Busca:

  Notícia
 
Mulheres e negros são maioria nas igrejas evangélicas


De Edir Macedo a Silas Malafaia, os rostos mais conhecidos do movimento evangélico podem até ser masculinos, e o mais comum é encontrar um pregador homem nos cultos. Já nas filas para pedir bênção e entregar o dízimo são as mulheres que prevalecem neste que é o segundo maior bloco religioso do Brasil, com 31% da população.


Elas respondem por 58% desse naco religioso, 6 pontos acima da parcela feminina do país (52%), segundo pesquisa Datafolha. Entre as congregações neopentecostais, aba evangélica que contempla igrejas como a Universal do Reino de Deus e a Renascer em Cristo, a participação do mulherio chega a 69%. A ala feminina nos templos evangélicos fica ainda mais evidente se comparada com o catolicismo —ainda a maior crença nacional, embora em processo contínuo de retração (preferência de 90% nos anos 1980 e 50% hoje).


Entre adeptos dessa fé, mulheres são 51%, e homens, 49%. Compatível, portanto, com a representação dos dois gêneros na sociedade. 


O universo evangélico é mais negro do que o católico, diz a pesquisa  feita nos dias 5 e 6 de dezembro do ano passado, com 2.948 entrevistados em 176 municípios de todo o país. Somados, os que se declaram pretos ou pardos são 59% no primeiro grupo e 55% no segundo. Já os brancos, no catolicismo, são 36%, contra 30% do outro grande front cristão.


A porção de jovens crentes, como o grupo se autodenomina, é de 19% e pareia com a média nacional, 18%. Já os católicos nessa faixa etária (16 a 24 anos) são mais escassos, 13%. Quanto mais velho for, maior a chance de preferir o papa a um pastor: 25% da turma com 60 anos ou mais segue a linha do Vaticano, e 16%, a evangélica.


As rendas familiares não diferem tanto assim entre um filão religioso e outro. Quase metade dos dois blocos ganha até dois salários mínimos, e 2% de cada um deles dizem viver com mais de 10 salários mínimos. 

Mais Notícias

Festival na aldeia hippie de Arembepe homenageia estilista
Shows e desfiles de blocos agitam Jauá até segunda-feira
Bahia lidera o ranking de geração de emprego no Nordeste
Brumadinho completa 1 ano sem punição para as 270 mortes
Criação de empregos com carteira em 2019 é a maior desde 2013
Mercado de motos deve fechar 2020 com redução
Bolsonaro recua e diz que tem zero de chance dividir pasta de Moro
Governo estuda ´imposto do pecado` para fumo, álcool e açúcar
Bolsonaro quer tirar Polícia Federal do comando de Moro
Camaçarico 23 de janeiro 2020


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL