Busca:

  Notícia
 
Reforma da Previdência vai afetar a renda dos mais ricos

Servidores públicos de alta renda, trabalhadores de classes mais altas e pessoas que entraram cedo no mercado estão entre os que devem ter mais benefícios reduzidos caso a proposta de reforma da Previdência, apresentada na última quarta-feira, seja aprovada pelo Congresso sem modificações.


No caso do primeiro grupo, funcionários públicos com renda superior a R$ 39 mil passarão a colaborar com uma alíquota de 16,79%. Hoje, a contribuição é de 11% e recai apenas sobre R$ 5.839, o teto da previdência. O valor descontado mensalmente dos salários desses trabalhadores é o que mais deve aumentar com a nova aposentadoria, segundo advogados da área previdenciária.


 


No caso do grupo dos trabalhadores de classe mais alta – tanto do setor público como do privado –, a redução dos benefícios ocorrerá por causa do fim da aposentadoria por tempo de serviço, que não exige uma idade mínima para se aposentar. Hoje, a maioria dos trabalhadores que se enquadra nessa regra pertence a classes mais alta, pois são pessoas que conseguiram participar do mercado formal de trabalho na maior parte de sua vida.


No último grupo, daqueles que começaram a trabalhar cedo, o impacto decorrerá da exigência de um tempo maior necessário para se aposentar. Uma mulher que começou a trabalhar aos 16 anos, por exemplo, e hoje tem 42 anos poderia pedir sua aposentadoria daqui a quatro anos, segundo a atual regra por tempo de serviço. Pelo texto enviado pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso, porém, serão necessários mais 20 anos para essa pessoa se aposentar, já que a regra de tempo de contribuição deixa de existir.


Para a advogada Cristiane Ianagui Matsumoto, do Pinheiro Neto, a proposta para a Previdência deve ter um impacto geral na vida do trabalhador, que, de forma geral, gastará mais com contribuição e precisará ter uma idade maior para conseguir receber 100% do benefício. Ela exemplifica com o caso de mulheres, que hoje podem se aposentar aos 60 anos e com 100% do benefício tendo contribuído por apenas 15 anos. Com a reforma, será necessário trabalhar até os 62 anos e contribuir por 20 para ter 60% do valor.


Há, porém, o outro lado da reforma, cujo texto preliminar garante uma redução na alíquota de contribuição dos mais pobres de 8% para 7,5%. De acordo com cálculos da consultoria LCA, cerca de 23 milhões de trabalhadores brasileiros com carteira assinada se enquadram nessa situação. Estadão

Mais Notícias

Amazonia perde por dia cerca de 190 mil metros quadrados de mata
Governo recua e proíbe porte de fuzil por cidadãos comuns
Governo aumenta conta de luz através do aumento das bandeiras
Rui diz que não tem mais o que negociar com professor
Desaprovação ao governo Bolsonaro aumenta e supera os apoios
Justiça nega pedido e Elinaldo segue réu em processo penal
Sinjorba lança manifesto pelo fortalecimento dos jornalistas
Adolescente negro tem mais chance de cometer suicídio
Zé Dirceu divide cela com Eduardo Cunha e João Vaccari
Decreto de Bolsonaro libera fuzil semiautomático, diz fabricante


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL