Busca:

  Notícia
 
Diploma não garante igualdade salarial para mulher negra

O diploma de ensino superior ainda não é capaz de garantir uma inserção justa das mulheres negras no mercado de trabalho do Brasil. Um levantamento realizado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) mostra que, a depender da profissão, um homem branco chega a ganhar mais que o dobro do que elas recebem para executar o mesmo trabalho.


O levantamento do Insper com as profissiões de engenheiro e arquiteturo, médico, professor, administrador e cientista social apurou o salário por raça e gênero. Em todas, as mulheres negras recebem menos do que homens, tanto brancos e como negros, e do que mulheres brancas.


O trabalho foi conduzido pelos pesquisadores do Insper Beatriz Ribeiro, Bruno Komatsu e Naercio Menezes Filho como base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2016 e 2018.


Um dos abismos mais evidentes apurado pela pesquisa foi observado em medicina. Entre os formados em universidade pública, as mulheres negras têm um salário médio de R$ 6.370,30, enquanto os homens brancos ganham R$ 15.055,84. No grupo de médicos que cursou medicina em instituições privadas, a remuneração é de R$ 3.723,49 e R$ 8.638,68, respectivamente.


Na área de ciências sociais, uma outra diferença gritante: um homem branco formado em universidade pública tem um salário de R$ 8.814,05. A mulher negra recebe R$ 4.141,69.


 


De forma geral, levando-se em conta todas as profissões, a pesquisa revela que o salário médio de uma mulher negra com diploma universitário de instituição pública é de R$ 3.047,51, enquanto a remuneração das que cursaram universidades privadas têm uma remuneração média de R$ 2.902,55.


No topo da remuneração, os homens brancos formados em universidades públicas têm um salário médio de R$ 7.891,78, e os que possuem ensino superior privado alcançam um ganho médio de R$ 6.626,84. Portanto, uma diferença em relação às mulheres negras de 159% e 128%, respectivamente.


"A mulher negra, em todos os índices, seja na área de educação, trabalho, saúde, é sempre a base", afirma a diretora executiva do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), Cida Bento. "E isso tem a ver com essa combinação, essa intersecção, de gênero e raça, que complica mais a situação. A discriminação que já incide sobre as mulheres de forma geral, incide mais fortemente sobre a mulher negra."


Numa análise mais ampla, a dificuldade do Brasil em absorver e dar oportunidade para mulheres negras qualificadas no mercado de trabalho tem um custo bastante elevado para o crescimento da economia brasileira. Nos Estados Unidos, por exemplo, de acordo com Naercio, a inserção de negros em atividades qualificadas ajuda a explicar boa parte do desempenho econômico dos últimos anos.


“A mesma coisa pode acontecer aqui no Brasil. É muito raro encontrar um médico, dentista ou advogado negro, tanto homem como mulher. Talentos estão sendo desperdiçados na sociedade brasileira", diz Naercio. "É importante incorporar esses talentos para que a gente tenha um crescimento no futuro porque a produtividade brasileira está estagnada nos últimos 40 anos." G1

Mais Notícias

Facção carioca Comando Vermelho já opera em Salvador
Campanha nas ruas começa oficialmente neste domingo
Concorrência no emprego aumenta com a pandemia
Camaçari registra 15 novos casos de Covid em 24 horas
Seinfra promete entregar duplicação do viaduto em dezembro
Pantanal registra a maior queimada desde 2005
Camaçari registra 31 novos casos de Covid-19 em 24h
Mega Sena acumula e tem prêmio de R$ 50 milhões no sábado
Volks reconhece apoio à ditadura e faz acordo de R$ 36 milhões
População mais pobre corre mais risco de ser infectada pela Covid


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL