Busca:

  Notícia
 
Indefinição eleitoral aumenta risco do Brasil para investidores

As incertezas em relação ao desfecho das eleições presidenciais, aliadas a um cenário externo mais tumultuado para os países emergentes, fizeram o risco Brasil dobrar neste ano. O CDS (credit default swap, uma espécie de seguro contra calotes da dívida de países), que estava em 140 pontos em janeiro, está agora em 282 pontos – depois de alcançar 310 em agosto. Entre os principais emergentes, o Brasil só está melhor que Argentina, cujo risco país está em torno de 700 pontos, e a Turquia, na casa dos 500.


O risco país é uma espécie de sobretaxa que se paga em relação aos títulos do Tesouro americano, considerados os papéis mais seguros do mundo. Ou seja, quanto maior o risco, mais o investidor estrangeiro quer receber de juros para comprar os papéis daquele país, já que a possibilidade de um calote é considerada mais alta. Na prática, um risco país alto acaba afugentando investimentos. Em 2008, quando o Brasil conquistou o grau de investimento pelas agências internacionais (que é um selo de bom pagador), o CDS estava em cerca de 100 pontos.


No caso brasileiro, segundo analistas, a eleição é a principal responsável pelo aumento do risco país. E a avaliação é que esses números podem subir ainda mais, dependendo do quadro que se desenhar para o segundo turno.


Economistas ressaltam que a principal preocupação do mercado financeiro é se o novo presidente vai prosseguir com o ajuste fiscal, pois a dívida pública brasileira tem trajetória considerada insustentável. Uma das principais medidas de solvência de um país, a relação entre a dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil está perto de 80%, enquanto a média dos emergentes é de 50%.


 Na eleição de 2002, o risco do Brasil chegou a encostar em 4 mil pontos, mas os especialistas ressaltam que, além da metodologia diferente no cálculo, o contexto na economia brasileira era bem diferente. As contas externas estavam muito ruins e o País era endividado em dólar: tinha um passivo de US$ 164 bilhões e apenas US$ 37 bilhões em reservas internacionais. Agora, além de ter reservas de US$ 380 bilhões, é credor líquido em moeda estrangeira. Com informações do jornal O Estado de São Paulo

Mais Notícias

Odebrecht mantinha 'bunker da propina' no centro de São Paulo
Camaçarico 22 de abril 2019
Tricolor vence o Bahia de Feira é fatura 48º campeonato baiano
Economia do Brasil encolhe e fica próxima da Colômbia e do Peru
Governo decreta sigilo sobre estudos que mudam a Previdência
Congresso gasta R$ 2,8 bi com despesas extras de parlamentares
Polícia baiana está entre as que mais matam no Brasil
Presidente do Supremo nega 'mordaça' ou 'censura' à imprensa
Brasil tem a pior participação no PIB mundial desde os anos 1980
STF permite entrevista de Lula e suspende censura a site


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL