Busca:

  Notícia
 
Procurador critica mudança de regra para investigar caixa 2


Deltan Dallagnol considera decisão do STF um retrocesso

O procurador Deltan Dallagnol criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF ), que nesta quinta-feira (14) decidiu que crimes como corrupção e lavagem de dinheiro, quando investigados junto com caixa dois, devem ser processados na Justiça Eleitoral, e não na Federal.

"Hoje, começou a se fechar a janela de combate à corrupção política que se abriu há 5 anos, no início da Lava Jato", escreveu Deltan em redes sociais após o fim do julgamento no Supremo. Nas últimas semanas, procuradores fizeram uma ofensiva pública contra a remessa de processos à Justiça Eleitoral. O próprio Deltan já havia dito que essa definição seria catastrófica e poderia levar à anulação de casos já julgados na Justiça Federal.

A Transparência Internacional também condenou a decisão. Em nota, a entidade afirmou que o resultado irá "impactar de forma grave a luta contra a corrupção". "[A decisão] ameaçará seriamente os processos já em curso, com risco real de impunidade, além de prejudicar o desenvolvimento de novos casos anticorrupção."

Por 6 votos a 5, o plenário do Supremo consolidou o que a Segunda Turma do STF, responsável pela Lava Jato, já vinha fazendo: investigações sobre políticos suspeitos de caixa dois e, ao mesmo tempo, de corrupção devem ser remetidas para os tribunais eleitorais.

Assim, um político que recebeu propina desviada de obras públicas e usou parte do dinheiro na campanha será processado na Justiça Eleitoral. Na avaliação de Dodge e de membros da Lava Jato, os tribunais eleitorais não têm estrutura para julgar crimes complexos e neles pode haver impunidade.

Os tribunais eleitorais têm deixado em segundo plano investigações da Lava Jato. Além de ser sobrecarregada com prazos e demandas relativos às eleições, a Justiça Eleitoral é vista por advogados de réus como atrativo para punições mais brandas.

Mais Notícias

Amazonia perde por dia cerca de 190 mil metros quadrados de mata
Governo recua e proíbe porte de fuzil por cidadãos comuns
Governo aumenta conta de luz através do aumento das bandeiras
Rui diz que não tem mais o que negociar com professor
Desaprovação ao governo Bolsonaro aumenta e supera os apoios
Justiça nega pedido e Elinaldo segue réu em processo penal
Sinjorba lança manifesto pelo fortalecimento dos jornalistas
Adolescente negro tem mais chance de cometer suicídio
Zé Dirceu divide cela com Eduardo Cunha e João Vaccari
Decreto de Bolsonaro libera fuzil semiautomático, diz fabricante


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL