Busca:

  Notícia
 
Suposto operador do PSDB tinha 5 contas na Suíça


Paulo Preto é ligado a Serra e o ministro Aloysio Nunes

Quarenta e três dias depois de ter sido nomeado diretor de engenharia da Dersa (empresa responsável por obras rodoviárias de São Paulo), em 24 de maio de 2007, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, fez uma mudança e tanto nos negócios que mantinha na Suíça: abriu quatro contas no banco Bordier & Cie, em Genebra, segundo documento sigiloso que as autoridades suíças enviaram ao Brasil.


Foi entre 2007 e 2009 —durante o governo de José Serra (PSDB)— que essas contas receberam "numerosas entradas de fundos", ainda de acordo com o comunicado do Ministério Público da Confederação Suíça. As quatro contas tinham um saldo de US$ 34,4 milhões quando Souza, conhecido como Paulo Preto, decidiu transferir os recursos da Suíça para as Bahamas, no começo de 2017. O valor equivale a R$ 121 milhões, quando corrigido pela cotação da última sexta (4).


Na Suíça, o ex-diretor da Dersa já estava sob investigação das autoridades que cuidam do combate à lavagem de dinheiro e corria o risco de ter os R$ 121 milhões sequestrados pelas autoridades. Souza foi preso em 6 de abril pela Operação Lava Jato em São Paulo, sob acusação de ter desviado R$ 7,7 milhões na obra do Rodoanel Sul, o que seus advogados negam.


As quatro contas de julho de 2007 não foram as primeiras abertas por Paulo Preto na Suíça. Em 1993, ele e sua mulher à época começaram a operar com o banco Bordier & Cie, cada um com uma conta. Os procuradores suíços não detalham no documento o saldo dessas contas.A Receita Federal nunca foi informada por Paulo Preto das cinco contas que ele manteve na Suíça.


A propina supostamente entregue a Paulo Preto em seis obras da prefeitura e do governo paulista, segundo o relato de delatores, pode chegar a R$ 173 milhões.


Em 1993, o engenheiro era diretor de assuntos especiais do Metrô, no governo de Luiz Antônio Fleury Filho. Ele ocupou a posição entre abril de 1991 e janeiro de 1995. Foi nessa época que diz ter começado a se relacionar com o tucano que é considerado seu padrinho político: Aloysio Nunes. Naquele período, Aloysio era vice-governador e ocupava a Secretaria de Transportes Metropolitano.


O engenheiro chegou à diretoria de engenharia, que tocava grandes obras, orçadas em R$ 4 bilhões, no governo de Serra, em 2007. Segundo tucanos ouvidos pela Folha sob condição de anonimato, Paulo Preto foi indicado por Aloysio, então chefe da Casa Civil e atual ministro das Relações Exteriores do presidente Michel Temer (MDB).


Não era a primeira vez que Paulo Preto ocupava um cargo de direção na Dersa. Em 2005, no governo de Geraldo Alckmin (PSDB), ele foi designado para uma diretoria inexpressiva, a de relações institucionais, encarregada de manter contatos com prefeituras e investidores.


O advogado de Paulo Vieira de Souza, Daniel Bialski, não quis comentar o documento suíço obtido pela Folha. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, nega ter indicado o engenheiro para a diretoria de engenharia da Dersa. O senador José Serra (PSDB) também não quis comentar o documento. Com informações do jornal Folha de São Paulo

Mais Notícias

Começa segunda-feira o cadastro para o transporte universitário
Camaçarico 16 de julho de 2019
Procurador pede passagem e festeja não ter sido punido
Governo suspende convênio que produzia 19 remédios para o SUS
Consumidor já pode evitar ligações indesejadas de operadoras
Vale vai indenizar cada familiar de vítima com R$ 700 mil
Barragem que se rompeu foi construída sem fundação
Quase metade dos correntistas não sabe quanto paga de tarifa
Dívidas coloca ex-capitão da seleção na lista dos inadimplentes
Casas atingidas pela enchente em Coronel João Sá serão demolidas


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL