Busca:

  Notícia
 
Camaçarico 14 de fevereiro 2020


Sinal amarelo O ex-alcaide de Camaçari, o petista Luiz Caetano, parece que está desaprendendo as regras básicas de trafegabilidade na política. A última barbeiragem do também ex-deputado federal, estadual e vereador foi a exoneração de Ana Gomes, do Podemos, de uma das coordenações da 28ª Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) no município. 


Sinal amarelo 2 Importante liderança feminina e com forte influência no voto de significativa parcela dos católicos do município, Ana foi afastada do cargo 45 dias antes do prazo legal para a sua desincompatibilização, já que é candidata a vereadora.  


Sinal amarelo 3 A exoneração, publicada no Diário Oficial do Estado de terça-feira (11) e anulada, conforme publicação no mesmo DO do dia seguinte, gerou trauma e abalroamento em um dos partidos da base oposicionista no município que hoje apoiam a candidata do PT e esposa de Caetano, a advogada Ivoneide Caetano. 


Sinal amarelo 4 Segundo apurou o Camaçarico, a decisão avalizada pelo núcleo caetanista, dentro do acordo  de espaço na estrutura do governo estadual, põe em dúvidas a certeza de fidelidade e até de manutenção da aliança Podemos/PT. A exoneração de Ana Gomes teve repercussão negativa na base do partido comandado no município pelo ex-candidato a prefeito Maurício Bacelar. Ainda de acordo com essas mesmas fontes, a militância entendeu como um sinal de desprestígio do partido e já discute, ainda que sem autonomia, a possibilidade do Podemos seguir na base do governador Rui Costa (PT), mas sair com um candidato a prefeito próprio como forma de garantir sua unidade e  poder de briga por  representação no Legislativo a partir de 2021. 


Sinal amarelo 5 Nesse fatiamento de poder, outro cargo do Podemos é o comando geral da Ciretran, hoje com Chico Tur, outro que deve deixar o cargo no final de março para disputar uma das 21 vagas na Câmara de Vereadores. Manutenção do sucessor com a legenda é outra incógnita. 


Canudo  Os estudantes da Faculdade Metropolitana de Camaçari (FAMEC) estão preocupados com os rumos que a unidade de ensino está tomando. Reclamam da falta de professores, da escassez de aulas e das mudanças sem a devida discussão com os alunos sobre o processo de aplicação das disciplinas com a modalidade semipresencial. 


Canudo 2 Mesmo autorizada pelo Ministério da Educação, dizem que parte dessas mudanças prejudicam a qualidade com resultados na precarização do ensino. Citam, como exemplo as aulas de Direito Civil 4. Com carga de 40 horas, e fundamental para o exame da OAB (Ordem dos Advogados), disciplina passa a ter metade da sua aplicação sem a presença do professor em sala de aula.


Canudo 3 A Coluna apurou que as mudanças na Famec, que também oferece cursos nas áreas de administração, enfermagem, engenharia, fisioterapia e pedagogia não acontecem apenas no curso de direito. Cerca de 20 professores deixaram a faculdade só nos dois primeiros meses deste ano. Parte foi afastada pela implantação dessa nova metodologia de aplicação das aulas, que incluem videoconferências, atividades interativas, apesar de coordenadas e acompanhadas por um professor tutor.  


Proteína O shopping Boulevard Camaçari pode não ser um campeão em vendas, mas segue na liderança quando se trata de dificultar a vida de boa parte dos empregados das dezenas de lojas instaladas no seu espaço de comércio. Em circular datada de 4 a de fevereiro, a direção do shopping reafirma a proibição de comercialização de quentinhas fornecidas por microempresários. Medida atinge diretamente  dezenas de empregados das lojas que precisam  driblar a crise e os baixos salários.


Proteína 2 Sem preço diferenciado para os trabalhadores  das lojas, empregados garantem que  não podem pagar pelo cardápio cobrado na praça de alimentação e em outros espaços onde são comercializados lanches e refeições no shopping.


Proteína 3 Em contato com o Camaçarico, trabalhadores reclamam da medida e dizem que estão sendo humilhados, pois estão sendo obrigados a buscarem e consumirem essas refeições na área externa do shopping.


Proteína 4 Numa conta simples fica claro que o trabalhador que ganha entre 1 e 2 salários mínimos não pode pagar por uma refeição onde o preço do quilo que pode chegar a R$ 70. Sem condições de trazer o alimento de casa, a alternativa é a quentinha fornecidas por microempresários externos, com preços que variam de R$ 5 a R$ 15.


Proteína 5 Segundo apurou a Coluna, essa política de impedimento de consumo de alimentos que não sejam produzidos ou comercializados por lojas do shopping começa a virar padrão em outros shoppings do estado. No shopping Salvador as restrições já começaram, mas o maior centro de compras da capital oferece um restaurante alternativo com preços populares. A pressão também começa a aumentar nos shoppings da Bahia e Barra. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite Filho joaoleite01@gmail.com (Editor)


14/2/2020

Mais Notícias

MP pede a conservação do corpo do ex-PM para novas perícias
Bolsonaro agride jornalista com insinuação sexual
Brasis: a diversidade que nos junta e nos separa
Governador diz que metrô não terá meia passagem aos domingos
Greve dos petroleiros completa 18 dias com queda de produção
Sobra de energia não reduz valor da tarifa para consumidor
Camaçarico 17 de fevereiro 2020
Coronel quer ser o candidato e critica Rui por escolha de major
Governo suspende a realização de novos concursos públicos
Cidadania é o 4º partido da base de apoio à reeleição de Elinaldo


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL