirmou o gerente da pesquisa do IBGE, André Macedo.


Na comparação com abril do ano passado, a queda foi ainda maior, de 27,2%. É o 6º resultado negativo seguido nessa comparação e também recorde negativo da série histórica da pesquisa. Apesar da forte queda, o resultado de abril veio menos ruim que o esperado. As expectativas em pesquisa da Reuters com economistas eram de queda de 29,2% na variação mensal e de 33,1% na base anual. No ano, de janeiro a abril, a produção industrial encolheu 8,2%, e nos últimos 12 meses, passou a acumular retração de 2,9%.


Segundo o IBGE, o resultado de abril decorre, claramente, do número maior de paralisações das várias unidades produtivas, em diversos segmentos industriais, por conta da pandemia. Março já tinha apresentado resultado negativo. Em abril  foi registrada  quedas de magnitudes históricas, de dois dígitos, em todas as categorias econômicas.


A queda da produção foi generalizada, alcançando todas as grandes categorias econômicas e 22 dos 26 ramos pesquisados, sendo que 15 registraram queda recorde.


Segundo o IBGE, a maior influência em abril veio da paralisação quase que completa da indústria automobilística.


A produção de veículos automotores, reboques e carrocerias desabou 88,5%, na comparação com março e 92,1% na comparação anual, pressionada, em grande medida, pelas paralisações e interrupções na maioria das fábricas do país. Considerando apenas a produção de automóveis, o recuou chegou a 99,9% na comparação com abril do ano passado.


A interrupção da produção de veículos impactou outros segmentos industriais, como metalurgia (-28,8%), produtos de borracha e de material plástico (-25,8%) e máquinas e equipamentos (-30,8%).


Outros recuos relevantes no mês foram observados nas atividades de couro, artigos para viagem e calçados (-48,8%), bebidas (-37,6%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-37,5%), máquinas e equipamentos (-30,8%) e produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-18,4%).


A produção só cresceu nas nas atividades relacionadas a itens essenciais e a mudanças de hábitos de consumo em meio à pandemia. Produtos alimentícios (3,3%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (6,6%) voltaram a crescer após recuarem em março (-1,0% e -11%, respectivamente). O ramo de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal também teve alta (1,3%), enquanto o setor extrativo ficou estável. G1

Mais Notícias

Vendas no varejo voltam a subir em maio com flexibilização
ONU mostra preocupação com Lei brasileira sobre fake news
Provas do Enem devem acontecer em janeiro
Camaçari se aproxima dos 1.900 casos e já conta 47 óbitos
Camaçarico 7 de julho 2020
Bolsonaro testa positivo e entra em quarentena
Associação de magistrados critica atuação do MPF na Faroeste
MEC inscreve até sexta-feira estudante interessado no Sisu
Caderneta de poupança bate recorde de depósitos em junho
Camaçari compra 25 mil testes rápidos para Covid-19


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL