Busca:

  Notícia
 
Mulheres representam apenas 15% das candidaturas ao governo

Das 175 pré-candidaturas cogitadas pelos partidos políticos, até o momento, para os governos dos estados e Distrito Federal, apenas 15%, ou seja, 27, são de mulheres. Levantamento feito pelo jornal Folha de São Paulo não inclui o PTC, PHS, PRB e PPL que não informaram se terão candidaturas próprias para o cargo.
Comparado às duas últimas eleições, o percentual de candidatas mulheres cresceu pouco.


Em 2014, elas eram 12% dos 162 candidatos a governos nas eleições. Já em 2010, esse percentual era de 10% de 150 candidaturas. Das 25 legendas que disputarão os governos, 14 terão mulheres em 19 estados e no Distrito Federal. 


Pesquisadora e professora da FGV (Fundação Getulio Vargas), Luciana Ramos avalia que o gargalo nos partidos deriva de uma cultura patriarcal, que determina que o lugar da mulher é no espaço privado, cuidando da família, e não no público. As atividades partidárias, por vezes, constituem a terceira ou quarta jornada que acumulam. “Aquilo que a sociedade exige da mulher não está em conformidade com aquilo que ela poderia fazer. Quando se diz que as mulheres podem tudo, é mentira, porque se exigem várias coisas que impedem de fato a sua vontade política de se candidatar”, diz.


Elevar o número de mulheres, entretanto, não é o suficiente para garantir mais mulheres eleitas. Em 2014, Suely Campos (PP) foi a única eleita para o Executivo estadual, em Roraima. Em 2010, foram eleitas Roseana Sarney (MDB), no Maranhão, e Rosalba Ciarlini (DEM), no Rio Grande do Norte.

Na avaliação da cientista política, professora da Universidade Federal da Bahia e pesquisadora do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP (Universidade de São Paulo) Teresa Sacchett, o caminho para aumentar a representação feminina na disputa a cargos majoritários, em que o voto é distrital, é fortalecer as organizações de mulheres dentro dos partidos para que haja mais chance nos processos de seleção. “Quando a disputa é acirrada, as mulheres saem perdendo”, diz.


Já no Legislativo, apesar da cota de 30% das candidaturas determinada por lei, um dos motivos para a falta de representatividade, na avaliação das especialistas, é a ausência de recursos destinados para as candidatas. Segundo as especialistas, um dos motivos é a falta de recursos destinados para as candidatas. Com informações do jornal Folha de São Paulo


Mais Notícias

AMB diz que decisão de Cuba sobre Mais Médicos é retaliação
Justiça censura Globo e proíbe notícias sobre caso Marielle
Lula recebe 572 visitas em 6 meses de prisão em Curitiba
Fim do Mais Médicos pode deixar mais de 600 cidades desassistidas
Justiça proíbe apreensão de carro com IPVA atrasado
Ministro de Temer critica proposta de repasse para governadores
Brasil pode perder 11 mil médicos caso o Revalida seja exigido
Promoção da Black Friday pode ser armadilha para consumidor
Moro antecipa exoneração para evitar novos desgastes
Brasil registra quase metade dos feminicídios da América Latina


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL