Busca:

  Notícia
 
Brasileiro está otimista com o novo Congresso, diz o Datafolha


​A onda que elegeu Jair Bolsonaro (PSL) levou a população brasileira a demonstrar o maior otimismo dos últimos anos com o trabalho de deputados federais e senadores que tomarão posse em 1º de fevereiro, mostra o Datafolha. Pesquisa realizada com 2.077 pessoas nos dias 18 e 19 de dezembro aponta que 56% dos entrevistados dizem acreditar que os novos congressistas terão um desempenho ótimo ou bom, número impulsionado por aqueles que votaram e/ou demonstram otimismo com a gestão de Bolsonaro.


O Congresso que trabalhará de fevereiro de 2019 a janeiro de 2023 terá uma nova feição. Na Câmara, por exemplo, mais da metade de suas 513 cadeiras serão renovadas em relação à atual composição, com destaque para o fortalecimento de grupos de direta alavancados pela onda bolsonarista.


Apesar de ainda ser muito alta, a rejeição ao trabalho desempenhado pelo atual Congresso diminuiu em relação aos recordes verificados em 2017 —agora 48% dos entrevistados apontam ser ruim ou péssimo o trabalho dos parlamentares, contra 60% em novembro de 2017, um mês após a Câmara dos Deputados barrar a segunda denúncia criminal da Procuradoria-Geral da República contra o então presidente Michel Temer (MDB).


De acordo com o instituto, apenas 8% dizem acreditar que será ruim ou péssimo o desempenho do novo Congresso (28% consideram que será regular).


O Datafolha também fez a mesma pergunta em 2010 e 2014, na véspera da posse do Congresso. Na ocasião, o otimismo era de 49% e 40% com o trabalho futuro, respectivamente.


A nova Câmara dos Deputados terá um aumento da representação de militares e líderes evangélicos, enquanto professores e médicos terão participação menor.


A guinada conservadora no Congresso, ocorrida com base no resultado das urnas, também vai reforçar a atuação das bancadas temáticas conhecidas como “boi, bala e Bíblia” —frentes parlamentares pautadas por interesses do agronegócio, de setores linha-dura da segurança pública e de religiosos.


Além de projetos relativos a costumes —aliados de Bolsonaro tentarão emplacar novamente a Escola sem Partido—, a prioridade dos parlamentares neste primeiro semestre deverá ser a análise da reforma da Previdência, projeto que foi engavetado pela legislatura que se encerra no dia 31.


Em relação ao trabalho que se iniciou em fevereiro de 2015 e termina agora, a aprovação (ótimo e bom) aos congressistas é de apenas 13%. Apesar de ser baixa, cresceu em relação a novembro de 2017, quando era de só 5%.


A atual legislatura foi, na média, a mais mal avaliada da história recente. Ela começou sob o comando de Eduardo Cunha (MDB-RJ) na Câmara, condutor do processo que resultou no impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016. Hoje Cunha está preso em decorrência das investigações da Operação Lava Jato.


Após assumir o governo, em maio de 2016, Michel Temer formou seu ministério com vários congressistas, o que o ajudou na tarefa de barrar na Câmara as duas denúncias criminais da Procuradoria-Geral da República contra ele.


Um mês após congelar a segunda, o Congresso atingiu o seu recorde de reprovação popular, segundo Datafolha, 60% de rejeição em novembro de 2017.


Do ponto de vista da imagem negativa de deputados e senadores, só dois períodos se aproximaram do atual, desde a redemocratização do país. Em 1993, último ano da hiperinflação e data do estouro do escândalo dos Anões do Orçamento —grupo de congressistas acusados de desviar recursos públicos para os próprios bolsos—, quando a reprovação estava em torno de 55%; e em 2005, ano da revelação do esquema do mensalão, quando chegou a 48%.


A estratificação dos dados da pesquisa do Datafolha mostra que os entrevistados que se declaram com ensino superior e os mais ricos são os mais críticos em relação ao atual Congresso e os mais pessimistas com o próximo. Para esses, a rejeição à atual legislatura fica em torno de 60% e o otimismo com o a próxima não supera 48% 


No campo dos que avaliam menos mal os atuais parlamentares e demonstram mais confiança nos próximos estão os eleitores do Centro-Oeste e Norte e aqueles que afirmaram ter votado em Bolsonaro ou ter boa expectativa com sua gestão. Para 69% dos eleitores do atual presidente da República, por exemplo, o desempenho dos próximos congressistas será bom ou ótimo.

Mais Notícias

Governo e Dow Química nada sabem sobre buraco na Ilha
Palocci diz que propina de usina bancou campanha de Haddad
MP investiga irregularidades com salários em 16 Assembleias
Camaçarico 19 janeiro 2019
Bolsonaro pode escolher reitor da Universidade do Recôncavo
Governo pode cortar benefício do INSS sem avisar beneficiário
Baterista e fundador do grupo O Rappa more aos 53 anos
Filho de Bolsonaro recebeu em 1 mês R$ 96 mil em depósitos
Policial do Bope é o principal suspeito pela morte de Marielle
Monte Gordo e Abrantes festejam padroeiros neste final de semana


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL