Busca:

  Notícia
 
Colunistas José Carlos Teixeira


José Carlos Menezes é jornalista, publicitário e consultor de marketing político

Se o candidato do governo vai mal, bota a Sufotur na campanha eleitoral

“Eu te amo, meu Brasil, eu te amo! Meu coração é verde, amarelo, branco, azul anil. Eu te amo, meu Brasil, eu te amo! Ninguém segura a juventude do Brasil” (Eu te amo meu Brasil, de Dom)


Naquele início de 1974, com trilha sonora da banda Os Incríveis e da dupla Dom & Ravel, o regime militar ainda mantinha a estratégia de turbinar o clima de ufanismo gerado pela conquista da Copa do Mundo de 1970. A farta propaganda oficial usava a conquista futebolística para celebrar o chamado “milagre econômico” – que supostamente iria retirar o país do subdesenvolvimento, mas acabou se revelando uma farsa.


Mesmo assim, nas eleições daquele ano, o MDB, o partido da oposição, aplicou uma acachapante goleada na Arena (Aliança Renovadora Nacional), o partido de sustentação do governo militar, conquistando 16 das 22 cadeiras de senador em disputa – assustando o regime e acelerando o processo de abertura política.


Naquele mesmo ano, foi eleito para a presidência da Fifa o cartola João Havelange (1916/2016), que dirigia a Confederação Brasileira de Desportos (a extinta CBD, que comandou todos os esportes olímpicos nacionais até 1979, quando houve um desmembramento e foi criada a CBF e outras confederações, uma para cada modalidade esportiva). Com isso, a CBD passou a ser dirigida por um militar, o almirante Heleno Nunes (1917/1984). 


Nos quatro anos em que ficou à frente da entidade, Nunes tratou de ajustar os esportes nacionais, colocando-os a serviço da manutenção do poder militar. Tratou logo de ampliar o número de participantes do Campeonato Nacional para atender aos interesses da Arena em estados e municípios onde o partido governista se apresentava fragilizado. 


Em 1975, primeiro ano da gestão de Nunes, o campeonato foi disputado por 42 clubes. O povo, sábio, cunhou e propagou a frase: “Se a Arena vai mal, bota mais um time no Nacional”. Houve reação de dirigentes arenistas de locais onde o partido ia bem, que se sentiram preteridos na festa. Nunes cuidou de ampliar ainda mais e em 1979, seu último ano à frente da CBD, o campeonato teve inacreditáveis 94 participantes. E o povo, sempre sábio, complementou: “Se a Arena vai bem, bota mais um time também”.


Tudo isso é história. Logo na abertura de O 18 Brumário de Luiz Bonaparte (1852), o livro em que Karl Marx estabelece o papel da luta de classe como força motriz da história, ele diz que Hegel observa em uma de suas obras que todos os fatos e personagens de grande importância na história do mundo ocorrem, por assim dizer, duas vezes. Mas “esqueceu-se de acrescentar: a primeira como tragédia, a segunda como farsa”, frisou Marx.


Hoje não dá mais para sair aumentando o número de participantes dos campeonatos de futebol tão somente para turbinar candidaturas. São outros tempos. Há muitos interesses comerciais em jogo. Mas a história se repete, já agora como farsa: na Bahia, se o candidato do governo vai mal, chama-se a Superintendência de Fomento ao Turismo, a Sufotur, que ela logo providencia um grande show com artistas de sucesso para turbinar a candidatura governista.


Pelo visto até agora, a Sufotur (que nome, meu Deus!!!) terá um papel importante nas eleições municipais desse ano. Dinheiro não vai faltar. Não faltou no Carnaval do ano passado, quando ela começou a gastar muito antes de ser criada. Isso mesmo, meu caro leitor, a Sufotur foi criada em 20 de fevereiro de 2023. Mas antes de nascer ela já contratava artistas para o Carnaval, que ocorrera duas semanas antes. E nem era ano de eleição.


É difícil de acreditar, gentil leitora, mas os contratos celebrados por um órgão do governo que sequer tinha sido criado foram todos validados. Foi apenas um escorregão do estagiário, explicou-se. Ao final, ficou tudo bem com o Tribunal de Contas.Abonada, com orçamento aberto, a Sufotur fará este ano sua estreia na campanha eleitoral. Será um reforço precioso, acreditam os candidatos governistas, muitos deles já na fila das benesses, apostando em faturar prestígio e votos com os festejos juninos.


 A política sempre esteve amarrada à dupla pão e circo. Mas pesquisas recentes indicam que, mais do que sanfona e zabumba, dois fatores atuarão fortemente na decisão de voto dos baianos: segurança e saúde. E nesse campo, por enquanto, nada a festejar.


José Carlos Teixeira   zecarlosteixeira@uol.com.br é jornalista, formado em comunicação social pela Universidade Federal da Bahia e pós-graduado em marketing político, mídia, comportamento eleitoral e opinião pública pela Universidade Católica do Salvador


Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade do autor

21/05/2024

Mais Notícias

Colunistas Adelmo Borges
Colunistas Angélica Ferraz de Menezes
Colunistas Waldeck Ornélas
Colunistas Adelmo Borges
Colunistas José Carlos Teixeira
Colunistas Angélica Ferraz de Menezes
Coluna Camaçarico 11 julho 2024
Colunistas Waldeck Ornélas
Colunistas Luiz Duplat
Colunistas Adelmo Borges


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2024 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL