Busca:

  Notícia
 
Bolsonaro tem pressa para iniciar transição de governo


Encontro com o presidente Temer deve acontecer na primeira semana de novembro

O candidato do PSL à sucessão presidencial, Jair Bolsonaro (PSL), pretende viajar a Brasília na semana seguinte ao resultado das eleições para um encontro com o presidente Michel Temer (MDB), caso seja eleito no próximo domingo (28). A ideia é que ele assuma pessoalmente a negociação da mudança de governo e apresente seus nomes para o grupo de transição. 


No encontro no Palácio do Planalto, Temer deve entregar a Bolsonaro uma espécie de cartilha, explicando as regras do processo e destacando as suas realizações. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha será o coordenador do processo e centralizará a transição.


Segundo relatos, o presidente pedirá na reunião que Bolsonaro mantenha as duas iniciativas que considera as marcas de seu governo: o teto de gastos e a reforma trabalhista. A equipe do candidato já se mostrou favorável a ambas, mas ressaltou que fará alterações pontuais para aperfeiçoá-las, como a criação de autorização legal para que os trabalhadores possam escolher seus sindicatos. Temer também defenderá a aprovação de uma reforma previdenciária, apesar de já admitir, em conversas reservadas, que não há clima político ou disposição parlamentar para votá-la neste ano.


Para coordenar uma equipe de transição de cinquenta pessoas, total ao qual legalmente tem direito de escalar, Bolsonaro irá sugerir o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), anunciado como eventual ministro da Casa Civil de sua gestão. O grupo será nomeado pelo Palácio do Planalto em cargos comissionados com direito a salário e passagem de deslocamento à capital federal. A oferta de auxílio-moradia será analisada caso a caso pelo governo federal.


Pelo decreto que regulamenta a transição, o novo presidente pode solicitar reforço na segurança. O ministro da Defesa também pode autorizar a utilização pelo presidente eleito de avião da FAB (Força Aérea Brasileira).


Bolsonaro afirmou que pretende fazer um processo de transição para o novo governo de maneira “muito tranquila”.Em reunião, com a presença de ministros das áreas política e econômica, ele informou que a iniciativa será conduzida pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que concluirá nesta semana a formatação de documentos para entregar ao seu sucessor no Palácio do Planalto. “Nós faremos uma reunião muito tranquila em relação ao novo presidente. Os dados estão sendo equacionados e formatados”, disse. Folha de São Paulo

Mais Notícias

AMB diz que decisão de Cuba sobre Mais Médicos é retaliação
Justiça censura Globo e proíbe notícias sobre caso Marielle
Lula recebe 572 visitas em 6 meses de prisão em Curitiba
Fim do Mais Médicos pode deixar mais de 600 cidades desassistidas
Justiça proíbe apreensão de carro com IPVA atrasado
Ministro de Temer critica proposta de repasse para governadores
Brasil pode perder 11 mil médicos caso o Revalida seja exigido
Promoção da Black Friday pode ser armadilha para consumidor
Moro antecipa exoneração para evitar novos desgastes
Brasil registra quase metade dos feminicídios da América Latina


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL