Busca:

  Notícia
 
SSP-BA nega que policiais tenham executado o miliciano


Imagens obtidas pela revista Veja mostram que au menos um dos tiros foi disparado a curta distância

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) nega que o miliciano e ex-capitão do Bope do Rio, Adriano da Nóbrega  tenha sido morto por tiros feitos a curta distância, o que  caracterizaria execução.  Em nora distribuída nesta sexta-feira (14), a SSP-BA  contesta a  reportagem da revista Veja sobre a morte de Adriano da Nóbrega e diz que que as acusações são "infundadas". 


Imagens do corpo do ex-capitão da PM, que a revista Veja teve acesso indicam que ele foi executado. A publicação exibe fotos feitas após a autópsia do ex-policial, morto em Esplanada (BA), no último domingo (9), que mostram que ele também tinha um ferimento na cabeça e uma queimadura no lado esquerdo do peito.


Adriano morreu baleado com dois tiros, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública da Bahia. As perfurações causaram lesões no tórax, no pescoço e na clavícula, além de quebrar sete costelas.


De acordo com a SSP-BA,  "as fotografias mostradas não são as imagens oficiais da perícia. Dessa forma, os peritos não podem afirmar se foram de alguma forma manipuladas ou não e, portanto, não podem se manifestar sobre as mesmas. Sobre a lesão arredondada na face anterior do corpo de Adriano, trata-se de equimose, não uma queimadura. É uma lesão contundente, obviamente feita com algo arredondado, que pode ter sido ativamente ou passivamente comprimido contra o corpo".


Na nota, a  SSP-BA  a´prsenta sua versão para  justiuficar  que não se pode afirmar que  o miliciano foi morto a curta distância. "As lesões de disparo de arma de fogo não foram feitas com proximidade. Essa afirmação só pode ser feita quando há, pelo menos, a zona de tatuagem de pólvora incombusta intradérmica, o que não ocorreu. É impossível afirmar distância dos disparos, sem a reprodução destes, promovida com a mesma arma e munição similar, contra um anteparo [alvo]. Por fim, acrescenta que o corte na cabeça foi por ação corto-contundente, também comum em casos de troca de tiros, onde quedas são frequentes", rebateu a SSP-BA. 

Mais Notícias

MP pede a conservação do corpo do ex-PM para novas perícias
Bolsonaro agride jornalista com insinuação sexual
Brasis: a diversidade que nos junta e nos separa
Governador diz que metrô não terá meia passagem aos domingos
Greve dos petroleiros completa 18 dias com queda de produção
Sobra de energia não reduz valor da tarifa para consumidor
Camaçarico 17 de fevereiro 2020
Coronel quer ser o candidato e critica Rui por escolha de major
Governo suspende a realização de novos concursos públicos
Cidadania é o 4º partido da base de apoio à reeleição de Elinaldo


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL