Busca:

  Notícia
 
Desmatamento no Brasil gera prejuízo de R$ 20 trilhões


A redução do controle do desmatamento no Brasil pode custar até US$ 5,2 trilhões (quase R$ 20 trilhões) para o resto do mundo. A informação que ouve cientistas brasileiros foi publicada pela revista Nature Climate Chang. O desmatamento,  fruto dos retrocessos nas leis ambientais em troca de apoio político no Brasil, é o principal fator que pode levar o país a ter dificuldades de cumprir suas metas do Acordo de Paris para redução de emissões de gases de efeito estufa. Além de sobrar para outros países, a conta a pagar também pode acabar nas mãos de outros setores da economia brasileira.


No artigo “A ameaça da barganha política para a mitigação climática no Brasil”, pesquisadores das universidades UFRJ, UFMG e UnB calcularam os custos para compensar as emissões de carbono do desmatamento. A conta fica mais cara no cenário de uma política ambiental fraca por parte do Brasil —no qual as metas do Acordo de Paris não seriam cumpridas. Para segurar o aumento da temperatura média global em até 2°C, seria necessário que outros países desembolsassem US$ 5,2 trilhões (quase R$ 20 tri).


O valor é até três vezes maior do que aquele que seria gasto pelo Brasil para conter as emissões através da preservação ambiental. “O retrocesso para uma política do século 19 terá que ser compensado por tecnologias do século 21, ainda caras e pouco disponíveis”, diz Roberto Schaeffer, professor de planejamento energético da Coppe/UFRJ e um dos autores do estudo, para explicar a diferença dos custos, que ainda não havia sido quantificada.


No entanto, as ações de controle do desmatamento já são conhecidas como as mais baratas para a mitigação climática. Para comparação, o estudo usou como base o orçamento de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 3,8 bilhões), aplicado desde 2011 nas políticas de controle ambiental do país.


O estudo parte de três cenários de governança ambiental, elaborados pelo professor de ciência política da Universidade de Brasília (UnB), Eduardo Viola. O cenário de governança fraca é baseado no baixo controle ambiental do período pré-2005. As projeções de governança forte são baseadas no período de 2005 a 2012, quando o país reduziu suas emissões de carbono em 54%, principalmente através da redução do desmatamento em 78%. Já o cenário de governança intermediária é baseado na política atual, em que fortes mecanismos de controle ambiental convivem com concessões e retrocessos, desde a flexibilização do Código Florestal em 2012 e o fortalecimento da bancada ruralista no Congresso. Com informações da Folha de São Paulo

Mais Notícias

Padrasto de Eva deve responder por mais de 10 crimes
Maioria dos brasileiros vai curtir o carnaval sem deixar o celular
Reforma da Previdência corta até vantagens de deputados
MP aciona Téo, Marcelino e Oziel por gasto excessivo de combustível
Camaçarico 22 fevereiro 2019
Pesquisa mostra Rui e ACM Neto com boa aprovação pelo eleitor
MP aciona médico do HGC por descumprir jornada de trabalho
PSDB alega falta de código de ética e perdoa Aécio e Azeredo
Reforma da Previdência vai afetar a renda dos mais ricos
Autoridades policiais confirmam 176 mortes em Brumadinho


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL