Busca:

  Notícia
 
Ministro de Temer critica proposta de repasse para governadores


 O ministro da Fazenda do governo Temer, Eduardo Guardia, demonstrou preocupação com a ideia anunciada esta semana de dividir com os Estados o dinheiro a ser arrecadado com o megaleilão de áreas de petróleo previsto para o ano que vem. A proposta foi transmitida aos governadores eleitos na quarta-feira pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que disse que o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, havia se comprometido a estudar a ideia.


Para Guardia, no entanto, não se pode esquecer que a União passa por um problema fiscal gravíssimo, e os recursos do leilão – previstos em cerca de R$ 100 bilhões – já fazem parte da contabilidade da equipe econômica para ajudar a melhorar esse quadro em 2019. “Vamos lembrar que em 2019 temos um desequilíbrio da chamada 'regra de ouro' (que proíbe a União de se endividar para pagar despesas correntes, como salários)projetado de R$ 258 bilhões. E parte da solução para reduzir esse buraco passa pela receita do leilão”, disse o ministro, em entrevista ao Estadão/Broadcast.


Ele defendeu que, em vez de dividir o dinheiro com os Estados, sejam repassados aos governadores os recursos destinados ao Fundo Social – que foi criado para receber verba do pré-sal destinada a investimentos em áreas como saúde e educação. A gestão do fundo é de responsabilidade da União. Mas Guardia propõe que o dinheiro do leilão que vai para o Fundo seja repassado depois para os Estados aplicarem diretamente nos seus programas. A proposta de Guardia desvincula, na prática, os recursos do Fundo Social e evita que a União tenha de abdicar de uma fatia do bolo do leilão para os Estados e municípios, o que prejudicaria o seu ajuste fiscal.


Para ele, seria uma forma de descentralizar os recursos – uma das promessas de campanha de Jair Bolsonaro –, mas preservando a situação fiscal da União. Guardia apresentou a ideia a Guedes e ao próprio Eunício em um jantar nesta semana, costurado por ele após o mal-estar criado pelo futuro ministro da Economia ao dizer que era necessário dar uma “prensa” no Congresso para aprovar a reforma da Previdência.


Guardia fez ainda um alerta de que não adianta repassar mais dinheiro para os Estados sem ter a contrapartida do ajuste fiscal, que passa pela questão dos salários dos servidores e das previdências estaduais. “Não adianta jogar mais dinheiro lá para dar reajuste de salários e para continuar aposentando servidor público aos 53 anos”, afirmou. Ele lembra que, em 2016, a União foi obrigada, por determinação do Supremo, a renegociar a dívida dos Estados. “Demos suspensão do pagamento. E o que aconteceu? Aumentaram a despesa de pessoal.” Estadão

Mais Notícias

Gilmar Mendes nega recurso e Caetano fica inelegível
MP não quer uso de drones durante o carnaval de Salvador
TJ-BA compra mais leite em pó que toda rede municipal da capital
Quase metade dos baianos está com restrição de crédito
Previdência quer cobrar mais de quem ganha mais
Previdência vai pagar R$ 400 a idoso em extrema pobreza
Reforma da Previdência começa a tramitar no Congresso
Camaçarico 20 fevereiro 2019
Flamengo se recusa a indenizar vítimas do incêndio no alojamento
Jogador brasileiro é tratado como mercadoria, diz procuradora


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL