Busca:

  Notícia
 
Intolerância religiosa no Brasil registra 1 caso a cada 15 minutos

O Brasil registra uma denúncia de intolerância religiosa com  invasão e profanação de templos, a cada 15 horas.  É o que mostram dados do Ministério dos Direitos Humanos (MDH) feitos com base no serviço  Disque 100, canal que reúne denúncias. Entre janeiro de 2015 e o primeiro semestre deste ano o serviço  recebeu 1.486 relatos de discriminação religiosa que vão do xingamento a medidas de órgãos públicos que violam a liberdade religiosa. Na Bahia, são 132 procedimentos entre 2014 e 2017.


A análise de 2017 aponta que a maioria das vítimas de intolerância é de religiões de origem africana, com 39% das denúncias. Lideram o ranking umbanda (26 casos), candomblé (22) e as chamadas matrizes africanas (18). Depois, vêm a católica (17) e a evangélica (14). 


Só neste ano foram registrados 169 casos: 35 em São Paulo, 33 no Rio e 14 em Minas, Estados com maior número de ocorrências informadas. Comparado ao mesmo período de 2016, haveria recuo de 55%, mas Lima explica que a oscilação de denúncias não reflete a realidade. 


O cenário, que inclui ainda agressões verbais, destruição de imagens sacras e até ataques incendiários ou tentativas de homicídio, preocupa adeptos de diversas religiões e, em pelo menos oito Estados, o Ministério Público investiga ocorrências recentes de intolerância. Segundo Fabiano de Souza Lima, coordenador-geral do Disque 100. “A subnotificação é alta, considerando o cenário nacional”, diz. “Algumas pessoas não querem se envolver e preferem permanecer no anonimato a denunciar.”


Em São Paulo, foram 123 procedimentos em 2 anos, uma média de 1  cada 10 dias. Em um dos mais graves, em Franco da Rocha, na Grande São Paulo, um vizinho esfaqueou quatro pessoas em um terreiro. No Paraná, são 6 inquéritos neste ano. Um deles é de um babalorixá que se negou a retirar uma oferenda de uma esquina e cerca de 30 pessoas, com paus e pedras, quebraram seu carro e agrediram filhos de santo. Também há casos apurados por Rio, Goiás, Mato Grosso do Sul, Piauí e Distrito Federal.

Mais Notícias

General teme infiltração do crime organizado nas Forças Armadas
Igrejas e times de futebol devem R$ 14 bilhões ao Fisco
Gilmar Mendes vira 'muso' de marchinhas de Carnaval
IPVA com desconto de 10% pode ser quitado até 7 de fevereiro
Jornalista nega racismo e fala sobre os medos da mídia tradicional
Temer descumpre meta do Minha Casa, Minha Vida
Mais da metade dos brasileiros quer uma imprensa imparcial
PT faz campanha para levar militantes ao julgamento de Lula
Salvador vai gastar cerca de R$ 55 milhões com Carnaval
Quase 19 mil empresas fecharam as portas na Bahia em 2017


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL