Busca:

  Notícia
 
Petrobras estuda alternativa para não fechar a Fafen

Arrendar as fábricas da Bahia e de Sergipe poderia evitar o fechamento definitivo das unidades da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen). A possibilidade foi levantada pela Petrobrás que ainda não  tem definição sobre a questão.  A desativação das fábricas foi anunciada em março deste ano e compõe o processo de saída integral da Petrobras na produção de fertilizantes. 


As atividades estavam  previstas para serem suspensas em outubro, mas na semana passada a empresa divulgou que o prazo seria prorrogado para o dia 31 de janeiro de 2019. A intenção da estatal é focar os investimentos em ativos que tenham menor risco e tragam mais retorno para a companhia. Em 2017, a unidade baiana registrou um prejuízo de cerca de R$ 200 milhões. 


A Petrobras  garante que “está envidando todos os esforços na busca por uma solução para as fábricas de fertilizantes na Bahia e em Sergipe, junto com o grupo de trabalho integrado pelos governos e federações da indústria dos dois estados”.  


Para o deputado estadual e ex-empregado da Fafen, Rosemberg Pinto (PT) rebate  o argumento de minimizar prejuízos ao afirmar que  “o valor global não justifica a privatização da unidade de fertilizantes”. O parlamentar explicou que a Petrobras utiliza um mecanismo para mensurar a rentabilidade das unidades que a compõem, mas defendeu que o resultado global da empresa é que deve ser levado em conta. Rosemberg disse que embora a Fafen dê prejuízo, em uma perspectiva geral a estatal obteve lucro. “No resultado global dela [Petrobras], deu R$ 6,6 bilhões de lucro. Essa história de prejuízo, em relação à Fafen, não condiz”, afirmou ao argumentar que não se deve dividir os prejuízos ou lucros de uma empresa por setor, e sim levar em conta o montante total.


De acordo com o superintendente do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), Mauro Pereira, a entidade defende um trabalho conjunto a fim de evitar problemas no fornecimento de suprimento de matéria prima para as empresas associadas.  Moesmo concordando com a decisão final da estatal, o Cofic solicitou um prazo entre 18 e 24 meses à Petrobras, para permitir que essas empresas possam se adaptar à nova logística. Com informações do Bahia Noticias

Mais Notícias

AMB diz que decisão de Cuba sobre Mais Médicos é retaliação
Justiça censura Globo e proíbe notícias sobre caso Marielle
Lula recebe 572 visitas em 6 meses de prisão em Curitiba
Fim do Mais Médicos pode deixar mais de 600 cidades desassistidas
Justiça proíbe apreensão de carro com IPVA atrasado
Ministro de Temer critica proposta de repasse para governadores
Brasil pode perder 11 mil médicos caso o Revalida seja exigido
Promoção da Black Friday pode ser armadilha para consumidor
Moro antecipa exoneração para evitar novos desgastes
Brasil registra quase metade dos feminicídios da América Latina


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL