Busca:

  Notícia
 
Estudos comprovam eficácia e necessidade de uso da máscara


Estudos sobre transmissão por vacinados e reinfecção pela Covid-19 comprovam a importância da máscara para frear a circulação do vírus e controlar a pandemia. A qustão foi reaberta com a declaração polêmica do presidente Bolsonaro que na quinta-feira (11), disse que o uso de máscara poderá ser desobrigado para os que já foram vacinados ou para os que já tiveram o coronavírus.


O infectologista Marcelo Otsuka ressalta que a máscara é uma política de saúde pública contra o coronavírus "no mundo todo" e que apenas os países que conseguiram controlar o vírus já começaram a flexibilizar o uso do item pelos vacinados. "Poderemos começar a deixar de usar a máscara somente quando vacinarmos 75% da população no país e a taxa de infecção caia significativamente, para 0,3 ou 0,5 e se mantenha estável. Atualmente, nossa taxa de infecção é de cerca de 1,0. É muito alta", diz Otsuka.


O infectologista lembra que nenhuma das vacinas desenvolvidas contra o coronavírus são totalmente eficazes. "Quem foi vacinado pode ter Covid-19, pois nenhuma vacina é 100% eficaz e, ainda que numa forma leve ou mesmo assintomática, também pode transmitir", afirma. Sobre a possibilidade de se infectar mais de uma pelo coronavírus, Dias Leite alerta que "quem já teve Covid pode ter novamente e transmitir, sobretudo no contexto de emergência das variantes", diz.


Informações que se sabe até o momento sobre transmissão por quem já foi vacinado. Quem já foi vacinado pode se infectar, pois as vacinas foram prioritariamente desenvolvidas para evitar a forma grave da Covid-19, hospitalizações e óbitos, não contra o vírus. E, uma vez infectado, a pessoa pode transmitir.


Estudo preliminar na Inglaterra mostrou que infectados pelo coronavírus que tomaram as vacinas da Pfizer ou Oxford/AstraZeneca tinham menor probabilidade de transmitir o coronavírus, mas ainda tinham 50% de chances de transmissão. Já um estudo preliminar com profissionais da saúde em Israel mostrou que vacina da Pfizer reduziu a transmissão em até 75%, ms o mesmo resultado não deve ser alcançado na população em geral. 


Pesquisadores avaliam que é necessário uma "vigilância ativa" que compare vacinados e não vacinados para demonstrar o comportamento da transmissão entre os imunizados a longo prazo. 


Quem teve o coronavírus adquire algum tipo de imunidade natural, mas há diversos relatos de casos de pessoas reinfectadas. Não apenas a reinfecção é possível, como também já foi observado pessoas que se infectaram mais de duas vezes (leia exemplos abaixo).


Idosos a partir de 65 anos têm mais chances de serem reinfectados. A reinfecção é possível mesmo entre jovens saudáveis. 


É possível ser reinfectado por uma linhagem semelhante à da primeira vez em que contraiu o vírus, não sendo necessário ser exposto a uma variante nova e mais agressiva. 


Pessoas que tiveram casos leves de Covid podem ter reinfecção com sintomas mais fortes.


Quem teve a forma branda da doença pode não desenvolver anticorpos, mesmo que por um período curto.

Mais Notícias

Camaçari registra 1 óbito e 50 novos casos de Covid em 24h
Lucro da Ambev no 2º trimestre deste ano supera 130%
Junho registra saldo positivo com geração de 309 mil empregos com carteira
Polêmica faz COB pedir moderação de atletas nas redes sociais
Iphan proíbe construção de centro esportivo que agride patrimônio
Camaçari registra 31 novos casos de Covid-19 em 24h
Camaçarico 28 de julho 2021
Adolescentes de 12 a 17 anos entram na fila da vacina contra a Covid-19
Baiano vence e avança em direção ao pódio em Tóquio
Ciro vai para ministério e deixa a mãe na sua vaga no Senado


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2021 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL