Busca:






Oswaldinho Marcolino


Ano novo e novos dilemas na política de Camaçari



O final de 2014 foi de tirar o fôlego para quem curte as emoções da política, na industrializada Camaçari, importante cidade da região metropolitana de Salvador.
Os Fatos
A eleição da nova mesa diretora da câmara municipal atraiu todas as atenções, e também todos os julgamentos, quando a oposição com minoria no legislativo, sinalizou que iria compor e dividir com os governistas a direção da casa. Após muitas manifestações de dentro e de fora das legendas, os oposicionistas voltaram atrás, bateram chapa e foram derrotados com era previsto. O que não era previsto, é que o vereador Zé do Pão (PTB), dito oposicionista, votasse no candidato do governo Ademar Delgado(PT), e facilitasse ainda mais a ascenção do Vereador Marcelino ao cargo de Presidente da Câmara Municipal de Camaçari. Nos bastidores, e nos corredores da câmara, circulava a teoria de que o ex-prefeito Luiz Caetano queria a reeleição de Téo Ribeiro(PT), e que a vitória de Marcelino seria creditada à habilidade e capacidade de articulação política do atual prefeito Ademar.
Na véspera de natal, portanto no dia 23 de dezembro, Caetano anunciou o rompimento político com o prefeito Ademar Delgado, bem como o afastamento da sua gestão, até mesmo, aconselhando seus aliados a entregarem seus cargos na administração municipal, o que vem acontecendo desde então. A primeira a pedir pra sair, foi a irmã de Caetano, a secretária Soledade. O pedido de demissão foi entregue ao secretário de governo Sérgio Paiva, que prontamente encaminhou para o prefeito, e posterior publicação da exoneração da mesma, no diário oficial do município.
O imprevisto
Após as festas natalinas, a surpresa, e triste surpresa, foi a morte do empresário e Vereador Dílson magalhães, após algumas semanas de internação, teve seu quadro agravado por uma infecção, e veio à falecer na madrugada do dia 29/12 por conta de uma embolia pulmonar. Seu sepultamento, no mesmo dia, reuniu centenas de pessoas, entre amigos, familiares e muitos políticos de todos os partidos e correntes políticas. Muito querido, Dílson deixou mulher e três filhos, entre eles, o ex secretário de serviços públicos de Camaçari Eduardo Magalhães. Com isso, assume uma cadeira no legislativo, o primeiro suplente da coligação e ex-vereador, Oto da Farmácia.
Vida que segue
Mas nem mesmo a morte do vereador, foi capaz de resfriar a bomba e conter os estragos da explosão causada pelo anúncio do rompimento de Luiz Caetano com Ademar Delgado, anunciado pelo próprio Caetano no último dia 23 de dezembro.
Nossa reportagem ouviu o ex prefeito no mesmo dia, e ele confirmou o rompimento, alegando que a gestão de Ademar Delgado não estaria correspondendo às suas expectativas. Caetano ainda disse para O Jornal da Cidade, que não aprova a forma de condução política do gestor, que ele mesmo indicou nas eleições de 2012, do qual é considerado padrinho político e mentor.
O Futuro
A grande expectativa agora, é para saber quais serão os desdobramentos dessa novidade que abalou e dividiu aliados, causou perplexidade na população, e gerou grande expectativa e desconfiança nos opositores.
O rompimento pode ser revertido, caso o PT municipal e a cúpula estadual do partido- inclui-se aí o peso da participação dos governadores Jaques Wagner e Rui Costa nessa discussão- entenda que a divisão põe em risco a manutenção do governo petista no poder. Ou seja, manter a unidade pode ser indispensável para garantir as chances de vitória em 2016.
A oposição de Camaçari, dividida desde sempre, pode ter agora a chance que desperdiçou nas eleições de 2012, quando ao lançar 5 pré-candidaturas -Oswaldinho Marcolino(PMDB), Dra Tereza (PSDB), Maurício de Tude (PTN), Marco Antonio (PRP) e Zé de Elísio (PP)- não se unificou nas convenções, e ainda lançou 3 chapas. Sendo que Marco Antonio pulou para o lado governista antes do início da campanha, e o ex vereador Zé de Elisio, que durante a campanha já havia acordado com a chapa governista e hoje é secretário de serviços públicos.
As eleições de 2014, explicitaram mais ainda o racha na oposição, que para sobreviver, precisa mais que nunca de uma união firme e verdadeira. Capaz de superar as diferenças, divergências pessoais, disputas de poder, e sobretudo vaidades que ao que parece, tem sido o maior motivo das disputas e que não deixa ninguém ceder.
Se finalmente os partidos que fazem oposição ao governo petista em Camaçari se unirem, podem tirar proveito do rompimento que enfraquece tanto Caetano, quanto Ademar, e retomar a prefeitura nas eleições de 2016.
A oposição tem bons nomes, dentre eles, o mais cotado no momento é o do Vereador Elinaldo, que por muito pouco não se elegeu deputado estadual, ficando na primeira suplência da sua coligação, e sagrando-se o candidato a deputado estadual mais votado em Camaçari em toda a história. A oposição tem ainda bons quadros técnicos para uma futura gestão, precisa portanto acrescentar os ingredientes que lhe falta na receita da vitória, que são desprendimento, espírito público, entendimento e união.
O ex-prefeito Caetano, aposta que terá uma dinâmica e midiática primeira metade de mandato como deputado federal. Espera, lá da câmara federal, aprovar emendas ao orçamento que aportem recursos, investimentos e bons projetos para Camaçari. Além disso, como deputado federal mais votado do PT, aposta todas as fichas que a direção estadual do partido, e também o diretório municipal, considere seu histórico e relacionamento, para referendar seu nome numa possível disputa com Ademar numa prévia ou até mesmo na convenção municipal.
Outra aposta, é no recuo do ex, e uma futura recomposição com Ademar, apoiando sua reeleição, somando-se os seus liderados, com os que Ademar pretende cooptar desde já, para recompor política e administrativamente sua gestão.
É imprudente para qualquer opositor, subestimar a inteligência e habilidade política de Caetano. Desde o ano 2000, venceu todas as eleições que disputou, e elegeu seus candidatos na Câmara de vereadores, na assembleia legislativa, ao governo da Bahia e ainda elegeu seu sucessor em 2012. Caetano é astuto e estrategista, um adversário difícil de ser vencido. Mas que pode ser traído pela sua intempestiva decisão de rompimento com Ademar. Longe da caneta e dos cofres da prefeitura, pode encontrar sérias dificuldades em alcançar seus objetivos a partir de agora.
Em última análise, e muito provável, o prefeito Ademar Delgado pode aproveitar o rompimento com seu ex-líder político. Continuar com o processo de demissões de secretários e outras funções ocupadas pelos aliados de Caetano, substituindo-os por pessoas da sua preferência e confiança, tornando o governo cada dia mais com a sua cara e o seu jeito. Com fama de homem honesto, Ademar pode usar isso como diferencial e adotar uma gestão profissional no município.
Para ter chances no pleito de 2016 e ampliar suas chances de continuar comandando Camaçari a partir de 2017, Ademar precisaria se reinventar. Promover um choque de gestão. Cortar gastos e ampliar investimentos. A cidade carece de obras estruturantes na sede e na orla, caso transformasse Camaçari em um canteiro de obras poderia reverter o quadro que hoje lhe é desfavorável. Uma gestão eficiente, aliada à uma comunicação eficaz, pode abrir o caminho para a reeleição de Ademar. No entanto, para sonhar com isso, é preciso mexer na equipe, substiuir secretários levando em consideração a questão técnica, em detrimento dos acordos políticos, A cidade tem uma arrecadação invejável, que se administrada com honestidade e competência, vai garantir a permanência do atual prefeito no cargo.
2015
Agora, além de comemorar a chegada do ano novo, só nos resta aguardar e acompanhar atentamente os movimentos de cada um dos personagens aqui mencionados. Esses movimentos, darão ritmo e rumo aos acontecimentos no futuro próximo da política de Camaçari. Feliz Ano Novo! Boas Festas!
Oswaldinho Marcolino oswaldomarcolino@yahoo.com.br é empresário, presidente do PMDB de Camaçari e conselheiro do Cofic

 
Últimas Publicações

Ano novo e novos dilemas na política de Camaçari


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2017 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL