Busca:

  Notícia
 
Produção industrial baiana volta a registrar queda em abril

A  produção industrial da Bahia volta a registrar queda em abril com recuo de 12,4% frente ao mês imediatamente anterior, após recuar 8,9% em março. Na comparação com igual mês do ano anterior, a indústria baiana assinalou queda de 10,0%. No primeiro quadrimestre do ano, a indústria registrou retração de 16,3%, em relação ao mesmo período anterior. O indicador, no acumulado dos últimos 12 meses, apresentou declínio de 9,8% frente ao mesmo período anterior. 


As informações fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sistematizadas e analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan).


No confronto de abril de 2021 com igual mês do ano anterior, a indústria baiana apresentou queda de 10,0%. Apesar da retração, 7 das 12 atividades pesquisadas tiveram aumento de produção, com destaque para os segmentos de Produtos químicos (36,4%) influenciada, principalmente, pela maior fabricação de princípios ativos para herbicidas, etileno não saturado e acrilonitrila. 


Outros setores que apresentaram resultados positivos foram: Borracha e material plástico (225,3%), Couro, artigos para viagem e calçados (164,6%), Extrativa mineral (27,4%), Bebidas (102,4%), Minerais não metálicos (28,8%), Celulose, papel e produtos de papel (2,6%) e Veículos (1,2%). O setor de Derivados de petróleo (-63,3%) apresentou a principal contribuição negativa no período, explicada, especialmente, pela menor fabricação de óleos combustíveis, óleo diesel e naftas para petroquímica. Outros resultados negativos no indicador foram observados nos segmentos de Metalurgia (-25,6%), Alimentos (-3,1%) e Equipamentos de informática e produtos eletrônicos (-12,7%).


No acumulado do primeiro quadrimestre de 2021, em comparação com o mesmo período do ano anterior, a produção industrial baiana registrou queda de 16,3%. Positivamente, destacou-se o segmento Produtos químicos (16,8%), impulsionado, em grande parte, pela maior fabricação de princípios ativos para herbicidas, propeno não-saturado e acrilonitrila. Vale citar ainda, o crescimento em Borracha e material plástico (26,2%), Couro, artigos para viagem e calçados (32,0%), Extrativa mineral (9,6%), Celulose, papel e produtos de papel (5,0%), Produtos de minerais não-metálicos (8,2%) e Bebidas (10,3%).


Cinco dos 12 segmentos da Indústria geral influenciaram o resultado, com destaque para Derivados de petróleo, que registrou queda de 33,1%, impulsionado, em grande parte, pela menor fabricação de óleos combustíveis, óleo diesel e naftas para petroquímica. Veículos (-95,0%), Metalurgia (-9,8%), Alimentos (-4,3%) e Equipamentos de informática e produtos eletrônicos (-4,8%) também apresentaram resultados negativos.

Mais Notícias

PF não tem registros de investigações sobre fraudes na urna
Pandemia desemprega quase 400 trabalhadores por hora, diz estudo
Conta de luz pode continuar na ´bandeira vermelha` até novembro
Meus trinta e um anos
Camaçari registra 40 novos casos de Covid-19 em 24h
Bares e restaurantes ganham novo horário com redução do toque de recolher
Anticorpos de quem teve Covid não protegem contra nova variante
Câmara de Camaçari treina servidor com moderno sistema digital
Camaçari registra 58 novos casos de Covid-19 em 24h
OAB discute medidas judiciais contra condomínio de Busca Vida


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2021 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL