Busca:

  Notícia
 
Brasil tem baixa presença de robôs na produção industrial


O Brasil ocupa a 39ª posição no ranking de 44 países que mais usam robôs na produção industrial. Segundo dados da IFR (Federação Internacional de Robótica, na sigla em inglês), o Brasil tem dez robôs a cada 10 mil trabalhadores. A média global é de 74. A liderança é da Coreia do Sul, com 631 robôs por 10 mil trabalhadores, seguida por Singapura (488) e Alemanha (309). 


Segundo Fernando Madani, coordenador do curso de engenharia de controle e automação do Instituto Mauá de Tecnologia, o atraso ameaça a competitividade das empresas brasileiras. "Existe o medo da perda de empregos que a automação traria. Mas, se não formos mais eficientes, vamos perder todos os empregos", diz. Para Madani, um desafio para empresas que querem adotar robótica é ter mão de obra especializada para dar manutenção aos sistemas, especialmente no caso de pequenas e médias companhias.


Com preço cada vez menor, um robô pode ser comprado pelo preço de um carro premium, de R$ 300 mil. Empresas que fornecem robôs no Brasil, as estrangeiras ABB e Kuka e a nacional Pollux dizem que, apesar da presença baixa deles no país, a demanda vem em alta. Edouard Mekhalian, diretor-geral da Kuka para o Brasil, diz que a demanda por robôs cresce cerca de 15% ao ano.


Um dos sexemplos desse processo de automação é a fábrica da Unilever em Aguaí (SP). Depois que  um funcionário coloca um conjunto de 93 latas vazias na esteira, ninguém mais precisa encostar nelas para que caixas de desodorantes cheios e tampados das marcas Dove e Rexona deixem a empresa.  Fábrica possui empilhadeiras autônomas, que levam caixas com insumos e itens prontos de um lado para o outro, máquinas que sozinhas enchem as garrafas e as tampam em fração de segundo e braços robóticos que fazem o encaixotamento dos itens. Com informações do Jornal Folha de São Paulo


Equipadas com sensores, elas se comunicam. Ninguém precisa avisar que faltam latinhas na esteira. O sistema faz solicitações de mais suprimentos por conta própria. As máquinas registram tudo o que fazem e geram gráficos para que os operadores acompanhem o processo.  Com os robôs, 24 itens de um produto são analisados em 10 minutos, velocidade 4 vezes menor quando o mesmo serviço era realizado por  humanos. Com 3 anos de funcionamento, na Unilever de aguaí, a mais moderna dos 10 complexos fabrios da marca, nem o caminhão  é abastecido por trabalhadores. Caixas com o produto final são empilhadas sobre uma esteira posicionada na frente do veículo e descarregam o conteúdo ali dentro.

Mais Notícias

Governo e Dow Química nada sabem sobre buraco na Ilha
Palocci diz que propina de usina bancou campanha de Haddad
MP investiga irregularidades com salários em 16 Assembleias
Camaçarico 19 janeiro 2019
Bolsonaro pode escolher reitor da Universidade do Recôncavo
Governo pode cortar benefício do INSS sem avisar beneficiário
Baterista e fundador do grupo O Rappa more aos 53 anos
Filho de Bolsonaro recebeu em 1 mês R$ 96 mil em depósitos
Policial do Bope é o principal suspeito pela morte de Marielle
Monte Gordo e Abrantes festejam padroeiros neste final de semana


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL