Busca:

  Notícia
 
Metade das vítimas de violência contra LGBT são negros


Metade das agressões sofridas pela população LGBT teve pessoas negras como alvo. É o que mostra pesquisa inédita analisou as notificações de violência entre essa população no Brasil, entre 2015 e 2017. Nos 3 anos analisados foram registradas 24.564 notificações de violências contra a população LGBT, o que resulta em uma média de mais de 22 notificações de violências interpessoais e autoprovocadas por dia, ou seja, quase uma notificação a cada hora.


A pesquisa foi feira por especialistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), das secretarias de Atenção Primária em Saúde e de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Esses pesquisadores coletaram as notificações feitas pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). O sistema fas parte do SUS e inclui diversos casos de violência que não foram denunciados.


A maior parte dos indivíduos alvo dessas agressões era jovem (69% tinham entre 20 e 59 anos de idade) e metade era negra (50%). Do total, 46% das vítimas eram transexuais ou travestis e 57% eram homossexuais, dos quais 32% lésbicas e 25% gays.


Em todas as faixas etárias, a natureza de violência mais frequente foi a física (75%) e, em 66% dos casos o provável autor é do sexo masculino. O principal vínculo das vítimas com o agressor é o de parceiro íntimo (27%), seguido do de desconhecido (16%).


 


Para o coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a pesquisa mostra como a violência contra a população negra LGBTQI+ é agravada por questões de gênero, classe e raça. “Certamente considerar também indicadores sobre a renda e o tipo de habitação das vítimas de violência evidenciaria um quadro ainda mais dramático para a população negra LGBTQI+”, avalia Cleber Santos.


Segundo os autores do estudo, o trabalho “reforça a importância da notificação compulsória e a necessidade de preenchimento adequado dos campos sobre orientação sexual e identidade de gênero” por parte de médicos e outros profissionais de saúde. Isto porque esses dados produzem evidências menos subnotificadas do que os dados de delegacias, que muitas vezes não são procuradas pelas vítimas de violência.


O estudo destaca que uma de suas limitações é contar apenas com os dados das violências atendidas e notificadas nos serviços de saúde. “Portanto, presume-se que há subnotificação dos casos e que os dados apresentados não revelam a prevalência de violência vivenciada pela população LGBT”, afirmam os autores. Apesar disso, o número é considerado mais abrangente do que os dados coletados em delegacias ou em denúncias por telefone.


De acordo com os dados do Disque 100, serviço que recebe, analisa e encaminha denúncias de violações de direitos humanos, entre 2011 e 2017 foram registradas 22.899 violações cometidas a população LGBT no Brasil. No entanto, esses dados referem-se apenas às violações reportadas por meio de denúncia telefônica.


Apesar de mais completos, os dados do SUS publicados no novo estudo mostraram elevados percentuais de não preenchimento nos campos orientação sexual e identidade de gênero das notificações. Para os autores, essa lacuna “pode ser consequência de preconceitos e dificuldades de abordagem dessas questões por profissionais de saúde”.


“É recorrente o relato de práticas discriminatórias nos estabelecimentos, o que impacta de forma negativa o acesso da população LGBT aos serviços de saúde, especialmente das pessoas travestis e transgêneras”, afirmam os pesquisadores. G1

Mais Notícias

Camaçari retoma o sistema de transporte intermunicipal
Brasil tem 9 mil voluntários para testar a vacina da Covid-19
Camaçari registra apenas 4 casos de Covid-19 em 24 horas
O orçamento na pandemia –Parte2
Brasil deve gastar cerca de R$ 700 bilhões com a Covid-19
Estudo mostra que carga viral pode indicar maior risco de morte
Camaçari conta 4.445 casos com os 43 novos contaminados
Fortuna do dono do Facebook cresce com a pandemia
Segmento dos supermercados segue em crescimento
Justiça tira Fernando Gomes do comanda de Itabuna


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL