Busca:

  Notícia
 
Nova fase da Lava Jato mira ex-executivos da Petrobrás


Batizada de 'Deja Vu', operação tem como base informações fornecidas pela Odebrecht

A Polícia Federal prendeu 3 ex-executivos da Petrobrás e 3 operadores financeiros, um deles ligado ao MDB. A investigação da Operação Deja Vu, deflagrada na manhã desta terça-feira (8/5), aponta que a Odebrecht pagou propina equivalente a cerca de R$ 200 milhões entre 2010 e 2012 para obter um contrato com a Petrobrás de US$ 825 milhões.


A propina foi paga a funcionários da Petrobrás e a agentes que supostamente representavam políticos vinculados ao então PMDB, que teriam recebido outros US$ 31 milhões através de contas mantidas por operadores financeiros no exterior. Eles se encarregavam de disponibilizar o valor equivalente em moeda nacional, em espécie e no Brasil, ao encarregado pelo recebimento e distribuição do dinheiro aos agentes políticos.


A Deja Vu (sensação de que já se esteve naquele lugar antes) é a 51ª fase da Operação Lava Jato e cumpriu, além dos mandados de prisão, 15 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, Parati, Niterói, Jacuecanga, Petrópolis, Duque de Caxias, Areal e Miguel Pereira, todos no Estado do Rio, Guaratinguetá (SP), e Vitória, no Espírito Santo. Os mandados foram assinados pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Criminal de Curitiba.


De acordo com o Ministério Público Federal, o objeto do contrato era a prestação de serviços de reabilitação, construção e montagem, diagnóstico e remediação ambiental, elaboração de estudo, diagnóstico e levantamentos nas áreas de segurança, meio ambiente e saúde (SMS) para a estatal, em nove países, além do Brasil.


As provas para a deflagração da operação foram obtidas através dos acordos de colaboração premiada e de leniência firmados com o grupo Odebrecht e seus executivos, além de pedidos de cooperação jurídica internacional mantidos com a Suíça e investigações internas da Petrobras.

Mais Notícias

Começa segunda-feira o cadastro para o transporte universitário
Camaçarico 16 de julho de 2019
Procurador pede passagem e festeja não ter sido punido
Governo suspende convênio que produzia 19 remédios para o SUS
Consumidor já pode evitar ligações indesejadas de operadoras
Vale vai indenizar cada familiar de vítima com R$ 700 mil
Barragem que se rompeu foi construída sem fundação
Quase metade dos correntistas não sabe quanto paga de tarifa
Dívidas coloca ex-capitão da seleção na lista dos inadimplentes
Casas atingidas pela enchente em Coronel João Sá serão demolidas


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL