Busca:

  Notícia
 
Bolsonaro segue com rejeição de 44% e popularidade de 33%


A popularidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) segue estável com a manutenção da sua aprovação em 32%, o mesmo índice do fim de maio (33%). A rejeição ao governo é de 44%, ante 43% da rodada anterior, enquanto os que avaliam Bolsonaro como regular estacionaram nos 23% (eram 22%).


Os números são da pesquisa do instituto Datafolha, que ouviu 2.016 pessoas por telefone terça (23) e quarta-feira (24). A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.


Bolsonaro segue com o mesmo perfil de aprovação. O rejeitam mais jovens (16 a 24 anos, 54%), detentores de curso superior (53%) e ricos (renda acima de 10 salários mínimos, 52%). Moradores da região Sul, reduto bolsonarista, aprovam mais o presidente: 42% o acham ótimo ou bom. Na mão contrária, pessoas de 35 a 44 anos (37%), empresários (51%) e os que sempre confiam em Bolsonaro (92%) são os mais satisfeitos com a gestão do presidente.


Sobre o grau de confiança em Bolsinaro, 46% dizem nunca confiar, 20% que sempre confiam e 32%, aqueles que o fazem às vezes. Novamente, o Sul desponta como uma fortaleza do titular do Planalto, com a menor taxa de desconfiança (35%) entre as regiões. O Nordeste, que se mantém como o local de maior rejeição a Bolsonaro (52% de ruim ou péssimo), é a região que mais desconfia: 53% dos ouvidos nunca dão crédito a ele.


O presidente segue sendo o mais mal avaliado da história em seu primeiro mandato desde a volta das eleições diretas para o Planalto no pós-ditadura, em 1989. Antes dele, o pior índice era de Fernando Collor. Com ano e seis meses de gestão, em setembro de 1991, o hoje senador amargava 41% de rejeição. Acabou impedido em 1992. Fernando Henrique Cardoso (PSDB) era rejeitado por 25% na mesma altura de seu primeiro mandato, enquanto Luiz Inácio Lula da Silva (PT) era por 17% e Dilma Rousseff (PT), por 5%. Folha de São Paulo

Mais Notícias

Internet móvel de 5ª geração começa cara e restrita
Medo do futuro faz 71% dos brasileiros reduzirem gastos
Camaçari registra 308 novos casos de Covid-19 em 48 horas
Camaçarico 15 de julho 2020
TSE quer suspender identificação digital nas eleições
Governo estuda imposto sobre compras no comércio eletrônico
Metade das vítimas de violência contra LGBT são negros
Supremo concede prisão domiciliar para Geddel
Camaçari registra aumento recorde com 179 casos em 24 horas
Quadro biográfico dos colonizadores de Camaçari


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL