Busca:

  Notícia
 
Bolsonaro quer executivos do setor privado no seu governo


A equipe de Jair Bolsonaro (PSL) está reunindo apoio do setor privado para levar executivos ao governo, caso vença o segundo turno da eleição presidencial, no dia 28 deste mês. São pessoas que aconselharam o economista do candidato, Paulo Guedes, e as equipes do presidenciável nos últimos meses, e por isso sua participação no governo passou a ser discutida.


Fazem parte da lista Alexandre Bettamio, presidente-executivo para a América Latina do Bank of America, João Cox, presidente do conselho de administração da TIM, e Sergio Eraldo de Salles Pinto, da Bozano Investimentos (gestora de investimentos presidida por Guedes). Para integrantes da campanha de Bolsonaro, Bettamio poderia assumir a presidência do Banco do Brasil, dada sua experiência no setor bancário. O executivo mora atualmente em Nova York.


Do setor financeiro, há outros "paraquedistas"  —como estão sendo chamados esses executivos nos bastidores— sendo aguardados: Maria Silvia Bastos Marques, presidente-executivo da Goldman Sachs no Brasil e ex-presidente do BNDES, e Roberto Campos Neto, diretor do Santander e neto do renomado economista liberal.


A entrada dele no time é tratada como o símbolo da chegada dos chamados liberais autênticos ao poder e por isso passou a ser considerada como bastante provável entre apoiadores paulistas de Bolsonaro. Por sua experiência, Roberto Campos Neto poderia eventualmente assumir o Banco Central, caso a primeira opção, Ilan Goldfajn, não queira permanecer no cargo.


O atual presidente do BC é cotado para ficar e, em conversas reservas, Guedes já teria demonstrado o interesse em mantê-lo no cargo. Mas Goldfajn é ligado ao PSDB, colaborou com Arminio Fraga na campanha de Aécio Neves em 2014 e pode optar por deixar o BC. Um dos argumentos usados para atraí-los é a garantia de que poderão trabalhar sem interferência política.


Segundo aliados de Bolsonaro, Guedes também poderá aproveitar integrantes da atual equipe econômica, caso eles queiram permanecer nos cargos. O economista participou de algumas reuniões em Brasília nos últimos meses para tomar pé da situação econômica e se preparar para uma eventual transição. Nesses encontros, ele ficou próximo de Marcos Mendes e de Mansueto Almeida, do Ministério da Fazenda. Mendes é o chefe da assessoria especial da pasta. Almeida é o atual secretário do Tesouro.

Mais Notícias

Brasil cai para 6º lugar no ranking de população do mundo
Devendo R$ 80 bilhões Odebrecht pede recuperação judicial
Governadores do Nordeste querem retomar o programa Mais Médicos
Bloqueio de R$ 69 milhões e ação judicial pioram astral de Neymar
Cresce o número dos que pagam dívidas mas voltam a dar calote
Maurício Bacelar é o novo diretor da Agência de Defesa Agropecuária
Assassino de Moa do Katendê vai a juri popular em setembro
Governo gastou R$ 1,6 bilhão com vantagem para servidor
Levy deixa o BNDES depois de críticas do presidente Bolsonaro
Construção de anexo do TJ-BA fica mais cara e sobe para R$ 68 mi


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL