Busca:

  Notícia
 
Brasil registrou 35 mil violações dos direitos dos idosos em 2022


Junho é o mês da campanha de conscientização Junho Violeta sobre a violência contra os idosos

Pouco mais de 35 mil denúncias de violações de direitos humanos contra pessoas idosas em todo o País foram registradas  entre  janeiro e os primeiros dias de junho deste ano. Com média de 227 denúncias por dia, a  violência contra pessoas com idade acima de 60 anos representa 22% de todas as 154.916 denúncias de violações registradas pela Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos (ONDH). Denúncia pode ser feita por telefone pelo Disque 100. 


As denúncias  também incluem  ações contra a mulher, a criança e o adolescente, moradores de rua, população LGBT e pessoas com deficiência.


Segundo a ONDH, a pandemia agravou esse quadro com o aumento da permanência das pessoas em casa. Na comparação com 2019, foram 17.566 denúncias, número que mais do que dobrou em 2020, chegando a 40.091. Já em 2021, no período considerado, foram 35.100 denúncias envolvendo violações a direitos dos idosos. Uma situação que não se alterou nesses anos é a de que mais de 60% das vítimas são mulheres.


Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos 15,7% da população idosa passa por alguma violência. Isso quer dizer que uma em cada seis pessoas com 60 anos ou mais sofre violência em todo o mundo. No Brasil, quase um quinto da população é composto por pessoas com 60 anos ou mais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 


Junho é o mês da campanha de conscientização – Junho Violeta – sobre a violência contra os idosos, criado em 2006 pela Organização das Nações Unidas (ONU). Conforme o painel de dados da ONDH, a violência mais frequente é a exposição de risco à saúde, seguida de maus-tratos e agressão. Em mais de 87% das denúncias (30.722), as violações ocorreram na casa onde a pessoa idosa reside.  Dessas, 16 mil ocorreram na casa onde residem vítima e suspeito. Entre agressores, os filhos são os principais responsáveis pela violação, figurando como suspeitos em mais de 16 mil registros, seguidos por vizinhos (2,4 mil) e netos (1,8 mil).


Vítimas com faixa etária entre 70 e 74 anos são mais frequentes, aparecendo em 5,9 mil registros. Em seguida estão os idosos entre 60 e 64 anos (5,8 mil), aqueles entre 65 e 69 anos (5,4 mil), entre 80 e 84 anos (5,2 mil) e os idosos entre 75 e 79 anos (4,7 mil). O número de denúncias é menor para idosos entre 85 e 89 anos (3,5 mil), e com mais de 90 anos (2,5 mil).

Mais Notícias

Brasil não aproveita talento das crianças e amplia desigualdade
Prefeitos protestam contra medidas que ampliam despesas
Pacote de bondades levará o Brasil ao inferno após eleições
Congresso decide sobre PEC das Bondades e CPI do MEC
Senador Otto Alencar não acredita na instalação da CPI do MEC
PSOL se solidariza e repudia agressão a veículos de imprensa
Regulação: “Fila da Morte" Como Acontece
Ford passa a desenvolver tecnologia automotiva em Camaçari
Maioria das chapas presidenciais segue sem definir o vice
Mês de julho deve chover pouco na Bahia, diz Inmetro


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2022 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL