Busca:

  Notícia
 
PF quer saber se R$ 51 mi de Geddel veio de esquema na Caixa


Dinheiro encontrado em setembro é atribuído a Geddel Vieira Lima

Os  R$ 51 milhões encontrados num apartamento de Salvador e atribuídos aos irmãos Lúcio e Geddel Vieira Lima podem  estar ligados a supostos esquemas de corrupção na Caixa Econômica Federal. A Polícia Federal investiga, essa ligação no âmbito da Operação Tesouro Perdido. Os investigadores apreenderam atas da instituição na casa da mãe do ex-ministro. O documento mostra que a Caixa liberou R$ 5,8 bilhões em créditos a empresas investigadas. Do total, R$ 4,4 bilhões foram destinados a empresas da holding J&F. A mãe do ex-ministro, Marluce Quadros Vieira Lima, também é uma das denunciadas na investigação.


A denúncia foi feita em dezembro de 2017 pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no âmbito da Tesouro Perdido. Geddel, o deputado federal Lúcio Vieira Lima e o empresário Luiz Fernando Machado Costa Filho são acusados de associação criminosa e lavagem de dinheiro. Deles, a Procuradoria cobra R$ 51 milhões. A PF ainda investiga a origem do dinheiro. Um dos caminhos apontados pelos investigadores é o doleiro Lúcio Funaro, que revelou ter levado malas de dinheiro ao emedebista em voos a Salvador, que totalizaram R$ 20 milhões.


De acordo com as investigações, Funaro reconheceu entre os R$ 51 milhões, maços de dinheiro de um banco ligado à J&F. “Lúcio Funaro informou que os valores envoltos em ligas, com um pedaço de papel onde havia impresso o valor constante do maço de dinheiro, era exatamente como retirava o dinheiro dos seus doleiros e repassava para Geddel”, afirmou a PF no relatório.


Funaro reconheceu ainda ter operado propinas a peemedebistas relativos a negócios da Caixa Econômica. Para a PF, Geddel agia na instituição financeira “para beneficiar empresas com liberações de créditos dentro de sua área de alçada e fornecia informações privilegiadas para os outros membros da organização criminosa que integrava”.

Mais Notícias

Camaçarico 23 de fevereiro 2018
Promotor garante que ações contra secretária seguem na Justiça
Camaçari volta a contar com Centro de Zoonoses
Governador evita comentar ação e afastamento de Negromonte
Intervenção militar no Rio preocupa segurança de estados vizinhos
Cadeias brasileiras são inseguras com baixo número de agentes
Deputado acusa secretário da SSP de superfaturar compras de TVs
Negromonte vira réu por corrupção e é afastado do TCM
Juiz rejeita denúncia do MP contra secretária e critica promotor
Apenas 14% das crianças com microcefalia recebem atenção


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL