Busca:

  Notícia
 
O urânio de Caetité alimenta o medo e a necessidade do emprego


Pichação na cidade protesta contra exploração do minério

Após cinco anos, o governo pretende retomar a mineração de urânio em território nacional como estratégia para ampliar o programa nuclear brasileiro. A expectativa é iniciar os trabalhos na mina do Engenho, em Caetité, na Bahia, até o fim deste ano. A Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), órgão responsável por fiscalizar as atividades que envolvam a exploração do mineral radioativo no País, renovou a licença de operação de uma mina em Caetité, em abril. O pedido tinha sido apresentado pela INB em fevereiro. 


A renovação da licença tem prazo de 24 meses. A cidade começa a discutir  a importância dessa retomada para a economia do município e os prejuízos causados pela atividade com um minério usado como combustível para usinbas nucleares.


A mineração nacional de urânio é feita na Unidade de Concentrado de Urânio desde 1999 em Caetité, distante 636 kmde Salvador. Na região, há reservas estimadas em 100 mil toneladas do mineral e parte da população se preocupa com a extração. Segundo Allan Fernandes Pereira Ribeiro, de 23 anos, estudante de engenharia civil, existem muitas pessoas com câncer, inclusive da família dele. Para ele, é reflexo do contato direto com a água contaminada e com alimentos produzidos na cidade.


“Apesar da INB (Indústrias Nucleares do Brasil, responsável pela exploração) trazer vários projetos sociais para Caetité, não é a melhor maneira de troca que a gente tem. Tanto que Caetité é uma das cidades que menos evolui em comparação às vizinhas”, diz o estudante de engenharia.


Já a geóloga Alane Iasmin Cordara da Silva, de 24 anos, diz que, apesar de entender a preocupação das pessoas devido a falta de informação da própria empresa, a extração não é um risco. “A formação rochosa da base da cidade é possível ser vista também na superfície”, diz ela. “O contato com urânio acaba sendo inevitável e mesmo que a INB termine sua operação, a incidência de câncer será expressiva. Infelizmente a ‘culpa’ é da natureza mesmo.” Para ela o urânio é essencial para a indústria nuclear brasileira. “Não acho que deva parar a sua extração. Até porque a INB tem sua importância na cidade principalmente em geração de empregos”, declarou Alane. 


Desde 2014, quando a mineração da Mina Cachoeira foi esgotada, a produção parou. Mas o governo pretende retomar a mineração de urânio em 2020. A informação é de que a atividade está parada atualmente por problemas ambientais e devido à falta de recursos. Com o esperado início da produção da mina do Engenho, a INB espera que o número de funcionários aumente. “A retomada da produção em Caetité irá dinamizar a economia local através da geração de emprego, de renda e do recolhimento de impostos. Para o País, significará uma redução do valor gasto com a importação de urânio.”


Questionada sobre o retorno de funcionários que foram desmobilizados pela INB com a paralisação da exploração da Mina Cachoeira, a empresa afirmou que a interrupção da produção não acarretou desmobilização de empregados.


Por se tratar de uma empresa estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia, a maior parte dos colaboradores é concursada. Mas há também os que têm contratos específicos de trabalho, como é o caso do casal Alessandro Prates Gomes e Eunilva Pinto de Carvalho Gomes, demitidos com a promessa de retorno assim que começasse uma nova exploração.


Eunilva, de 35 anos, mais conhecida como “Lôra”, trabalhava como auxiliar de laboratório e disse que, apesar de imaginar que seria demitida assim como seu marido, o momento foi difícil. “Foi um baque, pois ficamos os dois desempregados de uma vez.”


Para driblar o desemprego, Alessandro passou a fazer bicos como pedreiro e Lôra decidiu fazer bolos. Quando soube que poderia vir a ficar sem emprego, teve a ideia de já começar a conciliar seus horários para produzir bolos sob encomendas. Inicialmente, como ainda trabalhava, fazia poucos bolos. Quando de fato o desemprego bateu à porta, a produção cresceu e ela procurou se capacitar para que o novo negócio desse certo.


Segundo ela, o que mais ajuda na renda da família hoje em dia é justamente a renda proveniente da venda dos bolos. Mas complementou: “Sem a ajuda do meu marido, com os bicos que ele vem conseguindo, seria difícil manter tudo. Pagamos as contas, mas não ficamos sossegados. Estamos levando”.


Por esse motivo o casal aguarda ansiosamente a retomada das atividades da empresa, almejando o retorno de pelo menos um deles. Lôra torce para que Alessandro seja chamado, pois para ele arranjar emprego está mais difícil. “Como eu gosto do que estou fazendo, posso continuar assim. Mas seria importante que meu marido retornasse.” A expectativa da INB é que a retomada da produção aconteça até o fim deste ano. Estadão

Mais Notícias

Camaçarico 4 de junho 2020
Bahia tem 290 cidades com sistemas de transportes suspensos
Aumenta número de homens que realizam tarefas dométicas
Pandemia interferiu no psicológico de quase 40% dos baianos
Camaçari registra 335 casos e 13 óbitos pelo Coronavírus
Governo anunciou até em sites de jogos de azar, diz CPI das fake
Produção industrial brasileira registra queda história em abril
Brasil ultrapassa as 31 mil mortes e registra mais de 558 mil casos
Tricolor fecha abril com prejuízo de R$ 1,4 milhão
Vendas de automóveis em maio é a pior em 28 anos


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2020 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL