Busca:

  Notícia
 
Médicos aderem ao WhatsApp para reforçar atendimento


Ferramenta ajuda no atendimento, mas consulta presencial continua prioridade

Os médicos já aderiram às novas tecnologias para falar com os pacientes e aprovam essas ferramentas, mas querem manter o atendimento presencial. Foi o que apontou levantamento feito pela Associação Paulista de Medicina (APM) que mostrou que 85% dos profissionais são favoráveis à adoção de ferramentas de mensagem instantânea, como o WhatsApp. Além disso, 84,6% usam ferramentas de TI para otimizar o tempo de consulta ou observar os pacientes, mas 57,9% são contrários às consultas a distância.


“Há um grande desafio dessas novas tecnologias para que não afastem o médico do paciente e para que o médico não fique preso ao computador. Também precisa de uma regulamentação para o uso. Os médicos usam muito o WhatsApp para se relacionar com o paciente, mas o que é falado não fica registrado do prontuário do paciente. Isso se perde”, explica Antonio Carlos Endrigo, diretor de TI da APM.


Neurologista e presidente do conselho curador do Global Summit Telemedicine & Digital Health (evento que vai discutir o tema em abril de 2019), Jefferson Fernandes diz que a telemedicina já é uma realidade. “É necessário ter esse avanço, tanto o sistema público como o suplementar, porque é algo que não tem volta. Não podemos deixar de oferecer para as pessoas o que a Medicina tem de benefício para elas.”


Neurocirurgião dos hospitais Beneficência Portuguesa e do Sírio Libanês, Júlio Pereira até se comunica com seus pacientes, mas aposta no diálogo com os pacientes para evitar o uso indevido da ferramenta. “Especifico que é para uma dúvida pontual, para ter uma orientação. Para leitura de laudos e exames, a consulta é indispensável”, afirma ele. 


O Conselho Federal de Medicina (CFM) regulamentou, em 2002, uma resolução que classificou a telemedicina como exercício da profissão de médico. Estadão

Mais Notícias

Gilmar Mendes nega recurso e Caetano fica inelegível
MP não quer uso de drones durante o carnaval de Salvador
TJ-BA compra mais leite em pó que toda rede municipal da capital
Quase metade dos baianos está com restrição de crédito
Previdência quer cobrar mais de quem ganha mais
Previdência vai pagar R$ 400 a idoso em extrema pobreza
Reforma da Previdência começa a tramitar no Congresso
Camaçarico 20 fevereiro 2019
Flamengo se recusa a indenizar vítimas do incêndio no alojamento
Jogador brasileiro é tratado como mercadoria, diz procuradora


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL